Ó sistema, arruma os foguetes

(Pedro Santos Guerreiro, in Expresso Diário, 25/01/2021)

Pedro Santos Guerreiro

As eleições presidenciais têm quatro leituras imediatas: a grande vitória do moderado Marcelo, a grande escalada do radical Ventura, a subida da abstenção e uma esquerda anã. O Presidente vai agora conduzir em modo mãos-livres, em função da estabilidade que sempre revelou defender e do reforço da direita institucional que nunca escondeu querer. Mas o país está em crise funda e duradoura. E se Marcelo era o candidato do sistema, o sistema não pode respirar de alívio. Pela abstenção e porque a extrema-direita se nacionalizou, ficando em segundo lugar em 11 dos 18 distritos continentais e na Madeira, e passando em pouco mais de um ano de 67 mil para cerca de meio milhão de votos.

A GRANDE VITÓRIA DO MODERADO MARCELO

Não teve grandes adversários, porque lhes ganhou antes da campanha: o PS, maior partido do Parlamento, não tugiu nem mugiu para não ter uma derrota explícita. Teve a implícita de ficar de fora.

Marcelo vinga pelo primeiro mandato imensamente popular, mas também pela campanha de equilíbrios difíceis que conseguiu fazer, incluindo dois debates em que cilindrou os que acabariam por ficar em segundo e terceiro lugares. E assim se mantém tudo igual para um novo mandato em tudo diferente. Porque o Presidente sai deste novo mandato para a reforma, este é o seu último bilhete para mudanças no país. E porque o país está numa situação económica e social, e portanto política, muito diversa da de 2016. Para pior. Hoje estamos em pandemia grave, amanhã estaremos em crise aguda. Uma crise que demorará anos.

Marcelo conduzirá agora em modos mãos-livres em função de dois objetivos determinantes: a da estabilidade política, da moderação, da unidade; e a da reconfiguração da direita, para que ela não acentue a descaracterização para o radicalismo nem acentue o vazio de representação para eleitores sociais-democratas que não se reveem em Rui Rio e democratas-cristãos que olham para Francisco Rodrigues dos Santos e não veem lá nada. Parece estar tudo à espera que Marcelo deixe de andar com o governo ao colo, mas é provável que o vejamos também a intervir agora à direita. Como? Como sempre: pela poder da palavra, assente num grande apoio popular. A popularidade de Marcelo foi e é a base do seu poder.

A GRANDE ESCALADA DO RADICAL VENTURA

O Chega foi criado em abril de 2019, teve 67 mil votos nas legislativas desse ano e o seu líder alcança quase meio milhão de votos nas presidenciais de 2021. O terceiro lugar é, nas suas palavras antecipadas, uma derrota, mas mesmo quem não quer passar cartão a Ventura não pode ignorar quão alto ele chegou nem que se “nacionalizou” a praticamente todos os distritos.

Agora virá a rábula do demite-se-mas-fica, o que na verdade pouco importa. Importa sim que há um partido de extrema-direita em rapidíssimo crescimento em Portugal. Já não são só a cintura de Lisboa e o Alentejo, Ventura não só multiplicou por mais de sete os votos do seu partido nas legislativas, como disparou em todos os distritos, ficando em segundo lugar em 11 dos 18 distritos (Vila Real, Bragança, Viseu, Guarda, Castelo Branco, Leiria, Santarém, Portalegre, Évora, Beja, Faro) e na Madeira.

A SUBIDA DA ABSTENÇÃO

Três em cada cinco portugueses não votaram. Não houve nova mobilização nem houve desmobilização total, pois a abstenção não foi tão elevada quanto se chegou a recear. Mas a democracia não pode ver-se em festa.

A abstenção foi elevada não só porque numa reeleição ela sobe sempre, não só porque estamos em pandemia, mas porque esta foi (mais) uma campanha falhada, porque o PS se demitiu de ir a jogo e o PSD ficou na bancada, porque as eleições deviam ter sido adiadas, porque milhares de pessoas que queriam votar não puderam. De uma vez por todas, avancem com o voto por correspondência.

Espera-se que Eduardo Cabrita não volte a delirar com a visão de uma “festa da democracia”, mas fica a nota positiva para a Comissão Nacional de Eleições e para todos os que se envolveram hoje no processo: depois da medíocre prestação uma semana antes no voto antecipado, o dia das eleições decorreu com as demoras naturais mas correu bem e sem percalços noticiados.

A ESQUERDA ANÃ

Ana Gomes safou o segundo lugar, mas muito longe dos seus objetivos. Marisa Matias teve uma votação à imagem da campanha, isto é, muito fraca. João Ferreira, que fez uma campanha melhor, logrou ficar em quarto, mas com um resultado fraco, ultrapassado por Ventura e perdendo para o líder do Chega em bastiões comunistas. Os três juntos tiveram metade da votação dos candidatos de esquerda há cinco anos. Era difícil pior. Provavelmente, três políticos arrumados quanto a projetos futuros de liderança.

O ESPAÇO LIBERAL

Tiago Mayan Gonçalves, que foi a grande surpresa positiva da campanha, acabou por não ter uma supervotação, mas teve ainda assim o dobro dos votos que a Iniciativa Liberal teve nas legislativas. Cumpriu. Superou as expectativas iniciais. Pode ter nascido um político com mais caminho pela frente. Já Vitorino Silva, o simpático lanterna-vermelha, ficou no mesmo caminho, um pouco abaixo dos resultados de há cinco anos.

Um sonho destruído?

(José Gameiro, in Expresso, 21/01/2021)

José Gameiro

Corro o risco de ser considerado um velho conservador e pessimista. Paciência. Em vésperas de mais uma eleição presidencial, apeteceu-me pensar sobre o caminho percorrido pela minha geração. Já devem estar a pensar, este gajo tem a mania, como é que ele consegue numa crónica escrever sobre umas dezenas de anos de um país. Presunção e água benta, cada um toma a que quer…

Numa conversa recente, com alguém com quem falo regularmente e que não partilha as chamadas ideias de esquerda, ouvi isto: “Para vocês que começaram um sonho quando eram jovens, olhar para o país, agora, deve ser uma desilusão.”

Muita desta desilusão, para quem teve sempre alguma participação cívica ou mesmo política, advém da velha crítica aos partidos. As suas características macrofágicas, a dificuldade de aceitação do pensamento independente, o uso oportunista de quem não é filiado e o seu posterior afastamento, não são exclusivos de Portugal. Em democracia não há alternativa ao sistema partidário, ainda que entre nós a frouxidão da participação dos cidadãos na vida política seja muito limitada. A lógica partidária é uma lógica futebolística, por vezes quase de seita. Como a hipótese de os partidos se reformarem é muito baixa, por aqui estamos conversados.

Para um leigo em economia é difícil compreender qual o caminho a seguir, mas uma coisa podemos ter a certeza, o nosso país, desde o ano 2000, está a ficar para trás em relação à maior parte dos países europeus. Temos uma taxa anual de crescimento média de 0,67%…

Quando oiço jovens recém-licenciados dizerem que ganham menos de mil euros líquidos por mês e que desesperam para se autonomizarem da família, ou seja, terem uma casa, sustentarem-se todos os meses, sinto alguma vergonha pela minha geração. Claro que estão muito melhor do que antes da democracia, mas não pode servir de desculpa… Não fomos capazes de transformar os nossos sonhos num futuro melhor para os nossos filhos e netos.

Mas conseguimos ter um país seguro, com um sistema de saúde universal e quase gratuito em que ninguém fica à porta de um hospital porque não tem dinheiro para pagar.

Claro que isto tem um preço que pagamos indiretamente, através dos nossos impostos. Muito se discute sobre a altíssima carga fiscal. As teses liberais defendem que uma baixa fiscal criaria, a prazo, maior rendimento, para os que menos ganham. Não sei discutir isto. Mas sei que nem toda a receita fiscal, longe disso, serve para pagar a saúde, a justiça, a segurança e todos os serviços públicos. Também tem servido para pagar os negócios, altamente rentáveis da energia e das Scuts.

Somos fracos, muito fracos, na capacidade de contestar decisões duvidosas. Deixamos isto aos políticos da oposição, apesar de cada vez mais termos informação acessível. Somos também muito fracos na produtividade, no rigor do cumprimento das horas e dos prazos.

Em relação ao pensar a nossa posição na Europa e no mundo, não somos fracos, somos nulos e deixamos esta discussão aos políticos. Mesmo estes, publicamente, não se aventuram por aqui, como se vê na atual campanha eleitoral. Nenhum candidato e nenhum jornalista pôs questões internacionais e, no nosso regime constitucional, o PR pode ter um papel importante nas relações externas. Preferiram discutir questões de atualidade e proferir afirmações vagas sobre a necessidade de nos darmos todos muito bem…

Se aqueles que pensam à esquerda não conseguirem mudar este estado de coisas, vou continuar a ouvir a frase do jovem empregado num supermercado com quem conversei há dias e a quem dedico esta crónica: “Acabei o curso de Economia numa escola de referência, preciso de ganhar dinheiro, estou aqui na caixa. Mal possa, piro-me para outro país…”


Teremos sempre o Brasil

(Clara Ferreira Alves, in Expresso, 22/01/2021)

Clara Ferreira Alves

Governa-se pela autoridade e o exemplo. Nem uma coisa nem outra abundam por um país onde orneia a indisciplina. A mensagem principal do Governo e do Presidente foi uma, eu sou igual a vocês e estamos todos no mesmo plano de autoridade e de hierarquia, ou melhor, se falamos de hierarquia vocês mandam em nós porque é isto a democracia e no tempo da informação real em perda de tempo útil e da opinião antidemocrática como expressão de civismo e de liberdade, eu baixo-me para vos elevar, cidadãos titulados do século XXI. Começa-se na cataplana em família no programa da manhã para caçar votos e nas operações de propaganda que acabam com o momentoso primeiro plano da primeira vacina com ministra em direto, este é o dia da esperança coletiva, e acaba-se a falar pela milésima vez ao país num apelo ao sobressalto cívico com o país a mudar de canal. Olha, lá está o morcão do Costa, a pedir que nos portemos bem.

Dá-me aí a trela que comprei no hipermercado, vou à rua fingir que passeio o cão que não tenho. Quem leva amanhã o carro? Vou dar uma volta e digo que é para levar os putos que não tenho ao colégio. É por estas bravatas da batota, a que achamos uma graça infinita e que tomamos por talento definido na linguagem portuguesa e lusofónica como chico-espertismo, que as coisas estão como estão. Todos temos culpas nisto. Esta medalha olímpica para infeção e morte.

E sabemos o que vem a seguir, o suspiro pela ordem e pela autoridade, a nostalgia da repressão. Desde o princípio, o Governo instalou sistemas paralelos, o dos cidadãos responsáveis e o das exceções. Houve tantas exceções, e tantos maus exemplos, não vamos agora de máscara comemorar o 25 de Abril, o Grande Prémio de Portimão tem de realizar-se, e o de moto, a final da Champions é um prémio aos trabalhadores da saúde, os ingleses infetados são todos bem-vindos apesar de nós não sermos bem-vindos por lá e se for preciso arranja-se um corredor só para eles no aeroporto, o 1º de Maio é sagrado, a Festa do “Avante!” e o dia 13 em Fátima também, o vírus está controlado no milagre português, temos de ir gastar dinheiro e podemos tirar a máscara, a vacina vem aí com a “bazuca” ao colo e vamos regressar à normalidade. Assim, torna-se difícil explicar que o confinamento, o duro, o brutal, o que nos retira todos os direitos e liberdades, o que nos arruína física e moralmente, economicamente, vai ser a única solução. Isso e a repressão, com multas pesadas, a única sanção que os chicos-espertos abominam.

Parece que a GNR e a PSP, que combatem entre si para ver quem escolta as vacinas, se fizeram escassas nos últimos dias. Milhares de carros a circular na cidade e fora dela ao fim de semana, grupos de pessoas nos parques e paredões com a máscara no queixo onde ela não faz falta, e um raro polícia para os dispersar e multar. Multar grosso, incluindo os da trela solta sem animal lá dentro. Se eu andar a 65 quilómetros onde há radares de 50 quilómetros levo logo com a multa em cima, mas se andar por aí a desafiar a autoridade e a desrespeitar os trabalhadores da saúde, sou uma pessoa com mérito e faço um filminho para o Facebook. Se eu reunir 160 amigos para um jantar sem distância e sem máscara num restaurante que devia estar fechado por lei sou um mau cidadão, mas se for o candidato presidencial Ventura, a bandalheira é um exercício dos meus direitos cívicos. E ninguém lhe deita a luva da autoridade.

Junte-se a isto a tradicional desorganização nacional e a demagogia, o tal terror que os políticos têm da plebe romana, e assiste-se às filas para votar antecipadamente, horas ao sol, melhor que ficar em casa, onde os ministros também esperam porque estamos todos no mesmo plano. Um país onde a propaganda das vacinas corre tão bem que o Governo e o Presidente insistiram em não ser vacinados, “para dar o exemplo”. Qual? Se adoecerem, vão consumir mais recursos médicos e hospitalares do que os normais, e vão retirar a outros doentes a hipótese de sobreviverem. Que parte de “os hospitais não aguentam mais” não perceberam? Ninguém acha estranho que seja a DGS, a DGS em perda de autoridade diária, a definir quem é operado e quem morre na oncologia? Quem tem direito a cirurgia e quem não tem? Isto não arrepia? Imagina-se o sofrimento psicológico dos condenados ao não tratamento? E querem que me preocupe com as vacinas de ministros e de um Presidente que deveriam ter sido vacinados em sossego e discrição, e silêncio, por uma vez, deem-nos uma folga de silêncio, em vez de nos incomodarem com o exibicionismo vacinatório? Vacinem-se, temos maiores preocupações.

E já que falamos em vacinas, essa esperança inaugurada num país onde morrem quase 200 pessoas por dia, sabiam da variante brasileira? A de Manaus? A de Manaus é muito perigosa. Tanto como a da África do Sul, mais do que a do Reino Unido. Não se sabe a eficácia das vacinas contra a variante. Segundo o epidemiologista Adam Kucharski, da London School of Hygiene and Tropical Medicina, Manaus devia ter atingido a imunidade de grupo. A maioria da população foi infetada em 2020, mais de 70%. Mas as mortes continuam a crescer, e a infeção está descontrolada. As hospitalizações aumentaram de novo em 2021. E detetou-se a terceira variante, 501Y.V3, similar à sul-africana. Mais de metade das infeções e reinfeções são com esta variante e suas mutações. Sobre ela sabe-se pouco, a Amazónia não é um modelo de investigação no combate à pandemia. Esta variante, que a falta de transparência portuguesa fez de conta que não existia, soubemos dela porque, mais uma vez, os ingleses nos bateram com a porta na cara. A BA deixou de voar para Portugal, tal a preocupação. O ministro do costume protestou e foi ignorado como de costume. E pergunta-se, os voos de e para o Brasil acautelaram isto? Não.

Os voos estão cheios, e cheios vão estar, porque a moda dos portugueses chicos-espertos com dinheiro é ir passar o inverno ao Brasil e fugir desta “seca de país”. Os hotéis das praias do Nordeste estão cheios. O Rio tornou-se “barato”. São Paulo está ótimo, tudo aberto, há festas. No Brasil, o vírus é coisa de pobres. Se tentar marcar um voo da TAP para o Rio ou São Paulo, e daí para Manaus na Azul do Neeleman, a vida continua, o algoritmo avisa que há já poucos lugares disponíveis em janeiro e fevereiro. E temos o Carnaval. A variante e as mutações vão circular em Portugal, decerto circulam já, mas temos de manter a TAP a voar para levar e trazer os meninos e meninas que não aguentam “a cena do confinamento”. Conheço gente que foi e veio ao Brasil várias vezes, passar umas semaninhas em teletrabalho. É o shuttle da 501Y.V3.

Temos muito tempo pela frente para nos infetarmos todos. O Presidente disse, e ninguém reparou, que a vacinação vai levar ano e meio. Ano e meio. Dez milhões de almas. A Índia vai vacinar 300 milhões até agosto. Os britânicos estão a vacinar milhões. Israel também. A Alemanha desviou 30 milhões da vacina da Pfizer para a população, em vez de esperar pela lentidão burocrática da Europa, que comprou mais Sanofi por pressão política da França. A Sanofi está atrasada e não se sabe se será aprovada em 2021. Daí a corrida à Pfizer, que agora tem de satisfazer outras encomendas e avisou dos atrasos. Mas, como diria o Rick de “Casablanca”, teremos sempre o Brasil.