O poder das famílias e dinastias

(Francisco Louçã, in Expresso, 13/04/2019)

Francisco Louçã

Quando se fala tanto do poder das famílias, talvez convenha descobrir como funciona. Primeiro mecanismo, a fortuna, a base do poder, herda-se, esse é o princípio de tudo. Dois investigadores do Banco de Itália descobriram uma base de dados sobre heranças: usaram os dados fiscais de Florença desde 1427 (quem diz que os italianos são desorganizados?) e verificaram que as famílias mais ricas desse período tiveram uma probabilidade excecional de vir a gerar descendentes bafejados pela fortuna em 2011, quase seis séculos mais tarde. Os autores concluem que há um “efeito duradouro do estatuto socioeconómico dos antepassados”.

Um segundo mecanismo é a fidelidade de classe. Três universitários, da Dinamarca e de duas faculdades da Califórnia, estudaram um caso e fizeram a seguinte pergunta: o que é que aconteceu às fortunas dos proprietários do sul dos Estados Unidos com o fim da Guerra Civil em 1865, sabendo que parte da sua riqueza eram escravos que foram emancipados? Foi um choque, os 10% mais ricos perderam 73% do que tinham. Mas em 1880 os filhos tinham recuperado as fortunas e em 1900 eram mais ricos do que os pais esclavagistas. A razão do sucesso foi a cooperação nas redes sociais dos proprietários. Nas famílias poderosas, a fortuna herda-se e garante sempre um ponto de partida mais à frente.

DINASTIAS

Foi assim que se ergueram as dinastias, que estão por todo o lado. Em Itália, a família Agnelli tem dominado 10% da bolsa (e a Juventus). Embora seja uma grande proporção para o padrão europeu, não é inaudito. As principais 10 famílias de Portugal controlavam 34% da bolsa (até ao colapso, em 2014, do grupo Espírito Santo) e o valor na França e na Suíça é de 29%. Na Suécia, o grupo dominante, a família Wallenberg, tem quase metade do mercado bolsista, com a Ericsson, SAS, SAAB, Electrolux, Atlas Copco, Café Ritazza, a farmacêutica AstraZeneca e outras empresas. Na Alemanha, os Quandts são os principais acionistas da BMW, que inclui a Mini e a Rolls-Royce.

Na Ásia, as dinastias são ainda mais dominantes: as primeiras 15 famílias de Hong Kong detêm 84% do PIB; na Malásia, as 15 mais ricas têm 76% do PIB, em Singapura 48% e nas Filipinas 47%. No Equador, a família Naboa é dona do quinto maior produtor do mundo de bananas e de 40% das exportações. Na Coreia do Sul, os maiores conglomerados são todos familiares, como a Samsung, Hyundai, LG, CJ, Hanwha, Lotte, Hanjin e GS Group.

Nos EUA, seis Waltons e dois Kochs, possuem tanta riqueza quanto 44% da população. Os Waltons têm cerca de 150 mil milhões de dólares — o PIB de um país desenvolvido de dimensão média — com a WalMart, a maior cadeia retalhista do mundo. Os Kochs são os grandes financiadores da extrema-direita no país. O capital move-se em família.

DEMASIADOS HERDEIROS

No entanto, a herança pode ser um problema, o número de herdeiros cresce depressa. Nos EUA, de acordo com a “Forbes”, temos os Rockefellers (200 pessoas com 8,5 mil milhões de dólares), os Mellons (100 com 10 mil milhões) e os Du Ponts (300 elementos com 12 mil milhões); a França tem a família Michelin (400 pessoas com 1,2 mil milhões); a Alemanha tem as famílias Porsche e Piech, donos da Volkswagen (50 com 10 mil milhões), a Boehringer (12 com 10,2 mil milhões) e a Merck (100, donos de 4 mil milhões); no Canadá estão os Bombardiers (7 pessoas com 2,7 mil milhões); e, espalhados pela Europa e pelos EUA, os Rothschilds (10 pessoas com 1,5 mil milhões). Os Wendels empregam mais de um milhar de membros da família nas suas empresas Saint-Gobain e Nippon Oil Pump. Na família Mulliez (dona da Auchan, Decathlon e Leroy-Merlin Boulanger), mais de 600 elementos da família têm ações da empresa-mãe, mas seguem um pacto interno rígido que controla a liderança da empresa.

Na China, 103 descendentes dos “oito imortais” do tempo de Mao Tsé-Tung dirigem grandes empresas estatais. Três deles dominam um quinto da economia chinesa. Na Dalian Wanda, que afirma ter “120 vezes mais funcionários do que o Vaticano” e detém propriedades em Beverly Hills, os cinemas AMC e uma parte do Atlético de Madrid, há ações reservadas para a irmã mais velha do Presidente Xi Jinping e para a filha do antigo primeiro-ministro Wen Jiabao. As famílias são poder.

HERDEIROS OU EMPRESÁRIOS?

Caroline Freund, antiga economista-chefe do Banco Mundial, estudou se as fortuna herdadas são mais importantes do que as fortunas recém-construídas. Descobriu que a percentagem de multimilionários que devem a sua posição à herança diminuiu em duas décadas de 55% (em 1996) para 30,4% (em 2014). Não obstante, nos EUA o valor chega a um terço e é mais de metade na Europa. Freund notou também que nas economias emergentes o valor das fortunas novas saltou dos 57% (1996) para 79% (2014). Seria esse o caso de Terry Gou, do gigante eletrónico Foxxconn, com um milhão de funcionários; de Zhou Qunfei, a mulher mais rica do mundo, da Lens Technology; ou dos dois gigantes da internet, Jack Ma (Alibaba) e Robin Li (Baidu).

Mas aqui aparecem outras redes de ligações: no nosso século, empresas que já representam 8% da capitalização financeira mundial são geridas por familiares dos líderes políticos dos respetivos países. Foi o poder que fez as fortunas em Angola ou a oligarquia na Rússia, por exemplo.

É melhor levar a sério este poder. Pelo controlo das bolsas, da banca ou de governos, estas famílias são capital que manda no mundo.


Chamem-lhe parvo

Foi Robert Reich, ex-secretário do trabalho de Clinton, quem chamou a atenção, em “The Guardian”, para uma particularidade da carta da semana passada de um poderoso banqueiro aos seus acionistas: Jamie Dimon, chefe do JP Morgan Chase, um dos maiores bancos do mundo, atira-se ao “socialismo” como gato a bofe. O contexto é a missiva anual do CEO a apresentar as contas, e Dimon aproveita sempre a ocasião para expandir as suas opiniões urbi et orbi. Nisso, nada de novo. Ele percorre os assuntos da atualidade e, desta vez, é a nuvem, a inteligência artificial, a privacidade nas redes sociais, o conflito com a China, as relações entre republicanos e democratas. Tudo trivialidades. O que há de novo é o “socialismo”, que “seria um desastre para o nosso país”. Pois é, “não quero dizer que o capitalismo não tenha falhas, que não está a deixar pessoas para trás e que não possa ser melhorado”, mas o socialismo leva a “empresas e mercados ineficientes, enorme favorecimento e corrupção”, escreve Dimon. Mas “não advogo um capitalismo desregulado” e, acrescenta logo, “conheço pouca gente que o defenda”.

Reich lembra que este banco foi resgatado pela voluptuosa nacionalização dos seus prejuízos, quando da crise financeira de 2008, com 25 mil milhões de dólares, um “enorme favorecimento”. Aliás, o favorecimento vem de muito longe, o banco sempre foi protegido pela asa do Estado. Durante a crise, quando estava a ser financiado por dinheiros públicos, o JP Morgan Chase comprou outro banco, o Bear Stearns, infeliz vítima da recessão, pelo valor do edifício da sede; nesse momento, o CEO do JP Morgan, o mesmo Jamie Dimon, pertencia à direção do Banco da Reserva de Nova Iorque, que organizou a venda, ou seja, estava no lugar certo para decidir a compra pelo seu próprio banco do concorrente por tuta e meia. Mais tarde, o Chase teve de pagar uma multa de 13 mil milhões (dos quais onze abatem ao valor coletável futuro) pelos seus desvarios financeiros que o levaram à borda da falência, o tal “capitalismo desregulado” que tem “falhas”. Mas tudo acaba bem, o ano passado o Morgan Chase beneficiou em 3,7 mil milhões da redução dos impostos para o sector financeiro que foram oferecidos por Trump e, generoso, pagou 31 milhões em salário e bónus ao dito Dimon. Uma espécie de “socialismo dos bancos”, que entrega o prejuízo ao Estado quando é tempo de vacas magras e que reduz impostos quando é tempo de vacas gordas.

Reich, deve ser do mau feitio, lembra que os 27,5 mil milhões de dólares pagos em 2018 em bónus aos administradores e agentes financeiros de Wall Street cobririam três vezes os rendimentos dos 600 mil trabalhadores pagos a salário mínimo federal nos Estados Unidos. E que, por isso, quando Dimon diz que não antecipa, mas “estamos preparados para uma nova crise financeira”, ele sabe do que fala. É do “socialismo dos bancos”, que bem “pode ser melhorado”, mas que funcionou como um relógio suíço sempre que foi preciso. Chamem-lhe parvo.157102

Advertisements

Famílias Governamentais

(In Blog O Jumento, 07/04/2019)

Muito mais grave do que a contratação de um primo para assessor de um gabinete governamental é o que se pode passar em muitos concursos de admissão de funcionários públicos. Isso quando há concursos, já que no caso dos precários muitas escolhas feitas sem qualquer procedimento concursal obedeceram a critérios políticos ou familiares e agora passam à frente de outros cidadãos com dispensa de qualquer concurso. Basta ir a algumas autarquias para se perceber como muitos jotas e afilhados foram promovidos a funcionários autárquicos.

Encontrar primos e conhecidos nos gabinetes ministeriais de qualquer governo, a começar pelos de Cavaco Silva, é fácil. Desses até sabemos qual foi o critério da escolha, o pior é quando os laços são bem mais perigosos e não são identificáveis pelo apelido. Se aprofundarem as investigações vão encontrar muitos representantes de escritórios de advogados em gabinetes sensíveis, senão mesmo secretários de Estado escolhidos por grupos, basta olharem com cuidado para o governo de Passos Coelho.

Os governos não são centros de emprego onde deve respeitar-se o princípio da igualdade no acesso dos cidadãos aos cargos governamentais. O primeiro-ministro, os ministros e secretários de Estado escolhem quem bem entenderem, se escolherem incompetentes, irresponsáveis ou corruptos sofrerão as consequências nas eleições, se nada de grave se souber antes.

Ter mini conselhos de ministros familiares merece um sorriso e não parece ser um modelo de republicanismo. Mas se não gosto da escolha dos ministros da Administração Interna e da ministra do Mar não é porque são marido e esposa, não sinto uma especial simpatia pelas duas personagens e não foi o casamento que as melhorou ou piorou.

Mas é bom que todo o PSD se dedique a estas questões, é sinal de que o Centeno fez um bom trabalho e o Rui Rio não tem muito com que se preocupar. Como o PSD tem uma certa mania de ser salvador da pátria isso significa que podem ser dispensados para a próxima legislatura.

Fonte aqui

As famílias infelizes


(Miguel Sousa Tavares, in Expresso, 06/04/2019)

Miguel Sousa Tavares

Ao longo da vida e para se sustentar, uma pessoa passa às vezes por situações de que não guarda boas memórias, mas, mesmo assim, proveitosas experiências. Sucedeu a mim, jovem imberbe acabado de licenciar, quando me vi nomeado adjunto do gabinete de um ministro. Nunca tinha visto o ministro na minha vida, não pertencia ao partido dele nem a nenhum outro e, de facto, era o único membro do seu gabinete sem relações partidárias ou pessoais com o ministro: fui lá parar porque alguém que me tinha visto trabalhar algures me recomendou ao sr. ministro, ele convidou-me e eu fui ganhar o dobro do que ganhava no emprego em que estava. O Ministério era o da Educação, o maior e o mais ingovernável do país — até hoje. Passei lá dois anos, desafiantes e altamente formativos em termos profissionais no início, e profundamente decepcionantes no final. A parte útil foi perceber como funcionava a máquina da Administração Pública por dentro; a parte decepcionante foi perceber como ali se aplicava como uma luva uma adaptação da Lei de Lavoisier: nada se cria, nada se transforma, tudo se arrasta para que nada avance. Como era novo demais para me adaptar, demiti-me a meio do mandato — do cargo e do quadro da função pública, para que fora nomeado a título definitivo, apenas um mês antes.

Hoje, quando oiço as conversas de rua sobre os ‘tachos’ dos membros dos gabinetes governamentais, sei que, não se tratando de quem é tão novo como eu era e foi ao engano como eu fui, ou alguém que estava desempregado, ou que não sabe fazer mais nada, ou porque, de facto, é a mulher, a filha ou a sobrinha, aquilo não é ‘tacho’ que se recomende. Mas alguém tem de o fazer porque os governantes precisam de um gabinete para governar. Não há “ministers” sem um Sir Humphrey e um Bernard —– aqui ou na circunspecta Inglaterra. E fico sempre espantado quando assisto na televisão às cerimónias de posse de novos membros do Governo e constato a aparente alegria e entusiasmo dos novos membros empossados, rodeados de amigos, familiares e colegas, muito felizes, entre beijos, abraços e palmadas nas costas. Que celebram eles, que não um voto de sacrifício e maledicência pública garantidos, a troco de 4 ou 5 mil euros brutos por mês? Já o disse e repito com toda a sinceridade: agradeço que haja alguém que me queira governar, porque eu, por mim, não teria a mais pequena vontade de o fazer e conheço muito poucas actividades menos compensadoras do que governar Portugal. Pegando na célebre frase inicial do “Anna Karenina”, as nossas famílias governantes, funcionando em círculo fechado, estão condenadas por natureza a serem infelizes. Talvez cada uma à sua maneira, mas todas sempre infelizes.

E o prémio da infelicidade da semana nesta matéria vai para Cavaco Silva, que jurou que nos seus três governos não tinha havido quaisquer relações familiares dentro dos gabinetes. Pouca sorte a dele! Logo haviam de desenterrar o fantasma de “O Independente”, a recordar dezenas delas, até as mais expostas, como os secretários de Estado Marques Mendes e Álvaro Amaro a nomearem as mulheres um do outro para os respectivos gabinetes!

Curioso é que segundo a “linha vermelha ética” traçada por António Costa e que levou à demissão do secretário de Estado do Ambiente do actual Governo — não haver familiares nomeados directamente por um membro do Governo — tal situação escaparia a qualquer censura. Mas o critério é de justiça duvidosa e está longe de resolver o problema: nesse gabinete do ministro da Educação em que trabalhei, a sua secretária pessoal era a mulher dele. Aquilo fazia-me alguma confusão, mas, apesar de tudo acho mais aceitável que um membro do Governo escolha a sua mulher para um lugar de secretária, que é de estrita confiança pessoal, do que se faça trocas de mulheres ou de filhos ou de primos com outros membros do Governo: aí é que já há um indisfarçável cheiro a distribuição de tachos entre famílias.

Entre os 50 casos familiares detectados para já nos gabinetes governamentais (e mais hão-de fatalmente aparecer…), deve haver de tudo um pouco. Favores familiares e favores partidários. Não sei se haverá lei ou regulamento, como pretende António Costa, que possa pôr ordem nisto. Sobretudo, quando, como cristalinamente explicou Carlos César (que brilhante ideia escolherem-no para porta-voz da família socialista!), “há famílias que têm uma especial vocação para a política”. E que desde as juventudes partidárias foram educadas a pensar que o partido era uma extensão do Estado e a família e o partido se confundem num só. Mas não se pense que isto se passa apenas a nível do estado-maior dos partidos, do Estado central e do Governo do país: olhados de perto, os governos regionais e as autarquias locais estão atulhados de familiares, companheiros e camaradas de partido, nos governos locais, nas empresas regionais e municipais. E, quando não estão nos lugares, estão nas obras onde deixam assinatura: as piscinas, os centros de dia, os polidesportivos, os campos sintéticos, os centros de congressos, os monumentos das rotundas feitos pelo primo escultor da mulher do presidente ou pela cunhada do vereador. Há muito pouca gente disponível no país profundo…

Sempre foi assim e sempre será assim. O grande erro de António Costa foi no Conselho de Ministros. Ele diz e repete que isso já vinha de trás e que só ao fim de três anos é que levantaram o problema. É verdade que sim, é verdade que Mariana Vieira da Silva já se sentava no Conselho de Ministros como secretária de Estado. Mas quando ele a promoveu a ministra, a coisa tornou-se mais visível e aberrante: marido e mulher, pai e filha, juntos no Conselho de Ministros? Não, francamente, é de terceiro mundo! Que fazem o marido e a mulher, o pai e a filha quando estão em desacordo: enfrentam-se à vista dos outros ministros, enfrentam-se em casa, abafam as divergências? Foi esse absurdo erro de casting que fez com que toda a gente, olhando para cima, começasse então a olhar para baixo e fosse puxando a teia até chegar aos 50 casos de família. Foi um claro erro de cegueira do poder, de quem não consegue ver o que entra pelos olhos adentro.

E tanto ruído inútil, tanta conversa que leva a lado nenhum, tanta energia gasta a discutir coisas que deveriam ser evidentes por si, afastam-nos daquilo que é verdadeiramente importante. De vez em quando há alguém que nos quer chamar a atenção, mas ninguém ouve: estamos todos entretidos com o vazio das coisas.

(Miguel Sousa Tavares escreve de acordo com a antiga ortografia)