O réquiem americano

(Por Chris Hedges, in Resistir, 17/11/2020)

(Dos melhores textos publicados neste Blog. Para perceber de onde vêm os populismos, fascismos e outros hediondos “ismos”. Lá como cá. Não basta criticar a mensagem, demonizar os mensageiros e ignorar a causa das coisas. Lá como cá é preciso ir ao cerne do mal mas, provavelmente, tal implicaria mudanças radicais na política e na economia que o sistema não comporta. Assim sendo, os “trumps” e os “chegas” deste mundo irão prosperando porque são a única esperança que resta aos descamisados anónimos, ignorados e pontapeados para a margem, mas animados pelo desespero dos sobreviventes.

Estátua de Sal, 22/11/2020)


Bem, acabou. Não a eleição. A democracia capitalista. Por mais tendenciosa que fosse para os interesses dos ricos e mais hostil para os pobres e minorias, a democracia capitalista pelo menos oferecia a possibilidade de migalhas de reformas graduais. Agora é um cadáver. A iconografia e a retórica permanecem as mesmas. Mas é um elaborado e vazio reality show, financiado pelos oligarcas que controlam a sociedade – 1,51 mil milhões de dólares para a campanha de Biden, 1,57 mil milhões para a campanha de Trump – para nos fazerem pensar que há escolhas. Não há. O duelo entre o discurso palavroso e vazio de Trump e o de Biden com dificuldades de expressão foi concebido para mascarar a verdade. Os oligarcas ganham sempre. As pessoas perdem sempre. Não importa quem se senta na Casa Branca. Os EUA são um estado falido.

“O sonho americano ficou sem combustível”, escreveu o romancista J.G. Ballard. “O carro parou. Já não abastece o mundo com suas imagens, seus sonhos, suas fantasias. Não mais. Acabou. Agora o que fornece ao mundo são os seus pesadelos”.

Muitos dos seus participantes mataram a sociedade aberta da América. [NT] Foram os oligarcas que compraram o processo eleitoral, os tribunais e os media, os lobistas que redigem a legislação que nos empobrece e permite que se acumulem quantias obscenas de riqueza e poder irrestrito. Os militaristas e a indústria de guerra que drenaram o tesouro nacional para montar guerras inúteis e sem fim que esbanjaram cerca de 7 milhões de milhões de dólares e nos transformaram em párias internacionais.

Também os executivos que arrecadam em bónus e pacotes de compensação dezenas de milhões de dólares, que enviaram empregos para o exterior e deixaram nossas cidades em ruínas e nossos trabalhadores na miséria e desespero, sem um rendimento de subsistência e sem esperança no futuro. A indústria de combustíveis fósseis que fez guerra à ciência e optou por lucros em vez da iminente extinção da espécie humana. A imprensa que transformou as notícias em entretenimento acéfalo e de claques partidárias. Os intelectuais que se retiraram para as universidades para pregar o absolutismo moral da política de identidade e do multiculturalismo, enquanto viravam as costas à guerra económica que estava a ser travada contra a classe trabalhadora e ao ataque implacável às liberdades civis. E, claro, a classe liberal irresponsável e hipócrita que não faz nada além de falar, falar, falar. [NT: recordamos que “liberal” nos EUA, corresponde mutatis mutandis às várias tendências social-democratas na Europa]

Se há um grupo que merece o nosso mais profundo desprezo, são as elites liberais, aqueles que se colocam como árbitros morais da sociedade, mas abandonam todos os valores que supostamente possuem no momento em que se tornam inconvenientes. A classe liberal, mais uma vez, actuou como patéticos animadores e censores para um candidato e um partido político que na Europa seria considerado de extrema-direita. Mesmo quando os liberais eram ridicularizados e rejeitados por Biden e pela hierarquia do Partido Democrata, que com fanfarronice investia a sua energia política para apelar para os neocons republicanos, os liberais estavam ocupados a marginalizar jornalistas, incluindo Glenn Greenwald e Matt Taibbi, que interpelavam Biden e os democratas. Os liberais, seja em The Intercept ou em The New York Times, ignoraram ou desacreditaram informações que poderiam prejudicar o Partido Democrata, incluindo as revelações do computador de Hunter Biden. Foi uma demonstração impressionante de carreirismo cobarde e auto-exclusão.

Os democratas e seus apologistas liberais estão, a eleição ilustrou, alheios ao profundo desespero pessoal e económico que varre este país. Eles não representam nada. Eles lutam por nada. Mais uma vez esqueceram restaurar o Estado de Direito, a saúde universal, a proibição do fracturamento hidráulico, um New Deal Verde, a protecção das liberdades civis, a formação de sindicatos, a preservação e expansão de programas de bem-estar social, uma moratória sobre despejos e execuções hipotecárias, o perdão de dívidas estudantis, um controlo ambiental rígido, um programa governamental de emprego e rendimento garantido, a regulamentação financeira, a oposição à guerra sem fim e ao aventureirismo militar

Defender essas questões teria resultado num desmoronar de terras no Partido Democrata. Mas, como o Partido Democrata é um subsidiário integral de doadores corporativos, era impossível promover qualquer política que pudesse fomentar o bem comum, diminuir os lucros corporativos e restaurar a democracia, incluindo a imposição de leis sobre o financiamento das campanhas. A campanha de Biden foi totalmente desprovida de ideias e questões políticas, como se ele e os democratas pudessem vencer as eleições apenas prometendo salvar a alma da América. Pelo menos os neofascistas têm a coragem das suas convicções dementes.

A classe liberal funciona numa democracia tradicional como uma válvula de escape. Torna possível as migalhas de reformas graduais, que amenizam os piores excessos do capitalismo. Propõe passos graduais em direcção a uma maior igualdade. Pretendem dotar o Estado e os mecanismos de poder de supostas virtudes. Também servem como cão de fila para desacreditar os movimentos sociais radicais. A classe liberal é uma componente vital dentro da elite do poder. Em suma, oferece a esperança e a possibilidade, ou pelo menos a ilusão, de mudança.

A rendição da elite liberal ao despotismo cria um vácuo de poder preenchido por especuladores, exploradores de guerra, gangsters e assassinos, muitas vezes liderados por demagogos carismáticos. A elite liberal abre as portas aos movimentos fascistas que ganham proeminência ridicularizando e insultando os absurdos da classe liberal e os valores que pretendem defender. As promessas dos fascistas são fantásticas e irrealistas, mas suas críticas à classe liberal são baseadas na verdade. Uma vez que a classe liberal deixa de funcionar, abre uma caixa de Pandora de males impossíveis de conter.

A doença do trumpismo, com ou sem Trump, está, como a eleição ilustrou, profundamente enraizada no corpo político. Tem expressão em enormes segmentos da população, ridicularizados pelas elites liberais como “deploráveis”, de uma alienação e raiva legítimas que republicanos e democratas orquestraram e agora se recusam a tratar. Porém, o trumpismo, como a eleição mostrou, não se limita aos homens brancos, cujo apoio a Trump na verdade diminuiu.

Dostoievski viu o comportamento da inútil classe liberal da Rússia, que satirizou e criticou no final do século XIX, como presságio de um período de sangue e terror. O fracasso dos liberais em defender os ideais que professavam levou inevitavelmente, escreveu ele, a uma era de niilismo moral. Em Cadernos do Subterrâneo , retratou os sonhadores estéreis e derrotados da classe liberal, aqueles que sustentavam ideais elevados, mas nada faziam para defendê-los. A personagem principal leva as ideias falidas do liberalismo ao seu extremo lógico. Ele foge da paixão e do propósito moral. É racional. Acomoda-se a uma estrutura de poder corrupta e moribunda em nome de ideais liberais. A sua hipocrisia condenou a Rússia como agora condena os Estados Unidos. É a desconexão fatal entre convicções e acção.

“Eu nunca consegui tornar-me coisa alguma: nem mau nem bom, nem um canalha nem um homem honesto, nem um herói nem um insecto”, escreveu o Homem do Subterrâneo. “E agora estou a viver a minha vida no meu canto, zombando de mim mesmo, com o consolo rancoroso e totalmente fútil de que é impossível um homem inteligente tornar-se seriamente alguma coisa, e apenas os tolos se tornam alguma coisa. Sim, senhor, um homem inteligente do século XIX deve ser, e moralmente é obrigado a ser, principalmente um ser sem carácter; e um homem de carácter, uma figura activa – é fundamentalmente um ser limitado.”

A recusa da classe liberal em reconhecer que o poder foi arrancado das mãos dos cidadãos por empresas, que a Constituição e suas garantias de liberdade pessoal foram revogadas por decreto judicial, que as eleições nada mais são do que espectáculos vazios encenados pelas elites governantes, que estamos no lado perdedor da guerra de classes, deixou-os falando e agindo de maneiras que não correspondem mais à realidade.

A “ideia da vocação intelectual”, como Irving Howe salientou no seu ensaio “This Age of Conformity” de 1954, “a ideia de uma vida dedicada a valores que não podem ser realizados por uma civilização comercial – gradualmente perdeu seu fascínio. E é isso, ao invés do abandono de um determinado programa, que constitui a nossa rota. “A crença de que o capitalismo é o motor inexpugnável do progresso humano, escreveu Howe, “é alardeada por todos os meios de comunicação: propaganda oficial, publicidade institucional e escritos académicos de pessoas que, até há alguns anos, eram os seus principais oponentes.”

“As pessoas verdadeiramente sem poder são aqueles intelectuais – os novos do realismo político – que se prenderam aos assentos do poder, onde renunciam à liberdade de expressão sem ganhar qualquer significado como figuras políticas”, escreveu Howe. “Pois é crucial para a história dos intelectuais americanos nas últimas décadas – bem como para a relação entre “riqueza’ e ‘intelecto” – que sempre que são absorvidos pelas instituições credenciadas da sociedade, não apenas perdem as suas tradições rebeldia, mas de uma forma ou de outra, deixam de funcionar como intelectuais”.

As populações podem suportar a repressão dos tiranos, enquanto esses governantes continuarem a administrar e exercer o poder com eficácia. Mas a história humana demonstrou amplamente que, uma vez que aqueles em posições de poder se tornam redundantes e impotentes, mas ainda assim mantêm as armadilhas e privilégios do poder, são brutalmente descartados. Isso foi verdade em Weimar, Alemanha. Foi verdade na ex-Jugoslávia, um conflito que cobri para o New York Times.

O historiador Fritz Stern em “The Politics of Cultural Despair”, um livro sobre a ascensão do fascismo na Alemanha, escreveu sobre as consequências do colapso do liberalismo. Stern argumentou que os alienados espiritual e politicamente, aqueles deixados de lado pela sociedade, são os principais recrutas para uma política centrada na violência, ódios culturais e ressentimentos pessoais. Muito dessa raiva, com razão, é dirigida a uma elite liberal que, embora fale a linguagem “Eu sinto a vossa dor” do liberalismo tradicional, os vende.

“Eles atacaram o liberalismo”, escreve Stern sobre os fascistas emergentes à época na Alemanha, “porque lhes parecia a premissa principal da sociedade moderna; tudo o que eles temiam parecia brotar daí; a vida burguesa, o manchesterismo , o materialismo, o parlamento e os partidos, a falta de liderança política. Eles sentiam no liberalismo a fonte de todos os seus sofrimentos. Era um ressentimento de solidão; o seu único desejo era por uma nova fé, uma nova comunidade de crentes, um mundo com padrões fixos e sem dúvidas, uma nova religião nacional que unisse todos os alemães. Tudo isso, o liberalismo negou. Consequentemente, odiavam o liberalismo, culpando-o por torná-los párias, por desenraizá-los de seu passado imaginário e de sua fé”.

Nós estamos prontos para isso. O sistema de saúde com fins lucrativos, projectado para ganhar dinheiro – e não para cuidar dos doentes – não está equipado para lidar com uma crise nacional de saúde. As corporações de saúde passaram as últimas décadas fazendo fusões e fechando hospitais, cortando o acesso a cuidados de saúde em comunidades por todo o país para aumentar a receita – isto, tal como quase metade de todos os trabalhadores permanecem inelegíveis para auxílio durante uma doença e cerca de 43 milhões perderam o seu seguro saúde patrocinado pela empresa. A pandemia, sem assistência médica universal, que Biden e os democratas não têm intenção de estabelecer, continuará a fazer estragos fora de controlo. Trezentas mil mortes previstas para Dezembro. Quatrocentas mil em Janeiro. E quando a pandemia acabar ou uma vacina estiver disponível com segurança, centenas de milhares, talvez milhões, terão morrido.

As consequências económicas da pandemia, o subemprego crónico e o desemprego – perto dos 20% quando os que pararam de procurar trabalho, os que foram licenciados sem perspectiva de recontratação e os que trabalham a tempo parcial abaixo da linha da pobreza forem incluídos nas estatísticas oficiais, significará uma depressão diferente de tudo que vimos desde os anos 1930. A fome nas famílias dos EUA já triplicou desde o ano passado. A proporção de crianças americanas que não recebem o suficiente para comer é 14 vezes maior do que no ano passado. Os bancos alimentares estão saturados. A moratória sobre execuções hipotecárias e despejos foi suspensa, enquanto mais de 30 milhões de americanos pobres enfrentam a perspectiva de serem postos na rua.

Não há mais controlo sobre o poder corporativo. A inevitável agitação social fará com que o Estado, não importa quem esteja na Casa Branca, use os seus três principais instrumentos de controlo social – extensa vigilância, prisões e polícia militarizada – apoiada por um sistema legal que rotineiramente revoga o habeas corpus e o devido processo legal, para esmagar implacavelmente a dissidência.

Pessoas de cor, imigrantes e muçulmanos serão responsabilizados pelo declínio da nação e visados pelos fascistas. Os poucos que continuarem a desafiar o Partido Democrata denunciando os crimes do Estado corporativo e do império serão silenciados.

A esterilidade da classe liberal, servindo os interesses de um Partido Democrata que os ignora e despreza, alimenta os sentimentos generalizados de traição que viram quase metade dos eleitores apoiar um dos presidentes mais vulgares, racistas, ineptos e corruptos da história americana. Uma tirania americana, com o verniz ideológico de um fascismo cristianizado, irá, segundo parece, definir a descida histórica do império à irrelevância.



[NT] Cumpre recordar que esta “sociedade aberta” vivia a discriminação racial e era doentiamente anticomunista. Isto acontecia tanto internamente como externamente devido aos horrores das guerras e outras intervenções imperialistas. É aliás o que se depreende do texto de Chris Hedges.

[*] Jornalista ganhador de um Prémio Pulitzer, passou quase duas décadas como correspondente na América Central, Médio Oriente, África e Balcãs. Fez reportagens em mais de 50 países e trabalhou para The Christian Science Monitor, National Public Radio, The Dallas Morning News The New York Times, do qual foi correspondente estrangeiro durante 15 anos.

Conversas de alcova

(José Gameiro, in Expresso, 20/11/2020)

As histórias de espionagem através das alcovas são muito antigas. Mais as de mulheres a espiarem homens do que o inverso. Talvez porque os homens são mais ‘tontos’ a guardarem segredos quando estão embeiçados por uma senhora. As grandes guerras europeias estão repletas de histórias de mulheres que correram grandes riscos de vida, algumas foram executadas, porque seduziram inimigos para lhes ‘sacar’ informação política e militar. Nos tempos atuais, as coisas são mais sofisticadas, mas os riscos de partilhar informação financeira nos calores da intimidade podem ser elevados.

O amor é o sentimento que mais desperta emoções violentas, para o bem e para o mal. Esta verdade de La Palisse raramente acaba nos tribunais e nas prisões, felizmente. Mas há traições que são muito mal vistas por quem as sofre.

Chamemos-lhe Adérito. Um nome que acho adequado a um tratamento de código .O nosso homem teve uma vida vulgar até àquele dia fatídico. Fez o seu curso superior quase todo à custa das colegas, que lhe passavam os apontamentos e o deixavam copiar nos testes. Contava, entre amigos, um episódio de que se gabava. Numa disciplina de cálculo — o Adérito só sabia a tabuada e pouco mais —, a namorada de ocasião, rápida e eficiente, conseguiu passar-lhe o teste já resolvido. Ele copiou-o e aproveitou para vender as respostas aos amigos. Na hora de o entregar, ouviu-se na sala uma voz feminina desesperada: “Onde está o meu teste?”

Casou com a namorada da juventude, depois de adiar a união durante uns dez anos, como ele dizia, para poder gozar a vida. Única herdeira de um industrial de sucesso, rapidamente engravidou e, por pressão do pai e do marido, ficou em casa a tratar dos filhos. O Adérito lá ia cumprindo as suas obrigações conjugais, nos mínimos. Em abono da verdade, ela agradecia que ele “não a procurasse muito”. As aventuras iam-se sucedendo, cada vez mais às claras. O Adérito não se apaixonava, gostava, como ele dizia, de “carninha fresca”. Não tinha amigas que lhe explicassem o que é uma mulher. Os negócios iam de vento em popa. As comissões sucediam-se e os testas de ferro também. Movimentava-se cada vez melhor no mundo do imobiliário e nas cascatas de empresas que não se sabe onde nascem nem onde desaguam. Até que, um dia, se tomou de amores. Parecia ser mais uma secretária, das muitas que ia tendo mas que despedia quando já sabiam demais. Nem sequer era muito “fresca”, como ele dizia aos amigos. Mas tinha qualquer coisa que o prendia, pela primeira vez. Saiu de casa e foi viver com ela. Negociou com a mulher o divórcio, deixou-a bem, como se diz nestes meios.

A pouco e pouco, ela foi tomando conta de todas as operações financeiras. Viajavam sempre juntos, espalhando glamour junto das famílias tradicionais que tinham aderido ao mundo das margens da legalidade. Mas o Adérito tinha dentro dele o gene da transgressão. Numa destas viagens não resistiu a uma princesa falida mas que tinha artes de encantar como ele nunca tinha conhecido. Pela primeira vez, ficou preocupado. Tentou justificar viagens em que teria de ir só. Telefonemas e mensagens a horas mortas, um azar nunca vem só, e a senhora vivia num fuso horário muito diferente.

Quando foi apanhado, tentou a velha tática, negar tudo e sempre. Percebeu que era, afinal, um grande ingénuo. Estava tudo gravado. Pensou: “Paciência, vou ter mais cuidado, mas não consigo deixá-la. Nunca ninguém me tocou tão fundo.” O Adérito confirmou, umas semanas depois, que, mesmo tendo ‘colecionado’ dezenas de mulheres, não fazia a mínima ideia do que elas eram capazes. Sei que estou a ser injusto na generalização. A secretária, organizada como lhe competia ser, entregou o dossiê completo. Às 7h de uma manhã de nevoeiro, ainda com poucas horas de sono, depois de uma noite real, a polícia local bateu-lhe à porta do quarto, num hotel de luxo, algures no mundo. Algemado, não conseguiu deixar de pensar numa frase que o cineasta Luis Buñuel disse no ocaso da vida. “Nunca mais me vejo livre do tirano…”


Requiem para Rio

(Clara Ferreira Alves, in Expresso, 20/11/2020)

Clara Ferreira Alves

“A política é um capítulo da moral e por isso estamos aqui”
Sophia de Mello Breyner

(Sessão de apoio ao Solidariedade da Polónia, promovida por Mário Soares nos anos 80)


Apontando a “urubuzada de prato cheio”, Jair Bolsonaro atesta que é tempo de o Brasil deixar de ser um “país de maricas” e de ter medo da covid. “Toda a gente tem de morrer” diz o másculo profeta que compara os jornalistas a um bando de abutres ou urubus. Quase 170 mil mortos mais tarde, aqui chegámos no país irmão.

Pode ser que haja um cidadão a achar graça a Bolsonaro, gabando-lhe o estilo solto e incorreto que cai muito bem nas redes e nas seitas. Pode ser que haja um cidadão que veja neste chefe de caserna um labrego moralmente responsável por milhares de mortos no país. E não vamos falar da destruição das florestas da chuva da Amazónia.

Nenhuma das duas definições apaga a principal característica de Bolsonaro, a ignorância aureolada de estupidez. Sim, Bolsonaro é um estúpido, ou boçal, ou bestial (de besta), ou entupido, ou grosseiro, ou falho de inteligência e delicadeza, segundo a velha definição do dicionário. Bolsonaro é idiota, imbecil, estólido, estulto. É um asno na definição popular que compara o estúpido a um animal inocente como o burro, que de estúpido nada tem. Disse Einstein que só havia duas coisas verdadeiramente infinitas, o universo e a estupidez humana. E sobre a infinitude do universo, não estava certo. A estupidez está descrita clinicamente, e tem leis que a regem descritas por Carlos Cipolla. É uma verdade científica a sua existência, embora possa ser empiricamente apreciada com facilidade. E é subestimada, ao subestimar-se o número de indivíduos estúpidos em circulação. Cipolla, historiador da economia e medievalista, preocupou-se em distinguir o estúpido do ingénuo, com o qual pode ser confundido com benevolência.

No exemplo de Bolsonaro, a ingenuidade não entra. Neste mandarim detetamos a luz bruxuleante dos parcos atributos escoados numa política assassina. Bolsonaro é um estúpido clássico promovido muito acima da sua competência num país com uma subclasse sem instrução e uma classe superior instruída na corrupção, no oportunismo e na manipulação que autorizem a manutenção da subclasse num estado supersticioso, iletrado e miserável. Uma perfeita sociedade pós-colonial que se julga moderna e civilizada.

Um chefe de uma democracia europeia ocidental não pode nem deve ignorar isto. E não pode nem deve aliar-se a isto, sob pena de trair tudo o que postulam a constituição, o Estado de direito e a liberdade de expressão. Sob pena de trair a democracia ocidental tal qual a conhecemos e construímos, desde Atenas.

No dia 8 de agosto deste ano, lemos a notícia de que André Ventura foi recebido na residência de Duarte de Bragança, na companhia de Diogo Pacheco de Amorim, vice-presidente do Chega. Na reunião, os dois foram pedir a interceção do duque de Bragança para chegarem a Bolsonaro, que admiram. O candidato à Presidência da República de Portugal admira também o nacionalismo de uma dinastia defunta, a de Orleães e Bragança, que no Brasil apoia Bolsonaro. O candidato a presidente admira as monarquias, e parece que queria ainda “estabelecer contacto com a monarquia de Marrocos e as casas reais europeias”. A desenhar a ponte brasileira, estava o deputado italiano Roberto Lorenzato, descendente de aristocratas, íntimo de Matteo Salvini, o líder fascista italiano, e de Bolsonaro, tendo apresentado os dois. Podemos concluir que esta gente é política e afetivamente próxima. Salvini é não um idiota clássico, é um fascista clássico, sem a cultura do Mussolini que lia livros e ouvia ópera.

Descontando as contradições entre monarquia e república, e a vassalagem a monarcas destituídos, o que se retém deste estranho encontro é o tráfico de influências e a vassalagem a Bolsonaro, a que Ventura e afins reconhecem atributos.

Isto, por si só, deveria ter feito acender todas as luzes vermelhas e campainhas de alarme de Rui Rio, um chefe de um partido que dá pelo nome de social-democrata. Diz-me com quem andas dir-te-ei quem és, diz o povo. É com os estúpidos que Rui Rio resolveu aliar-se, comprometendo o programa do partido fundado por Francisco Sá Carneiro e traindo os eleitores, todos os que não se reveem na aliança de António Costa com as esquerdas e que são de centro-direita ou de direita clássica, a direita democrática e historicamente pró-europeia, a direita liberal secular ou cristã que não aprecia as ditaduras e que fundou a democracia em Portugal. A direita que acredita na liberdade, na prosperidade e na paz social, e que detesta a demagogia, a revolução e o extremismo.

Nenhuma das escusas da praxe desculpam este PSD. António Costa teve uma oportunidade de, a bem do interesse nacional, ter chamado o PSD de Rui Rio como parceiro para um acordo de regime. A situação trágica do país assim o exigia. Num assomo de estupidez que pagaremos caro, Costa resolveu que era outra vez de esquerda e podia dispensar o PSD. E o PSD, posto fora da mesa, aproveitou a oportunidade para, numa estupidez orgástica, aliar-se nos Açores a um partido como o Chega, que não passa de uma cortina de fumo democrático num movimento sustentado pela iliteracia, a pobreza e o populismo autocrático. Costa e Rio traíram as expectativas dos eleitores e traíram o país quando, na história da democracia portuguesa, o país mais precisava que se entendessem. Não subestimem a gravidade da crise económica que vem aí e a gravidade da crise política que se sobreporá. Não subestimem a raiva que fervilha por aí, o desespero, o cansaço, a depressão. E com este país doente, Costa e Rio resolveram tornar-se em inimigos e cavar trincheiras.

O Chega não é nem será um partido de matriz democrática, é um partido que alinha com Salvinis e Bolsonaros. E que, instalado no coração da democracia, tudo fará para a destruir ou falsificar. Podemos exemplificar com vigor no caso de Trump e das eleições americanas. E do golpe populista contra a democracia. Quando Trump foi eleito, fui urubu. E fui das raras pessoas que avisaram que um dia isto iria acontecer. Participei em debates e programas onde me foi dito que era necessário dar uma oportunidade a Trump e que ele seria presidenciável assim que assentasse o traseiro na Sala Oval da Casa Branca. Estes são os ingénuos, que não devem ser confundidos com os estúpidos, mas facilitam a vida dos estúpidos. Rui Rio não pode alegar ingenuidade. Nem, noutro assomo de estupidez à Chamberlain, esperar que o Chega fique “mais moderado”.

Rio aqueceu o ovo da serpente. Ou o PSD se vê livre de Rio, ou Rio tentará ver-se livre do histórico PSD e erguerá um partido à sua imagem e semelhança, um partido instrumental e sem princípios, um partido antidemocrático e caudilhista. Para começo de festa, Rio e Bolsonaro estarão de acordo numa coisa, ambos detestam a urubuzada.