Adeus, Herr Schäuble

(Nicolau Santos, in Expresso Diário, 09/10/2017)

schauble3

 

(Permita-me discordar do último parágrafo, caro Nicolau Santos. É que lembrei-me logo do Evaristo. No filme “O Pátio das Cantigas” quando o Sr. Evaristo (António Silva) vai para “termas” no Cartaxo o Narciso Fino, (Vasco Santana) atira-lhe a seguinte “pérola”:
«Boa viagem. Vai e quando lá chegares manda saudades que é coisa que cá não deixas.»

É o mesmo que eu diria a Schäuble.

Estátua de Sal, 09/10/2017)


O ministro alemão das Finanças participou esta segunda-feira, pela última vez, num encontro do Eurogrupo, de que foi figura tutelar, e o alfa e ómega, durante o período em que ali esteve. E sai a dizer que Portugal é um caso de sucesso das políticas de austeridade que sempre defendeu. Pois lá teremos que discordar.

“Portugal é uma vez mais a prova de que a nossa política de estabilização do euro foi um sucesso, e de que, contra algumas dúvidas, conseguimos, com êxito, manter o euro estável após oito anos de crise”, disse Schäuble no início da reunião.

Bom, para quem disse em 2016 que Portugal estava a ir bem até mudar de Governo e que, não uma mas duas vezes no ano passado e já neste, sugeriu que o país poderia ser obrigado a pedir um novo resgate internacional, é seguramente curioso ouvir agora estas palavras de Schäuble.

É verdade que a partir de maio, com a saída de Portugal do Procedimento por Défice Excessivo, o ministro alemão tem mudado de discurso em relação ao Governo de António Costa e à gestão de Mário Centeno, deixando para trás os duros avisos e as fortes críticas iniciais sobre a política de reversão de medidas de austeridade do atual executivo.

A mudança chegou ao ponto de, com ironia ou sem ela, o homem forte do Eurogrupo ter apelidado o ministro português das Finanças de Ronaldo do Ecofin.

Mas não nos iludamos. Schäuble não mudou de opinião em relação às políticas de austeridade que defendeu para combater a crise. O modo como tratou a Grécia e o ministro helénico das Finanças, Yannis Varoufakis, demonstra bem que Schäuble nunca aceitou que houvesse alternativa às políticas que preconizava.

O seu lema sempre foi There Is No Alternative (TINA). Daí o seu desconforto com a mudança de políticas preconizada por António Costa e Mário Centeno, que apesar da devolução de salários e outros rendimentos, têm permitido reduzir o défice, aumentar o crescimento, o investimento e as exportações e diminuir o desemprego.

Por isso, tem deixado sempre claro que os programas de austeridade e de resgate foram necessários e são também responsáveis pelas histórias de sucesso, passando por cima das mudanças de política económica que existiram em Portugal e que comprovam que existia alternativa.

Uma coisa, contudo, se deve reconhecer: Schäuble foi muito duro em matéria de programas de austeridade, mas apoiou, como contrapartida, a solidariedade financeira dos Estados-membros para com os países sob resgate, quando havia vozes no norte da Europa que se manifestavam contra e mesma parte importante da opinião pública do seu país estava igualmente muito reticente.

Ora no Governo de coligação que a sra. Merkel está a organizar, os liberais já fizeram saber que gostavam de ficar com a pasta das Finanças. O pequeno problema é que, durante a campanha eleitoral, o FDP endureceu o seu discurso contra a política de acolhimento de imigrantes e contra o apoio ao resgate de países do sul da Europa.

Por isso, não é nada seguro que esta troca de partidos e de pessoas no Ministério alemão das Finanças venha a ser favorável a todos os que defendem novas regras económicas e financeiras, mais flexíveis e mais solidárias, na União Europeia, nomeadamente no que toca à titularização da dívida europeia e à conclusão da União Bancária, em particular a criação de um mecanismo comunitário de apoio a bancos em dificuldades.

Ou seja, um dia destes acordamos e descobrimos que temos saudades de Herr Schäuble. Seria irónico mas tudo é possível.


Contactos do autor: Email

O dia em que Schäuble e Dombrovskis engoliram um grande sapo

(Nicolau Santos, in Expresso Diário, 16/06/2017)

nicolau

Portugal sai hoje formalmente do Procedimento por Défice Excessivo, para onde tinha entrado em 2009. Por parte de alguns dos principais parceiros no Ecofin do ministro das Finanças, Mário Centeno, choveram os elogios. Wolfgang Schäuble, o homólogo alemão, diz que este facto (e o pedido de pagamento antecipado de 10 mil milhões ao FMI) prova que “o programa de assistência a Portugal é uma história de sucesso”. E o vice-presidente da Comissão Europeia, “Valdis Dombrovskis, disse ver “com satisfação que os ministros das Finanças tenham aprovado a nossa recomendação para a saída de Portugal do Procedimento por Défice Excessivo. Hoje é o dia para celebrar. Amanhã é o dia para continuar o trabalho árduo”.

Se a hipocrisia matasse, Schäuble e Dombrovskis deveriam ter caído fulminados logo que fizeram estas afirmações. É que ninguém esquece – eu, pelo menos, não me esqueço; e para os esquecidos há sempre o recurso ao Facebook – as sucessivas declarações de Schäuble sobre Portugal, dizendo que o país ia no bom caminho com o anterior Governo mas que com o Governo PS e a mudança de orientação política, estava preocupado com a eventualidade de Lisboa ter de pedir um segundo resgate (em 30/6/2016 e 15/3/2017). Disse-o não uma mas duas vezes, sempre que lhe perguntavam qual era a situação do Deutsche Bank (que era péssima na altura). Dombrovskis também foi sempre muito duro com o Governo do PS e os dois puseram sucessivamente em causa a capacidade de Portugal cumprir os seus compromissos europeus, em particular as metas orçamentais, com uma política económica diferente da seguida pelo executivo de Pedro Passos Coelho e de Paulo Portas.

Mas não foram só eles. Outros responsáveis alemães, como Klaus Regling, presidente do Mecanismo Europeu de Estabilidade ou o comissário europeu Günther Oettinger falaram sobre a hipótese de Portugal precisar de um novo resgate (“Não sei qual é a probabilidade, mas é maior do que 0%”, disse Oettinger em 3/10/2016).

E é por isso que os aplausos e os sorrisos de hoje só podem esconder uma enorme estupefação sobre como foi possível, com uma orientação económica bem diferente daquela porque sempre pugnaram (falta ao ramalhete o inefável presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloen) e com um governo de centro/esquerda, apoiado por bloquistas e comunistas, atingir resultados orçamentais únicos na história do país, os melhores em 42 anos de democracia.

É que afinal todos eles foram desmentidos pelos factos: não havia só um caminho, a famosa TINA (There Is No Alternative, que sempre defenderam. A lavagem ao cérebro que nos tentaram fazer, a intimidação constante, a chantagem sucessiva, a pressão diária que fizeram afinal esboroou-se perante a realidade: era possível chegar a melhores resultados por outra via e com muito menor dor social do que aquela que nos impuseram durante cinco anos.

Ninguém se esquece os tratos de polé a que Mário Centeno foi sujeito quando chegou ao Eurogrupo. Ninguém esquece a forma sobranceira com que as suas propostas e a orientação que imprimiu à política económica foram tratadas durante longos meses. Ninguém esquece os avisos, os remoques, os alertas que lhe foram lançados, bem como as subtis ameaças, as cinzentas intimidações, o desprezo glacial.

Hoje é um grande dia para Portugal e para os portugueses. É também um grande dia para o Governo e para Mário Centeno. São eles que vão ficar para a História como o Governo e o ministro que conseguiram alcançar o défice mais baixo em 42 anos de democracia, 2%, um valor que se preparam para reduzir ainda este ano e no próximo; e são eles que ficam para a História como o Governo e o ministro que retiraram Portugal do Procedimento por Défice Excessivo, depois de nele termos caído em 2009.

Podem-se arranjar mil explicações, invocar milhentas atenuantes, mas factos são factos. E contra factos objetivos, palpáveis, não há argumentos.

O que falta agora é que outros representantes internacionais da hipocrisia, as agências de rating, venham reconhecer que a notação que atribuem atualmente à dívida emitida pela República (“lixo”) é totalmente inadequada à atual situação e que a subam rapidamente. Esta mesma semana, Portugal emitiu dívida a 10 anos abaixo dos 3% (2,8%), o que prova que mesmo os mercados reconhecem a melhoria consistente da situação económica portuguesa. O que falta para que, mesmo rangendo os dentes e cruzando os dedos, melhorem a notação da dívida portuguesa?


Contactos do autor: Email

Schaüble, o cínico

(Por Estátua de Sal, 15/06/2017)

schauble_cinico

Dizia o outro, o Portas, que quando a troika se foi embora Portugal tinha deixado de ser um protectorado e até tinha um relógio a contar os minutos que faltavam para dizer adeus aos capatazes. Pois bem, nada mais falso.

Tal é a nossa situação de dependência que até para pagarmos as dívidas temos que pedir autorização. Portugal quer pagar  antecipadamente 10000 milhões de euros ao FMI, de um total de 12000 milhões que ainda lhes devemos, porque os juros do FMI são bens mais altos que os da restante dívida. Para isso temos que pedir autorização á Europa, ao Eurogrupo, ao Schaüble e, pasme-se, a autorização tem que ser votada no parlamento alemão! Querem maior prova de dependência? (Ver notícia aqui).

Eu achava que a solidariedade europeia não precisava de ir a votos. Mas não é assim. A razão é que, pagando mais cedo ao FMI, a probabilidade de pagarmos mais tarde os empréstimos da Europa aumenta, e eles, coitados também querem receber o deles a tempo e horas. Percebe-se.

O que já é menos aceitável é o Schaüble apanhar a boleia deste pagamento antecipado para vir dizer que o resgate a Portugal foi um sucesso. Depois da queda do PIB em vários pontos percentuais, do desemprego em massa, da emigração forçada, da pobreza e da miséria a trepar, o macaco do Schaüble vem dizer que foi tudo um grande sucesso.

Só um cínico encartado poderia sair-se com uma tirada de tal estirpe. No fundo, a mensagem subliminar que ele quer passar é que o Passos e a Marilú, e o governo anterior que ele apadrinhou, governaram tão bem que até conseguimos pagar as dívidas antecipadamente.

Ou seja, quem quer pagar e enfrentar os credores de cabeça erguida deve seguir sem pestanejar as ordens do Schaüble. Logo, o Costa que se cuide e não levante muito a garimpa, sob pena do ministro alemão não nos permitir, não contrair novos empréstimos, mas sim pagarmos os que já contraímos!