Porque a CIA tentou um “golpe Maidan” no Brasil

(Pepe Escobar, in Resistir, 10/01/2023)

 O golpe falhado no Brasil é o último feito da CIA, no momento em que o país forja laços mais fortes com o Oriente.


Um antigo responsável de inteligência norte-americano confirmou que a caótica reencenação do Maidan em Brasília a 8 de Janeiro foi uma operação da CIA e ligou-a às recentes tentativas de revolução colorida no Irão.

No domingo, alegados apoiantes do ex-presidente de direita Jair Bolsonaro invadiram o Congresso, o Supremo Tribunal e o palácio presidencial do Brasil, contornando barricadas de segurança frágeis, subindo em telhados, partindo vidraças, destruindo propriedade pública, incluindo pinturas preciosas, ao mesmo tempo que apelavam a um golpe militar como parte de um esquema de mudança de regime visando o Presidente eleito Luís Inácio “Lula” da Silva.

De acordo com a fonte estado-unidense, a razão para encenar agora a operação – a qual apresentou sinais visíveis de planeamento às pressas – é que o Brasil está pronto para se reafirmar na geopolítica global ao lado dos demais estados BRICS, Rússia, Índia e China.

Isto sugere que os planeadores da CIA são ávidos leitores do estratega do Credit Suisse, Zoltan Pozsar, anteriormente do Fed de Nova York. No seu relatório pioneiro de 27 de Dezembro, intitulado War and Commodity Encumbrance, Pozsar afirma que “a ordem mundial multipolar está a ser construída não pelos chefes de Estado do G7, mas pelos ‘G7 do Leste’ (os chefes de Estado dos BRICS), o qual é realmente um G5 mas, devido à “BRICSpansão”, tomei a liberdade de arredondar para cima”.

Ele se refere aqui a relatos de que a Argélia, a Argentina, o Irão já solicitaram a adesão aos BRICS – ou melhor, à sua versão expandida “BRICS+” – além do interesse manifestado pela Arábia Saudita, Turquia, Egito, Afeganistão e Indonésia.

A fonte estado-unidense traçou um paralelo entre a Maidan da CIA no Brasil e uma série de recentes manifestações de rua no Irão instrumentalizadas pela agência como parte de um novo impulso de revolução colorida: “Estas operações da CIA no Brasil e no Irão são paralelas à operação na Venezuela em 2002, que foi muito bem sucedida no início, uma vez que os desordeiros conseguiram apoderar-se de Hugo Chavez”.

Entra o “G7 do Oriente”

Os neocons straussianos colocados no topo da CIA, independentemente da sua filiação política, estão furiosos [com a possibilidade] de que o “G7 do Oriente” – tal como na configuração BRICS+ do futuro próximo – estejam a afastar-se rapidamente da órbita do dólar americano.

O straussiano John Bolton – que acaba de publicitar o seu interesse em concorrer à presidência dos EUA – está agora a exigir a expulsão da Turquia da NATO quando o Sul Global se realinha rapidamente no seio de novas instituições multipolares.

O ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Sergey Lavrov, e o seu novo homólogo chinês, Qin Gang, acabam de anunciar a fusão do projeto Cinturão e Estrada (Belt and Road Initiative, BRI) conduzido pela China com o da União Económica da Eurásia (EAEU) conduzido pela Rússia. Isto significa que o maior projeto de comércio/conectividade/desenvolvimento do século XXI – as Novas Rotas da Seda chinesas – é agora ainda mais complexo e continua a expandir-se.

Isto prepara o terreno para a introdução, já em fase de concepção a vários níveis, de uma nova divisa de comércio internacional destinada a substituir o dólar americano. Além de um debate interno entre os BRICS, um dos principais vetores é a equipa de discussão criada entre a EAEU e a China. Quando concluídas, estas deliberações serão apresentadas aos países parceiros do BRI-EAEU e, claro, aos BRICS+ ampliados.

Lula ao leme no Brasil, no que é agora o seu terceiro mandato presidencial não sucessivo, dará um tremendo impulso ao BRICS+. Nos anos 2000, lado a lado com o Presidente russo Putin e o antigo Presidente chinês Hu Jintao, Lula foi um conceptualizador chave de um papel mais profundo para os BRICS, incluindo o comércio nas suas próprias divisas.

Os BRICS como “o novo G7 do Oriente”, tal como definido por Pozsar, está para além do anátema – tanto para os neocons straussianos como para os neoliberais.

Os EUA estão a ser lenta mas seguramente expulsos da Eurásia mais vasta por ações concertadas da parceria estratégica Rússia-China.

A Ucrânia é um buraco negro – onde a NATO enfrenta uma humilhação que fará o Afeganistão parecer-se com Alice no País das Maravilhas. Uma UE fraca a ser forçada por Washington a desindustrializar e a comprar gás natural liquefeito (GNL) norte-americano a um custo absurdamente elevado não tem recursos essenciais para o Império pilhar.

Geoeconomicamente isso deixa o “Hemisfério Ocidental” dominado pelos EUA, especialmente a imensa Venezuela rica em energia, como alvo principal. E geopoliticamente o ator regional chave é o Brasil.

O jogo neo-conservador straussiano é fazer tudo para impedir a expansão comercial russo-chinesa e a sua influência política na América Latina, que Washington – independentemente do direito internacional e do conceito de soberania – continua a chamar “o nosso quintal”. Em tempos em que o neoliberalismo é tão “inclusivo” que até os sionistas usam suásticas, a Doutrina Monroe está de volta, com esteroides.

Tudo sobre a “estratégia de tensão”

Pistas para Maidan no Brasil podem ser obtidas, por exemplo, no Comando Cibernético do Exército dos EUA, em Fort Gordon, onde não é segredo que a CIA distribuiu centenas de ativos pelo Brasil antes das recentes eleições presidenciais – fiel ao manual da “estratégia de tensão”.

As conversas da CIA eram interceptadas em Fort Gordon desde meados de 2022. O tema principal era então a imposição da narrativa generalizada de que “Lula só podia vencer fazendo trapaça”.

Um alvo chave da operação da CIA era desacreditar por todos os meios o processo eleitoral brasileiro, abrindo caminho para uma narrativa pré-empacotada que agora está a desdobrar-se:   um Bolsonaro derrotado a fugir do Brasil e a procurar refúgio na mansão Mar-a-Lago do antigo presidente dos EUA, Donald Trump. Bolsonaro, aconselhado por Steve Bannon, fugiu do Brasil, saltando a posse de Lula, mas porque está aterrorizado pode enfrentar a pancada mais cedo do que tarde. E a propósito, ele está em Orlando, não em Mar-a-Lago.

A cereja no topo do bolo do Maidan requentado foi o que aconteceu neste domingo passado:   fabricar um 8 de Janeiro em Brasília a espelhar os acontecimentos de 6 de Janeiro de 2021 em Washington e, claro, gravar a ligação Bolsonaro-Trump na mente das pessoas.

A natureza amadorística do 8 de Janeiro em Brasília sugere que os planeadores da CIA perderam-se na sua própria trama. Toda a farsa teve de ser antecipada devido ao relatório de Pozsar, o qual foi lido por todos os que importam ao longo do eixo New York-Beltway.

O que está claro é que para algumas facções do poderoso establishment norte-americano, livrar-se de Trump a todo o custo é ainda mais crucial do que estropiar o papel do Brasil no BRICS+.

Quando se trata dos factores internos do Maidan no Brasil, tomando emprestado ao romancista Gabriel Garcia Marquez, tudo caminha e soa como a Crónica de um golpe anunciado. É impossível que o aparelho de segurança em torno de Lula não pudesse ter previsto estes acontecimentos, especialmente tendo em conta o tsunami de sinais nas redes sociais.

Assim, deve ter havido um esforço concertado para atuar com suavidade – sem grandes cautelas – enquanto se limitavam a emitir a habitual tagarelice neoliberal.

Afinal de contas, o gabinete de Lula é uma confusão, com ministros constantemente em confronto e alguns membros apoiantes do Bolsonaro mesmo há poucos meses atrás. Lula chama a isso um “governo de unidade nacional”, mas é mais como uma colcha de retalhos de mau gosto.

O analista brasileiro Quantum Bird, um físico académico globalmente respeitado que regressou a casa após uma longa estadia em terras da NATO, observa que há “demasiados atores em jogo e demasiados interesses antagónicos”. Entre os ministros de Lula, encontramos bolsonaristas, neoliberais-rentistas, convertidos ao intervencionismo climático, praticantes de políticas identitárias e uma vasta fauna de neófitos políticos e alpinistas sociais, todos bem alinhados com os interesses imperiais de Washington”.

“Militantes” da CIA a rondar

Um cenário plausível é que sectores poderosos das forças armadas brasileiras – ao serviço dos habituais grupos de pensamento neo-conservadores straussianos, mais o capital financeiro global – não poderiam realmente conseguir um verdadeiro golpe, considerando a rejeição popular maciça, e tiveram de se contentar, na melhor das hipóteses, com uma farsa “suave”. Isto ilustra bem o quanto esta facção militar auto-grandecida e altamente corrupta está isolada da sociedade brasileira.

O que é profundamente preocupante, como observa Quantum Bird, é que a unanimidade na condenação do 8 de Janeiro vinda de todos os quadrantes, embora ninguém tenha assumido a responsabilidade, “mostra como Lula navega virtualmente sozinho num mar raso infestado de corais afiados e tubarões esfomeados”.

A posição de Lula, acrescenta ele, “decretando uma intervenção federal sozinho, sem rostos fortes do seu próprio governo ou autoridades relevantes, mostra uma reação improvisada, desorganizada e amadora”.

E tudo isto, mais uma vez, depois de os “militantes” da CIA terem organizado os “protestos” abertamente nas redes sociais durante dias.

O mesmo velho manual da CIA continua, no entanto, a funcionar. Ainda confunde a mente como é fácil subverter o Brasil, um dos líderes naturais do Sul Global. Tentativas de golpes de Estado da velha escola, com roteiros de mudança de regime/revolução colorida, continuarão a ser ensaiados – lembrem-se do Cazaquistão no início de 2021 e do Irão há apenas uns poucos meses.

Por muito que a facção auto-engrandecida dos militares brasileiros possa acreditar que controla a nação, se as massas significativas de Lula chegarem às ruas com toda a força contra a farsa de 8 de Janeiro, a impotência do exército ficará assinalada de modo evidente. E uma vez que se trata de uma operação da CIA, os manipuladores ordenarão aos seus vassalos militares tropicais que se comportem como avestruzes.

O futuro, infelizmente, é agourento. O establishment dos EUA não permitirá que o Brasil, a economia BRICS com o melhor potencial a seguir à China, esteja de volta aos negócios com toda a força e em sincronia com a parceria estratégica Rússia-China.

Os neocons e neoliberais straussianos, chacais e hienas geopolíticos certificados, ficarão ainda mais ferozes à medida que o “G7 do Oriente”, Brasil incluído, se mover para acabar com a suserania do dólar americano enquanto o controle imperial do mundo desaparece.

Fonte aqui


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

O preço da traição: um milhão de dólares

(In Resistir, 24/11/2019)

O general boliviano que exigiu a renúncia do Presidente Evo Morales recebeu um milhão de dólares do Encarregado de Negócios da Embaixada dos Estados Unidos em La Paz, sr. Bruce Willianson , juntamente com um visto de residência permanente nos EUA (para onde foi viver).

Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

Trata-se do general Williams Kaliman, que anteriormente fora adido militar da Embaixada da Bolívia em Washington. No seu curriculum conta-se uma passagem pela School of Americas, em Fort Bennings, Georgia, destinada a formar militares e polícias latino-americanos. O general Kaliman assumira o cargo de chefe das Forças Armadas Bolivianas em 24/Dezembro/2018. Anteriormente estivera no comando do Exército. Quando se dirigia ao Presidente Evo Morales chamava-o de “irmão”.


Ver abaixo vídeo síntese em 2 minutos do golpe de Estado na Bolívia


O fracasso do senhorito Guaidó 

(In Resistir, 30/04/2019)

Diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és…

Após o fracasso da tentativa de golpe de 23 de Fevereiro, em 30 de Abril o senhorito Guaidó fez uma nova tentativa e teve um novo fracasso. Isto revela muito acerca da inépcia dos agentes designados pelo império. Ao referido indivíduo fora ministrado um curso do NED , na ex-Juguslávia, acerca de técnicas para fazer revoluções coloridas.

Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

Mas hoje, diante deste novo flop, pode-se verificar que o seu aproveitamento foi pequeno. A tradição do imperialismo de arrebanhar lumpens, marginais e mercenários para promover tumultos e golpes – tal como fez a CIA em 1953 contra o governo iraniano, de Mossadegh – é inútil quando se depara com a coesão das Forças Armadas e a consciência anti-imperialista do seu povo.

É o que acontece na Venezuela Bolivariana, apesar de todas as sabotagens e tentativas de desestabilização contra ela. 

Registe-se o papel ridículo dos vassalos americanos da UE (governo português inclusive) que servilmente, cumprindo ordens de Washington, reconheceram o governo do supracitado senhorito. Registe-se ainda a actuação repugnante e histérica da TV portuguesa na cobertura dos acontecimentos de hoje na Venezuela.