Sempre, sempre ao lado do povo

(Por Estátua de Sal, 27/09/2017, 23h 15m)

zegomes1

Estou a ver o Gomes Ferreira na SIC Notícias. O assunto é o anúncio de greves no sector da saúde para a primeira quinzena de Outubro. São de novo os enfermeiros, depois vêm os médicos e os técnicos auxiliares de saúde.

Toda a gente quer mais dinheiro, porque toda a gente ganha mal. Todos tem razão. Até aqui tudo certo. A novidade é o Gomes Ferreira, contrariamente ao que  defendeu durante anos, surgir agora como um grande paladino das classes trabalhadoras, sempre, sempre ao lado do povo. 

Nunca vi a direita e os seus grilos falantes, como o Gomes Ferreira, serem tão amantes e defensores da “classe operária”. Conseguem ultrapassar o PCP pela esquerda alta. Os grevistas, sejam eles quais forem, tem tempo de antena quase ilimitado e direito a directos sucessivos na SIC. As greves, que ainda não ocorreram, tem direito a anúncios reiterados em todos os blocos noticiosos e os telespectadores são avisados de que a chegada do caos ao SNS está eminente.

Devo saudar esta reconversão da direita, esta mudança radical tardia, esta suposta conversão à defesa dos interesses dos trabalhadores que sempre quiseram punir nas suas reivindicações mas, devo dizê-lo, trata-se de uma manifestação da hipocrisia mais soez.

A direita apenas se congratula com as greves da função pública na medida em que é o Estado que paga os salários e tal cria dificuldades ao Governo que fica emparedado entre dois fogos: a justiça das reivindicações dos trabalhadores, que tem dificuldades em satisfazer, e os imperativos do Tratado Orçamental que impõe ao país a redução substancial e rápida do déficit e da dívida. Quando se trata de greves no sector privado – como ocorreu no caso recente da Auto Europa -, aí a direita não acha nada bem porque não é o Estado a pagar, mas sim o mealheiro dos privados que a direita apoia e cujos interesses corporiza.

Mas o mais caricato da análise do Ferreira foi ele concluir que a culpa da existência das reivindicações é do próprio Governo. E porquê? Porque o Governo tem um discurso optimista; diz que acabou a austeridade e que a economia está a crescer, sendo todos os indicadores positivos, desde o emprego, às exportações, ao crescimento económico. Ou seja, no limite a culpa é do INE que só publica números bons…

Ou seja, para o Gomes Ferreira, o melhor seria voltarmos aos tempos da troika  e à gestão melodramática das expectativas que Passos Coelho tão devotadamente praticava. O nosso destino enquanto país é empobrecer, dizia o Passos. Ora, com um destino de penúria traçado até todo o sempre, quem é que se atrevia a reivindicar aumentos de salários?

Em suma, meu caro António Costa. Passe a dar más notícias e diga que vem aí o diabo. Roube o discurso ao Passos e mande os jovens emigrar porque o Centeno não tem os cofres cheios e tem que pagar ao FMI. É esta a mágica solução que o Gomes Ferreira lhe dá para resolver o problema das greves. Se o tema não fosse sério demais esta solução mereceria mais do que um sorriso rasgado.

Contudo, digo eu, é preferível ter boas notícias na frente económica do que más. É preferível ter um país com esperança do que um país subjugado ao infortúnio e ao espectro da pobreza e da miséria. É preferível falar verdade do que manipular os factos para domesticar as justas reivindicações de quem trabalha. E a prova é que os portugueses também o preferem como mostram todos os indicadores de confiança, tão elevados que estão, como há muito não estavam.

E é por isso que a direita range de fúria, tudo fazendo para destruir a imagem positiva do Governo e das suas políticas junto do eleitorado. Recorre a tudo. Mesmo à defesa veemente de valores e de grupos sociais que sempre combateu.

 

Anúncios

Somos todos keynesianos outra vez?

(In Blog, Ladrões de Bicicletas, 25/09/2017)

Parece que há uma discussão orçamental suscitada por um útil estudo em torno de simulações dos putativos efeitos de décimas do PIB de necessários aumentos da despesa pública, que tem a virtude de expor pela enésima vez o espartilho de regras europeias cada vez mais “estúpidas”, para usar a elegante fórmula do antigo Presidente da Comissão Europeia, Romano Prodi. Dos limites ao défice até à redução anual da dívida, que impõe superávites do saldo primário, a estupidez está ao serviço do mais estreito interesse próprio dos credores.

Continuar a ler aqui: Ladrões de Bicicletas: Somos todos keynesianos outra vez?

É lidar com isso

(Marco Capitão Ferreira, in Expresso Diário, 20/09/2017)

capitaoferreira

Algo a contragosto, e tão tarde quanto lhes foi possível, as agências de rating lá deram um primeiro sinal de que já nem elas conseguem negar o desempenho da Economia Portuguesa e, muito especialmente, o desempenho da consolidação orçamental que foi possível fazer nesse contexto.

Os dados falaram mais alto, e mesmo não gostando – e não gostam mesmo nada – da forma como os resultados foram conseguidos, isto é, com uma política de alguma reposição de rendimentos e fim progressivo de cortes nas prestações sociais, não se pode negar o défice que baixou e a dívida que vai começar a baixar este ano. Ambos sinais de uma consolidação orçamental bem conseguida, que ainda por cima potenciou o emprego e o crescimento.

Longe vão os tempos, em 2011, em que nos era dito – (Ver aqui) -, que a melhoria do rating da República dependia da entrada em funções de um Governo diferente, e que era questão de seis ou doze meses para isso acontecer. Não foram seis meses, foram seis anos.

Data também dessa altura uma visão polarizada em que, consoante a quem se pergunte, a responsabilidade foi toda da conjuntura internacional ou toda dos Governos. Nenhuma das duas, como é natural, explica satisfatoriamente o que se passou. O problema dessas perspectivas, claro está, é que se erramos no diagnóstico erraremos certamente na cura.

Num País conhecido por alguma bipolaridade à depressão segue-se, normalmente, a euforia. Do ponto de vista do andamento da Economia isto induz um efeito pró-cíclico muito complicado. Concretamente, neste momento, temos de evitar euforias ou a mera ideia de que estamos garantidamente no bom caminho e podemos relaxar.

Não podemos.

Há que explicar isso à classe média-alta e alta. Sim, poderão ter de esperar um pouco pela sua parte no que ainda falta fazer do alívio fiscal. Há que explicar isso à função pública – não se resolvem 10 anos de congelamentos num ano – e a certas classes profissionais, por muito atendíveis que sejam as suas reivindicações.

O risco é evidente. Se tropeçarmos, se houver uma mínima janela de oportunidade para se gerar instabilidade política, se a conjuntura internacional se deteriorar subitamente, se tantas outras coisas, podemos perder muito rapidamente tudo o que nos custou seis anos de dolorosos sacrifícios (necessários, muitos, desnecessários outros, fruto de erros nossos).

O Financial Times pode dar-nos um raro elogio, Mário Centeno pode ser o nome mais forte para o Eurogrupo (e é mesmo, mais não seja porque, para além dos muitos méritos próprios, o próximo presidente deverá vir do sul da europa e da família socialista, agora façam as contas), podemos ter uma queda de desempego histórica, um desempenho da Economia como este século poucas vezes viu. Podemos ter isso tudo. Mas podemos perder isso tudo. Esta geração, aposto, dispensa passar por isso outra vez.