O estranho caso do Dr. Jekyll e de Mr. Hyde

(Francisco Louçã, 27/06/2019)

Isto não está para gente de emoção fácil, é um vendaval de ameaças musculadas e de declarações florentinas. Ouvem-se promessas de aumento para funcionários públicos, por entre rios de leite e mel, veem-se votações unanimistas para se seguirem depois rasteiras baixas, nota-se a evocação do critério celestial do amor de empresários para apontar os bons políticos, percebe-se o movimento de alinhamentos nervosos. São eleições, vossa senhoria.

Mas, mesmo assim não é estranho que os mesmos digam uma coisa e o seu contrário? Apetece pedir-lhes que se organizem por favor, ofereçam-nos ou a cenoura ou o chicote, mas um e outro em simultâneo fica confuso. Não nos castiguem com tudo ao mesmo tempo e no mesmo lugar e pelas mesmas vozes. Pois foi assim nas jornadas parlamentares do PS, concluídas esta segunda-feira.

O primeiro dia foi o festival Carlos César. Marcou o seu terreno, fez o balanço, traçou a linha, apimentou as frases. Atirou aos alvos de manhã, repetiu de noite. Voltou ao tema no segundo dia. Para o líder parlamentar e presidente do partido, não há direita, o que é que isso interessa, mas com a esquerda tem um sério ajuste de contas a fazer. Ele tinha de avisar os portugueses de que o perigo espreita e de que os piores são os aliados do Governo: são aventureiros, levam o país para a penúria, vamos ficar com uma mão à frente e outra atrás, a bancarrota está aí. Pareceria piada, se estas frases não tivessem sido todas utilizadas. César não quer que ninguém se distraia nem se engane, é mesmo de bancarrota que está a falar se algumas das taxas moderadoras forem extintas (extinção que o PS aprovou com gosto). Pátria ou morte. Ou, vá lá, se não for nem pátria nem morte que venha pelo menos uma “maioria expressiva” para o PS, nós é que mandamos no país e no Parlamento.

Depois chega António Costa. Onde César dissera penúria, ele diz sucesso. Onde César dissera aventureiros, ele garante que todos cumpriram a sua parte. Onde César invoca a bancarrota, ele garante contas deslumbrantes. Onde César conclama contra as forças de bloqueio, ele diz que valeu a pena a aliança com essas forças.

Onde César diz que se vai libertar, Costa diz que está tudo bem. Onde o primeiro pede um voto esmagador de confiança no partido para sacudir aqueles que não são amados pelos empresários, o segundo diz continuidade. E, no fim, abraçam-se.

Dr. Jekyll e Mr. Hyde tinham pelo menos trajes, trejeitos e tempos diferentes. E de certeza que não se felicitavam mutuamente depois de se contradizerem tão exuberantemente. É que eram ambos a mesma pessoa.


Advertisements

As crises existenciais do centro-direita

(Anselmo Crespo, in Diário de Notícias, 06/06/2019)

Anselmo Crespo

A crise do centro direita não é nem um mito nem um prognóstico. É uma realidade que nasceu muito lá atrás e que, não tendo ainda atingido o seu epílogo, pode estar muito próximo dele. Há quatro anos, António Costa não se limitou a “roubar” o poder ao PSD e o CDS. Roubou-lhes também a agenda e desatou a correr em direção à esquerda, enquanto o centro direita ficou a esvair-se em sangue. Até hoje.

Passos Coelho, que resistiu até às autárquicas com o discurso do diabo, acabou mesmo por chocar de frente com ele. Não foi para o inferno, mas acabou por ser atirado para uma espécie de purgatório político, de onde muitos – incluindo, quem sabe, o próprio – ainda esperam que, um dia, consiga sair.

Se Santana Lopes representava uma espécie de evolução na continuidade, Rui Rio era uma velha novidade que acabou por tornar-se na única esperança do PSD para recuperar um eleitorado que Passos Coelho e a troika tinham deitado borda fora, mas que o Partido Socialista, apesar de tudo, não tinha conseguido aproveitar até às legislativas de 2015. Mão de ferro, limpezas profundas, recentramento do partido, uma política para a classe média, sem nunca perder o foco no rigor das contas públicas, Rui Rio prometia ser tudo isto e, ao mesmo tempo, um político de carne e osso, que diz o que pensa e pensa tudo o que diz.

Há quatro anos, António Costa não se limitou a “roubar” o poder ao PSD e o CDS. Roubou-lhes também a agenda

Um ano e meio depois, o que sobra deste PSD? Para quem fala o partido? Que alternativa tem para o país? Quem é o eleitorado deste PSD? Entre crises internas, discussões estéreis e uma estratégia de oposição ziguezagueante e permanentemente equívoca, Rui Rio perdeu-se na tradução dos objetivos que delineou para o partido e para si próprio. Para lá de dois acordos que assinou com o governo – sobre fundos comunitários e descentralização -, todos os temas que tentou impor na agenda política nacional acabaram por implodir nas contradições internas, nos protagonistas que lhe deram voz ou no amadorismo da comunicação. Não sendo o único responsável pela situação do partido – longe disso – é, neste momento o principal. Por ser o presidente do PSD em funções, mas, sobretudo, porque Rio insiste em seguir em contramão achando que todos os que estão a vir contra ele é que estão errados e ele é que está certo.

O teste não será muito difícil de fazer. Basta encomendar um estudo de opinião e perguntar às pessoas: qual é a principal mensagem do PSD hoje em dia? O que distingue, neste momento, o PSD do PS? As conclusões, estou em crer, não serão muito animadoras para a liderança de Rui Rio.

Não por acaso, esta semana, na TSF, Manuela Ferreira Leite sentiu necessidade de sugerir ao centro direita uma nova abordagem de oposição ao Governo: o défice das contas públicas, que antes nos afetava por excesso e que agora, segundo a ex-ministra das finanças, nos afeta por defeito.

Um ano e meio depois, o que sobra deste PSD? Para quem fala o partido? Que alternativa tem para o país? Quem é o eleitorado deste PSD?

Do lado do CDS, a crise é proporcional à dimensão e às características do partido. Menos óbvia e sempre com o efeito de arrastamento do PSD, que é historicamente o motor do centro de direita em Portugal. Assunção Cristas confundiu ambição com realismo. Oposição com guerrilha. No processo, esqueceu-se que o eleitorado, apreciando um bom soundbyte de vez em quando, não é estúpido. E que a política também se faz de propostas concretas – prova disso é a mudança óbvia de estratégia depois do desaire das Europeias -, de bandeiras que as pessoas compreendam e, sobretudo, de coerência.

Advertisements

E este é outro dos fatores que ajuda a explicar a crise do centro direita. Aos olhos do eleitorado, o PSD e o CDS perderam legitimidade para criticar a elevada carga fiscal, a falta de investimento público, as cativações ou a obsessão pelo défice. Porque fizeram igual ou pior. Porque, enquanto houver um Novo Banco para pagar, dificilmente alguém se esquecerá de quem tomou a decisão. Não que esta leitura seja totalmente justa, porque não o é. Com todos os erros que foram cometidos – muitos deles assentes em preconceitos ideológicos -, PSD e CDS governaram num período de crise e de assistência financeira. Dito de outra forma, governaram um país falido. O problema é que a memória humana, às vezes, é curta. Outras vezes, é muito seletiva.

Quatro anos depois, o centro direita em Portugal não só continua amarrado a um dos períodos mais negros da vida do país – mesmo havendo outros responsáveis -, como não teve a capacidade de se reinventar, no conteúdo e na forma. É por isso que Marcelo Rebelo de Sousa tem razão quando antecipa uma crise, ainda que o tenha feito com uma ligeireza pouco própria de um Presidente da República.

O eleitorado do centro direita não desapareceu, só decidiu não comparecer. Está distante, confuso e, claramente, à espera que o PSD, o CDS ou outro partido qualquer lhe ofereçam uma visão para o país. Para já, o PS continua virado para a esquerda. Mas, um dia, talvez mais cedo que tarde, António Costa regressará para tentar reconquistar o centro de que abdicou nos últimos quatro anos. Porque é aí que pode estar a chave para a maioria absoluta.


Ter Confiança!

(Joaquim Vassalo Abreu, 29/05/2019)

Vassalo Abreu

A CONFIANÇA para mim, que toda a vida trabalhei em áreas ligadas às economias, e estou certo que por todos os economistas e mesmo empresários, é a principal variável de qualquer decisão económica.

É ela quem incentiva o consumo que por sua vez determina a produção e as consequentes importações e exportações e é também ela quem ajuda nas decisões de investimentos que, juntamente com o enunciado, proporcionam o crescimento económico.

Ainda nesta cadeia e sempre como consequência, surge o crescimento do emprego e logo mais impostos cobrados pelo Estado e menos despesas sociais e, ainda, mais redistribuição. A CONFIANÇA tanto em quem nos governa como nas Instituições Públicas e nos dados estatísticos oficiais é, portanto, e como é fácil intuir, o principal elo de uma cadeia que se quer estável e firme.

Ora foram estes os pressupostos que, se bem se lembram, Mário Centeno e toda a equipa de economistas que António Costa convidou para trabalharem o programa económico com que ele e o PS se apresentaram às últimas eleições, em 2015.

Se bem se lembram também, ainda em tempos da cruzada austeritária e da “TINA ( there is no alternative), tal programa económico mereceu a viva repulsa da PAF e de tudo o que era comentador arregimentado e mesmo de economistas instalados…

Mas, depois das peripécias que todos lembramos, Costa conseguiu, com o apoio Parlamentar dos seus aliados à esquerda, formar Governo e, sendo criada a chamada Geringonça, acabou com o maior mito da política portuguesa que era a impossibilidade de haver um Governo suportado por todas as Esquerdas (as radicais, como a Direita gosta de dizer…) e implementou mesmo, para grande irritação dos acima citados, o programa que tinha proposto, baseado no aumento do consumo proporcionado pela reposição de rendimentos e anulação de cortes.

A montanha era muito dura de escalar e os autênticos trabalhos de “Sisifo” não tardaram a surgir. Os escolhos eram mais que muitos, uma Banca deixada em estado decrépito para sanear, um défice que até alguns “portugueses” queriam penalizar e, ainda por cima, Centeno é acusado por um ilustre comentador e articulista desta praça, que se define como das Esquerdas, o Daniel Oliveira, ser o Centeno um “nabo em política que só estava no Governo para complicar a vida ao Costa”! Escreveu, escreveu mesmo (lembram-se daquela questão do Domingues que era para ser Presidente da Caixa e acabou por não ser?) e, da minha parte obteve uma imediata resposta: aquele meu texto que intitulei de ”Daniel, Um Noviço em Nabiças” (https://wp.me/p4c5So-LG).

Advertisements

Só que mais tarde, com a Economia a engrenar, as promessas sendo cumpridas e os compromissos com o exterior a serem honrados, o Centeno passou de repente a ser um bom político tendo até sido proposto para Presidente do Eurogrupo! Só poderão estar a brincar comigo, terá pensado o Daniel, e o comentador micro Mendes foi até mais longe: que só podia ser piada do 1 de Abril! No fim todos engoliram em seco e foi mesmo nomeado pelos seus pares Presidente do Eurogrupo!

E a Banca foi saneada, o défice começou a descer, a dívida também, o Rating da Republica a subir, o consumo a aumentar, os juros a caírem progressivamente, o desemprego a baixar, as receitas a subirem e as despesas a serem controladas. Portugal tornou-se um País na moda e um modelo de governação e exemplo a seguir no combate à crise.

De tal modo que Costa e Centeno foram a pulso conquistando a credibilidade perdida e criando mesmo uma certa aura na Europa. E começaram a ser ouvidos e respeitados e o País muito tem ganho com isso e as sondagens de aprovação de Costa, de Centeno, da Governação e da Geringonça continuam a mostrar-se amplamente positivas e esclarecedoras.

Assim, passadas as Eleições Europeias que Costa conseguiu que se transformassem num quase plebiscito à governação e num teste do qual os Partidos da Geringonça saíram com distinção tendo obtido praticamente o dobro dos deputados eleitos pela Direita (13 eleitos contra 7 não contando com o PAN), põe-se agora um especial ênfase no próximo acto eleitoral, este mais decisivo e importante: as Legislativas!

E todo o meu raciocínio aqui exposto conduz, como podem facilmente intuir, a uma essencial pergunta: Merece ou não Costa e o seu Governo a nossa Confiança?

É perfeitamente natural haver questões políticas em que podemos estar em desacordo, que não concordemos com com determinadas posturas, com algumas decisões que poderemos considerar polémicas, pecando umas por excesso e outras por defeito e mesmo com alguns princípios para nós básicos e fundamentais dos quais nos custa muito prescindir e coisas que não foram contempladas nesta Legislatura e deveriam tê-lo sido.

Tudo isso é verdade mas, no essencial, o que é que eu penso, e tenho por certo que a grande maioria também assim pensa, que deveremos desejar de um Governo? Desejamos que haja Previsibilidade e Estabilidade! De modo que a pergunta é: e no essencial não estamos  maioritariamente de acordo?

E a notícia, falando ainda de Confiança, é de que, muito embora a nossa Direita, sem qualquer sustentação fale em falhanço, em desmoralização e descontentamento generalizado, em artifícios e ilusionismos e as pessoas não confiam neste Governo “radical”, como afirma Cristas ( Rio nem diz nada porque nada tem para dizer…), a realidade teima em desmenti-la e a grande verdade é que muitos dos seus apoiantes e até militantes acham precisamente o contrário!

Eles acham que existe claramente confiança, que o Governo a tem sabido criar e muitos agentes económicos, Empresários e empregadores isso mesmo atestam. Como se costuma dizer: “contra factos não há argumentos…”. E sentem-se maioritariamente satisfeitos com os apoios, com o diálogo e com as medidas de carácter económico implementados por este Governo!

Então vamos ser nós Trabalhadores, Reformados e Aposentados, Funcionários Públicos, Pequenos e Médios Empresários, dos da Restauração ao Turismo e todos os demais, todos esses a quem este Governo trouxe mais dignidade e esperança que lhe vamos negar essa Confiança?

Eu tenho confiança em António Costa, no seu Governo e num futuro Governo também de Esquerda e de preferência com a Geringonça, sempre à Esquerda. E daqui a cinco meses é isso mesmo que vai estar em cima da mesa: Renovar a Confiança em  quem amostrou merecer!

Nas últimas eleições votei em António Costa e na Geringonça! Tenho alguma razão para não o voltar a fazer? É claro que não!

Eu CONFIO!


(Nota: Pelos vistos não é só o autor que confia, já que em sondagem recente, feita pelo ISCTE, a opinião maioritária dos inquiridos vai no mesmo sentido).

Ver a sondagem completa aqui