Os oligarcas estão a aparecer à luz do dia

(Carlos Matos Gomes, in Medium.com, 07/11/2022)

Compremos ações das suas empresas em vez de irmos votar!


Tal como o proscrito DDT que era espalhado pelos soalhos de madeira apodrecida fazia aparecer as baratas à luz do dia, a guerra na Ucrânia teve como um dos efeitos colaterais fazer surgir nos palcos do poder, sem disfarces nem homens por si os oligarcas ocidentais das tecnologias da informação, o setor decisivo na atual fase das civilizações dominantes. Os exemplos mais claros são os de Elon Musk (SpaceX, Starlink, Twiter) e de Marc Zukerberg (Facebook/Meta), que dominam as mais importantes redes de dados do planeta e vão despedir milhares de “colaboradores” para concentrarem força (capitais) nos segmentos nucleares do negócio: a investigação e desenvolvimento de novos produtos que lhes assegurem vantagens competitivas no futuro. Eles percebem que têm de estar à frente dos outros e isso implica agir num mercado global, vender um produto essencial e tornar dependentes de si todos os detentores de algum poder. Os despedimentos são uma poda regeneradora para fortalecer as “máquinas” de impor o pensamento único, de normalizar comportamentos, de apresentar a submissão como uma atitude libertadora e fruto da vontade e livre arbítrio. A campanha de manipulação sobre a guerra da Ucrânia demonstra que esta ordem pode ser imposta com o passarinho azul do Twiter e as argolas do Meta que substituiu o FB e que os fiéis ainda vão pagar para fazer parte da igreja, o que é, aliás, uma prática milenar.

Para estes oligarcas tecnológicos (de quem dependem os agora “famosos” nómadas digitais) o regime político, qualquer que seja a intervenção dos seres comuns na vida das comunidades, funciona apenas como um legitimador de negócios e como uma máscara que ilude a concentração de poder como uma calçadeira.

Para os oligarcas o regime político é tão indiferente como os sapatos serem de pala ou de atacadores, desde que eles lá possam meter os pés.

Paulatinamente e ao longo do tempo, os oligarcas foram-se aproximando diretamente do poder, das suas alavancas, recrutando “colaboradores” para as suas políticas, presidentes, ministros, deputados e marionetas que evitassem sujarem as mãos de sangue, mas os tempos estão a mudar, os recursos do planeta são finitos, aproximam-se graves conflitos de luta pela sobrevivência de grandes massas de povos no Primeiro e no Segundo Mundo e eles querem garantir a sua sobrevivência. Há que dar o corpo ao manifesto, ir para ponte de comando. Quem quer vai, quem não quer manda!

Douglas Rushkoff, professor de Media Theory e Economia Digital na Universidade de Nova Iorque, considerado um dos mais importantes pensadores do mundo pelo MIT, é autor do livro «Team Human» (2019), onde descreve a experiência por que passou quando foi convidado por um seleto grupo de oligarcas (cem multimilionários americanos acionistas de bancos de investimentos) para um seminário à porta fechada sobre o futuro. Concluiu: “Os ricos estão a planear deixar-nos para trás!” (Antigamente planeavam andar à nossas costas.)

As perguntas que lhe fizeram foram: “A Google está a desenvolver um “lar” para o cérebro onde a consciência do indivíduo viverá durante a transição, até renascer como um todo novo?” — “Como faço para manter a autoridade sobre minha força de segurança após um evento catastrófico?” Com toda sua riqueza e poder, os oligarcas não acreditam que possam modificar o futuro. Têm de tomar conta dele e defender-se em novas versões de castelos. Elon Musk, o proprietário da Starlink, da SpaceX, da Tesla, agora do Twiter foi muito referido como exemplo a seguir pelos oligarcas que temem um acontecimento apocalítico (que consideram inevitável), uma explosão nuclear, uma pandemia incontrolável, revoltas, e até a ameaça de robôs fora de controlo. Aventaram a sugestão de Elon Musk de colonizar Marte, ou de Sam Altman e Ray Kurzweil de colocar os seus cérebros em supercomputadores. “Eles estão a preparar-se para um futuro que tem muito menos a ver com tornar o mundo um lugar melhor do que com transcender a condição humana e isolarem-se de um perigo muito real de mudança climática, migrações, pandemias, pânico e esgotamento de recursos. Para eles, o futuro da tecnologia é, na verdade, apenas uma coisa: Escapar!” Para serem eles a escapar têm de se encontrar no poder. Na política os chefes são os primeiros a abandonar o barco e a garantir a sobrevivência!

Esta não é uma ideia para um filme de ficção científica, é a realidade americana, onde se concentram cerca de 80% das grandes empresas mundiais. A Europa, de há muito anestesiada, começa a tomar consciência desta nova realidade. O editorialista Philippe Bernard, no jornal francês Le Monde noticia com a candura de um anjo a estratégia dos oligarcas seguidores de Elon Musk, de Zukerberg, ou de Bill Gates: «… Necessitamos de imaginar meios para controlar a propensão dos oligarcas (multimilionários) de se substituir aos Estados»Lamenta-se o editorialista: «Eles creem-se os donos do mundo, mas ninguém os elegeu.» Pois não, mas também ninguém elegeu Rockefeller, nem Rothschild: foram e são eles que fazem eleger os seus agentes, ditos políticos. Continua o editorialista do «Le Monde» sermão sobre os malefícios do novo assalto capitalista: «Os sucessores no século XXI dos Rockefellers e dos Carnegie têm ambições mundiais (os originais do século XX também) e não têm moral.» (Os do século XX também não, ou teremos de considerar o colonialismo, as guerras da Coreia, do Vietname, as ditaduras sul-americanas, o Médio Oriente, o Congo atos de elevada moralidade, filantrópicos!)

Elon Musk é de novo convocado para ilustrar a realidade que o editorialista agora descobriu: “ O homem mais rico do planeta não se contenta em ser o dono da Tesla, em dirigir a SpaceX, parceira incontornável do Pentágono e da NASA, que dispõe de mais de 2.200 satélites da rede Starlink (programados 12.500), que forneceu 25.000 terminais de internet à Ucrânia para fins civis e militares e vende um serviço que pode ser acedido em quase todas as partes do mundo. Elon Musk é um poder de facto, um Tycoon, e quer intervir na definição da estratégia mundial que ele em parte paga com os lucros que os poderes instalados lhe proporcionam. (George Orwell em «1984 — Animal farm» antecipou o problema de os porcos a quem o dono da quinta deu possibilidades de comando de tomarem o poder.)

Musk, invocando o seu poder, apresentou um “plano de paz” para o mundo (urbi et orbi), com o reconhecimento da Crimeia como território russo, para desespero de Zelenski, para atrapalhação dos líderes políticos ocidentais e para contida alegria de Putin, que vê um oligarca ocidental desempenhar o papel que os oligarcas russos desempenham no seu regime e propõe ainda ligar Taiwan à China, onde possui uma fábrica Tesla!

A guerra da Ucrânia — a tal que algumas boas almas ainda acreditam ser uma invasão de um alucinado que quer ser imperador — também serve para espiarmos os verdadeiros alicerces onde assenta o regime político que nos governa e nos ignora democraticamente. Para revelar quem são os donos do mundo e o desprezível e desprezado poder do voto e da expressão da vontade dos eleitos e das grandes organizações mundiais.

Em vez de votos, em vez de irmos votar, compremos ações do Elon Musk, ou do Bill Gates! São democráticas e, se não são, representam um poder efetivo, são úteis!

Este é o novo Admirável Mundo Novo!

Artigo do Le Monde: https://www.lemonde.fr/idees/article/2022/10/29/il-faut-imaginer-des-moyens-de-controler-la-propension-de-milliardaires-a-se-substituer-aux-etats_6147849_3232.html


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

Um funeral de Londres antes de Bruxelas

(Carlos Matos Gomes, in Facebook.com, 22/10/2022)

Um funeral em Londres antes de Bruxelas. A senhora de preto que reza os responsos do velório é a primeira ministra do Reino Unido a anunciar que John Bull soltou o derradeiro suspiro. A porta que se encontra por detrás é a de uma capela mortuária.

É uma trabalhadora precária à porta do local de trabalho após ser dispensada. Uma colaboradora em linguagem neoliberal. Ou uma empresária a título individual, uma condutora de Uber que nunca soube ler o GPS, uma entregadora de pizzas ao domicílio que entornou as caixas com o molho de tomate e queijo. Ela representa o que resta do continente que já foi o centro do mundo.

Liz Truss está num velório, como uma mestre-de-cerimónias da Servilusa antes da cremação do cliente a quem serviu.

Liz Truss tem sido ridicularizada de forma impiedosa, mas ela é, tal como Ursula van der Leyen, Borrel, Boris Johnson, o secretário da Nato, a presidente do parlamento europeu, a banqueira do BCE o produto da escolha que a banca e a finança fizeram e que impuseram aos europeus através de regras e campanhas de manipulação que levaram a ser “eleitos” estas personagens obedientes, atrevidas com a sua ignorância e inconscientes, irresponsáveis e desastrosos. Há uma máquina de produzir Liz Truss e produtos semelhantes e de os fazer eleger.

As tonterias de Liz Truss traduzem-se nas políticas europeias de desde há anos, de submissão aos mercados financeiros, à especulação, de desindustrialização da Europa e de deslocalização da produção para a China e a Ásia, de cega obediência à cartilha do neoliberalismo introduzido em Inglaterra por Margareth Tatcher, à vassalagem estratégica dos Estados Unidos.

O falecimento que Liz Truss anuncia não é resultado nem do Brexit nem da guerra na Ucrânia, pelo contrário, o Brexit e a participação da Europa na guerra da Ucrânia é que são o resultado das políticas de políticos europeus ao longo de anos. O Brexit e o caos e os cacos da participação da Europa (com a Inglaterra de porta-estandarte) na guerra na Ucrânia são os resultados desejados e intencionais dessas políticas. Liz Truss é apenas, ou será apenas a última, ou uma das últimas oficiantes do processo que os antigos designavam por ars moriendi (a arte de morrer) da Europa.

Infelizmente, julgo não faltar muito para vermos Ursula van der Leyen à porta do edifício Berlaymont, em Bruxelas, neste papel de Liz Truss, com Josep Borrel no papel do cangalheiro que está no segundo plano da imagem, em Downing Street. A pergunta dos europeus será, então, o que fazer com o edifício de dois hectares, de dezasseis pisos, construído no lugar de um convento e que alberga mais de três mil funcionários? Reciclá-lo como os desesperados conservadores ingleses já pensam fazer com Boris Johnson?


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

A criação do idiota, nos tempos modernos

(Por António Jorge, in Facebook, 20/10/2022)

Quadro: NÓS por Ismael Nery

A criação do idiota, nos tempos modernos. Não é por acaso.

O idiota pressupõe o fim da Democracia e das liberdades!

Com o tempo… e o modo, foram-nos aplicando paulatinamente a sua estratégia e propósitos malévolos, reduzindo a natureza humana… que nasce dotada de um potencial de inteligência e de capacidades cognitivas… à condição de um ser incapaz de pensar, agir e compreender… a realidade mais simples, transformando-se num idiota dependente.

À rejeição natural de muitos do exercício da leitura, pela desmotivação e dislexia natural, pela preguiça, a falta de condições e de razões de ordem familiar herdadas em que vive… ou viveu… pela falta de estímulos e curiosidade para aprender a crescer e compreender a vida, a si e aos outros.

A fadiga nos processos de trabalho, pela sua natureza repetitiva e constante. O modo de produção actual, que cada vez mais reduz a componente intelectual do trabalhador… ao mais elementar e básico, e que participa apenas em tarefas muito simples… de imediata compreensão, pelo que os métodos de trabalho são cada vez mais automatizados e processados por tarefas muito simples.

A especialização do trabalho, as mudanças sucessivas de profissão e tarefas… o emprego é ao dia ou ao mês… sem futuro nem certezas para um horizonte de um ano. Não precisa aprender nada… adapta-se ao que aparece.

Consequência da globalização e cultura norte-americana, criada desde o próprio conceito da UNIVERSIDADE… que deixou de ter uma vocação universalista e geral… e passou a ser adotada a especialização como paradigma, para servir a economia capitalista.

Tudo é racional no sentido do anti-humano cultural e social… o lucro sem limites, é a mola real desta cultura insana da sociedade capitalista irracional que precisa do homem para consumir apenas… e não para pensar e socializar… sistema diabólico em constante mutação… como os vírus… e cuja finalidade è a escravização da humanidade… pela globalização da miséria e do novo paradigma do homem do futuro

– O Idiota!

E neste caso… quem tem os meios e o poder, utiliza-os agindo não em função do conhecimento intelectual na formação do homem e do desenvolvimento da humanidade… mas mesmo… até para as tarefas mais complexas no plano técnico… a criação do técnico especializado… mas de feição idiota intelectualmente.

De tal forma, que existem hoje muitos propagandistas da idiotice nos meios de comunicação social, que estão convencidos serem jornalistas e julgam-se até, estarem ao serviço do bem comum… e da sociedade democrática. Claro que ainda não chegámos ao fim, ainda não batemos bem no fundo.

Mas quando se aceita, até pela cultura do futebol… contra o próprio futebol e a sua génese verdadeira e desportiva… e de tantas outras coisas estúpidas a que temos de assistir, em doses maciças e absurdas nas TVs… e se aceita todo o tipo de alienações como natural, por falta de senso e abuso absurdo consentido da estupidez, pelo lixo televisivo que nos dão a consumir… sem rejeição ou repulsa e pela crescente aceitação…

Já nada há a fazer ou esperar!


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.