A masculinidade dominante

(António Guerreiro, in Público, 07/05/2021)

António Guerreiro

Era de prever: a longa história da dominação masculina, que se manteve quase intacta mesmo depois de todos os combates pelas liberdades e emancipações nos mais diversos domínios políticos e sociais iria desencadear, quando os ventos soprassem de feição, um ambiente de guerra dos sexos e dos géneros. Esse ambiente está instaurado e não há tréguas à vista.

Assine já

 Os vários feminismos, do século XIX ao nosso tempo, foram ainda tentativas pacíficas de reivindicar a igualdade entre homens e mulheres. Tratou-se sempre de reclamar os direitos que os homens já tinham, mas sem pôr em causa verdadeiramente as prerrogativas masculinas. O feminismo procedia pela nomeação e interrogação das mulheres, sobre si próprias e os seus direitos. O movimento #MeToo introduziu um aspecto diferente: nomeou e apontou com o dedo a sociedade patriarcal, masculina; objectivou o que sempre tinha tido o estatuto de sujeito. E fê-lo com uma fúria que tem sido, nalguns momentos, associado a um terror delator. O #MeToo pôs os homens causa, declarou guerra à permanência do patriarcado, assaltou as fortalezas que guardavam os privilégios de género. Não é propriamente um movimento de reivindicação, como foram os vários feminismos, mas de ataque; tem um pensamento estratégico e não se fica pelas tácticas. Em suma: recorreu a alguma violência contra o que jamais se transformaria por meios pacíficos.

Nomear e objectivar o masculino, interrogá-lo e pô-lo em causa, é uma operação da maior importância, na medida em que lhe retira o privilégio que sempre teve: o de ser o próprio lugar da razão (daí, a mulher como bruxa, histérica, irracional, “continente negro”). Trata-se de uma autêntica revolução que muitos ainda não compreenderam ou que relacionam apenas com a guerra em curso e as suas tropas mais avançadas. Mas essa operação alargou-se, está a ser levada a cabo também por outros meios, mais serenos e reflexivos, o que é uma prova de que, para além de todo o ambiente de guerra, há algo muito mais profundo e irreversível que veio a de cima. Ou do qual essa guerra é um sintoma. Um historiador e escritor francês, Ivan Jablonka, tem dado um contributo enorme para uma crítica da sociedade patriarcal, da dominação masculina, tão alienada do exercício de introspecção. No seu último livro, Des hommes justes. Du patriarcat aux nouvelles masculimités, ele define uma moral do masculino, capaz de instaurar uma “justiça de género”. Trata-se, como se diz logo na introdução, de uma utopia. Mas de uma utopia que deve guiar o pensamento e a acção. Essa “justiça de género” obriga, por exemplo, a pensar muito a sério o que se tem revelado muito difícil de pensar, a diferença entre a sedução e o assédio, sem que se acuse de operação “policial” o que é uma prática justa ou, inversamente, sem que a justiça de género se transforme em polícia de género. Ivan Jablonka mostra que não tem nada de bizarro — e responde adequadamente a uma necessidade terminológica — o conceito de “masculinidade tóxica”. É um modo de definir certas formas de masculinidade que consistem na adesão, responsável por modos de alienação masculina, a um certo número de estereótipos. O que é que a masculinidade tóxica aliena? Aquilo a que Jablonka chama as “masculinidades dissidentes”. A masculinidade tóxica coincide com o modelo do macho tradicional (cujo reinado, diz Jablonka, chegou ao fim) como máquina de dominação, não apenas das mulheres, mas também dos homens cuja masculinidade é considerada ilegítima, dissidente ou débil. Por isso, é importante que aquilo que dantes era designado como “drama passional” seja hoje dito com a palavra “feminicídio” porque é disso que se trata: uma mulher que é morta pelo cônjuge ou ex-cônjuge enquanto mulher. A masculinidade criminosa é uma tipologia que não tem equivalente no feminino, o que mostra bem até onde chega a masculinidade de dominação.

A utilização do plural, masculinidades e não masculinidade, é da maior importância no discurso de Jablonka. Desde logo porque permite dissociar a masculinidade da virilidade (a primeira tem um sentido muito mais lato), e depois porque é um modo de dizer que não existe o “eterno masculino”, há muitas formas de ser homem.

Na verdade, o “eterno feminino” foi uma operação retórica através da qual era o masculino que se eternizava, até porque o que sempre se disse, antes e depois de Verdi, é que “la donna è mobile”.


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

A encruzilhada da esquerda

(Miguel Sousa Tavares, in Expresso, 07/05/2021)

Miguel Sousa Tavares

Não me preocupa o impasse da direita portuguesa, a sua estagnação eleitoral e a sua incapacidade letárgica de abrir caminhos alternativos. Nem sequer sei se a tão contestada (pela esquerda) convenção do MEL já aconteceu ou não e nem percebo que importância tem isso. O que me preocupa é a esquerda. Claro que teoricamente, e a bem de uma democracia saudável, seria desejável que houvesse sempre latente uma alternativa de poder à direita, mas ela acontecerá no dia em que a direita e o centro-direita em Portugal encontrarem a fórmula e as pessoas certas para a encarnar. Até lá, e porque estamos ainda longe disso, o que me preocupa é como a esquerda exerce o poder e, sobretudo, que não desperdice oportunidades de aprender com as lições do passado, de servir as pessoas, de se ocupar de resolver os seus problemas concretos — numa palavra, de governar para o bem comum. Cem dias de Administração Biden nos Estados Unidos foram suficientemente eloquentes para que a esquerda portuguesa, e em particular o PS, meditem naquilo que pode ser feito, com muito menos preconceitos ideológicos e muito menos submissão a agendas da moda e muito mais avanços onde interessa. Enfrentando uma oposição política e social infinitamente mais acirrada do que aqui, Joe Biden traçou um caminho claro e a direito, assente naquilo que é a restauração do património de valores universais da esquerda: direitos humanos, compromisso absoluto com o combate às alterações climáticas, política externa guiada por princípios de democracia, solidariedade e não ingerência, combate à crise económica com cheques-família sem intermediação do Estado e redistribuição fiscal para combater as desigualdades (mas, atenção, ao contrário do que a malta economista do BE nas nossas universidades públicas aponta como exemplo sem indicar números, Biden, tal como a socialista Jacinda Ardern, da Nova Zelândia, pretende subir a taxa máxima de IRS, que abrange rendimentos acima de 480 mil euros por ano, de 37% para 39,6% — enquanto, entre nós, é de 48% para quem ganha mais de 80 mil e de 45% para quem ganha mais de 40 mil).

Saiba mais aqui

Para não dizerem que não falei de flores, começo por dar dois exemplos de medidas que o Governo anunciou ter em estudo recentemente e que me parecem verdadeiras medidas de esquerda, justas e inclusivas. Uma é a introdução automática (sem que os seus beneficiários tenham de a pedir) de internet de banda larga, gratuita, nos lares das famílias mais desfavorecidas. Outra é o estabelecimento de uma quota de acesso ao ensino superior, independentemente de testes de admissão, a favor de minorias étnicas e sociais. Aqui, aliás, até vou mais longe, defendendo que deveria igualmente haver uma quota semelhante, obrigatória, nos estabelecimentos de ensino primário e secundário privados. Estas são medidas úteis e de efeitos visíveis, pensadas para além da espuma ideológica em voga, dos tribalismos a servir e da simples inveja de classe, que vêm a par do desejo de castigar o mérito e o sucesso individual, comum a uma certa direita de nostalgia salazarista.

Não é por acaso, aliás, que não poucas vezes e em não poucas áreas encontramos essa direita nostálgica e esta esquerda punitiva em caminhos coincidentes que, se olharmos com atenção, desembocaram sempre num mesmo local: o triunfo do Estado e a ruína do país. Um bom exemplo disso é o episódio protagonizado pela ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública (!), lembrando-se de atribuir um edifício dos serviços que tutela a estudantes universitários filhos de funcionários públicos. Decerto sem ponderar bem as reminiscências do seu gesto, Alexandra Leitão, longe de qualquer acto de modernização do Estado, estava sim a recuperar a velha práctica salazarista de fazer dos funcionários públicos os protegidos do regime — e isto depois de já o terem sido ostensivamente no processo de vacinação. Pior ainda foi quando disse ter sido mal compreendida e se quis explicar, dizendo que, como o edifício era do Estado, só podia ser utilizado pelo Estado. Ou seja: é deles. O Estado é deles, os edifícios do Estado são deles, não são nossos. É como um clube privado, mas pago com o dinheiro de todos. Será apenas um fait-divers, mas é elucidativo de como este Governo de várias esquerdas é um navio com um piloto ao leme e vários imediatos, cada um folgando ou caçando as velas conforme os ventos que lhe interessa apanhar. Os inomináveis desastres do Novo Banco e da TAP — fruto da facção estatizante da esquerda no poder (e também da direita populista, em parte do que toca ao NB) — aí estão para nos lembrar por muitos anos a vir e muitos impostos a pagar o preço que custa governar para satisfazer dogmas ideológicos da adolescência.

Ao contrário, a vergonha sem nome do que se passa no Perímetro de Rega do Mira e no Perímetro de Rega do Alqueva aí estão para nos mostrar o que sucede quando a esquerda se distrai do que é essencial — por preguiça, por diletância, porque não vem nas redes sociais ou não se manifesta nas ruas. Resumindo, porque já aqui escrevi abundantemente sobre isto: naquelas duas áreas, em zonas que são nuns casos de Reserva Agrícola Nacional, noutros de Reserva Ecológica e noutros de Rede Natura 2000 e até de Parque Natural, empresas, grande parte delas estrangeiras, subsidiadas pelos nossos impostos, praticam uma indústria agrícola agressora do ambiente em todos os sentidos, altamente consumidora de água e contaminadora química dos solos, destruidora da paisagem e dos ecossistemas. E, para tal, empregam, quase todas, uma mão-de-obra proveniente da Ásia, pagos miseravelmente, explorados por intermediários mafiosos e vivendo em contentores de aço e em condições que, hipocritamente, só agora o Governo diz ter descoberto serem “desumanas”. Mas esta vergonha dura há anos, com conhecimento de todos, com denúncias várias e perante o silêncio de todos com responsabilidades políticas, a começar pelo Governo e pelos partidos de esquerda e centrais sindicais.

Onde estiveram, em todos estes anos, os ecologistas partidários, os anticolonialistas contra o passado, os anti-racistas militantes? Querem derrubar estátuas e aceitam contentores com seres humanos lá dentro? Discutem (e acho bem) as regras do teletrabalho mas não se incomodam com homens a trabalhar 12 horas por dia, sem proteccão social alguma e a viveram aos 16 em cada contentor? E porquê? Porque não se manifestam? Porque não são portugueses? Porque não são suficientemente escuros?

Socorro-me do Fernando Assis Pacheco: “Eu quero o dia claro sobre as gentes da minha terra/ o pensamento claro devorando-me a cabeça.” Eis aqui uma agenda eternamente moderna para a esquerda: a justiça possível para tantos quanto possível; e um pensamento claro para determinar as políticas necessárias para tal. E isso passa por governar fora da agenda das redes sociais, das modas, das tribos e do politicamente correcto que invade o pensamento consentido e a comunicação social. Passa por não ter medo de fazer aquilo em que se acredita estar certo — não em cada momento, mas sempre, como princípio de actuação. Por exemplo e para terminar: acreditar que a defesa do Estado de Direito é um dos pilares fundamentais da defesa da liberdade e da democracia, a par da defesa de uma imprensa livre e responsável. E a liberdade e a democracia são onde tudo começa, são património inalienável da esquerda, em todas as épocas e contra todas as modas ou clamores populares. Defender o Estado de Direito passa por defender coisas essenciais como a presunção de inocência de todos os acusados, o seu direito a contraditório e a um julgamento imparcial em tribunal e não na rua ou nos jornais, e a defender isto sempre, mesmo contra a rua, contra a imprensa, contra a urgência de julgar e condenar. Porque, no fim da história, a subversão do Estado de Direito e a subversão das regras de um jornalismo livre e responsável é um objectivo planeado pela extrema-direita: sobre as cinzas de ambos esses pilares de uma sociedade democrática, eles reclamarão, como sempre, a vinda de um caudilho salvador da pátria.

Miguel Sousa Tavares escreve de acordo com a antiga ortografia


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

Um mundo estratosférico, o dos banksters

(Por Júlio Marques Mota, in Blog A Viagem dos Argonautas, 06/05/2021)

Fala-se nos media sobre os milhões de euros em prémios que serão distribuídos pela Administração do Novo Banco e que, como se sabe, seremos todos nós a pagar. Digam lá o que disserem. Mas há perguntas a fazer.

A primeira pergunta a fazer é: Prémios de quê ou porquê? A segunda pergunta, feita a quem assinou o acordo pela parte do Governo, Mário Centeno, é saber se isso está no acordo assinado com a venda feita pelo Governo ao fundo americano. Se esta distribuição de prémios com o banco a dar prejuízos está no acordo, será então Mário Centeno que deverá explicar no Parlamento e ao povo português, o contribuinte, as razões de ser desse mesmo acordo. Se não está no acordo e se somos nós todos que pagamos, o famoso ou triste contribuinte, conforme a conveniência de Centeno, porque é que não se impede que isso seja feito? Ou será como diz o Financial Times que, a quem tem dinheiro, tudo é permitido? Relembremos a postura de António Costa e Mário Centeno no caso da Caixa Geral de Depósitos: uma vergonha, com um governo vergado à ganância de um bankster, António Domingues. Expliquem-me então as remunerações que eram propostas e que são agora auferidas, mais cêntimo menos cêntimo, por Paulo de Macedo. Era bom que Mário Centeno nos esclarecesse porque era o ministro de então. Pode mesmo tomar como referência quanto ganha o atual Presidente do FED, Jerôme “Jay” Powell.

Mas acrescente-se: tenho pena desses senhores banksteres, muita pena mesmo. Estão habituados a um nível de vida estratosférico. Um exemplo disso é-nos dado hoje por Matt Levine quando nos fala de um dos bancos globais, o Crédit Suisse, e do seu ex-diretor da gestão de ativos, Eric Varvel, assim como da sua maravilhosa vivenda em Provence (ver texto aqui).

Vale a pena ler o seu texto e assim percebemos como não há dinheiro suficiente que satisfaça esses banksters e é isso que explica a necessidade desses milhões que dos bolsos de todos nós poderão sair para aplacar a ganância desses atores globais a trabalharem em bancos globais.


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.