E grávida, não tem férias?

(Joaquim Vassalo Abreu, 22/06/2019)

Os Médicos sim!

Assim deveria acabar a frase que dá título ao texto, muito embora eu até pense que, pensando bem, todo o casal que premedita um filho deveria fazê-lo contando com isso mesmo: o problema das férias da maioria do pessoal do SNS nos meses do Verão, principalmente o Médico!

Isto é: fazer um filho nos meses de outono só mesmo por acaso dos acasos, porque o calor aqui não ajuda ou por esquecimento da pílula ou do Diu! É que isto mesmo aconteceu com uma sobrinha minha e até chamamos ao seu filho o ” filho do Diu”!

Porque convenhamos: sabendo todos que a Justiça não funciona nos meses de Verão, pois são meses em que todo o organismo está de férias e assim os tribunais trabalham a meio gás, é óbvio que ninguém se lembrará de praticar um crime nessa altura só para “lixar” o descanso do Juíz de turno e ficar ali em banho maria na “prisa” ou na “Judite”…Certo?

Assim como qualquer crime fiscal transita, qualquer multa fica por pagar, qualquer atraso à Segurança Social é para deferir e qualquer imposto por pagar é para esperar, porque todo o pessoal ainda tem direito a “estivar”, também a Grávida tem “direito” a esperar…não vá o seu direito colidir com o de “estivar” dos Médicos…

Assim sendo cabe nos espíritos mais informados o dever da precaução e não fazerem filhos que nasçam no Verão! É que, se assim for, verão como estes argumentos que hoje vi plasmados na televisão, descritos por jornalistas e profissionais de ocasião, não mais ocorrerão!

E eles que dizem (como se diz lá por cima)? Que é tudo falta de pessoal! O Pessoal é que assim diz sugerindo que a solução é, para combater o problema das férias, contratar mais pessoal. Médico e de Enfermagem, diz o Pessoal. E eu, boquiaberto e atarantado pergunto: mas como se eles estão de férias?

Tudo isto eu fiquei a saber porque, contra o que é meu costume e por isso até sou criticado, resolvi ver hoje um Telejornal. Isto é, andei de canal em canal porque no 1° quando está o “orelhas” mudo por uma questão higiénica e no 4° quando está a Judite por uma questão fonética! No 3° depende …

Advertisements

Mas que vi eu e que tanto me prendeu a atenção a ponto de mudar a ver se a notícia seria diferente ou, no mínimo, apresentada de maneira diferente? Ora, o que já vos disse: a redução dos períodos de atendimento a grávidas nos principais Hospitais, creio que de Lisboa pois parece que só os Lisboetas têm essa estranha mania de ir de férias.

É claro que depois lá vêm as triviais críticas da Direita: a redução do investimento público (bandeira da esquerda); a carga de impostos nunca vista (bandeira da esquerda); a degradação dos serviços públicos (bandeira de Esquerda ainda) e a necessidade de ser o privado a resolver o problema! Aqui a bandeira, claro que impossível, é mesmo da Direita!

Mas aqui resulta claro, embora a Direita não o diga, que para que tal seu desiderato fosse exequível, seria preciso que os Médicos nesse período estivessem de férias para o Público mas não para o Privado! Isto é: se estivessem no estrangeiro onde poderiam estar para…E em Portugal se nem para o Algarve poderiam ir?

Bom isto é tudo tão inverosímil e patético que eu me pergunto: para quê perder o meu rico tempo vendo estas e outras coisas, se elas insistem em ser um permanente atentado à minha inteligência e uma continua violência sobre a minha boa vontade e bonomia até?

De modo que, em modos de resumo, só posso aconselhar: “coisem” no Verão até à exaustão e façam filhos no Inverno para que não nasçam no Verão!!!

Advertisements

Reviravolta na Lei de Bases da Saúde: BE volta às negociações e ‘tira’ PPP da lei

(David Dinis, In Expresso, 09/06/20199

(Mas que grande jogada da Catarina. Agora o PS que mostre afinal de que lado está: se está com as ideias para a saúde de António Arnaut ou se está com o jeito para as negociatas na saúde com os privados, mais ou menos subterrâneas, de Maria de Belém. 

Se, como se fartou de dizer António Costa no último debate quinzenal na Assembleia da República, o essencial na nova Lei de Bases da Saúde não são as PPP, então aprove-se o essencial e deixem-se as PPP para melhor análise e posterior debate. 

Agora é que se vai ver se as PPP são ou não “essenciais” para o PS.

Comentário da Estátua de Sal, 09/06/2019)


A dias da votação final, depois de terem ficado bloqueados com o recuo do Governo, Catarina Martins propõe a António Costa solução para aprovar Lei de Bases à esquerda… e PPP à direita.


Continuar a ler aqui: Reviravolta na Lei de Bases da Saúde: BE volta às negociações e ‘tira’ PPP da lei


PR – O incorrigível comentador e o SNS

(Por Carlos Esperança, 08/06/2019)

Não lhe bastando para megafones o Conselheiro comentador, os jornalistas solícitos e o clero que lambe em deprimentes beija-mãos, ameaça desbaratar o prestígio que adquiriu por mérito próprio e comparação com o antecessor. Exige ser o mediador, o contrapeso partidário e fiel de uma balança que não lhe pertence, nem lhe cabe equilibrar.

Ninguém duvida da recandidatura do PR nem da vitória. Invocar a sua necessidade pela debilidade da direita, o que não faria, decerto, se fosse a da esquerda, é o pretexto risível que ameaça o regular funcionamento das instituições e a solidariedade institucional.

Devia recordar-se da crueldade e despropósito das declarações populistas que levaram à demissão da ministra da Administração Interna, apanhada entre fogos, não é metáfora, entre os de Pedrógão e o de Oliveira do Hospital, aguçando as garras aos vampiros que sugaram o sangue das vítimas até às recentes eleições europeias.

Marcelo gosta de embaraçar o PR e, no seu narcisismo, compromete a livre competição partidária, onde a sua ingerência é insensata e perigosa, condicionando o Governo e as decisões da AR.

A sua influência na nova lei de bases do SNS, com a exótica exigência de que deve ser negociada entre os dois maiores partidos, é uma ingerência perniciosa na decisão da AR e numa matéria cujo precedente foi idêntico.

A anterior Lei de Bases foi da autoria dos partidos que votaram contra a criação do SNS e a atual é negociada pelos que o criaram. Esta é a proposta de uma ministra sem pactos com empresas privadas, para dotar o país de um diploma contestado por elas e as IPSSs. Era natural que fosse aprovada pelos herdeiros e contestada pelos ex-opositores do SNS.

O sector do PS mais à direita, tal como sucedeu na criação do SNS, incluindo médicos, é aliado do PR e dos partidos da direita. A Dr.ª Maria de Belém, aceitou coordenar uma comissão de revisão da Lei de Bases da Saúde, apesar do conflito de interesses com os privados, e apresentou um relatório que o Governo rejeitou. É legítimo não o acolher quem o encomenda, surpreendente é o autor sentir-se no direito de o impor.

Maria de Belém está para este Governo como Francisco Assis para a sua formação. Não tirou ilações da candidatura a PR e a dupla ligação, à Igreja e aos interesses privados, parecem determiná-la. Quem perde é o povo português.

As PPPs são pretexto para o combate político. São indispensáveis, a nova Lei de Bases não as enjeita, mas não podem ser hegemónicas e um instrumento para destruir o SNS. 

Advertisements

A proposta do Governo era equilibrada, viável e honesta, defendida por uma ministra de invejável qualificação, passado impoluto e grande coragem. Se a esquerda não for capaz de se entender sobre o mais emblemático serviço público, não é o Governo que perde, os governos passam, é o povo português que será progressivamente espoliado do melhor dos seus direitos e do mais fecundo dos seus benefícios.

E um dia, demasiado tarde, os portugueses dar-se-ão conta de quem o enganou.