MACRON, MON AMOUR

(Soares Novais, in a Viagem dos Argonautas, 03/09/2017)

soares-novais-ii

O Dr. Cavaco saiu de Albufeira às seis e meia da manhã para ir dar uma “aula” a Castelo de Vide. Foi o que disse ao Dr. Passos quando este lhe abriu a porta do carro que usa e nós pagamos. A “aula” do Dr. Cavaco não foi uma “aula”, dando de barato que ele tem dotes para leccionar. Foi, isso sim, um rosário de asneiras, mentiras e pesporrência.

Disse, o “prof” reformado da Aldeia da Coelha, segundo a RR:

  1. “[Tenham] a força e a coragem para combaterem o regresso da censura.”
  2. “Apesar das coisas estranhas que têm acontecido no nosso país, apesar de vozes credíveis afirmarem que a censura está de volta, estou convencido que os portugueses ainda valorizam a verdade, a honestidade, a competência, o trabalho sério, a dedicação a servirem as populações.”
  3. “[As fake news] Não existem apenas na América do senhor Trump, mas também na generalidade dos países europeus e em Portugal.”
  4. “[Na zona euro] A realidade acaba sempre por derrotar a ideologia”
  5. “[A realidade] Tem uma tal força contra a retórica dos que, no governo, querem realizar a revolução socialista, que eles acabam por perder o pio ou fingem apenas que piam, mas são pios que não têm qualquer realidade e reflectem meras jogadas partidárias”.
  6. “Se perguntassem aos partidos da coligação que defendem a saída de Portugal do euro para onde iria Portugal se saísse dessa galáxia, talvez respondessem para a galáxia onde se encontra agora a Venezuela.”
  7. “[O Estado português] Não é só indisciplinado [economicamente], mas também demasiado gordo”.
  8. “Na política não há certezas, ninguém deve esperar da política gratidão ou reconhecimento”
  9. “Se o poder político conseguir controlar estas entidades [como o Conselho das Finanças Públicas] o retrocesso na transparência da nossa democracia será muito significativo.”
  10. “[Emmanuel Macron] Contrasta com a verborreia frenética da maioria dos políticos europeus dos nossos dias, ainda que não digam nada de relevante.”

Sabe-se: o Dr. Cavaco tem muita dificuldade em expressar-se e graves problemas de dicção, apesar das aulas que recebeu da “mestra” Glória da Matos. Mas sobra-lhe rancor e perfídia. Tanta que esqueceu as condecorações e os elogios com que tem sido brindado pelo seu sucessor em Belém.

Para o Dr. Cavaco o mundo gira à volta do seu umbigo e das suas certezas. Ele é o “maior” e o “mais sério”. Apesar das suas relações de amizade com o impoluto Oliveira e Costa, do BPN; e das mais valias das acções preferenciais da Sociedade Lusa de Negócios que teve o seu ex-amigo Dias Loureiro como “cabeça de cartaz”. Só para citar dois exemplos.

Apesar de os alunos da dita “universidade” serem siameses do ex-doutor Relvas, a verdade é que não mereciam ter uma “aula” com um “prof” de tão baixo nível. Já lhes basta ter de ouvir o “sotôr” Rangel e a agência de empregos ser presidida pelo “sotôr” Coelho.

A “aula” só teve um mérito: a declaração de amor a Macron. O filho do senhor da “bomba” de Boliqueime gosta do petit. Talvez por ele gastar 288 euros por dia em serviços de maquilhagem. (A revelação foi feita pela revista “Le Point” e o Palácio do Eliseu confirmou.)

Percebo a declaração de amor de Cavaco: ele, que é um habitué em cosmética, sempre usou máscara anti-politico…

Anúncios

Paulo Rangel, o pregador falhado

(Estátua de Sal, 01/09/2017)

rangel2

Esta coisa da Universidade de Verão do PSD é uma espécie de cartola de mágico de onde pode sair tudo em qualquer momento: coelhos, cavacos, rangeis e todos os outros génios do mal, à excepção do diabo que está em greve, por solidariedade com os trabalhadores da AutoEuropa.

Desta vez saiu, Rangel, o Paulo, pregador de vocação falhada. Não tem pose, não tem voz, restando-lhe apenas o dedinho curto com que ameaça os portugueses com as penas do inferno por darem crédito às “esquerdas radicais”, expressão da qual abusa mas que roubou sem vergonha à D. Cristas que tem a patente registada.

E que aprenderam os jotinhas durante tão terrível prelecção? Pelos vistos não aprenderam grande coisa nem ligaram muito ao assunto. Alguns estavam a navegar no Facebook enquanto Rangel rangia a bom ranger. como se pôde ver nas televisões. Os jotas não estão lá para aprender nada de relevante mas para herdarem os contactos da rede clientelar laranja, os quais os poderão alcandorar no futuro a uma sinecura dourada.

Rangel rangeu e foi triste de ver. Um apoiante do governo pafioso que mais cortou no investimento, nos salários – públicos e privados -, e nos serviços públicos, vir agora acusar o actual governo de cortar no Estado Social, e dizer que todos os desastres recentes, os fogos, os mortos de Pedrogão, as armas de Tancos, as greves, os suicídios (os que aconteceram e os que não aconteceram), se devem a cortes na despesa pública feitos pela actual governação.

Onde estava Rangel quando Gaspar implementou o mais brutal aumento de impostos de que há memória em Portugal – atrevo-me a dizer -, desde o tempo de D. Afonso Henriques? Onde estava Rangel quando os orçamentos eram chumbados sistematicamente pelo Tribunal Constitucional, por não se conformarem com a lei e serem um roubo descarado a céu aberto aos portugueses? Onde estava Rangel quando Passos até os subsídios de desemprego queria taxar com impostos?

Pois eu digo-vos onde estava. Estava a lamber as botas de Passos Coelho (para não dizer a lamber outra coisa), de forma a entrar nas listas de deputados ao Parlamento Europeu, onde não há austeridade nas regalias e nos ordenados principescos desses eleitos, eleitos para não fazerem nada que se veja, mas apenas para criarem um palco onde se simula a democracia, enganando assim os povos da Europa.

Diz Rangel que não há Estado Social mas sim o “estado salarial” de António Costa. (Ver aqui). Que o PS dá com uma mão e tira com a outra. E eu digo, ó Rangel, até podes ter razão. Mas olha, sempre é melhor dar com a mão esquerda e tirar um pouco menos com a direita do que tirar com as duas mãos como o governo pafioso fez sem rebuço nem vergonha.

O problema da direita radical, de onde Rangel é oriundo, é que fica com azia e dores de cabeça sempre que vislumbra uma política que beneficie os salários dos mais carenciados. Trata-se de uma visão fascista da sociedade onde existem os eleitos, aos quais tudo deve ser dado por mérito de divino berço – e onde ele e os seus comparsas se incluem, claro -, e os pobres coitados aos quais é legítimo espoliar, explorar, espezinhar, porque são seres inferiores, animais de carga que só existem para servir a elite dos bem-nascidos. Esta é a ideologia de Rangel e de toda a direita que ele encarna e que tenta pregar aos quatro ventos com a sua exasperante vozinha de cana rachada.

Para Rangel, os eleitos tem o direito de se empaturrar com os recursos da sociedade, ficando refastelados até ao vómito. O que restar, as migalhas sobrantes, essas que sejam então distribuídas pela plebe faminta. E conseguem dormir descansados o sono dos justos, porque os pobres, para eles, não são gente, e não nasceram para terem o direito a ser felizes, tal como não se chora pelo boi quando se come um bom bife da vazia (os que comem).

É este o ideário da direita, de Rangel, e do actual PSD. Eles sim, radicais, déspotas iluminados por um pensamento retrógrado e fascizante. Foi este pensamento que os guiou enquanto foram governo. Como o bolo era curto, e como aos eleitos nada podia faltar, a solução, como sempre, foi a de cortar no bolo (leia-se nos salários e pensões) dos mais fracos. E fizeram-no sem dó nem piedade.

E quando o actual governo, apesar de timidamente – devido ao poder dos rangeis da Europa dos eurocratas, que pensam exactamente da mesma forma -, se atreve a inverter tais políticas, saltam cavacos, coelhos e rangeis desse ninho de lacraus, dessa escola de vícios, que é a dita Universidade de Verão.

Porque eles sabem que o bolo não estica por artes mágicas, e que cada euro que é restituído a quem trabalha é um euro a menos no bolso dos bem-aventurados do costume. É por isso que Rangel e Cristas falam em “esquerda radical”.

Porque a esquerda “não radical”, para Rangel, seria aquela que em vez de pugnar pela alteração do quadro jurídico e institucional que afecta e determina a repartição do rendimento e os direitos de quem trabalha, se limita a pedir esmola à porta das Misericórdias, contentando-se com as sobras da Dona Jonet. E para esse peditório, podemos sempre contar com Rangel e quejandos, como bons cristãos que se gabam de ser.

 

 

 

Tão amigos que nós éramos…

(Por Maria Teresa Botelho Moniz, in Facebook, 31/08/2017)

cavaco_salgado_marcelo

Cavaco Silva. Pensei que estava morto e enterrado para alívio dos portugueses, apesar de continuarmos a sustentar-lhe os vícios e tiques megalómanos. . Mas bastou um apelo daquela madrassa do PSD onde se fabricam políticos radicais de pacotilha,  mais parasitas que políticos, para lá ir vomitar o seu ódio contra tudo e todos.

O homem, que tanto se auto-elogiou, queria ser adorado e amado, mas acabou desprezado, caído no ridículo, e os portugueses até sentem incomodo quando o homem sai do convento, que lhe pagam, caríssimo, para fazer tristes figuras, como espantalho que pensavam arrumado.

Agora, entre todos sobre quem vomitou a bílis do seu ódio constante, atirou-se a Marcelo, invejoso da popularidade deste, que também acho duvidosa, mas eu sou demasiado erudita para ir em populismos. E Cavaco, que adoraria ter sido popular nunca o conseguiu na sua rigidez de espantalho fabricado.

A politica é uma coisa suja e torpe. Longe vão os tempos em que este manequim da Rua dos Fanqueiros, foi convidado para um jantar na mansão do ex-dono disto tudo, Ricardo Salgado, para que este conseguisse mais um fantoche político no topo do poder e para o convencer a candidatar-se à presidência da república. 

E quem organizou e cozinhou o jantarinho íntimo na casa do banqueiro? Marcelo, actual PR, está claro, que se fez acompanhar pela sua namorada, uma assalariada do BES e cunhada de Pais do Amaral (são sempre os mesmos), Durão Barroso e mulher, todos apostados em convencer a múmia, a ser o fantoche dos seus desígnios nacionais e internacionais.

E, não foi por acaso que Cavaco na triste figura a que se prestou na madrassa do PSD, veio elogiar Macron, o puto gerontófilo, actual presidente da França que é o fantoche dos interesses dos Soros que comandam o mundo e a escravidão dos seres humano nesta abjecta realidade para que evoluímos.

Cavaco, foi eleito presidente da República Portuguesa, porque teve o apoio do financiador dono disto tudo naquele tempo, e de duas raposas matreiras, bem relacionadas, Barroso que estava disposto a vender a alma ao diabo, sendo o fantoche dos donos do mundo, e Marcelo, que nunca deu um ponto sem que considerasse um ganho, acabou, feitos os fretes e os caminhos de eleger sabujos, em presidente da república das bananas.

Cavaco não lhe perdoa a sucessão nem a mudança de estilo que o faz parecer morto e putrefacto e que obteve tanto sucesso depois da sua triste figura. Por falar em bananas, vou ali à cozinha comer uma que me está a dar um mau jeito; se escorregar na casca, chamo o Marcelo para me dar um abraço solidário. Aposto que chega primeiro que o INEM.