A sebastianização de Passos Coelho?

(Domingos Lopes, in Público, 22/11/2019)

O tempo aceleradíssimo que vivemos faz esquecer muita coisa, mas não se podem apagar as palavras nem sobretudo as obras. Após a queda de SócratesPassos antes do ato eleitoral que o catapultou a primeiro-ministro, prometeu que melhoraria o nível de vida dos portugueses e mal chegou a São Bento desencadeou uma política de confessado empobrecimento.

Eis o fantástico mundo real contra o qual batem os que defendem que Passos enfrentou os DDT (Donos Disto Tudo) – ver artigo de João Miguel Tavares de 16/11/2019.

Passos capitaneou em Portugal o monumental embuste de que a crise resultava dos portugueses viverem acima das possibilidades, escondendo que tinha sido o sistema financeiro quem com a sua ganância desmedida tinha provocado a crise.

De cima do seu mando e de chicote na mão fustigou económica, social e moralmente a população trabalhadora de Portugal. Nunca se lhe ouviu uma única palavra de crítica aos DDT. Armou-se em seu capataz. Foi o que foi, sendo os DDT, em geral, os donos dos meios de comunicação social, onde está o enfrentamento? Só no fantástico mundo da imaginação para desculpabilizar Passos e sebastianizar o seu regresso privatizador e austeritário para se vingar dos desmandos da geringonça.

Passos e Paula Teixeira da Cruz são ainda responsáveis por uma das medidas mais cruéis que atingiram a Justiça – o encerramento de vinte tribunais e de vinte e sete outros que passaram a secções de proximidade contribuindo para um maior abandono das populações do interior. Ordenaram a passagem das ações de família e menores e todas as ações de valor acima de 50.000 euros para as sedes das comarcas e a deslocalização das ações executivas para um tribunal de cada comarca.

Ainda hoje em certos distritos as sedes distam de alguns municípios dezenas e dezenas de quilómetros (setenta a cem quilómetros em muitos casos), o que impede a quem se deslocar de transportes públicos de o poder fazer no mesmo dia. A Justiça não chega aos que vivem afastados do litoral.

Com Passos Coelho os que eram pobres ficaram mais pobres. Muitos dos remediados ficaram pobres. A classe média encolheu. Uma minoria ínfima ficou mais rica. Este povo desgraçado que acreditou nas promessas de Passos recebeu vergastadas a castigá-lo pelos desmandos dos DDT.

Passos sangrou o PSD de alguns restos de centrismo político tingidos de social-democracia para o lançar na direita neoliberal, rivalizando com o CDS nessa área. Empurrou o partido para a direita destemperada, abrindo espaço ao PS ao centro com o qual engordou.

Porventura o que faz alguns recordarem nostalgicamente Passos Coelho é a sua obstinação ideológica em querer destruir o Estado social e deixar meia dúzia de serviços públicos à míngua destinados aos “intocáveis” e entregar as riquezas ainda sobejantes aos DDT e fazer dos seus amigos novos ricos chegados ao tal clube dos DDT como o inenarrável Relvas e C.ª…

Ressuscitá-lo como um político que enfrentou os DDT e a comunicação social ronda o cómico. O legado de Passos foi pobreza a rodos, servida com a veemência de alguém que se desumanizou. Foi o que foi, sem apelo e sem agravo. Quem o quer de volta não pode vender gato por lebre.

O autor escreve segundo o novo acordo ortográfico


Advertisements

O Xarabaneco

(In Blog O Jumento, 11/11/2019)

Quem estivesse distraído e ligasse a televisão neste fim de semana pensaria que estava a festejar-se uma espécie de Halloween político dedicado ao governo de Passos Coelho. Primeiro foi o morto vivo dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio, a aparecer a dar uma entrevista, uma forma de tornar público que acabava de ressuscitar. No domingo abriram as portas do cemitério do governo de Passos Coelho e foi o que se viu na apresentação do Monte de negro, só lá faltava o Cavaco Silva.

Nunca a apresentação de um candidato à liderança do PSD foi tão clara quanto às ideias, propostas e gente para governar, aliás, tudo aquilo foi perda de tempo e de dinheiro, o candidato não passa de um xarabaneco. Tudo aquilo não passou de uma peça de um teatro de xarabanecos e até lá estava o próprio Passos Coelho, mas como era ele a manipular os xarabanecos não era visível, por estar atrás da cortina.

Estava lá o xarabaneco do grupo parlamentar, a xarabaneca das finanças e vários outros xarabanecos do governo de Coelhos, defuntos da nossa vida política ressente, que ganharam vida neste Halloween fora de época, graças a esta encenação de xarabanecos.

Mas se tudo aquilo foi ridículo não deixa de ter alguma utilidade: os portugueses sabem agora que há um PSD que quer acabar a obra inacabada de Passos Coelho, quer voltar a cortar nas pensões, voltar a cortar nos vencimentos do Estado e aplicar o mesmo corte aos trabalhadores do privado. Voltou a ladainha das duas legislaturas e só não disseram o que defendem porque todos os sabemos.

Este regresso de Passos Coelho escondido atrás do xarabaneco que era líder parlamentar tem muito de positivo e se Rui Rio for derrotado o governo de António Costa tem muito a ganhar. Desde logo porque o PCP e o BE percebem que ainda não é tempo de derrubar um governo do PS e que o cenário do passado se repete: se o derrubarem terão de enfrentar a política de Passos Coelho. E o Presidente da República dificilmente sonhará com a hipótese de usar o segundo mandato para ajudar o PSD a regressar ao poder.


Fonte aqui


Raios partam o mafarrico

(In Blog O Jumento, 26/06/2019)

Parece que o mafarrico abandonou o PSD e depois de já ter mandado o Passos Coelho para uma brilhante carreira académica no ISCSP ainda se vai lembrar de mandar o Rui Rio para seu assistente. O pobre do Passos anunciou o mafarrico para setembro de 2016, contando com um pedido de ajuda à troika depois da publicação da execução orçamental, andou a brincar à oposição e foi o que se viu.

O mafarrico faltou ao combinado mas parecia ter vindo no meio de labaredas em Pedrogão Grande. O Passos voltou a reanimar-se e quando um boy local o informou que já havia mortos e feridos, porque o povo se sentia abandonado pelo governo e optava pelo suicídio, o diabrete teve mais olhos do que barriga e não se conteve, deu a notícia e acabou no ridículo.

Entretanto o mafarrico ainda deu uns ameaços, tornou a vida num inferno aos utentes da linha verde do Metro de Lisboa e, já com o Passos a preparar as aulas, coube a outros diabretes o anúncio das boas novas: Cristas esmerou-se e o Tavares trabalhou tanto que acabou com o estatuto de senador da nação, discursando em Portalegre.

Reposta alguma normalidade no Metro os diabretes mudaram-se para o estado dos comboios e daí para as urgências, de onde se mudaram agora para a ginecologia. Pelo caminho ainda marcaram encontro com o mafarrico junto aos paióis de Tancos.

Mas o diabo já não é o que era e foi o que se viu nas eleições europeias, as tais eleições tradicionalmente ganhas pela oposição foram desta vez ganhas pelo partido do governo e pelo PAN.

Agora faz-se oposição por antecipação e dizem que o mafarrico vai aparecer sob a forma de uma grávida que chega a uma urgência onde nem há um especialista; ao que parece vai aparecer em Beja ou talvez em Faro.

Com uma oposição destas a direita ainda vai acabar marcando encontro com o diabo nas próximas eleições legislativas. Ainda vamos ver o rui Rio a ser assistente do catedrático Passos Coelho e a Cristas a escrever mais um livro sobre a sua interessante vida pessoal que, como todos sabem, deve ser muito divertida.