A democracia e os seus inimigos

(Daniel Vaz de Carvalho, in Resistir, 25/11/2020)

1 – Os ataques à democracia

A extrema-direita que agora toma abertamente posição política é mais uma consequência da persistente crise capitalista e do agudizar das suas contradições. É o resultado em termos ideológicos de anos de calúnias contra tudo o que mesmo com leves traços progressistas pusesse em causa privilégios do grande capital e de paranoia anticomunista. Os que puseram em prática políticas de direita e neoliberais, contra os interesses populares e a soberania nacional, andaram chocar o “ovo da serpente” fascista.

Em nome da “economia de mercado” ou da “democracia liberal” foi dada liberdade praticamente total ao grande capital, reprimindo os trabalhadores, atacando o sindicalismo das formas mais soezes, promovendo o corporativismo da “concertação social” que se pretende colocar acima do parlamento. Tudo isto evidencia a tendência do neoliberalismo se encaminhar para formas fascizantes.

A linguagem do ódio, da intolerância, do racismo visando outros povos e emigrantes – proletariado fugindo à miséria e ao caos provocados por ações diretas ou apoiadas por países da NATO – sugestionam camadas populares despolitizadas e frustradas devido às políticas a favor da oligarquia.

Os pruridos democráticos do chamado centro caem pelo apoio ou silenciamento perante os neofascismos que se desenvolvem na UE e na Ucrânia, com glorificação de ex-nazistas e colaboracionistas, a supressão de elementares regras democráticas, disseminação do racismo e xenofobia. Caem com o reconhecimento de Guaidó e de outros golpistas na América Latina, caem enfim com o alinhamento com a agenda conspirativa e belicista do imperialismo.

Na ONU, os EUA e a Ucrânia são os únicos a oporem-se a uma resolução da Assembleia Geral, adotada anualmente para “Combater a glorificação do nazismo, neonazismo e outras práticas que contribuem para alimentar formas contemporâneas de racismo, discriminação racial, xenofobia e intolerância relacionada”.

Determinadas ONG, não passam de extensões de serviços secretos, assumindo formas legais, alegadamente defensoras da democracia e direitos humanos. O seu objetivo é a desestabilização social e a fabricação de bem pagos “democratas” ao seu serviço, dramatizando quaisquer problemas existentes ou ficcionados, fazendo campanha contra despesas sociais do Estado, anunciando cataclismos que resultariam de medidas socializantes ou consideradas como tal.

Uma das ONG mais relevantes nestes processos de colocar o poder ao serviço da oligarquia e do imperialismo é a NED (National Endowment for Democracy). Esta Fundação subsidia organizações que distribuem dinheiro no exterior, disponível para associações e membros da classe dominante, partidos da direita, social-democratas e mesmo formações que se pretendem de esquerda.

As consequências destas atividades, são visíveis nos dramas das “revoluções coloridas” colocando no poder verdadeiros ditadores mascarados de democratas, alinhados com à extrema-direita, como no golpe fascista da Ucrânia. As intervenções militares, no Iraque, Afeganistão, Líbia, Síria, Somália, Iémen, alegadamente para impor a democracia provocaram milhões de vítimas, permitiram a consolidação de organizações terroristas e o drama dos refugiados.

O controlo da opinião pública para apoiar ou não reagir perante estas situações é garantido pelos principais media, veiculando falsas notícias e calúnias com que o império procura diabolizar os que não se lhe submetem como se fosse verdade absoluta e comprovada, abdicando de confirmar factos ou veicular o contraditório, tornando-se assim agentes da conspiração e da subversão. Além disto, nas redes sociais proliferam pro-fascistas difundindo o ódio, deturpando, mentindo sem escrúpulos, atacando a democracia e os democratas.

A CIA controla os principais media dos EUA desde 1950. Os media não fornecem notícias, fornecem explicações de acordo com a oligarquia, garantindo que notícias reais não interferem nos seus objetivos. O livro Jornalistas comprados: Como os políticos, os serviços secretos e a alta finança dirigem os meios de comunicação social alemães Gekaufte Journalisten ) do jornalista alemão Udo Ulfkotte mostra que a CIA também controla a imprensa europeia. [1]

O financiamento de candidatos favoráveis aos interesses da oligarquia constitui também um grave ataque à democracia. As eleições nos EUA são disto um gritante exemplo: em 2016 os bancos despenderam 2 mil milhões de dólares a favor dos “seus” candidatos. Em 2020 mais de 3 mil milhões. [2]

2 – A “democracia” oligárquica

Sob o domínio da oligarquia a democracia assemelha-se a O retrato de Dorian Gray . Tal como a oligarquia, Dorian persegue objetivos amorais, egoístas, porém a sua imagem regista todo mal que pratica. Também a degradação ética e a corrupção das práticas oligárquicas agravam as suas contradições e crises.

Sem qualquer espécie de escrúpulos as elites do dinheiro não hesitam em atacar pela calúnia e pela perseguição quem possa por em perigo os seus privilégios. No Reino Unido foi levado a cabo durante anos uma campanha para destruir o ex-líder trabalhista Jeremy Corbyn que se propunha reverter o neoliberalismo propondo algumas nacionalizações e fazer regressar o partido à sua matriz tradicional sindicalista.

A universidade de Princeton publicou um estudo , evidenciando que os Estados Unidos funcionam muito mais como uma oligarquia do que como uma democracia. Um sistema que, como as recentes eleições comprovam, de tão corrupto apodreceu.

Para ser considerado democrático pela chamada “comunidade internacional” (EUA, UE e aliados) basta que um povo “pratique a democracia à maneira dos EUA e não tenha nada melhor para fazer do que aceitar a liderança de Washington”. (de Gaulle, Memoires de Guerre III, Livre de Poche, p. 245). A democracia obtida desta forma é definida pelos interesses imperialistas e oligárquicos, fundamentalmente dos EUA, fazendo uso dos instrumentos ao seu serviço como o FMI, BM, NATO. O resultado são obscenas desigualdades e clara disfuncionalidade social.



Nos EUA apenas três homens (B. Gates, J. Bezos, W. Buffet) possuem tanto como metade da população. A camada oligárquica detém 79% da riqueza do país . A nível mundial os 26 mais ricos supostamente valem tanto quanto a metade de todas as outras, ou 3,8 mil milhões de pessoas. E isto num mundo em que o rendimento da metade mais pobre da humanidade continua diminuindo.


A outra face desta moeda é a pobreza, no país dito “mais rico do mundo”: em 2020, estima-se que 11,9 milhões de crianças, 16,2% do total, vivam abaixo da linha oficial de pobreza; 36% de todas as crianças vivem em famílias pobres ou “quase pobres”, com rendimentos inferiores a 150% da linha de pobreza. [3]

Existem 2,3 milhões de presos nos EUA [4] , taxa de encarceramento de longe a mais alta do mundo. Segundo o Washington Post, 1 004 pessoas foram mortas a tiro pela polícia em 2019, o grupo Mapping Police Violence registou 1 099. Um total de 10 310 960 prisões foram feitas nos EUA em 2018. [5] Sessenta por cento dos presos pertencem a minorias (negros e hispânicos) [6]

O grande capital controla as relações de produção, define e impõe a ideologia que justifica o seu domínio sobre o Estado, sobre a economia, sobre toda a sociedade, sendo os seus desmandos justificados em nome da “economia”. Na UE o lóbi Business Europe, que reúne Bayer, BMW, Google, Microsoft, Shell, Total, entre outras, realizou 170 reuniões em três anos com a elite da Comissão Europeia. [7] Os Estados colocam-se de joelhos perante o grande capital, alavancado pelas privatizações, PPP, subsídios e isenções, obtendo lucros de monopólio.

3 – A “democracia” contra a soberania popular

A democracia é – ou deveria ser – o governo do povo, pelo povo, para o povo. A ideia contida nesta frase sofre de uma dificuldade, uma contradição, é que o “povo”, o conjunto dos cidadãos, é uma entidade dividida em classes sociais com interesses e poderes distintos, mesmo antagónicos, para além do que os possa unir numa mesma nação.

Os mecanismos da alienação potenciados pelos media, incluindo a propaganda do consumismo, são um meio do povo perder o controlo sobre as instituições democráticas e seus representantes. Isto explica por que camadas sujeitas à exploração, pobreza e perda de direitos, votem em forças que promoveram e promovem aquelas situações. Essas forças alinhadas à extrema direita conseguem chegar ao poder mentindo, escondendo suas reais intenções ou com golpes de Estado militares ou jurídicos (Brasil, Paraguai, Honduras).

A democracia parlamentar formal tem a sua expressão no rotativismo político de partidos que defendem os mesmos modelos económicos e sociais, equivalentes a um partido único com várias facções (o “centro”). É este o sentido do pluralismo político dependente dos interesses da oligarquia.

Este modelo de democracia é o limite superior considerado aceitável pelo grande capital. Tudo que vá para além disto ao nível da democracia social é combatido. Nestas circunstâncias, se os resultados eleitorais não servirem os seus interesses, isto é, falhando a “cenoura” da sua democracia, usa o “pau” do fascismo, de que as “revoluções coloridas” são uma variante. E se estes processos não se concretizarem, o “mundo livre” aplica sanções, financia conspirações e intervenções armadas. Aliás, mais de 70% das ditaduras existentes no mundo recebem ajuda dos Estados Unidos. Um recorde estranho para uma nação que justifica as suas intervenções no estrangeiro visando “promover a democracia e os direitos humanos” .

Marx referiu-se ao “cretinismo parlamentar, a forma não de dar expressão à vontade do povo, mas de bloquear essa vontade”. O parlamentarismo reduzindo a democracia a uma retórica de que o povo é alheado por representantes que renegam praticamente tudo o que prometeram antes de eleitos. As formalidades democráticas, não impediram que os detentores da riqueza se transformassem em novos senhores feudais aos quais quase tudo é permitido em nome dos “mercados”, de “dar confiança aos investidores” ou dos “riscos sistémicos”.

A UE é um exemplo de como a democracia formal se opõe à soberania popular. O sistema está montado para que eleições não possam em alterar o status quo oligárquico e imperialista ou opor-se aos tratados existentes. Os exemplos sobram nos referendos (Grécia, Irlanda, França) e ameaças de sanções a Portugal se uma efetiva política de esquerda fosse levada a cabo. No PE, 751 deputados – sem real poder – e 10 mil funcionários, ignoram e são ignorados pelos cidadãos. Uma imensa burocracia que vive da propaganda, da chantagem sobre os povos e dos impostos dos cidadãos. Uma democracia submetida a burocratas que se sobrepõem às políticas dos governos e se orgulham de não estarem sujeitos a escrutínio popular.

4 – A democracia, uma conquista sempre precária

A democracia não é uma conquista definitiva, muito menos uma dádiva, mas uma condição que há que permanentemente vigiar e mesmo lutar pela sua preservação, tantos são os seus inimigos e os desvios a que está sujeita. A social-democracia, tarde e a más horas, por vezes acaba por descobri-lo.

Será preferível falar em democratização, a democracia como processo, cidadãos participando não apenas em eleições, mas na gestão da vida coletiva abarcando os diversos aspetos da vida política, económica e social.

Não há democracias perfeitas, são realizadas por seres humanos imperfeitos, existem em sociedades imperfeitas, com interesses contraditórios e têm de se defender dos ataques dos seus inimigos.

Pode dizer-se que os inimigos da democracia são a corrupção, a indiferença e a estupidez, em tudo o que tem a ver com o social, fontes da calúnia, do ódio racista e anticomunista. Tudo isto são consequências de uma democracia falseada ou inexistente dominada pela burocracia e pelo grande capital.

A democracia também é profundamente destruída pela concentração da riqueza , por desigualdades alheias à contribuição de cada um para a sociedade. Acresce ainda um dos principais inimigos da democracia: o imperialismo. Governos democráticos respeitando a vontade popular são submetidos a formas de ingerência e agressão, no sentido de serem revertidos esses processos.

O imperialismo aprofunda as crises que os povos vão suportando, impede saídas realmente democráticas, promove a intimidação, convulsões sociais e insatisfação generalizada, desagregação social, empobrecimento e submissão das camadas trabalhadoras. Perante o poder imperial os cidadãos têm cada vez menos direitos cívicos (designadamente sindicais) e sociais. O pensamento livre é reprimido. Recrudescem as crendices, a superstição e as seitas fundamentalistas. A cultura reflete um profundo declínio, com obras superficiais que renunciam à crítica social centrando-se no psicologismo e no drama individual, basicamente cópia de modelos e êxitos comerciais anteriores.

Tão importante como analisar a forma de governo existente, há que verificar como são respeitados os desejos, as aspirações das camadas mais vastas da população. A democracia envolve subordinar a dinâmica financeira às necessidades do desenvolvimento, económico e social penalizando o rendimento rentista, estruturando no domínio público os sectores básicos e estratégicos.

A democracia tem de se alargar a todos os domínios possíveis da sociedade: nas funções sociais, direitos laborais nas empresas, democracia económica. As privatizações opõem-se a tudo isto. Quem dirige a sociedade são os “interesses económicos” – a oligarquia e os credores financeiros. A dita “democracia liberal”, eufemismo para oligárquica, é refém destes agentes.

Uma medida tão evidente como taxar as transações financeiras e controlar os paraísos fiscais, mesmo não pondo em causa o sistema capitalista é combatida tenazmente como “radical”, ao mesmo tempo que os países são atacados pelos défices públicos, precisamente pelos que se aproveitam deste sistema iníquo.

Em resumo, tudo isto mostra como a via reformista já não pode ser seriamente considerada – se é que alguma vez o foi. Ao proletariado, para a superação destas contradições, resta a via das transformações tal como o marxismo definiu e preconiza.

O socialismo tem de ser considerado uma livre opção democrática, concretizada na soberania do Estado e no aprofundamento da democracia e em todas as suas vertentes: política, económica, social e cultural. Sem a participação consciente e ativa dos cidadãos neste sentido, a democracia corre o risco de se tornar uma ficção política e as diatribes parlamentares não irem além de uma competição por lugares ao serviço da oligarquia.



1 – Paul Craig Roberts www.informationclearinghouse.info/55571.htm
2 – Cris Hedges, resistir.info/eua/requiem_americano.html
3 – The Shame of Child Poverty in the Age of Trump By Rajan Menon
5 – www.informationclearinghouse.info/55196.htm
4 – The US Spends More Than $80 Billion a Year Incarcerating 2.3 Million People
6 – johnjay.jjay.cuny.edu/nrc/NAS_report_on_incarceration.pdf
7 – Liliane Held-Khawam. Coup d’État planétaire, Bernard Gensane, www.legrandsoir.info/liliane-held-khawam-coup-d-etat-planetaire.htm

O réquiem americano

(Por Chris Hedges, in Resistir, 17/11/2020)

(Dos melhores textos publicados neste Blog. Para perceber de onde vêm os populismos, fascismos e outros hediondos “ismos”. Lá como cá. Não basta criticar a mensagem, demonizar os mensageiros e ignorar a causa das coisas. Lá como cá é preciso ir ao cerne do mal mas, provavelmente, tal implicaria mudanças radicais na política e na economia que o sistema não comporta. Assim sendo, os “trumps” e os “chegas” deste mundo irão prosperando porque são a única esperança que resta aos descamisados anónimos, ignorados e pontapeados para a margem, mas animados pelo desespero dos sobreviventes.

Estátua de Sal, 22/11/2020)


Bem, acabou. Não a eleição. A democracia capitalista. Por mais tendenciosa que fosse para os interesses dos ricos e mais hostil para os pobres e minorias, a democracia capitalista pelo menos oferecia a possibilidade de migalhas de reformas graduais. Agora é um cadáver. A iconografia e a retórica permanecem as mesmas. Mas é um elaborado e vazio reality show, financiado pelos oligarcas que controlam a sociedade – 1,51 mil milhões de dólares para a campanha de Biden, 1,57 mil milhões para a campanha de Trump – para nos fazerem pensar que há escolhas. Não há. O duelo entre o discurso palavroso e vazio de Trump e o de Biden com dificuldades de expressão foi concebido para mascarar a verdade. Os oligarcas ganham sempre. As pessoas perdem sempre. Não importa quem se senta na Casa Branca. Os EUA são um estado falido.

“O sonho americano ficou sem combustível”, escreveu o romancista J.G. Ballard. “O carro parou. Já não abastece o mundo com suas imagens, seus sonhos, suas fantasias. Não mais. Acabou. Agora o que fornece ao mundo são os seus pesadelos”.

Muitos dos seus participantes mataram a sociedade aberta da América. [NT] Foram os oligarcas que compraram o processo eleitoral, os tribunais e os media, os lobistas que redigem a legislação que nos empobrece e permite que se acumulem quantias obscenas de riqueza e poder irrestrito. Os militaristas e a indústria de guerra que drenaram o tesouro nacional para montar guerras inúteis e sem fim que esbanjaram cerca de 7 milhões de milhões de dólares e nos transformaram em párias internacionais.

Também os executivos que arrecadam em bónus e pacotes de compensação dezenas de milhões de dólares, que enviaram empregos para o exterior e deixaram nossas cidades em ruínas e nossos trabalhadores na miséria e desespero, sem um rendimento de subsistência e sem esperança no futuro. A indústria de combustíveis fósseis que fez guerra à ciência e optou por lucros em vez da iminente extinção da espécie humana. A imprensa que transformou as notícias em entretenimento acéfalo e de claques partidárias. Os intelectuais que se retiraram para as universidades para pregar o absolutismo moral da política de identidade e do multiculturalismo, enquanto viravam as costas à guerra económica que estava a ser travada contra a classe trabalhadora e ao ataque implacável às liberdades civis. E, claro, a classe liberal irresponsável e hipócrita que não faz nada além de falar, falar, falar. [NT: recordamos que “liberal” nos EUA, corresponde mutatis mutandis às várias tendências social-democratas na Europa]

Se há um grupo que merece o nosso mais profundo desprezo, são as elites liberais, aqueles que se colocam como árbitros morais da sociedade, mas abandonam todos os valores que supostamente possuem no momento em que se tornam inconvenientes. A classe liberal, mais uma vez, actuou como patéticos animadores e censores para um candidato e um partido político que na Europa seria considerado de extrema-direita. Mesmo quando os liberais eram ridicularizados e rejeitados por Biden e pela hierarquia do Partido Democrata, que com fanfarronice investia a sua energia política para apelar para os neocons republicanos, os liberais estavam ocupados a marginalizar jornalistas, incluindo Glenn Greenwald e Matt Taibbi, que interpelavam Biden e os democratas. Os liberais, seja em The Intercept ou em The New York Times, ignoraram ou desacreditaram informações que poderiam prejudicar o Partido Democrata, incluindo as revelações do computador de Hunter Biden. Foi uma demonstração impressionante de carreirismo cobarde e auto-exclusão.

Os democratas e seus apologistas liberais estão, a eleição ilustrou, alheios ao profundo desespero pessoal e económico que varre este país. Eles não representam nada. Eles lutam por nada. Mais uma vez esqueceram restaurar o Estado de Direito, a saúde universal, a proibição do fracturamento hidráulico, um New Deal Verde, a protecção das liberdades civis, a formação de sindicatos, a preservação e expansão de programas de bem-estar social, uma moratória sobre despejos e execuções hipotecárias, o perdão de dívidas estudantis, um controlo ambiental rígido, um programa governamental de emprego e rendimento garantido, a regulamentação financeira, a oposição à guerra sem fim e ao aventureirismo militar

Defender essas questões teria resultado num desmoronar de terras no Partido Democrata. Mas, como o Partido Democrata é um subsidiário integral de doadores corporativos, era impossível promover qualquer política que pudesse fomentar o bem comum, diminuir os lucros corporativos e restaurar a democracia, incluindo a imposição de leis sobre o financiamento das campanhas. A campanha de Biden foi totalmente desprovida de ideias e questões políticas, como se ele e os democratas pudessem vencer as eleições apenas prometendo salvar a alma da América. Pelo menos os neofascistas têm a coragem das suas convicções dementes.

A classe liberal funciona numa democracia tradicional como uma válvula de escape. Torna possível as migalhas de reformas graduais, que amenizam os piores excessos do capitalismo. Propõe passos graduais em direcção a uma maior igualdade. Pretendem dotar o Estado e os mecanismos de poder de supostas virtudes. Também servem como cão de fila para desacreditar os movimentos sociais radicais. A classe liberal é uma componente vital dentro da elite do poder. Em suma, oferece a esperança e a possibilidade, ou pelo menos a ilusão, de mudança.

A rendição da elite liberal ao despotismo cria um vácuo de poder preenchido por especuladores, exploradores de guerra, gangsters e assassinos, muitas vezes liderados por demagogos carismáticos. A elite liberal abre as portas aos movimentos fascistas que ganham proeminência ridicularizando e insultando os absurdos da classe liberal e os valores que pretendem defender. As promessas dos fascistas são fantásticas e irrealistas, mas suas críticas à classe liberal são baseadas na verdade. Uma vez que a classe liberal deixa de funcionar, abre uma caixa de Pandora de males impossíveis de conter.

A doença do trumpismo, com ou sem Trump, está, como a eleição ilustrou, profundamente enraizada no corpo político. Tem expressão em enormes segmentos da população, ridicularizados pelas elites liberais como “deploráveis”, de uma alienação e raiva legítimas que republicanos e democratas orquestraram e agora se recusam a tratar. Porém, o trumpismo, como a eleição mostrou, não se limita aos homens brancos, cujo apoio a Trump na verdade diminuiu.

Dostoievski viu o comportamento da inútil classe liberal da Rússia, que satirizou e criticou no final do século XIX, como presságio de um período de sangue e terror. O fracasso dos liberais em defender os ideais que professavam levou inevitavelmente, escreveu ele, a uma era de niilismo moral. Em Cadernos do Subterrâneo , retratou os sonhadores estéreis e derrotados da classe liberal, aqueles que sustentavam ideais elevados, mas nada faziam para defendê-los. A personagem principal leva as ideias falidas do liberalismo ao seu extremo lógico. Ele foge da paixão e do propósito moral. É racional. Acomoda-se a uma estrutura de poder corrupta e moribunda em nome de ideais liberais. A sua hipocrisia condenou a Rússia como agora condena os Estados Unidos. É a desconexão fatal entre convicções e acção.

“Eu nunca consegui tornar-me coisa alguma: nem mau nem bom, nem um canalha nem um homem honesto, nem um herói nem um insecto”, escreveu o Homem do Subterrâneo. “E agora estou a viver a minha vida no meu canto, zombando de mim mesmo, com o consolo rancoroso e totalmente fútil de que é impossível um homem inteligente tornar-se seriamente alguma coisa, e apenas os tolos se tornam alguma coisa. Sim, senhor, um homem inteligente do século XIX deve ser, e moralmente é obrigado a ser, principalmente um ser sem carácter; e um homem de carácter, uma figura activa – é fundamentalmente um ser limitado.”

A recusa da classe liberal em reconhecer que o poder foi arrancado das mãos dos cidadãos por empresas, que a Constituição e suas garantias de liberdade pessoal foram revogadas por decreto judicial, que as eleições nada mais são do que espectáculos vazios encenados pelas elites governantes, que estamos no lado perdedor da guerra de classes, deixou-os falando e agindo de maneiras que não correspondem mais à realidade.

A “ideia da vocação intelectual”, como Irving Howe salientou no seu ensaio “This Age of Conformity” de 1954, “a ideia de uma vida dedicada a valores que não podem ser realizados por uma civilização comercial – gradualmente perdeu seu fascínio. E é isso, ao invés do abandono de um determinado programa, que constitui a nossa rota. “A crença de que o capitalismo é o motor inexpugnável do progresso humano, escreveu Howe, “é alardeada por todos os meios de comunicação: propaganda oficial, publicidade institucional e escritos académicos de pessoas que, até há alguns anos, eram os seus principais oponentes.”

“As pessoas verdadeiramente sem poder são aqueles intelectuais – os novos do realismo político – que se prenderam aos assentos do poder, onde renunciam à liberdade de expressão sem ganhar qualquer significado como figuras políticas”, escreveu Howe. “Pois é crucial para a história dos intelectuais americanos nas últimas décadas – bem como para a relação entre “riqueza’ e ‘intelecto” – que sempre que são absorvidos pelas instituições credenciadas da sociedade, não apenas perdem as suas tradições rebeldia, mas de uma forma ou de outra, deixam de funcionar como intelectuais”.

As populações podem suportar a repressão dos tiranos, enquanto esses governantes continuarem a administrar e exercer o poder com eficácia. Mas a história humana demonstrou amplamente que, uma vez que aqueles em posições de poder se tornam redundantes e impotentes, mas ainda assim mantêm as armadilhas e privilégios do poder, são brutalmente descartados. Isso foi verdade em Weimar, Alemanha. Foi verdade na ex-Jugoslávia, um conflito que cobri para o New York Times.

O historiador Fritz Stern em “The Politics of Cultural Despair”, um livro sobre a ascensão do fascismo na Alemanha, escreveu sobre as consequências do colapso do liberalismo. Stern argumentou que os alienados espiritual e politicamente, aqueles deixados de lado pela sociedade, são os principais recrutas para uma política centrada na violência, ódios culturais e ressentimentos pessoais. Muito dessa raiva, com razão, é dirigida a uma elite liberal que, embora fale a linguagem “Eu sinto a vossa dor” do liberalismo tradicional, os vende.

“Eles atacaram o liberalismo”, escreve Stern sobre os fascistas emergentes à época na Alemanha, “porque lhes parecia a premissa principal da sociedade moderna; tudo o que eles temiam parecia brotar daí; a vida burguesa, o manchesterismo , o materialismo, o parlamento e os partidos, a falta de liderança política. Eles sentiam no liberalismo a fonte de todos os seus sofrimentos. Era um ressentimento de solidão; o seu único desejo era por uma nova fé, uma nova comunidade de crentes, um mundo com padrões fixos e sem dúvidas, uma nova religião nacional que unisse todos os alemães. Tudo isso, o liberalismo negou. Consequentemente, odiavam o liberalismo, culpando-o por torná-los párias, por desenraizá-los de seu passado imaginário e de sua fé”.

Nós estamos prontos para isso. O sistema de saúde com fins lucrativos, projectado para ganhar dinheiro – e não para cuidar dos doentes – não está equipado para lidar com uma crise nacional de saúde. As corporações de saúde passaram as últimas décadas fazendo fusões e fechando hospitais, cortando o acesso a cuidados de saúde em comunidades por todo o país para aumentar a receita – isto, tal como quase metade de todos os trabalhadores permanecem inelegíveis para auxílio durante uma doença e cerca de 43 milhões perderam o seu seguro saúde patrocinado pela empresa. A pandemia, sem assistência médica universal, que Biden e os democratas não têm intenção de estabelecer, continuará a fazer estragos fora de controlo. Trezentas mil mortes previstas para Dezembro. Quatrocentas mil em Janeiro. E quando a pandemia acabar ou uma vacina estiver disponível com segurança, centenas de milhares, talvez milhões, terão morrido.

As consequências económicas da pandemia, o subemprego crónico e o desemprego – perto dos 20% quando os que pararam de procurar trabalho, os que foram licenciados sem perspectiva de recontratação e os que trabalham a tempo parcial abaixo da linha da pobreza forem incluídos nas estatísticas oficiais, significará uma depressão diferente de tudo que vimos desde os anos 1930. A fome nas famílias dos EUA já triplicou desde o ano passado. A proporção de crianças americanas que não recebem o suficiente para comer é 14 vezes maior do que no ano passado. Os bancos alimentares estão saturados. A moratória sobre execuções hipotecárias e despejos foi suspensa, enquanto mais de 30 milhões de americanos pobres enfrentam a perspectiva de serem postos na rua.

Não há mais controlo sobre o poder corporativo. A inevitável agitação social fará com que o Estado, não importa quem esteja na Casa Branca, use os seus três principais instrumentos de controlo social – extensa vigilância, prisões e polícia militarizada – apoiada por um sistema legal que rotineiramente revoga o habeas corpus e o devido processo legal, para esmagar implacavelmente a dissidência.

Pessoas de cor, imigrantes e muçulmanos serão responsabilizados pelo declínio da nação e visados pelos fascistas. Os poucos que continuarem a desafiar o Partido Democrata denunciando os crimes do Estado corporativo e do império serão silenciados.

A esterilidade da classe liberal, servindo os interesses de um Partido Democrata que os ignora e despreza, alimenta os sentimentos generalizados de traição que viram quase metade dos eleitores apoiar um dos presidentes mais vulgares, racistas, ineptos e corruptos da história americana. Uma tirania americana, com o verniz ideológico de um fascismo cristianizado, irá, segundo parece, definir a descida histórica do império à irrelevância.



[NT] Cumpre recordar que esta “sociedade aberta” vivia a discriminação racial e era doentiamente anticomunista. Isto acontecia tanto internamente como externamente devido aos horrores das guerras e outras intervenções imperialistas. É aliás o que se depreende do texto de Chris Hedges.

[*] Jornalista ganhador de um Prémio Pulitzer, passou quase duas décadas como correspondente na América Central, Médio Oriente, África e Balcãs. Fez reportagens em mais de 50 países e trabalhou para The Christian Science Monitor, National Public Radio, The Dallas Morning News The New York Times, do qual foi correspondente estrangeiro durante 15 anos.

É ou não “a economia, estúpido”?

(Alexandre Abreu, in Expresso Diário, 19/11/2020)

Alexandre Abreu

Existe uma tese há muito dominante na política norte-americana segundo a qual as pessoas votam de acordo com as suas vantagens económicas imediatas, independentemente de outras considerações. Se a economia e os rendimentos estiverem a crescer, os eleitores tenderão a votar em quem já esteja no poder ou, se estiverem no final de um ciclo de dois mandatos, em quem mais confiem que mantenha essa trajetória. Se a economia estiver em crise, tenderão a punir quem está no cargo.

Este tese ficou associada à frase “É a economia, estúpido”, introduzida pelo diretor de campanha de Bill Clinton nas eleições de 1992 contra George Bush (pai). Nessas eleições, que ocorreram logo após a recessão do início dos anos 1990, a campanha de Clinton organizou a sua mensagem em torno dos temas económicos e foi bem-sucedida a afastar Bush da presidência após o primeiro mandato. O sucesso foi generalizadamente interpretado como resultado dessa opção tática, insistentemente martelada por esse diretor de campanha.

No fundo, esta tese diz-nos que as opções do eleitorado decorrem fundamentalmente dos interesses materiais mais do que de outras questões ideológicas, mas enfatiza os interesses materiais de curtíssimo prazo: a tendência de evolução imediata, digamos assim, em detrimento por exemplo dos interesses mais estruturais de classe ou de pertença a um grupo socioprofissional específico. É portanto uma espécie de materialismo elementar em versão de curto prazo. Obviamente simplista, mas ao mesmo tempo plausível e certamente consistente com pelo menos alguns desenlaces eleitorais.

Em contrapartida, na discussão em torno do resultado das eleições norte-americanas de 2016, aliás como no debate em torno das explicações do resultado do referendo do Brexit, as análises afastaram-se bastante desta ideia. As tentativas de explicação organizaram-se pelo contrário em dois grandes pólos, nenhum dos quais deu grande importância à trajetória económica de curto prazo: de um lado, as explicações em torno da dimensão cultural (o ressentimento das classes populares, dos meios rurais e das pequenas comunidades face às elites culturais urbanas e à mudança social acelerada); do outro, as explicações económicas, que sublinharam a dimensão material mas de longo prazo (o declínio económico das regiões que apoiaram esta viragem reacionária, no contexto do neoliberalismo e globalização). É um debate que nunca foi categoricamente resolvido, precisamente porque as duas dimensões se articularam entre si, independentemente de qual tenha sido o primum movens. Em todo o caso, e significativamente, a questão da trajetória económica de curto prazo não teve um papel relevante na discussão.

Tudo isto traz-nos até às eleições de 2020 e à interpretação dos seus resultados à luz deste debate. Logo no dia 4 de novembro, um inquérito realizado à boca da urna pareceu apontar para o regresso da “economia, estúpido”: quando questionados acerca de qual a questão que havia sido mais determinante para o seu voto, uma maioria relativa dos eleitores norte-americanos inquiridos (35%) referiu a economia, seguida a alguma distância pela desigualdade racial (20%) e pela pandemia de coronavírus (17%). E isso parecia favorecer Donald Trump: após um longuíssimo período de estagnação (praticamente desde os anos ’70), o rendimento mediano real (ajustado à inflação) dos agregados familiares norte-americanos cresceu significativamente durante a presidência Trump, melhorando a situação económica da maioria, pelo menos até à pandemia e recessão de 2020.

A discussão das causas, da sustentabilidade e da responsabilidade da administração Trump nesta evolução é complexa e não pode ser feita em poucas linhas. Entre outros aspetos, deve ter-se em conta que este aumento dos rendimentos, muito associado à redução do desemprego para mínimos históricos, antecede a chegada ao poder de Trump (remontando a 2014) e que foi propulsionada pelos défices orçamentais incorridos nos últimos anos apesar da economia estar em expansão (considerados insustentáveis pela maioria dos analistas e seguramente tendentes a aprofundar a desigualdade). Em todo o caso, podemos perguntar-nos: se a economia foi a questão mais determinante no momento do voto, se (pelo menos até à pandemia) a economia vinha evoluindo favoravelmente e se a maioria do eleitorado considerava Trump responsável por essa evolução, então porque é que Trump não ganhou?

Na realidade, Trump perdeu as eleições apesar da “economia, estúpido”: por causa da sua incompetência na gestão da crise pandémica, das suas responsabilidades na intensificação das tensões raciais e dos seus traços de caráter repulsivos. Na mesma sondagem realizada em Setembro em que uma ligeira maioria dos inquiridos norte-americanos afirmava confiar mais em Trump do que em Biden quanto à “economia e emprego”, a confiança em Biden excedia a confiança em Trump relativamente a todos os outros temas.

A resposta “economia” como tema decisivo na sondagem à boca da urna padece daquilo que em jargão económica é conhecido como endogeneidade. Isto é, em grande medida não antecedeu em termos causais o voto em Trump, mas resultou deste: era a escolha de tema que decorria logicamente de uma preferência eleitoral por Trump, dado que as outras opções, como a pandemia ou as tensões raciais, eram obviamente desfavoráveis a Trump. E isto independentemente de quais tenham sido os motivos mais profundos dessa escolha eleitoral, das ‘culture wars’ às questões económicas de curto e longo prazo.

A economia, e especificamente os interesses materiais individuais e imediatos, é certamente um determinante fundamental das escolhas políticas. Mas os analistas e estrategas políticos que adotem uma visão demasiado simplista destas determinações estarão eles próprios a ser “estúpidos”.