A eutanásia de Rui Rio

(Estátua de Sal, 03/06/2018)

RIO Eutanasiado

Imagem em Blog 77 Colinas

Hoje não se está a passar nada. Não há artigos de jeito para publicar na Estátua, pelo que tive que ser eu a fazer as despesas do dia.

Podia ter ido buscar a Espanha e o novo governo do PSOE, a Itália e o novo executivo que se avizinha e as dores de cabeça dos burocratas de Bruxelas. Contudo, decidi fazer coro com a unanimidade dos comentadores do último Eixo do Mal e ficar-me pela politica nacional e pela votação do PSD na legislação sobre a eutanásia.

Foi um festim de “liberdade de voto”. Tão livres os deputados, inebriados pela liberdade que o Rio lhes deu que votaram quase todos “em liberdade”, isto é contra o líder. Há liberdade maior do que ser contra quem nos dá a liberdade? Suponho que não, porque isso é o cúmulo da liberdade! Montenegro, Negrão e companhia deveriam receber a medalha da liberdade,  por méritos emprestados ao conceito. Marcelo, parece que já está a preparar a condecoração e aguarda os próximos capítulos do folhetim para marcar a data mais conveniente para a cerimónia.

É pena que, aqueles que estão a sofrer, em estado terminal, não possam ser aliviados da dor sem esperança que os aflige porque a bancada laranja decidiu usar a liberdade que lhes foi dada pelo pai, precisamente para matar o pai…

A bancada do PSD quer, à força, colocar Rui Rio em “estado terminal” para que ele lhes venha pedir que o livrem da dor e do suplício que é viver sem esperança, atacado por tumores e agulhadas internas, e que o eutanaziem sem demora, num acto de misericórdia e compaixão.

Cavaco o estripador, já começou a afiar o bisturi, e irá a Fátima a pé penitenciar-se, como bom cristão, para ser absolvido depois de perpetada a mortandade. Passos, qual Dr. Strangelove, também tem já a seringa pronta, carregada de arsénico, para dar a injecção no sítio mais useiro, que é, consabidamente atrás da orelha.

Pobre Rio, bem podes pedir ao Governo e ao Costa que desvie parte das verbas destinadas ao combate aos fogos para um reforço dos cuidados paliativos, de forma a que consigas resistir à dor e não lhes venhas a pedir a “morte assistida”.

Não sei é se o Costa te satisfará o pedido. Com uma oposição a degladiar-se no leito da morte e à custa dela, não custa reinar, porque nem sequer é preciso dividir aquilo que já dividido está.

 

Anúncios

RUI RIO ENGANOU-SE NO NÚMERO DA PORTA

(In Blog O Jumento, 15/05/2018)
rio_sócayes
Parece que se esqueceram de informar Rui Rio de que Sócrates já não é primeiro-ministro desde julho de 2011 e que, entretanto, o PSD já governou uma legislatura. Depois de algumas pantominices, como o retiro espiritual no Porto a seguir a ganhar a liderança do PSD, o tratamento ridículo dado a Hugo Soares até lá meter o Negrão ou os consensos com o PS, Rui Rio decidiu ser um líder da oposição a sério, mas enganou-se no número da porta e actua como se o primeiro-ministro fosse o José Sócrates.
Digamos que Rui Rio não acerta como líder da oposição. Começa por centrar a oposição no ministro que ninguém quer que caiam e que tem mais prestígio internacional e junto dos eleitores. Quando percebeu que não tinha sorte andando nas pediatrias dos hospitais para atacar Mário Centeno, o líder do PSD decidiu centrar a sua oposição num primeiro-ministro, mas como Costa está forte optou por um que ele julga que está na mó de baixo, José Sócrates.
Parece ser ridículo mas é verdade, desde que Rui Rio mandou Negrão ao debate com o governo atacar José Sócrates, questionando António Costa na qualidade de secretário-geral do PS, que todas as atenções se centram agora na ação dos ministros de … José Sócrates. Nas pastas das Finanças ataca-se Teixeira dos Santos, nas Obras Públicas o Mário Lino e por aí adiante, os únicos ministros de António Costa que merecem ser alvo de oposição são aqueles que também estiveram com Sócrates. O próprio Costa deixou de ser criticado pelo que faz como primeiro-ministro, mas sim como ex-ministro de Sócrates.
A ideia parece ser boa, mas revela incompetência. Se o PSD vai ao arquivo e ressuscita ministros para fazer oposição é porque não tem argumentos para criticar o governo que está em funções. Mas, não passa apenas uma imagem de incapacidade, dá de si uma imagem de cobardia, adoptou esta estratégia porque julgam que o PS deixou cair José Sócrates e este está definitivamente condenado. Aliás, um dos momentos mais miseráveis a que se assistiu no parlamento foi quando Fernando Negrão se referiu à acusação a Sócrates quase como uma condenação transitada em julgado.
Desde a posse deste governo que o PSD ainda não conseguiu fazer oposição; com Passos Coelho optou-se por aguardar pela vinda do diabo, Rui Rio opta por uma oposição quixotesca e vai à luta contra moinhos de vento.
Rui Rio revela-se um líder da oposição sem competência para esse papel, é incapaz de formular uma crítica; até ao momento ou fala de banalidades ou aproveita-se de incidentes para sugerir que a culpa é do Centeno. É incapaz de fazer uma crítica ao governo nos muitos dossiers geridos pelos seus governos. Agora desistiu mesmo de fazer oposição a este governo, optando por ser líder da oposição ao governo de … José Sócrates. Esperemos que quando quiser reunir com o Presidente da República não se engane, se o que o preocupa é Sócrates o lógico é que solicite a audiência a Cavaco Silva.
Que bela oposição, passa a imagem de quem não tem, argumentos, que não apresenta qualquer política alternativa, que espera desgraças para ter argumentos e que em vez de enfrentar Costa prefere fazer oposição a quem já não está no governo mas parece estar na mó de baixo. Enfim, estas são as qualidades  de um primeiro-ministro que espera que elas venham a ser premiadas pelo voto dos eleitores.

A fábula Barreiras Duarte

(Por Fernanda Câncio, in Diário de Notícias, 19/03/2018)

cancio

Pronto, já está: o secretário-geral de Rio caiu. Estamos contentes e saciados? Felizes com a nossa democracia, o nosso jornalismo, a nossa academia, a nossa justiça? Que bom.


Antes da atual polémica, só associava o nome do ex secretário-geral do PSD (demitiu-se enquanto escrevia este texto) a um episódio em que me causou boa impressão. Em agosto, numa altura em que o seu partido apresentava um candidato autárquico com discurso xenófobo em Loures, verberou duramente Passos por este, no último comício do Pontal, associar imigração a criminalidade e terrorismo e manifestar preocupação pela possibilidade de “qualquer um poder entrar em Portugal”.

Numa articulada entrevista ao Expresso, Barreiras Duarte, que foi secretário com a tutela da Imigração em governos de Barroso, Santana e do próprio Passos, criticou aquilo que descreveu como “análises e proclamações políticas baseadas no achismo” e, afirmando que a atual política de imigração portuguesa é sobretudo fruto de governos PSD (o que pode ser contestado) e não advém de “visões securitárias”, manifestou a sua preocupação por “agora o PSD, pelo que se percebe, também [ter] racistas e xenófobos, que pelos vistos têm apoios internos para defenderem essas posições”. A uma pergunta direta sobre o discurso de Passos, respondeu: “Até mete dó a contradição e a incoerência de algumas pessoas que brincam com o fogo, ao abordarem de forma populista e generalista estas matérias, descurando potenciais efeitos de ricochete sobre os portugueses [emigrantes].” E manifestou a sua convicção de que “o PSD nunca foi, não é, nem deverá ser um partido político com discursos (e espero práticas) com tiques “trumpistas” e “lepenistas” (…) Porque, a acontecer, estará a hipotecar muito do seu futuro de partido político moderado, tolerante e humanista. E a acantonar-se na direita política retrógrada, caceteira, populista e oportunista. (…) Aliás, não deixa de ser curioso verificar a incoerência de pessoas que se têm assumido tão liberais, defensoras da sociedade aberta, do globalismo, da circulação de capitais e de empresas, e que nestas matérias são por um Portugal a preto e branco e fechado. O PSD nunca foi isso e no futuro deverá tudo fazer para combater isso.”

Tive pois dificuldade em reconhecer a pessoa apresentada na entrevista como estando a fazer “um doutoramento sobre políticas de imigração” no autor de uma tese (ou relatório) de mestrado de 2014 escrita com os pés e na qual nem as dedicatórias escapam ao ridículo e ao péssimo português – sendo que, parece, a profusão de textos que tem publicado na imprensa (curiosamente sobretudo no Sol, onde saiu a primeira notícia sobre o caso Berkeley) padece de problemas semelhantes – e que, para meu espanto, terá sido valorada com 18. Quanto ao apresentar-se como “visiting scholar” de uma universidade californiana onde nunca terá posto os pés e com a qual não terá tido qualquer contacto académico nem consigo comentar, de tão patético.

Mas, confesso, se acho muito preocupante descobrir que existe um deputado, ex governante e alto dirigente partidário que alegou um estatuto académico a que não tinha direito e aparentemente não consegue escrever uma frase que faça sentido e com as vírgulas no sítio, assim como que uma tese nesses preparos tenha uma nota tão elevada, se considero tudo isso notícia, não posso deixar de anotar que todos estes factos têm anos e surgiram agora, por magia, nos media, quando Barreiras Duarte foi nomeado secretário-geral da direção de Rio.

E dessas evidências se retiram várias coisas, que estão longe de se ater à pessoa e caso de Barreiras Duarte. Uma é que o sistema de acreditação e de avaliação em algumas universidades portuguesas – e todos os escândalos conhecidos ocorreram com privadas –, é algo de inadmissível e que tem de ser resolvido. Outra é que os media funcionam demasiadas vezes como braço armado de interesses muito óbvios e repositório acrítico e assanhado de “campanhas”, sem o mínimo de distância e reflexão. Por exemplo, onde é que vimos, nesta chusma de notícias, questionar a antiga direção do PSD, o ex PM e o ex ministro Miguel Relvas (do qual Barreiras Duarte foi secretário de Estado e que também teve um pequeno problema académico), sobre se sabiam alguma coisa sobre o que agora se revelou? Ou a universidade (a privada Autónoma) e o orientador, por acaso Diogo Leite de Campos, do PSD, sobre a qualidade daquela tese ou relatório ou que raio é? Porque é que o que é estrutural suscita tão pouco interesse e tudo se parece resumir a “demite-se ou não se demite”, “cai ou não cai”?

Como se não bastasse o gritante de alguém ter colocado a questão Berkeley numa “pastinha” até dar jeito usá-la, lá voltámos a ver a PGR, depois do caso Centeno, a mergulhar de cabeça na refrega político-mediática. A que propósito correu a anunciar um inquérito? Qual o crime em causa, se a acusação de que o ex governante teria forjado um documento foi logo desmentida por quem acusou?

Entendamo-nos: é irresistível gozar Barreiras Duarte – eu própria o fiz no Twitter, analisando o seu quilométrico CV no site do parlamento e gracejando, entre outras coisas, sobre apresentar-se como conselheiro económico de um município chinês: “Põe no CV tudo o que apanha do chão”. Mas uma coisa são piadas nas redes sociais, outra o jornalismo, a política, a justiça. Era bom poder distinguir.