O ilusionismo como profissão (Ou o confinamento produtivo de Portas)!

(Joaquim Vassalo Abreu, 19/04/2020)

Há largos tempos alguém perguntou ao Arquitecto Nuno Portas opinião acerca do seu filho Paulo. “ Um homem muito inteligente”, respondeu ele!

Sem dúvida que o é, mas sendo a inteligência, por definição e natureza, algo que temos, seja ela inata ou seja ela desenvolvida, mas que deve ser direccionada para a partilha e esclarecimento universais, daquilo que por ela mais facilmente atingimos ou obviamos, quando ela apenas serve para satisfação própria de objectivos pessoais e egoístas, ela torna-se naquilo que bem define o Povo: ESPERTEZA!

Ora a esperteza nada tem a ver com inteligência. Como em Marques Mendes e muitos outros…

Porque, na verdade, para além das “prédicas” que têm, dada talvez a sua superficialidade e esperteza, nos horários nobres das Televisões, eles têm o privilégio de a exacerbarem ao máximo que as suas inteligências alcançam, em algo redutor e dirigido.

Pois quando analisam, ao contrário do Marcelo quando também o fazia, pois este num dualismo para ele didático ao menos dizia que fulano de manhã esteve mal e de tarde esteve bem, de bem com todos mas falando de todos, estes apenas abordam uma parte da questão omitindo sempre, e deliberadamente, a outra parte, a menos interessante…

Mas, mais grave ainda tornam-se, porque alguém isso permite, “especialistas” de tudo e mais alguma coisa e, tendo ido ao Google consultar algo de imediato, na passadeira que lhes estenderam e no palco que lhes erigiram, promulgam verdades definitivas…Assim tipo “Josés Gomes Ferreiras” desta vida que, logo a seguir a seja que decisão política anunciada for vêm, mesmo que seja a quente, transmitir a sua (ou de quem servem) enquadrada opinião.

É assim o “ilusionista” Paulo Portas, que do que fala percebe tanto quanto eu, mas que tendo o dia inteiro para vasculhar, aparece com gráficos e mais gráficos, como se fossem oriundos de alguma tese sua, para onde direcciona a sua sábia esperteza.

Mas alguém por acaso lhe conhece alguma obra, um livrinho que seja? Alguma tese, acerca do que for? Nada! Mas, assim de repente, tornou-se num “especialista”!

Onde guardará esse extraordinário acervo de seis mil fotocópias tiradas em duas ou três noites, em trabalho de louvável memória futura, de documentos do Ministério da Defesa precisamente antes de o deixar? Alguém nestes anos todos quis saber? Não…É que os papéis não falam, mas “dizem” e quem algo sabe cala! E, por tudo isso e quiçá mais, ele aí anda, implante e soerguido, distribuindo esperteza….

Mas que faz ele agora que deixou o seu Mexicano sombrero? Agora que nem emular a Diva pode? Dedica-se ao Confinamento Produtivo!

Mas não me vou alongar mais pois, deste outro “figurão e camaleão” da vida e política Portuguesas, já desenhei nos idos de 10/02/2015, há mais de cinco anos portanto, o seu retrato e a este chamei precisamente de “ O Ilusionista”!

Abram, por favor…( basta clicar em cima)!


Advertisements

COVID- 19 – Oportunistas, canibais e promotores do pânico

(Carlos Esperança, 28/03/2020)

Já cansa ouvir os dirigentes das Ordens dos Médicos, Enfermeiros, Farmacêuticos e do SIM (Sindicato Independente dos Médicos) na batalha política contra as autoridades de saúde e no ataque ao Governo, sem se oferecerem para trabalhar num hospital. Sempre foram assim, mas há parte da frase, «estamos em estado de emergência nacional», que não percebem, e portam-se como antes da crise, agora com mais vigor e mediatismo.

E se fossem os 4 alvo de requisição civil, obrigados a trabalhar ao lado dos colegas?

Os profissionais exercem com coragem e abnegação as funções, dentro das Unidades de Saúde, enquanto os bastonários e o presidente do SIM, geram dúvidas, incitam o medo e exigem impossíveis, a partir do conforto dos gabinetes.

A constante aparição nas TVs é aterradora. Exigem mais profissionais, quando são eles quem melhor sabe os que há (a inscrição é obrigatória); mais proteção, como se alguém a conhecesse melhor do que os próprios; mais meios, como se numa guerra imprevisível os houvesse em algum país; mais material, como se o fornecimento ficasse disponível.

Os média que escolheram atingir o Governo acolhem as vozes que assustam, os autarcas politiqueiros, os bastonários, o público desinformado, numa frente que não exclui o PR.

O Governo tem antecipado medidas e o combate a nível europeu para procurar salvar os portugueses nesta conjuntura. António Costa tem sido a voz da inteligência, e coragem em nome dos portugueses, espanhóis, italianos e gregos. Por isso, apoio o Governo e as medidas contra a crise, e combaterei oportunistas, demagogos e terroristas.

Sabemos que a política externa e as funções executivas são exclusivas do Governo, que só depende da AR, mas o PR aparece, depois de um eclipse de medo, a fingir que é ele o guia do governo nas negociações na UE e na gestão da pior crise das nossas vidas. Não são famosas as encenações televisivas nem leais as audiências aos inimigos do Governo, certo da cumplicidade dos órgãos de informação e elogios da maioria dos comentadores, nomeadamente do seu alter ego Marques Mendes, que lhe garantem o segundo mandato.

Não duvido do muito e bem que o Governo tem feito sob uma barragem de fogo que os adversários mantêm perante o estoicismo do PM e autoridades de Saúde, ministra e d-g.

Nesta crise e na recuperação do prestígio perdido na sua reclusão voluntária verifica-se que o PR ilustra a máxima anarquista do ‘Maio de 68’, “quem sabe, faz; quem não sabe, ensina”, a tentar apropriar-se dos louros que cabem ao Governo, e a alfinetá-lo.

As capas incendiárias dos jornais parecem um conluio para provocar o caos. Não são jornalismo, são piromania. Quem veja um escaparate de jornais, junta às preocupações o medo, a angústia e a depressão.

O coronavírus e a comunicação social

(Carlos Esperança, 18/02/2020)

Há quem acuse a comunicação social de não fazer investigação, de substituir as notícias por opiniões e aguardar que, dos tribunais, lhe soprem revelações em segredo de Justiça para que os julgamentos se façam na praça pública quando se duvida de acontecer outro.

Desta vez, no que respeita ao coronavírus, os jornais mantiveram informados os leitores, a rádio não falhou noticiários e, ao mínimo sintoma, as televisões deslocaram jornalistas e meios técnicos para todos os hospitais onde eram internados viajantes de longo curso, familiares de alguém que tivesse visitado a China ou com qualquer hipótese de ter sido infetado pelo coronavírus.

Ao mínimo sinal de febre, tosse e mal-estar, afligiam-se as redações; na gripe de alguma estudante chinesa entraram em frenesim; a cada espera do veredicto do Instituto Ricardo Jorge ficaram de prevenção equipas noticiosas, mas a desolação foi tomando conta das redações. Um país sem o seu coronavírus, não é um país, é um offshore da pandemia, o deserto de notícias, a frustração de quem queria anunciar um coronavírus português, um evento que nos colocaria ao nível dos países mais avançados no contágio.

Só o público mal-agradecido se regozija com sucessivas deceções das expetativas de um ou dois coronavirusinhos que salvassem a honra cosmopolita do Portugal em inho.

Baldadas que foram 10 suspeitas, era no 11.º caso que rádios, televisões, jornais e redes sociais apostavam para salvar a honra ferida da virgindade epidémica. Descartada a infeção no 11.º caso suspeito em Portugal, instalou-se a desolação, e só as missas, com apelos para não matarem velhinhos, quebraram a monotonia das viagens de longo curso do PR e as suas irrefreáveis declarações.

Há na mórbida procura de sangue, incêndios, desastres e pandemias uma demência que nos conduz à falta de discernimento e indiferença perante catástrofes iminentes que nos podem atingir.

A encenação de tragédias e o medo conduzem um povo à ausência de sentido crítico, ao embrutecimento coletivo e à neutralização da inteligência.