QUEM DÁ MAIS OU O PERÓN DE CELORICO

(In Blog O Jumento, 23/10/2017)
peron_marce
Uma semana depois dos incêndios da semana passada o país vive um leilão. Quem dá mais beijinhos e abraços? Quem dá mais medidas? Quem dá mais dinheiro às vítimas? Quem dá mais vontade de chorar com os discursos oficiais? Quem apoia mais as medidas do governo?
No meio de tudo isto as vítimas são marionetas de ambições pessoais, de jogos partidários, de comentadores de qualidade discutível. Os problemas deixam de ser avaliados de forma racional, as políticas não carecem de reflexão, os dinheiros públicos jorram sem controlo público, as oposições devem deixar do ser em nome do unanimismo. Todos trabalham para a imagem, convém usar gravata preta e ter uma cara de acabou de saber que lhe morreu o pai.
O país vive uma bebedeira provocada pelos incêndios, Marcelo impôs uma metodologia de abordagem dos problemas, vai à frente dar beijos e abraços, chorar lágrimas de crocodilo, conquista o amor do povo, a velhinha chora, ele afaga, a televisão filma, o fotógrafo fotografa, o autarca põe um ar condoído, a jornalista chora, a senhora protesta e pede apoios para já, ele aponta ao governo, se ali não estivesse o protesto não seria filmado, ninguém ouviria a pobre senhora.
Os políticos deixam de ser avaliados pela competência, pela capacidade de refletir, o que dantes implicava preparação deve ser agora decidido na hora, Marcelo ouve o protesto e pede à televisão para transmitir em direto. No telejornal o apelo aparece, o primeiro-ministro vê, chama a televisão e diz que vai resolver o problema. É o governo na hora, ninguém pensa, ninguém equaciona, ninguém faz oposição, anda tudo a toque de caixa, é competente quem chorar mais, quem der mais beijos e abracinhos, quem conseguir levar os outros à lágrima.
O país deixou de ter governo, os governos deixaram de ter programas, o presidente suspende a agenda, o país nada perde porque as agendas presidenciais não passam de um calendário de almoços e jantares, alguns deles bem duvidosos como aquele do Santana Lopes. Sem agenda o presidente anda pelos problemas e subverte a democracia, a partir de agora o poder não emana da maioria parlamentar, não está na ponta da espingarda como diria Mao, agora está na lente da objetiva, na ponta da objetiva, de onde saíam balas saem agora imagens para destruir governos.
Já não é o general que a mando do comandante ordena que se aponte o canhão, agora é o presidente que monta o cenário, o assessor da comunicação que diz aos jornalistas quando devem filmar e estas apontam a câmara no momento adequado para passar a mensagem.
O governo deixa de governar, agora anda a toque de caixa e faz o que o presidente manda em direito, as ovelhas estão sem comer? o governo manda rações, a velhinha perdeu as galinhas? o governo manda um galinheiro novo. Estão a ver, diz o presidente, como eu consigo o que ninguém consegue? Nunca o país viu um santo milagreiro tão eficaz.
O problema é que neste imenso choradinho nacional promovido por Marcelo são os problemas que ele exibe que ficam mal resolvidos e todos os outros são ignorados, se hoje o que está a dar é o Pedrógão, amanhã serão esquecidos os de Pedrógão e passam a ser os de Oliveira do Hospital a estarem na moda. Como já estiveram os sem-abrigo, as agências de rating, o crescimento económico e tudo aquilo que foi útil para usar as televisões.
Este país já não precisa de governos e de Estado, é uma nova anarquia organizada, basta um presidente, uma comitiva de jornalistas e diretores de informação que usem os diretos e manipulem convenientemente a informação. O país mergulhou numa bebedeira populista nunca vista, aos poucos a crisálida da TVI está a transformar-se no Perón de Celorico.
Anúncios

“O adultério da mulher é um atentado à honra do homem”

(Paula Cosme Pinto, in Expresso Diário, 23/10/2017)

paula_cosme

(Nota breve ao texto e à notícia: Como é que atrasados mentais e trogloditas como estes podem chegar a juízes em Portugal? Tal facto é revelador do nosso atraso enquanto país e da nossa ausência de instituições democráticas e progressistas. Com gente desta a aplicar a Justiça como se estivesse na Idade da Pedra lascada, como pode o país crescer, modernizar-se e ter futuro? 

Estátua de Sal, 23/10/2017)


Um resumo breve: uma mulher mantém um relação extraconjugal por dois meses. Termina-a por vontade própria e o amante começa a persegui-la e a ameaçar mostrar fotos íntimas ao marido caso ela não mantenha relações sexuais com ele. Ela não cede. O amante conta ao marido. O casal separa-se. O ex-marido, despeitado e deprimido, ameaça e insulta continuadamente a mulher após a separação. Ex-amante e ex-marido, embora sem grande premeditação, juntam-se para se vingarem. Encurralam a mulher e agridem-na. Esta consegue fugir e apresenta queixa. O que tem a Justiça a considerar sobre isto? Que a imoralidade da vítima é que levou a que isto acontecesse. Sim, em Portugal, em 2017.

O acórdão supostamente proferido pelo Tribunal da Relação do Porto – e digo aparentemente porque até agora ainda ninguém o desmentiu – foi partilhado na íntegra pela plataforma Capazes e pode ser lido aqui. Mas para vos poupar a leitura total, deixo-vos algumas passagens, agradecendo desde já que não se use o cliché da descontextualização para menosprezar alguns dos excertos que aqui vou reproduzir. Desde a Bíblia, às leis de países que punem mulheres adúlteras com lapidação e ao velhinho Código Penal de 1886, parece que vale tudo para tentar culpar a mulher vítima de agressão, tentando-se assim justificar o injustificável:

– “Foi a deslealdade e a imoralidade sexual da assistente que fez o arguido X cair em profunda depressão e foi nesse estado depressivo e toldado pela revolta que praticou o acto de agressão.”

– “Este caso está longe de ter a gravidade com que, geralmente, se apresentam os casos de maus tratos no quadro da violência doméstica. Por outro lado, a conduta do arguido ocorreu num contexto de adultério praticado pela assistente. Ora, o adultério da mulher é um gravíssimo atentado à honra e dignidade do homem. Sociedades existem em que a mulher adúltera é alvo de lapidação até à morte”

– “Na Bíblia, podemos ler que a mulher adúltera deve ser punida com a morte. Ainda não foi há muito tempo que a lei penal (Código Penal de 1886, artigo 372.º) punia com uma pena pouco mais que simbólica o homem que, achando sua mulher em adultério, nesse acto a matasse”

– “A conduta do arguido ocorreu num contexto de adultério praticado pela assistente. Ora, o adultério da mulher é um gravíssimo atentado à honra e dignidade do homem. Sociedades existem em que a mulher adúltera é alvo de lapidação até à morte”

– “Com estas referências pretende-se, apenas, acentuar que o adultério da mulher é uma conduta que a sociedade sempre condenou e condena fortemente (e são as mulheres honestas as primeiras a estigmatizar as adúlteras) e por isso vê com alguma compreensão a violência exercida pelo homem traído, vexado e humilhado pela mulher”

Há algo que não podemos esquecer ao ler isto: os juízes – e os Tribunais – quando falam, falam em representação do Estado. Um Estado, aproveito para relembrar, que por cá é laico. Este tipo de argumentação com base religiosa e repleta de estereótipos de género, por mais que seja dada com a justificação em jeito de “a título de exemplo”, é inaceitável e, quer-me parecer, inconstitucional. Está carregada de moralismos, de juízos de valor, de interpretações de comportamento de cada um dos intervenientes totalmente enviesadas, com o género da vítima e dos agressores a ter um papel decisivo na forma com se olha para o caso. Como se o facto de se ser homem ou mulher tornasse a situação mais ou menos grave. Tudo isto nos leva ao caminho da normalização da violência, principalmente a que acontecesse em contexto de relação de intimidade. E essa normalização é talvez a estrada mais perigosa de todas, principalmente porque parece nunca mais ter fim.

CONTINUAMOS A DESVALORIZAR A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA EM PORTUGAL

Ainda me lembro de há uns meses também ter acontecido uma situação do género em Évora, quando o Tribunal da Relação anulou uma pena de violência doméstica usando este tipo de considerações: “Não é, pois, do mero facto de o arguido consumir bebidas alcoólicas, ou de tomar uma ou outra atitude incorreta para com a ofendida (por exemplo, ir ‘tirar dinheiro’ da carteira desta)” ou o facto de numa discussão “ter agarrado o pescoço desta com uma mão, ou de, perante a recusa sexual repetida (e assumida) da ofendida, o arguido pensar, e verbalizar, que a mesma tinha amantes” que se pode considerar que houve maus-tratos à vítima.

Por mais que os números anuais sejam assustadores, ainda desvalorizamos a violência doméstica em Portugal. Continuamo-nos a esquecer que a violência não passa exclusivamente pelas agressões físicas e a achar que estes crimes só são realmente crimes quando existe uma tentativa de homicídio ou quando a desgraça fatal já aconteceu. E mesmo nesses casos, ainda muita gente se põe a ponderar até que ponto a vítima não teve alguma culpa pela situação. Continuamos a tentar justificar as agressões quando devíamos, acima de tudo, questionar porque é que estas acontecem repetidamente, e em larga escala, com o mesmo padrão de géneros no que toca a vítimas e agressores. Se queremos analisar comportamentos por géneros, comecemos por este, por exemplo.

Continuamos a considerar que homens e mulheres têm obrigações e direitos distintos, já para não falar daquilo que é esperado enquanto conduta e comportamento social e familiar de cada um. Continuamos a achar que no toca à liberdade sexual, por exemplo, há diferenças entre o que é aceitável para homens e para mulheres. Continuamos a achar que o adultério feminino é mais grave, imoral, condenável e passível de vingança justificada do que o masculino. Continuamos a achar que as mulheres ainda se querem “belas, recatada e do lar”.

Está na altura de tirarmos a cabeça debaixo da areia e enfrentarmos a nossa realidade, que este acórdão do Tribunal da Relação do Porto tão bem corrobora: ainda vivemos sob a herança histórica de uma mentalidade patriarcal, misógina e, consequentemente, discriminatória. Com tribunais e demais órgãos de soberania a darem o mau exemplo.

Secretamente, confesso que continuo à espera que surja um desmentido a dizer que isto não passa de uma cabala da Internet. Que os nossos juízes – homens e mulheres, porque isto do sexismo não é exclusivo a um género – não contribuem para cenários de injustiça e discriminação como este, tendo por base a manutenção da dignidade e da honra do sexo masculino enquanto valor fundamental, e que pode ser ameaçado pelo comportamento feminino. Mas ou muito me engano ou isso não vai acontecer. Veremos.

História Universal da Infâmia

(Estátua de Sal, 22/10/2017)

Clara Ferreira Alves

Já publiquei hoje um excelente texto, retirado do Blog Um Jeito Manso, sobre os comentadores televisivos e as suas práticas, mormente sobre a prestação de Clara Ferreira Alves no último Eixo do Mal, no qual vociferou contra o actual Governo, contra António Costa, contra o PS, acusando este de enormes malfeitorias, terminando a lista das mesmas dizendo, e cito, “para já não falar de Sócrates”.

Pois bem, para aferirmos da credibilidade da escriba e comentadora, nada melhor que ler um artigo que publicou na Revista do Expresso, em 19/10/2013 e que aqui deixo. Em “História Universal da Infâmia”, glosando o título de uma conhecida obra de Jorge Luís Borges (a rapariga é culta, pois claro), Clara defende Sócrates com unhas e dentes e acusa Passos Coelho de traidor à Pátria, sendo ele o verdadeiro responsável pela vinda da troika. É por isso que fico cada vez mais espantado com os ataques que faz ao Governo de António Costa e ao partido socialista. Ou talvez não fique. Clara Ferreira Alves é uma anti-comunista primária, inoculada nos tempos da guerra fria, uma frequentadora dos Encontros de Bilderberg a quem o apoio do Partido Comunista a um governo PS, causa ataques de urticária em catadupa.

O mais curioso é que o referido artigo foi retirado do site do Expresso, mostrando o link para o mesmo apenas a cara e a biografia da escriba, como podem ver Aqui. Talvez para não causar muito embaraço à Dona Clara, a quem foram dadas instruções para que, hoje em dia, desdiga tudo o que escreveu.

Subscrevo na íntegra o texto de 2013 de CFA. A rapariga até escreve bem. Pena é que à qualidade de escrita não alie maior memória do passado e maior coerência com o que escreveu e defendeu. Só os asnos não mudam de opinião, costuma dizer-se. Mas uma coisa é mudar de penteado, outra é fazer o pino, como uma acrobata exímia. Clara Ferreira Alves, se alguma vez deixasse de ser uma “vedeta televisiva”, teria lugar garantido no Cirque du Soleil.

Aqui fica, a História Universal da Infâmia, por Clara Ferreira Alves:

 

infAMIA_2