Em defesa do Tiago (Brandão Rodrigues)

(Joaquim Vassalo Abreu, 17/10/2019)

Vassalo Abreu

Dos vis ataques de um franco atirador (Daniel Oliveira), um autêntico “sniper” que, mesmo não conhecendo a vítima, sobre ela não hesita em atirar.

Para além de preciosidades várias como “um verbo de encher que poderia ser substituído por um boneco insuflável e ninguém daria pela diferença…”, prognosticava-lhe uma “curta e irrelevante carreira política…e, no caso dos professores “ia fazendo cair o Governo…”. “ um imóvel inútil” sentenciou  o “sniper” Daniel.

Desde já uma declaração de interesses: conheço Tiago e toda a sua Família desde pequeno, acompanhei o seu percurso académico e científico e sou seu Amigo, desde muito antes dele ser Ministro.

E assim, em primeiro lugar, acerca do TIAGO, quero elucidar o opinador Daniel: ele precisa tanto da política como eu preciso do Daniel. Não é seu amigo e isso é, desde logo, um constrangimento para si. Não frequenta os seus círculos e esse pormenor, mais que um constrangimento, é para si uma tremenda dor de cabeça pelo , que se pergunta boquiaberto: como é que Costa foi buscar este “gajo”, não se arrependeu e não o despediu? “Só por teimosia ou alienação…” alvitrou o dito que, quando o TIAGO foi há quatro anos nomeado, também sentenciou que o TIAGO ia ser “ um boneco nas mãos do Nogueira..”, ou coisa assim do género…

Como é que Centeno, a quem nos primórdios chamou de “nabo” em política e que só estava no Governo para prejudicar o Costa, também foi reconduzido, parece que já não é mistério para si e até devia, se fosse coerente. 

Só que acontece que ambos não se ofereceram a Costa: foi Costa quem os convenceu a saírem das suas zonas de conforto e integrarem o seu Governo. E também não consta que Costa seja desleal para quem, para lá da competência, lhe seja leal.

Mas se o Daniel não sabe, e “arrota postas de pescada” como quem palita os dentes, de como funciona Costa e os seus Governos e como politicamente são administrados, eu até que também o poderia elucidar…mas não vale a pena pois o Daniel é um pensador de certezas feitas! Mas ele que diz que “ O Daniel pensa”, deve ter pensado bem no que escreveu.

Com que então o “imóvel inútil” TIAGO ( Brandão Rodrigues), que pelos vistos o Daniel não conhece, nem alguma vez ele lhe deu trela, andou a “pastar” quatro anos e o pastor Daniel nunca o viu! Andava escondido do rebanho do Ministério e que quem dirigiu as lutas foi a Alexandra Leitão ( competentíssima, é verdade) e o João Costa que, para o sapiente e bem informado Daniel, também teriam assento no Conselho de Ministros.

Conselho onde, por incompetência do TIAGO, só poderia ser,  eram eles que discutiam e definiam as estratégias (vide casos dos Contratos de Associação, Manuais Escolares ou Progressão na Carreira dos Professores)…Que é que o Daniel que tudo julga saber afinal sabe? 

Ou seria o malandro do Costa que, ultrapassando o TIAGO pela esquerda baixa, ia reunir à socapa com a Alexandra e com o João para lhes dar as indicações do Governo? O Daniel até que acredita que sim…e aí eu já nem sei se hei-de rir ou chorar! 

Mas este nosso inefável Daniel, jornalista político e político comentador em tudo o que à Impresa diga respeito, a quem reconheço fácil verve em delirantes elucubrações, não podendo assim às boas confessar, ficou desgostoso com o fim da Geringonça, não tanto por esta em si mas pela não cedência do Costa ao seu ex-amado mas nunca esquecido Bloco, e pelo avilte de este ter convidado a votar contra a sua nomeação, remetendo-o para uma certa irrelevância activa ! E isso não se faz ao Daniel!

O sonho do Daniel era ver o José Soeiro no lugar do TIAGO, uma Mortágua no lugar do Centeno e a outra no lugar do Heitor ( ou o vice versa) e a Catarina no lugar do Siza! Isso é que seria um Governo, não era Daniel?

Advertisements

As eleições e o próximo Governo

(Carlos Esperança, 18/10/2019)

Carlos Esperança

Contrariamente ao que afirma a comunicação social, o PS não ganhou as eleições, foi apenas o partido mais votado, a razoável distância do segundo. Pensar diferente é legitimar a vitória do PSD nas anteriores legislativas, como se as eleições se destinassem a eleger um governo e não os deputados à AR.

Ao contrário dos analistas encartados, que dizem não ter oposição, o próximo governo já conta com a hostilidade da comunicação social, a agitação sindical, os palpites do PR e a oposição de Francisco Assis, agora livre na oposição interna da ala mais conservadora.

Desejei a repetição dos acordos que permitiram a última legislatura, mas, depois da campanha eleitoral e das alterações à geometria partidária, tornaram-se inviáveis, e não adianta procurar culpas onde se percebem os interesses próprios de cada partido.

O PS está só, numa conjuntura internacional instável, e a longevidade do seu governo depende mais das convulsões da União Europeia e evolução económica dos parceiros comerciais do que dos humores das oposições antagónicas.

No início terá a indulgência da esquerda e a inação da direita, em convulsão profunda, até esta encontrar o D. Sebastião que surgirá do intenso nevoeiro que a envolve, ainda que tenha de suportar Rui Rio mais tempo do que deseja, por ele valer muito mais do que a concorrência.

O medo de apear o próximo governo pode atrasar a queda, mas quando a popularidade baixar e os interesses do PR e os das oposições convergirem, teremos eleições antecipadas, a menos que um improvável erro maioritário dê pretexto à demissão do governo e o reforce.

Pode dar-se como certa a demora da direita a lamber as feridas, mas não haja a ilusão de que, com este PR, a queda do atual governo possa dar origem a outro mais à esquerda.

Das críticas ao Governo anterior, imprescindíveis à democracia e compreensíveis na oposição, foi obscena a obsessão mórbida dos incêndios e os ataques aos laços familiares de membros do Governo, como se ministérios e secretarias de Estado, da estrita confiança do PM, fossem sinecuras ou tivessem caráter vitalício. Não se pode confundir a precariedade dos governantes com os lugares rentáveis e estáveis que a política distribui.

Penso que o ruído criado à volta das relações familiares de ministros competentes condicionou as escolhas de António Costa para o próximo governo. Para ruído basta a interesse que o IL e o Chega suscitam, não por serem exóticos, mas por serem perigosos.

É a vida.

Um governo sem oposição

(Anselmo Crespo, in Diário de Notícias, 17/10/2019)

O país vive um momento político único. Tem um governo do Partido Socialista minoritário, uma esquerda aprisionada, um centro-direita praticamente irrelevante e dois pequenos partidos que vão atirando umas “bolas para a bancada”. Nada disto augura nada de bom.

Pela primeira vez em muitos anos, foi formado um governo sem que se tenha ouvido uma voz da oposição, digna desse nome. O Bloco de Esquerda fechou-se em copas, desorientado que está com o chuto que levou do PS. O PCP repete a cartilha das últimas décadas: “Mais do que os nomes dos ministros, o que nos interessa são as políticas” – mesmo que, daqui a uma semana, aprove o programa de governo, enquanto discorda das políticas.

O PSD tem mais em que pensar. Continua a viver a sua crise existencial, embrenhado numa disputa interna que promete arrastar-se até janeiro e agora não tem tempo para fazer oposição ao Governo. No CDS, o problema é mais grave: já sobram poucos para manter o partido de pé, quanto mais para fazer oposição. Restam o PAN, que está disponível para tudo, o Iniciativa Liberal e o Chega – duas das três novidades no Parlamento – que vão ocupando o espaço disponível e que são, à falta de melhor, o mais próximo de oposição que o governo de António Costa tem neste momento.

Por caricata que seja a situação, ela não deixa de ser muito preocupante. Os desafios políticos e económicos que o país tem pela frente são enormes e, em democracia, o papel da oposição é tão ou mais importante que o do governo. Pelo escrutínio que tem a obrigação de fazer, mas, sobretudo, pela alternativa que representa para os eleitores.

António Costa parte para esta segunda legislatura como se fosse um eucalipto. Os últimos quatro anos de geringonça secaram tudo à volta e deixaram o país sem alternativas políticas. O Bloco de Esquerda e o PCP por razões óbvias: com ou sem papel, ninguém tem dúvidas de que o PS, na hora da verdade, sobrevirá com o apoio de um destes dois partidos. É só dar-lhes umas “bandeiras” que permitam fazer manchete no jornal do dia seguinte. “Conquistas” que nunca teriam existido sem a pressão da esquerda, mas que, na verdade, são o seguro de vida do Partido Socialista no poder.

O PSD vai demorar algum tempo a voltar ao ativo e, quando voltar, há duas hipóteses: ou regressa com Rui Rio ou tem Luís Montenegro como presidente do partido. Nenhum destes dois cenários é propriamente mau para António Costa. Se Rui Rio continuar, Costa poderá contar sempre com um parceiro no centro-direita, quando a esquerda lhe falhar. Mas se Luís Montenegro chegar à liderança do PSD, esse será o cimento de que a esquerda precisa para apoiar ainda com mais entusiasmo um governo do Partido Socialista. É como se Passos Coelho tivesse encarnado em Montenegro e recuássemos quatro anos.

O CDS, estimo, vai deixar de fazer mossa durante algum tempo. O partido que Paulo Portas agigantou voltou a tornar-se um anão político, ensanduichado agora entre o Iniciativa Liberal e o Chega. O que é uma pena porque o CDS foi, até hoje, uma espécie de tampão da extrema-direita e, por causa de uma crise de identidade entre a direita mais conservadora e a mais liberal, acabou por ser engolido pelas duas.

Como oposição, sobra-nos, neste momento, o Iniciativa Liberal e o Chega, dois partidos que são ainda muito pequenos. O Livre não conta porque, claramente, está mais interessado em disputar o campeonato das “bandeiras” políticas com o BE e com PCP. O PS está, por isso, bastante folgado. Com deputados suficientes para uma geometria que pode variar entre o BE, o PCP e o PSD e com a margem de manobra suficiente para fazer “oposição” a quem lhe devia fazer oposição

Claro que tudo isto pode mudar “de um dia para o outro”. Basta vir uma crise. Basta haver uma coligação negativa idêntica à dos professores na anterior legislatura. Basta acontecer o imprevisto que, quando acontecer, todos previram. Mas, para já, António Costa só podia ter desejado um cenário melhor: uma maioria absoluta. Coisa que o eleitorado não lhe deu e que o devia fazer refletir.