Rui Rio e a arte da espera

(Daniel Oliveira, in Expresso Diário, 23/06/2020)

Daniel Oliveira

Ao PS interessaria iniciar um novo ciclo político antes do pico da crise económica e social. Ao PSD, pelo contrário, é fundamental impedir que Costa vá a votos quando está numa posição confortável. A inteligência de Rui Rio foi colocar-se numa posição que lhe permite manter um guião coerente que o deixa em espera, até ao momento mais favorável. Ele sabe que as eleições se perdem, não se ganham.


Logo depois da reunião com António Costa, Rui Rio deixou claro que o Orçamento Suplementar não teria resistência do PSD. Isto, mesmo antes de o conhecer. E cumpriu, juntando-se à abstenção dos partidos mais à esquerda no hemiciclo e afastando-se do resto da direita, que votou contra.

A parte relevante do anúncio quase imediato de Rui Rio não era o que iria acontecer, foi o tom que o líder do PSD tencionava manter durante todo este período. Sempre pontuado com avisos que o protegem. Esse tom foi dado na intervenção que fez no Parlamento, logo no inicio da pandemia. Não quero parecer cínico e afastar o patriotismo do seu comportamento. Mas também não devo ser ingénuo e afastar o taticismo. Quando se faz a História para consumo popular, cheia de heróis e vilões, costuma ficar apenas um destes lados. Mas a política, mesmo a melhor, faz-se de um tempero entre cinismo e princípios.

António Costa esteve, durante a primeira fase da pandemia, em alta. Aprendeu com Pedrógão e esta crise apelou ao que ele tem de melhor: negociar, gerir urgências, tomar decisões de curto e médio prazo. Conseguiu, ao contrário do Presidente da República, manter a calma desde o início. E teve a sorte de estarmos na ponta da Europa, podendo contar com mais informação do que vinha de oriente para ocidente. Juntou-se a isto um Serviço Nacional de Saúde em melhor forma do que a propaganda privatizadora sempre nos vendeu. E uma oposição que percebeu que usar o medo das pessoas era uma jogada perigosa que poderia ter um efeito de boomerang.

Não sabemos se os números da pandemia não derraparão demasiado no desconfinamento. Nem como evoluirá a situação na região de Lisboa e Vale do Tejo. Nem, mesmo que as coisas corram bem, se a perceção de muita gente demasiado assustada se mantém positiva. Nem se não vem aí uma segunda vaga. Como se tem visto pela ansiedade instalada nos últimos dias, tudo é uma incógnita. Mas, até agora, esta crise sanitária reforçou a posição do primeiro-ministro. Se fosse a votos brevemente esmagaria.

Sem me enfiar por agora nas contas dos apoios europeus e nas contrapartidas exigidas, é inevitável que aí venha uma grande crise económica e social. Não digo que a austeridade é inevitável, porque há uma confusão nos termos – austeridade é uma política que aprofunda a crise para manter as contas equilibradas, não são as consequências inevitáveis da própria crise. Mas as dificuldades vão ser muitas. O tempo que se segue será de grande desgaste político.

Ao PS interessaria iniciar um novo ciclo político antes do pico da crise económica e social. Ao PSD, pelo contrário, é fundamental impedir que Costa vá a votos quando está numa posição confortável. Como está nas mãos do PSD haver ou não uma crise política, essa crise não existirá tão cedo. Mesmo que Costa a venha a desejar muito. A inteligência política de Rui Rio, que a direita trauliteira sempre subestimou, foi colocar-se, logo no início desta pandemia, numa posição que lhe permite manter um guião coerente que o deixa em espera, até ao momento mais favorável. E sempre com ganho de respeitabilidade. Nunca será responsabilizado pelo que corra mal, não perderá com o que corra bem. Ele sabe, ao contrário dos miúdos excitados que queriam fazer a Costa o que o PP e a VOX estão a fazer a Sánchez, que as eleições se perdem, não se ganham. Chegará o momento em que Costa as perde. E esse momento não é este nem será tão próximo.


Costa e Marcelo, duas raposas (com picos de ouriço)

(Vítor Matos, in Expresso Diário, 25/05/2020)

Líderes há muitos, estilos também, mas podemos dividi-los em dois grandes grupos: as raposas e os ouriços. António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa teriam entrado em choque se não fossem duas (velhas) raposas que aceitam jogar o mesmo jogo.

A comparação ficou famosa quando Isaiah Berlin escreveu o ensaio “O Ouriço e a Raposa”, a partir de uma frase do poeta grego Arquílico de Paros: “A raposa sabe muitas coisas, mas o porco espinho sabe uma coisa grande”. Simplificando: o ouriço é mais inflexível, focado num objetivo, e a raposa tem mil ardis, adapta-se e por vezes hesita e volta atrás.

Uma destas raposas começou esta manhã um jogo novo. À hora em que ler este texto, António Costa está a começar as reuniões com os partidos para encontrar terreno comum para o orçamento suplementar – o tema político que marcará esta semana. É o político ardiloso em ação. O consenso correu bem durante o estado de exceção, agora Costa quer prolongá-lo na resposta à crise: ouvir a oposição e amanhã os parceiros sociais, admitir algumas propostas, garantir que passa sem drama. O Governo vai lançar agora um Plano de Estabilização Económico e Social, que mais não será do que um penso rápido, com um horizonte de atuação até ao final do ano – como escreveram a Liliana Valente e a Rosa Pedroso Lima no Expresso este sábado -, enquanto não chega o dinheiro da União Europeia, para uma resposta mais musculada de verdadeira emergência.

Encontrei a ‘fábula’ de Berlin recuperada por John Lewis Gaddis no livro “A Grande Estratégia” que a temperou com uma frase de Scott Fitzgerald para mostrar que os líderes são todos um misto de raposa e ouriço: uma inteligência de primeira ordem tem a “capacidade de manter ao mesmo tempo na cabeça duas ideias opostas e mesmo assim conservar a capacidade de funcionar”. Ou seja, numa realidade a preto e branco, Costa seria uma raposa e Passos Coelho um ouriço, por exemplo, mas a verdade é que o primeiro-ministro é uma raposa com forte ascendente em ouriço. E em Marcelo Rebelo de Sousa, apesar de o totem da raposa ter grande preponderância, também lá estão uns picos de ouriço.

Primeiro Costa. Só uma raposa poderia ter montado a ‘geringonça’ com um objetivo fixo (a parte do ouriço) de chegar ao superávite, ou seja: ter na cabeça o fim de ir além das exigências de Bruxelas, mas fazê-lo com o apoio da esquerda, que defende exatamente o contrário. A raposa domina o perfil do PM, como se pode perceber neste artigo do Miguel Santos Carrapatoso sobre as melhores jogadas políticas de António Costa, mas o ouriço dá-lhe o pragmatismo para manter o poder.

Já Marcelo é uma raposa típica, “sabe muitas coisas” mas falta-lhe o foco. Pensa demais, avalia todos os quadros e todos os ângulos, umas vezes hesita outras avança por impulso, tem o objetivo de comer a galinha com a vantagem de já ter a canja garantida, mas estuda tantos cenários para entrar no galinheiro que por vezes acaba ultrapassado por outras raposas: por António Costa, que o forçou a assumir a recandidatura seis meses mais cedo, e por Rui Rio, que o deixou pendurado sem declarar já o apoio explícito (sabendo toda a gente que Marcelo será o candidato do PSD), embora o Presidente tenha aproveitado estar ao lado do líder social-democrata para equilibrar os pratos da balança em relação ao PS. Por mais raposa que seja, não se tem dado mal, e também tem o seu lado pragmático: é a única direita no poder, não tem o apoio da direita toda, mas aceita o endorsement da esquerda não só por necessidade mas também por adorar estas supremas ironias na política (ver o PS e os seus eleitores a votarem em si, que socialista nunca foi).

Entretanto, Ana Gomes vai mantendo uma atitude de raposa com objetivos de ouriço: ontem à noite, no seu comentário na SIC, a diplomata socialista voltou a dizer que está a “refletir”, sem “pressa”, sobre a sua eventual candidatura à Presidência.

As próximas presidenciais têm vencedor anunciado, mas isso não lhes tira importância não só pela circunstâncias sanitárias em que se vão realizar mas pelo impacto que podem ter no sistema. Se forem a rampa de lançamento de André Ventura para os dois dígitos, o embate será sistémico à direita. E para o regime.

Entre raposas e ouriços, alguém há-de escapar.


Fábula do Novo Banco

(José Gameiro, in Expresso Diário, 15/05/2020)

Andavam os três na mesma escolinha há uns anos. Uma escola pequenina em que todos se conhecem, desde pequeninos. Vão às festas uns dos outros e são os melhores alunos da classe.

A escolinha tem uma pedagogia muito moderna, estimula a competição, já fala de empreendedorismo e prepara-os para a selva da vida actual. Claro que, com as melhores intenções, apesar da resistência de alguns pais.

Oferecem-se sempre para ir ao quadro, põem o dedo no ar, cada vez que a professora faz uma pergunta. Levantam questões, não perdem uma oportunidade, para mostrarem que sabem tudo.

Um é muito bom em contas, tem sempre vinte a matemática, outro é muito bom a história, tem uma memória incrível, dá-se bem com toda a gente, mas nunca se esquece do que os outros lhe fizeram e, mais cedo ou mais tarde, aviva-lhes a memória, o terceiro é mais matreiro, amigos, amigos, negócios à parte.

A escolinha tem meninas, algumas bem bonitas e os nossos meninos andam a sempre a catrapiscar as miúdas. No jardim há uma sebe, quando podem e elas deixam, levam-nas lá para trás e tentam dar-lhes uns beijinhos.

Estava tudo a correr muito bem – dizem-me que algumas professoras, mais perspicazes, não acreditavam na boa relação entre os três, antes sentiam-na como uma pseudo-mutualidade – quando a coisa descambou.

Tudo começou num episódio, sem importância.

O menino António queixou-se que o menino Marinho lhe passou uma rasteira no recreio. O Marinho negou. Ia a correr e não viu o menino António, se ele caiu, foi sem intenção. Mas o menino António, que é um bocadinho queixinhas, foi dizer à professora e pediu ajuda ao menino Marcelo, que estava a brincar no intervalo.

Quando este procurou saber o que se tinha passado, não conseguiu perceber muito bem, as versões dos outros eram contraditórias, mas ele, naqueles dias, estava a brincar mais com o menino António, do que com o menino Marinho e decidiu dizer à professora que a culpa era do Marinho.

O Marinho não se ficou e, para lixar o menino Marcelo, foi dizer que este lhe tinha telefonado a pedir desculpa, pelo que tinha dito, mas que continuava a gostar muito dele.

Com esta embrulhada a história destes três meninos só podia acabar mal.

O menino Marcelo fez um cartaz em casa e no dia seguinte afixou-o na escola.

Dizia: fiquem todos a saber que só procurei ajudar os meus amigos, para a próxima não me vou meter nas confusões deles, entendam-se.

O cartaz caiu como uma bomba e relação entre os três nunca mais foi a mesma.

Uma fábula, deve ter sempre uma moral no fim.

Há escolas que são muito pequenas para egos tão grandes….