Mais armas para os ucranianos como caminho para a paz

(Dmitry Orlov, in Resistir, 24/01/2023)

“As armas são o caminho para a paz”, disse o secretário-geral da NATO, Stoltenberg, na conferência de Davos, defendendo o envio de mais armas para a ditadura nazista em rápido declínio em Kiev. Aqueles que conhecem e amam o velho Jens provavelmente ouviram isso e bateram palmas de alegria – “Viva, mais armas!” uma vez ele falou a verdade absoluta e não adulterada: canalizar todas as armas da NATO (exceto as nucleares, é claro) para os infelizes ucranianos seria muito propício não apenas para livrar o mundo dessas armas terríveis, mas também para eliminar os restos de nazistas ucranianos e quaisquer mercenários estrangeiros e forças especiais da NATO que estejam presentes no campo.


Artigo completo aqui: Mais armas para os ucranianos como caminho para a paz


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

Os Leopardos de Davos

(Carlos Matos Gomes, in Medium.com, 19/01/2023)

O Ocidente reuniu-se em Davos para decidir a emprego dos Carros de Combate (tanks) Leopardo na Ucrânia. O título parece cabalístico, mas não encontrei melhor para resumir o atual estado da guerra que está a decorrer na Ucrânia. Ler as entrelinhas da imprensa internacional ajuda a perceber.

O jornal Le Monde de 18 de Janeiro publicava: “No Forum económico de Davos o fim da mundialização (globalização) está na cabeça de todos. A guerra comercial entre a China e os Estados –Unidos assim como a corrida às subvenções estatais para manter ou recuperar as fábricas (reindustrialização) serão os temas principais da reunião. (Protecionismo liderado pelos Estados Unidos). A mundialização morreu, a livre troca morreu, reconheceu o patrão do fabricante de chips TSMC diante do presidente Biden, e dos patrões da Apple, AMD ou Nvidia, alguns dos seus principais clientes. Biden, ao intensificar a guerra comercial contra a China desencadeada por Trump deu o golpe de misericórdia na globalização, interditando as exportações de tecnologia para a China e despejando torrentes de subsídios do Estado (liberal?) para atrair empresas de regresso à América depois da moda da deslocalização”.

Em conclusão, a verdadeira guerra trava-se entre os Estados Unidos e a China, que já tem um PIB superior. A globalização foi um estratagema para os Estados Unidos imporem a sua supremacia e durou enquanto lhes conveio. Os crentes no neoliberalismo vão ter de se reconverter, virar casacas e cantar loas e salmos ao protecionismo. As Business Scholl, que funcionaram como madrassas do neoliberalismo vão passar a estudar Marx e Keynes, do antecedente proscritos.

A Europa (UE) que tem andado a cumprir os mandamentos neoliberais de privatizar tudo e até um par de botas (Saramago) viu-se de repente no papel do marido enganado. Bruxelas andou anos a cumprir as ordens dos neoliberais da Escola de Chicago e dos oligarcas neocons que governam os EUA. O mercado livre era a panaceia universal que traria riqueza e bem-estar. Bastou os Estados Unidos sentirem ameaçado o seu poder e o do seu dólar para tocarem as trombetas e mandarem às urtigas aliados e princípios — um comportamento de pistoleiros que já constitui tradição e que foi utilizados na Coreia, no Vietname, no Iraque e há pouco no Afeganistão. A América primeiro!

Esta recorrente atitude dos americanos levou os dois chefes europeus, o da França e o da Alemanha, a engendrar uma resposta que não os deixasse perante os seus eleitores como os vietnamitas pendurados no último helicóptero que ia partir de Saigão, ou como os afegãos junto ao aeroporto de Cabul. O desenrascanço surgiu sob a forma de uma proposta de criação de “fundo soberano” europeu para, oficialmente, evitar a fragmentação do mercado único e responder às ajudas dos Estado chinês e americano à suas empresas e à lei americana de reduzir o seu IVA!

Escreve o articulista do Le Monde: A nova doutrina de apoio estatal, ao abrir as veias dos subsídios nacionais, será proveitosa especialmente os grandes países ricos (a Alemanha e a França , que receberão 53% e 24% dos subsídios e, menos a Itália, 7% — estes três, em conjunto, vão receber 84% do dito fundo soberano). Uma solução de grande solidariedade europeia! Esta solução implicará a reafectação dos fundos já existentes!

Esta “ideia” repete a da “mutualização da dívida”, que tinha sido avançada quando os países do Sul viveram momentos de aperto (as troikas da Grécia e Portugal) e que foi liminarmente rejeitada pelos grandes países. Mudam-se os tempos…

A mudança dos tempos tornaram-se visíveis com a pandemia e com a guerra na Ucrânia. As mudanças dos tempos são hoje visíveis com o realinhamento dos poderes mundiais, em que os Estados Unidos se sentem ameaçados pela emergência de potências económicas e militares com a China à cabeça e por novas alianças — caso dos BRICs. A Ucrânia é, para já, o tabuleiro onde se travam os primeiros confrontos entre a superpotência dominante, os EUA, e os desafiantes , a Rússia na primeira linha (o elo mais próximo e mais fraco), a China, a Índia e as alianças que estabelecem entre si.

A necessidade imperiosa dos Estados Unidos colocarem um grande número (200) de carros de combate Leopard na Ucrânia e de estes serem fornecidos pela Alemanha surge no contexto de uma guerra que os Estados Unidos não podem perder de forma evidente na Ucrânia, desde logo porque é a primeira de uma longa campanha que está previsto seja decidida no Pacífico, e depois porque limitaria as possibilidades de sucesso e, por fim, afastaria possíveis aliados, sempre atraídos pelos vitoriosos e finalmente, porque é necessário implicar a Alemanha no realinhamento mundial nas hostes americanas.

Porquê a necessidade de uma grande massa de CC Leopard na Ucrânia?

Os Carros de Combate são sistemas de armas desenhados para ações ofensivas. E atuam no terreno apoiados por aviação a muito baixa altitude (helicópteros), a média altitude. São muito vulneráveis a aviões antitanque, a misseis e, principalmente a munições de neutrões, ou bomba de radiação aumentada (arma ER), uma arma de fissão-fusão termonuclear na qual a explosão de neutrões livres gerada pela reação da fusão nuclear não é absorvida intencionalmente dentro da arma, mas permitindo o escape. Um dos usos para os quais esta arma foi concebida é principalmente como armamento antitanque. A introdução de um grande número de Carros de Combate de alta capacidade ofensiva e teoricamente superiores aos CC russos no teatro de operações da Ucrânia provocará provavelmente uma resposta russa com bomba de neutrões, elevando o patamar da guerra para o limiar da guerra nuclear. É essa resposta que os Estados Unidos e os seus aliados mais submissos pretendem como pretexto para uma destruição de setores importantes do poder russo e como demonstração de força ao mundo e, em particular, à China. A utilização de unidades blindadas — que fornecem massa, fogo e proteção — tem como vulnerabilidade as exigências logísticas e de comando e controlo. Estas unidades obrigam a uma escalada na guerra, a uma internacionalização de ainda maior amplitude, pois serão necessárias oficinas, sobressalentes, criação de unidades de helicópteros, de proteção NBQ…

Em resumo: A introdução de uma massa de Carros de Combate Leopard na Ucrânia é um elemento decisivo da estratégia dos Estados Unidos na recomposição de forças no planeta. A estratégia dos Estados Unidos para manter o domínio unipolar que de facto tem exercido através do seu aparelho militar que assegura a exclusividade do dólar — hoje em dia uma moeda virtual — como instrumento de troca universal e que está a assegurar com o reforço da retaguarda (o CONUS — o continente dos Estados Unidos) através de maciços apoios do Estado a empresas para se instalarem no seu território, uma reindustrialização, através de leis protecionistas no interior e de sanções económicas aos estados recalcitrantes e desalinhados.

Porquê a imposição à Alemanha de fornecer os Leopard?

Há uma razão evidente, os Leopard são fabricados pela empresa alemã Rheimetall, mas essa não é a principal razão. Porque é o assunto dos Leopard tão importante quando o Ocidente já colocou na Ucrânia algumas das suas melhores armas de artilharia e de defesa antiaérea, já instalou na Ucrânia os mais avançados sistemas de comunicações, já colocou conselheiros e assessores militares? Porque entendem os Estados Unidos que na atual situação são os Carros de Combate a arma decisiva e por isso pressionam até à descarada imposição a Alemanha a disponibilizar cerca de 200 Leopard e a autorizar que os 13 países terceiros que dispõem destes carros os possam transferir para a Ucrânia, um território não NATO? A Polónia e a Finlândia seriam os primeiros subfornecedores. Foi criado até um grupo informal designado Grupo Leopardo, que prestará assistência no teatro de operações, à semelhança do Grupo Wagner.

A principal razão da imposição dos Estados Unidos à Alemanha do fornecimento dos Leopards à Ucrânia é a de obrigar a Alemanha a envolver-se mais na guerra, a pagar mais, a acentuar a rutura com a Rússia (uma manobra que a sabotagem do gasoduto já expunha) e, enfim, a enfraquecer a Alemanha de modo a não ter qualquer hipótese de escolha de novas alianças, a não ser a submissão completa aos EUA. O Reino Unido, o aliado fiel dos EUA limitou-se a enviar 12 Carros de Combate Challenger! Compreende-se, o RU não compete com os EUA, nem tem tentações de alianças a Leste. A Alemanha, pelo contrário, tem de ser constrangida a alterar os três pilares em que assentou o seu renascimento após a II Guerra Mundial: a energia barata da Rússia, o grande mercado da China e a segurança dos Estados Unidos. Sem energia barata e sem mercado chinês a Alemanha tem de ser colocada com a trela curta para não sair do rebanho da segurança americana.

O governo alemão está perfeitamente a par da armadilha em que os Estados Unidos prenderam a Alemanha. Esta consciência de estado aprisionado levou o chanceler Sholtz a lamuriar-se, afirmando em Davos (17/01/23) “Nous agissons toujours avec nos alliés et amis, nous n’y allons jamais seuls “, perante a pressão de vários dirigentes. A Alemanha apenas tomaria a decisão de enviar os Leopard em conjunto com outros países europeus, leia-se a França. A Alemanha sabe que será a primeira vítima de uma escalada da guerra. A Alemanha sabe que é o elo franco da estratégia dos Estados Unidos de matar dois coelhos com uma cajadada, a guerra na Ucrânia tem como primeiro objetivo (declarado) tornar a Rússia impotente para não intervir no conflito com a China e castrar a Alemanha para esta não tentar liderar uma Europa com alguma autonomia.

Os Carros de Combate Leopard, com tripulações ucranianas, vão ser o chamariz para obrigar a Rússia a intervir num patamar superior ao que já foram atraídos com as ações no Leste (Donesk) desde 2014 e para os Estados Unidos puderem passar à fase seguinte de provocar a China.

Haverá sempre quem acredite que na Ucrânia estão a ser defendidos os “nossos valores”, que a Ucrânia tem direito a ser independente (isto é dependente dos Estados Unidos), que tudo se resolveria, ou resolverá com a retirada da Rússia e com o pagamento desta das obras de reconstrução da Ucrânia, a cargo de empresas ocidentais! Essa crença é sinal que a propaganda funciona. Para já a ordem do dia manda catapultar tanques para a Ucrânia e utilizá-los como chamariz dos russos. Veremos se é uma boa estratégia!


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

Rússia e China na Nova Ordem Mundial: Examinando as Teorias de Aleksandr Dugin e Jiang Shigong

(Por Markku Siira, in Reseau Internationale, 14/01/2023, Trad. Estátua de Sal)

À medida que a nova ordem mundial toma forma, como resultado do Grande Jogo geopolítico e da “tempestade perfeita” da economia global, os conservadores do Ocidente questionam-se sobre o que irá acontecerá a seguir. Nesse contexto, Jonathan Culbreath aventurou-se nas teorias russas e chinesas de uma ordem mundial multipolar em The European Conservative.

Revisitando a história recente ele reconhece que, após a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos, ávidos pela vitória, começaram a remodelar o mundo à sua própria imagem. O triunfo da democracia liberal sobre as potências do Eixo marcou uma nova fase na História. Após a queda da União Soviética, a ideologia e o formato da política americana, bem como o sistema económico herdado de seu antecessor britânico, tenderam a mundializar-se. Foi a era monopolar da hegemonia americana.

O desenvolvimento económico em todo o mundo ocorreu nos termos definidos pelas instituições criadas pelo novo poder hegemónico. Mesmo grandes países como a Rússia e a China tiveram que se sujeitar às regras do Ocidente. Para muitos, esse capitalismo global era visto como o “colonialismo americano”, admite Culbreath.

Desde então, a China tornou-se a segunda superpotência e a maior economia do mundo. Ao contrário das expectativas ocidentais, as trocas comerciais e a abertura da China ao mundo não levaram a uma liberalização ideológica da China, mas permitiram que Pequim se tornasse o principal desafiador da hegemonia ocidental.

Embora a recuperação económica da Rússia após o colapso da União Soviética não tenha sido tão impressionante, para Culbreath, quanto a da China, a Rússia tornou-se uma fonte de energia crítica para grande parte do Ocidente e do resto do mundo. Como os eventos recentes demonstraram claramente, a Rússia também tem influência geopolítica. Como a China, é, portanto, um grande concorrente do poder anglo-americano.

Após o colapso da União Soviética, a Rússia mergulhou no caos no mandato de Boris Yeltsin. A transição de uma economia planificada socialista para uma economia de mercado capitalista e para a democracia liberal levou à inflação e à austeridade, causadas pela aplicação acelerada da terapia de choque económico neoliberal ocidental na grande potência do Leste.

Desde então, já na administração do presidente Vladimir Putin, a Rússia reentrou no mercado mundial de forma impressionante, principalmente graças à grande quantidade dos seus importantes recursos naturais. Tal conduziu a uma forte recuperação económica. O desprezo demonstrado pelo Ocidente também deu origem a novas tendências ideológicas na Rússia.

Culbreath acredita que o objetivo da Rússia é voltar a ser – sem a ajuda do Ocidente – “uma grande civilização independente, enraizada numa nova consciência da singularidade política, económica e cultural da Rússia”. 

Embora a Rússia e a China partilhem pontos de vista semelhantes na sua oposição à autocracia ocidental, as duas superpotências veem o mundo multipolar emergente de maneira diferente. As diferentes circunstâncias também influenciaram as ideologias que surgiram em solo russo e chinês.

Culbreath cita Aleksandr Dugin e Jiang Shigong como exemplos cujas teorias podem ser usadas para entender as diferentes formações ideológicas da Rússia e da China contemporâneas.

A ideologia eurasiana de Aleksandr Dugin

O cientista político Aleksandr Dugin formulou uma nova ideologia russa no quadro da “multipolaridade”. O seu pensamento, que se enquadra no quadro geral da “quarta teoria política”, procura visualizar o futuro mundial de um ponto de vista russo – ou mais amplamente eurasiano – num mundo pós-ocidental centrado e pós-unipolar.

Depois do sistema anglo-americano, o globo, na visão de Dugin, é dividido em vários “grandes espaços”, cada um com os seus sistemas políticos, económicos e culturais únicos. Aqui, Dugin segue explicitamente a teoria do Großraum, o grande espaço, do alemão Carl Schmitt, que também fundamenta as teorias “realistas” das relações internacionais preconizadas por John Mearsheimer e outros estudiosos. 

Na construção da sua teoria de um mundo multipolar, Dougin considera-se em devedor do cientista político americano, Samuel P. Huntington, autor da polémica obra The Clash of Civilizations and the Reshaping of the World Order, em protesto contra a tese triunfalista de Francis Fukuyama sobre o “fim da história”.

Dugin, concorda com o argumento de Huntington de que o fim da Guerra Fria não significou a vitória do modelo democrático liberal de governo, e suas formas económicas e culturais associadas, sobre o resto do mundo. Pelo contrário, o colapso do sistema bipolar americano-soviético apenas abriu caminho para a emergência de um mundo multipolar, no qual civilizações independentes se tornarão novos atores na história mundial e fontes potenciais de novos conflitos.

O mundo da civilização-mundo está emergindo na era pós-monopólio, como consequência inevitável da rejeição da hegemonia americana e da desintegração do mundo monopolar, dando origem a um conjunto de estados civilizados que buscam a soberania dentro das suas próprias estruturas políticas, económicas e culturais.

No pensamento idealista de Dugin, a multipolaridade russa busca não apenas afirmar a sua própria autonomia geopolítica, mas também libertar as florescentes civilizações mundiais na África, Índia, China, América do Sul e de outros lugares do ataque violento do globalismo americano, possibilitando-lhes também a emergência da sua própria soberania.

Por outro lado, os detratores de Dugin ainda acreditam que ele defende a liderança russa nessa nova ordem mundial. Alguns dos seus escritos mais antigos podem ter influenciado a forma como alguns veem o seu eurasianismo: como uma versão reacionária do neoconservadorismo americano.

Jiang Shigong e o globalismo chinês

A ascensão da China no comércio mundial na década de 1980, um período de modernização e abertura, implicaram uma trajetória muito diferente da China em relação à Rússia, argumenta Culbreath. A economia da Rússia foi submetida a uma “terapia de choque” ultraliberal, da qual ainda não se recuperou totalmente, mas o comunismo de mercado da China permitiu-lhe uma forte aceleração no crescimento da sua produtividade económica, tornando-a em algumas décadas um dos países mais ricos do mundo.

Embora os relatos típicos ocidentais, da reforma e abertura da China sob Deng Xiaoping, a descrevam como um afastamento da anterior visão maoísta do socialismo chinês, há outra visão que vê este período da história chinesa como um regresso à abordagem científica marxista-leninista defendida pelo próprio Mao Tse Tung.

De acordo com esta interpretação, o próprio capitalismo cumpre um propósito específico na progressão histórica para o socialismo e o comunismo. De facto, os escritos de Vladimir Lenin estão repletos de repetições desta formulação básica: o próprio socialismo depende do capitalismo para o desenvolvimento dos meios de produção, de acordo com as leis do desenvolvimento capitalista expostas por Karl Marx.

A política de reformas da China foi diferente da “terapia de choque” que paralisou a Rússia. Em vez de liberalizar todos os preços ao mesmo tempo, a liderança comunista decidiu liberalizar gradualmente os preços dentro do seu próprio sistema. Esta abordagem mais cautelosa do papel dos preços no trajeto para uma economia de mercado permitiu ao aparelho central controlar as reformas e até encorajar a criação de novos mercados e áreas de produção – com o efeito notável de que a prosperidade da China começou a crescer.

O capital também começou a fluir do Ocidente para a China, tendo o seu fluxo sempre aumentado nas três décadas seguintes, diz Culbreath. A China tornou-se um destino privilegiado para a externalização/offshoring ocidental, transformando-a numa “fábrica do mundo” superindustrializado. A China tornou-se não só um membro plenamente integrado na comunidade global, mas também o principal produtor mundial de bens de consumo baratos e de produtos “mais pesados” como o aço. Em certo sentido, o mundo inteiro tornou-se dependente da China.

O processo de transformação da China deu origem a uma compreensão ideológica particular do seu papel na história mundial. O Presidente Xi Jinping encarna essa ideologia na sua filosofia de governo. A explicação e defesa mais autorizada do pensamento de Xi, segundo a Culbreath, vem de Jiang Shigong, um importante estudioso de direito constitucional da Universidade de Pequim.

Alguns dos escritos de Jiang foram publicados em inglês no site Reading the China Dream, juntamente com ensaios e discursos de outros proeminentes estudiosos do desenvolvimento moderno da China. Jiang Shigong explica as ideias de Xi Jinping – ou, mais amplamente, a ideologia do socialismo chinês – e descreve-as, em termos marxistas, como uma “superestrutura ideológica natural que completa a base material do socialismo chinês”.

Jiang desafia a interpretação comum que tenta ver uma contradição entre as eras de Mao Tse Tung e Deng Xiaoping. Em vez disso, descreve o desenvolvimento histórico de Mao para Deng e Xi Jinping como uma evolução contínua e coerente em três fases: sob Mao, a China “subiu”; sob Deng, “enriqueceu”; e sob Xi, a República Popular, que está a expandir-se espacialmente, “tornou-se forte”.

Tal como Alexander Dugin na sua teoria da multipolaridade, Jiang apresenta a ideologia do socialismo chinês como uma alternativa radical à teorização de Fukuyama do fim da história dominada pelos americanos. Jiang partilha a visão de Dugin e de outros teóricos da multipolaridade do fim do domínio do mundo ocidental e do capitalismo.

No entanto, a abordagem à globalização de Jiang difere da de Dugin porque o globalismo é realmente central para o seu relato do desenvolvimento da China. Jiang acredita que a posição única da China no sistema internacional lhe confere uma responsabilidade especial para com toda a Humanidade, e que não se limita, pois, às fronteiras da China.

Sendo a segunda maior economia do mundo, a China está agora no centro da cena mundial e, segundo Jiang, não pode ignorar as suas responsabilidades para com o resto do mundo, concentrando-se apenas no seu próprio destino. Ou seja, a China deve “equilibrar as suas relações com o mundo e ligar a construção do socialismo com o desenvolvimento do mundo inteiro à maneira chinesa, e participar ativamente na governação global”.

Jiang Shigong vê a progressão da história mundial a partir de unidades políticas menores para conglomerados maiores, ou impérios, culminando na fase final do “império mundial”, atualmente liderado pelos Estados Unidos.

Nessa narrativa, a direção irreversível da história é em direção a uma “ordem universal das coisas”. O tom de Jiang é quase fatalista: todos os países, incluindo a China, inevitavelmente terão um papel a desempenhar na construção desse império global.

Assim, a interpretação de Jiang de um mundo multipolar não é um retorno à era dos impérios civilizacionais regionais, mas uma luta pela liderança económica e política após a realização de um império global.

É uma variação do esquema marxista clássico da luta de classes, com a própria China desempenhando o papel implícito do proletariado lutando contra a burguesia que, por sua vez, os EUA personificam. Retirar o poder aos capitalistas do Ocidente é, na realidade, o estabelecimento de uma “ditadura do proletariado” à escala mundial.

Jiang é rápido em sugerir que as próprias aspirações da China apontam precisamente nessa direção, especialmente porque parece que “vivemos numa era de caos maciço, conflito e mudança, com o império global 1.0 (ou seja, o império mundial americano) em declínio e colapso”.

Os escritos de Jiang podem ser interpretados como significando que ele acredita que a China tem a responsabilidade de desempenhar um papel de liderança no “Império Global 2.0”, para facilitar o desenvolvimento de todas as nações fora do modelo de desenvolvimento capitalista unilateral, que dominou o sistema centrado no Ocidente.

A multipolaridade continua a desempenhar um papel nesta fase, com a China incentivando todos os países em desenvolvimento a abrir as suas próprias vias para a modernização. Como afirmou Xi Jinping, a China oferece “uma nova alternativa a outros países e nações que desejem acelerar o seu desenvolvimento, mantendo a sua independência”.

Jiang reitera e desenvolve essa ideia ao afirmar que o objetivo da China não é forçar outros países a seguirem um modelo único de desenvolvimento económico, como o Ocidente tem feito, mas justamente facilitar o seu desenvolvimento segundo as suas próprias vias regionais, determinadas pelas suas próprias políticas locais e restrições culturais.

A preocupação com o desenvolvimento das economias regionais também reflete a “confiança comunista”, característica da China, no potencial de desenvolvimento da Humanidade como um todo, e suas aspirações são, portanto, claramente universais e cosmopolitas, não meramente nacionalistas.

O globalismo, ou universalidade, continua a ser a chave para a conceção da China, sobre si mesma e sobre o seu destino histórico, o que é consistente não apenas com sua atual ideologia comunista, mas também com o clássico conceito cosmológico confuciano de tianxia (天下), ou “tudo debaixo do céu”.

As conclusões de Culbreath

Aleksandr Dugin antevê uma ordem mundial definida por várias civilizações independentes. Essa visão é incompatível com uma ordem mundial universal (a menos que Dugin realmente queira que o Russky mir, o “mundo russo”, acabe governando o planeta de uma forma ou de outra).

De acordo com Jiang Shigong, a ordem correspondente é chefiada por “um governante universal, mas benevolente, cujo objetivo é permitir que os vários povos sob a sua providência busquem a prosperidade de acordo com seus próprios caminhos distintos de desenvolvimento”.

Enquanto a visão de Dugin de um mundo multipolar, com uma entidade política governando cada civilização tenta, de maneira quase hegeliana, fundir as diferentes características dos estados pré-modernos, a visão de Jiang da próxima ordem mundial consegue até fundir o globalismo com um comunismo confucionista abrangente.

A Rússia e a China têm o seu importante papel a desempenhar na definição dos parâmetros ideológicos ou teóricos dentro dos quais todos os países devem considerar a problemática do seu futuro, no âmbito das tendências mais amplas da história mundial. Este pensamento vai para além dos limites das ideologias políticas tradicionais.

A questão de como será o mundo pós “fim da história” é uma questão que diz respeito a todos. É por isso que as teorias político-filosóficas da multipolaridade formuladas em países que se opõem à autocracia americana, como a Rússia e a China, devem ser levadas a sério.

Fonte aqui


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.