A tropa adversativa de Bonifácio

(Daniel Oliveira, in Expresso Diário, 16/07/2019)

Daniel Oliveira

Por excesso de voluntarismo e valentia, uma camarada caiu no campo de batalha. E os seus companheiros não a deixaram só. José Manuel Fernandes foi o primeiro a gritar presente. Veio para criticá-la “sem meias palavras”, avisa-nos. “As generalizações feitas por Fátima Bonifácio são abusivas, caricatas, mesmo ofensivas”. Muito bem… “Mas há verdades no texto que não podemos ignorar”. Longe vão os tempos em que esta direita largava uma lágrima furtiva pela libertação do Iraque e não permitia a ninguém uso de qualquer “mas”. Agora é vê-los mergulhar de cabeça num mar de adversativas.

Justiça seja feita, sem o considerar racista e aproveitando imediatamente para colar o raciocínio da sua amiga à “esquerda identitária”, José Manuel Fernandes vai fazendo algumas crítica importantes ao texto de Bonifácio. Rui Ramos é que não perde grande tempo com isso. Prometendo “tentar ser muito claro”, atira-se a Fátima Bonifácio com um brutal “não evitou alguns equívocos”. Claríssimo! Para concluir que nada do que ela escreveu, se ele percebeu bem, “faz da autora uma ‘racista’ e muito menos do seu artigo um ‘manifesto racista’”. Porque se retirarmos do texto tudo o que é racista, abusivo, caricato e ofensivo, o texto não é racista. E não sendo racista, quer dizer que é a esquerda que inventa os racistas. E é isso mesmo que Rui Ramos diz, logo no título. Com a acusação costumeira de que as quotas servem para alimentar o clientelismo universitário, que um dia destes me levará a escrever um texto sobre a lata de alguma direita moralista, absentista e instalada no confortável funcionalismo académico.

Helena Matos nem sequer perdeu tempo a distanciar-se do texto. Além de não interessar para nada se ela discorda ou concorda com o texto, ele limitou-se a repetir o que se diz nas periferias de Lisboa e Setúbal. Resolvido o problema, o que interessa é a “fatwa” contra Fátima Bonifácio. É bom recordar que Helena Matos já se tinha indignado com a fatwa contra Mário Machado, acusando a esquerda de andar a caçar fantasmas, imaginando fascistas em todo o lado. O texto de Fátima Bonifácio não é racista, Mário Machado não fascista. Quando aparecer alguém a defender a Solução Final, a Helena Matos logo nos avisa se já podemos dizer alguma coisa que ela não considere uma “fatwa”.

O assunto foi tão animado que até Vasco Pulido Valente interrompeu a escrita semanal do mesmo texto de sempre, agora em forma de pequenos posts, para elaborar uma lista de esconjurados. Começou por explicar, com um único argumento, porque é que Fátima Bonifácio não é racista: “Conheço a Fátima há quase 50 anos. Nunca dei por que ela fosse xenófoba ou racista”. Se Pulido Valente não deu por nada é porque não existe. Queixando-se da “caçada às bruxas”, organiza a sua. Nem João Miguel Tavares, para sempre excomungado pelo papa Valente, escapa. E o mesmo homem que não vê nada de racista naquele texto denota na expressão “neo-reacionarismo” de Rui Tavares o perfil de um “tirnate” que a usa com os mesmos objetivos que os estalinistas usaram o antifascista – “para esconder a sua verdadeira face e condenar por grosso os seus inimigos”. Conhecesse o Rui Tavares há 50 anos e ele poderia defender que os gulags nunca existiram sem qualquer reparo. Assim, passa imediatamente para primo-direito dos seguidores de um dos maiores criminosos da história.

A tropa da Bonifácio exige silêncio. Eles dedicarão três frases de raspanete amigo a um texto inqualificável e, depois de ligeiras correções, explicarão o que deveremos debater. A “alcateia” que se atreva a reagir sem a sua grelha de leitura está a lançar uma “fatwa” para iniciar uma “caçada às bruxas” que cale “verdades que não podem ser ignoradas”

Dado o tom, as libelinhas seguiram o vento. E, subitamente, o tema já não era o texto de Fátima Bonifácio. Era a censura. Coisa estranha perante um texto que foi publicado e largamente citado. Era os processos-crime, tratados como um abuso censório e não como um recurso ao Estado de direito, com as garantias que ele nos dá. E era, mais do que tudo, as reações. Ou seja: nem censura, nem processos-crime, nem reações. A tropa da Bonifácio exige silêncio. Eles dedicarão três frases de raspanete amigo a um texto indiscutivelmente racista e, depois de ligeiras correções, explicarão o que deveremos ali debater. A “alcateia” que se atreve a reagir sem a sua grelha de leitura está a lançar uma “fatwa” para iniciar uma “caçada às bruxas” que cale “verdades que não podem ser ignoradas”.

Há uns bons anos, alguém conotado com a esquerda que estava no mesmo lugar que Fátima Bonifácio – não era colaboradora permanente do “Público” e enviou um texto para o jornal – teve o lapso de escrever “holocausto” com “h” pequeno, quando usou a expressão “o horror do holocausto” num artigo muito crítico de Israel durante a guerra com o Líbano. José Manuel Fernandes era então diretor e, sem contactar a autora do artigo, pôs uma nota final no texto: “O Público não alterou a grafia deste texto, designadamente o facto da autora escrever Holocausto com caixa baixa.”. A brincadeira de não alertar a autora para o lapso e fazer uma nota maldosa no final mereceu forte admoestação do provedor do leitor: “O ‘Público’ optou por associar implicitamente a cronista ao negacionismo”. Esta é a mesma pessoa que mantém uma posição critica mas apaziguadora em relação a um artigo onde se escreve que os negros e os ciganos não partilham dos nossos valores morais, que não “fazem parte de uma entidade civilizacional e cultural milenária que dá pelo nome de Cristandade” e que não “descendem dos Direitos Universais do Homem decretados pela Grande Revolução Francesa de 1789”.

Este duplo critério tem duas origens. Uma é a conhecida desonestidade intelectual de José Manuel Fernandes, que o leva a insinuar negacionismo na ausência de uma capitular e a não encontrar racismo em qualquer coisa que não proponha a solução final, apenas porque no primeiro caso está uma pessoa de esquerda e no outro uma de direita. A outra é um equívoco: a de que a identidade das suas vítimas e não a motivação e métodos dos seus autores é que é relevante no Holocausto. Isto permitiu que alguma direita, por motivos estritamente oportunistas e até com algumas motivações de novo ódio a outro grupo (os muçulmanos), absorvesse de uma vez por todas o combate ao antissemitismo sem nada perceber das razões profundas desse combate. Achando que se o destinatário da ofensa for outra etnia não tem mal nenhum. Mesmo que seja a outra grande vítima do Holocausto: os ciganos. Desde que se continue a escrever com maiúscula, está tudo certo.

Pensem num texto que substituísse a fronteira moral que Bonifácio traçou entre negros e ciganos, por um lado, e brancos, pelo outro, por uma fronteira entre judeus e não-judeus. Depois acrescentem-lhe as generalizações “abusivas, caricatas, mesmo ofensivas” que poderiam ser adaptadas aos preconceitos falsos e típicos em relação aos judeus, como a cupidez ou a avareza. Não tenho dúvidas em dizer que não seria publicado e, se o fosse, Fátima Bonifácio seria para sempre erradicada do espaço público, incluindo por esta sua guarda pretoriana. A diferença é apenas esta: uns conseguiram, ao fim de séculos de perseguição, conquistar finalmente o direito a defender a sua identidade, outros não conquistaram sequer o direito a deixarem de ser vítimas de bullying público da direita radical. Como no passado, ela sabe este discurso lhe garante o apoio popular de que as suas propostas económicas carecem. Como diz Helena Matos, é o que as pessoas dizem nas periferias.

Há muitos temas para discutir em torno das quotas e dos riscos que a obsessão identitária tem para a democracia e para a política. Tratei de muitas das coisas que me inquietam num texto sobre as políticas identitárias da esquerda, a propósito do livro de Mark Lilla. Um tema que está muitíssimo longe de ser novo e fácil. Quando este texto de Bonifácio estiver enterrado na memória e não conspurcar mais esta conversa, voltarei a ele. Mas ao virem em defesa do que é indefensável, branqueando um texto indiscutivelmente racista, negando o racional do que foi escrito para aproveitarem o emocional que ele alimenta, estas pessoas tornaram-se interlocutoras imprestáveis para este debate.

Advertisements

Colonialismo e crueldade

(Clara Ferreira Alves, in Expresso, 14/07/2019)

Clara Ferreira Alves

De 1922 a 1927, George Orwell serviu o império britânico no norte da Birmânia, como oficial da polícia. Dele é a frase: “O passado pertence aos que controlam o presente.”

Eric Blair, nascido em 1903, vinha da baixa classe média, ou de uma classe média sem dinheiro, mas entrou em Eton, a mais elitista das escola, a escola dos príncipes. Foi vítima de bullying, e sobreviveu às sevícias e humilhações, mas não tentou frequentar Oxford ou Cambridge. Os cinco anos de snobismo e complexo de casta chegaram. Aos 19 anos, estava na Birmânia. Logo se apercebeu da situação colonial, uma exploração cruel dos nativos pela supremacia branca. Dessa experiência birmanesa resultou um livro, um romance, “Dias da Birmânia”, e dois ensaios de génio, “Shooting an Elephant” (Matar um Elefante) e “A Hanging” (Um Enforcamento). São textos que retratam, com a empatia e compaixão que caracterizavam a escrita seca e precisa de Orwell, a tragédia da exploração capitalista colonial e do racismo. O romance, “Dias da Birmânia”, está escrito num estilo soberbo, enfeitado, que Orwell depois renegou (era o primeiro romance e tinha os vícios habituais) e descreve exemplarmente os tipos coloniais. Não é tanto a crueldade mas a suprema indiferença pelos nativos, os asiáticos, a sua invisibilidade, a prestação esclavagista vista de cima para baixo como um direito do funcionário, do comerciante ou do proprietário colonial. Os nativos, escreveu Orwell, eram para os colonialistas, nativos. Interessantes mas, finalmente, inferiores.

O império estava no estertor, em breve a Índia escaparia das algemas e com ela o Paquistão, e, claro, a Birmânia. A tragédia dos rohingya não é compreensível sem conhecer estes capítulos do colonialismo britânico, que sempre se reclamou, em relação ao português, mais avançado e mais culto, menos brutal e troglodita. Basta ler os guias da Índia para ver como os portugueses são acusados, na sua missão cristianizadora, de terem destruído os belos templos das cavernas da ilha de Elephanta, a que demos o nome, em frente a Bombaim, transformando-os em campos de tiro. As estátuas das divindades hindus estão desfiguradas pelas balas dos portugueses, numa selvajaria profana contra os profanos. Sagrado era o que os cristãos diziam que era sagrado. Quem não fosse cristão, ou se convertia ou era destruído. Este foi o modelo da cristandade portuguesa durante séculos. O padrão e a cruz. Deixámos, por esse mundo fora, um império construtor de fortalezas e igrejas, e legiões de cristãos de pele diferente da nossa. Cristãos católicos da Ásia a África, fomos os responsáveis primeiros.

O colonialismo português, com a sua dose maciça de coragem, aventura, crueldade e exploração, de esclavagismo e ignorância, de indiferença e desconsideração, nem sequer achava os nativos interessante. Achava-os fungíveis e sub-humanos. Carne para criadagem, cozinha, cama.

Este colonialismo, com as tropelias e guerras da fase do estertor, nunca produziu um escritor que, como Orwell, tivesse a empatia e a lucidez de o descrever. Nem sequer um Kipling. Ou um Forster. Não produziu nada de extraordinário depois das epopeias, tragédias e relatos do século XVI e XVII. Certamente, nada de extraordinário nos séculos XIX e XX. Exceto o poema de Jorge de Sena, ‘Camões na Ilha de Moçambique’, “pequena aldeia citadina de brancos, negros, indianos e cristãos, e muçulmanos, brâmanes e ateus”.

O colonialismo foi depois amalgamado numa teoria de lusotropicalismo recheado de imbecilidades como as que ouvi dizer a alguns diplomatas e académicos de antanho. Os ingleses fizeram a guerra e nós fizemos amor, make love not war, e assim mestiçámos. Uma orgia de violação, uso e abuso das mulheres nativas e das escravas mascarada de humanismo sexualizado. A nossa sociedade colonial descambou no modelo ainda em vigor na sociedade brasileira, onde os negros são vistos como servos naturais dos brancos.

Luanda era descrita como a grande cidade branca de África, a mais evoluída, a mais arquitetada, a mais pensada, e como um símbolo da glória do império português. A Cidade do Cabo também era gloriosa, mas não tínhamos apartheid, éramos mais “humanos” porque mais mestiçados. Na verdade, a mestiçagem dava jeito e o apartheid, compondo a rigorosa separação das raças e condenando a mestiçagem como um crime, impossibilitava o abuso sexual das mulheres e dos homens que serviam o capitalismo colonial.

O salazarismo, nunca tendo Salazar arredado a manta e o fogareiro e posto um pé nas terras dos selvagens onde mandou combater os ‘turras’ dos movimentos de libertação, sacrificando os mancebos portugueses a uma guerra que não entendiam e da qual nada sabiam, tinha a convicção de que aquilo era nosso por direito próprio e que a posse da terra tinha dentro dela o direito a dispor de uma raça inferior. A Índia nunca lhe interessou tanto, por remota e exótica, ou os longínquos Timor e Macau, como África, Angola e Moçambique. Menos, Cabo Verde, e talvez tenha sido uma sorte para os cabo-verdianos. E a Guiné, onde a guerra seria mais fácil de ganhar.

O colonialismo português teve os seus capítulos de glória nas conquistas e caravelas mas atravessou o século XX, o século das descolonizações, de olhos vendados. Nas escolas, a História de Portugal era uma lenda e uma narrativa mentirosa, arranjada para manter o regime como o defensor dos valores da cristandade em terras de bárbaros. Construíamos a escola e a igreja ao lado e deixávamos o esgoto a céu aberto e o casebre. Já Eusébio era velho, visitei o bairro onde ele nasceu no Maputo, Mafalala. Era isto. O amigo moçambicano que lá me levou não odiava os portugueses. Pelo contrário, tinha vindo educar-se a Portugal e gostava muito de Lisboa. Ele e a mulher são cultos, ela estudou literatura, ele escreveu livros, e assim são os amigos deles. Sempre pasmei da ausência de ressentimento tanto nos intelectuais como na gente simples de um país que condenámos à miséria e à corrupção. Isto deve-se à tal empatia, à humanidade, à educação e à consideração de que somos todos parte de uma raça, a humana.

Não nos odeiam. Nós, temos por cá uma gente que odeia pretos, e ciganos, como temos gente que odeia mulheres, e homossexuais, e doentes com sida, e muçulmanos, e judeus, e por aí fora. Quando se começa a odiar nunca mais se para. É esta gente que tem de ser educada. É esta gente que tem de ler uns livros e sair do canto provinciano e mesquinho das suas cabeças. De ler George Orwell e o que escreveu contra os totalitarismos e autoritarismos de que o colonialismo faz parte. Temos de deixar de controlar o passado.

Nada é preto ou branco

(Miguel Sousa Tavares, in Expresso, 13/07/2019)

Miguel Sousa Tavares

Adoramos as oportunidades para nos indignarmos em nome das boas causas. É de borla e fornece-nos uma excelente ocasião para nos exibirmos do lado justo, civilizado, politicamente correcto. Essencial é que haja alguém do lado contrário, alguém que desempenhe o papel do inimigo a exterminar com a nossa barragem de fogo enraivecido e bem intencionado, sem o que nada faria sentido. A historiadora Maria de Fátima Bonifácio pôs-se a jeito para a função, enfiando militantemente a carapuça de racista convicta — o que proporcionou a um exército de sempre atentos cidadãos-exemplares o pretexto para repudiarem, enojados, as ideias da professora Fátima Bonifácio.

A primeira coisa que me ocorre dizer é que é fácil e inodor ser-se anti-racista no Facebook ou no Twitter, proclamá-lo entre amigos ou escrevê-lo em abaixo-assinados. Já conheci várias pessoas que o fazem sem esforço algum, mas que depois só com indisfarçável esforço se comportam na prática, no dia-a-dia e nos contactos humanos como não-racistas. E isso vale para brancos como vale também para negros ou asiáticos ou ciganos: sim, Fátima Bonifácio tem razão quando escreve que também há racistas não brancos — entre si ou para com os brancos — embora não haja comparação, nem física nem intelectual, com o racismo branco para com os outros. O texto dela é, aliás, eloquentemente exemplificativo disto: é um tratado intelectual de justificação do racismo branco e, o que é ainda pior, em nome dos “valores da Cristandade” e da ”civilização cristã”. Esses mesmos valores e essa mesma civilização que invocámos há quinhentos anos para justificar a escravatura. É absolutamente impensável que alguém se possa lembrar de recuperar tal justificação para se desculpar daquilo que não passa de um defeito de carácter.

O racismo é um defeito de carácter e não há forma de o desculpar ou de o tolerar numa sociedade democrática e num Estado de direito. A lei não pode mudar o carácter das pessoas, mas pode e deve estabelecer as linhas vermelhas daquilo que é e não é tolerável na vida em sociedade. E esta é uma linha vermelha.

Tudo o resto das questões levantadas pelo texto de Fátima Bonifácio, ou a propósito dele, já não é tão a preto e branco. A começar pela questão das quotas a favor das minorias étnicas no acesso às universidades, o ponto de partida do texto dela. A questão das quotas — a favor de sexos, de etnias, de religiões — suscita-me muitas dúvidas sobre a sua justiça e ainda mais sobre os seus resultados práticos. Quanto à justiça, porque na sua base está sempre alguém que ascende, não por mérito, mas por decisão política e sobrepondo-se a alguém de mérito superior; quanto aos resultados práticos, porque nada me garante, por exemplo, que uma mulher seja melhor na política que um homem — não é por ser mulher que Merkel se revelou dos melhores, ou dos menos maus, governantes europeus entre a desgraçada geração actual de governantes homens, assim como não é por ser mulher que Theresa May se revelou um desastre como primeira-ministra britânica. Porém a tese de Fátima Bonifácio assenta num contorcionismo extraordinário: ela é a favor das quotas para mulheres que provaram bem; mas não para negros ou ciganos, porque, não fazendo parte da Cristandade, serão seres inferiores. Isto, vindo de uma historiadora é arrepiante. E não é preciso ir aos exemplos extremos da História para medirmos o alcance da perigosidade de qualquer tese assente na superioridade de uma raça, uma etnia, uma religião ou uma civilização sobre as outras: todos os extermínios de povos assentaram nisso.

Contudo, não é menos verdade que nem todos os povos coincidem no grau de desenvolvimento ou naquilo a que chamamos civilização. E nem todos, aliás legitimamente, estão interessados em evoluir para aquilo a que chamamos padrões civilizados. O maior problema de África é o incivismo, a ganância, a corrupção dos seus dirigentes: não por serem negros, mas por ausência de padrões de organização democrática das sociedades. Os ciganos, não vale a pena seremos hipócritas, têm regras de conduta entre si que nós não toleramos nem no Código Civil nem no Código Penal, recusam-se a tratar as mulheres como seres iguais em direitos aos homens, recusam integrar-se no que são os padrões de vida comum em sociedade, mas não abdicam de reivindicar todos e cada um dos direitos e benefícios que o Estado lhes dá. Não podendo ser integrados à força, são um problema, jurídico e social. Nada disto pode ser negado, como fazem os indignados prontos a assinar. Mas também não pode ser generalizado, sob pena de se entrar no campo da discriminação étnica e da defesa assumida do racismo, como faz Fátima Bonifácio.

Estas foram as questões essenciais levantadas pelo seu texto. A mim, em nada me incomodaram elas e ele. Pelo contrário, quanto mais opostas às minhas são as ideias de alguém melhor é a oportunidade para eu testar as minhas e os respectivos fundamentos. Vejo a publicação do texto de Fátima Bonifácio no “Público” como um exercício banal do confronto de ideias num jornal aberto de um país democrático. Uma colaboradora externa publica um texto que toda a gente sabe que não reflecte a linha editorial do jornal e, se calhar até, ofende o seu Estatuto Editorial, mas, qual seria a alternativa — censurá-la? A avaliar pela avalanche de reacções havidas, inclusive do próprio director a declarar-se arrependido da publicação, parece que sim, parece que era isso que tantas consciências ofendidas defendiam. Confesso que isso me choca tanto ou mais que o próprio texto da autora. Queiram ou não — até como se viu pelas reacções contrárias — as ideias de Fátima Bonifácio encontram eco naquilo que muitos outros portugueses pensam, se calhar sem o dizerem abertamente. E, como eu vejo as coisas, em democracia essa gente também tem direito a ter voz e é até melhor que a tenha assim, publicamente, do que andar a votar à socapa no Salazar como o maior português de sempre. Assim, podem expor as suas ideias e serem confrontados e contraditados, de outro modo seriam apenas silenciados, como Salazar fazia com os que dele discordavam.

Na verdade, ver gente a pedir um processo-crime a Fátima Bonifácio (por delito de opinião!), ver outros a pedir o seu silenciamento e afastamento do jornal, ver uma lista de “notáveis” a pedir a sua cabeça (entre os quais, pelo menos dois que julgo recordar terem pedido também o fuzilamento dos implicados no 11 de Março de 1975), traz-me à memória tiques salazarentos de persistente duração. Lendo o texto de Fátima Bonifácio e as desbragadas reacções a ele da esquerda-pronta-a-saltar, só me ocorre uma pergunta: quantos anos serão precisos para apagar de vez os vícios de 48 anos de ditadura?

Miguel Sousa Tavares escreve de acordo com a antiga ortografia