Exércitos da União Europeia? Para quê?

(Carlos Matos Gomes, in Medium.com, 11/06/2022)


A guerra na Ucrânia demonstrou que a União Europeia não tem interesses estratégicos próprios a nível global, que é um anexo dos EUA! Sendo assim para que servem os seus exércitos? Como forças auxiliares? Como forças de segurança interna? Guardas fronteiriços na nova cortina de ferro, a Leste e nas velhas, no Médio Oriente e Magreb? E qual a posição de Portugal?

Antes de alguém, ou de alguma entidade se lançar numa empresa é (devia ser) obrigatório definir os seus objetivos, o que pretende e depois reunir os meios para os atingir. A União Europeia não tem objetivos definidos enquanto ator político mundial, para quê os meios, ou mais meios?

Se a União Europeia tinha, ou teve pretensões a ser uma grande potência, com uma estratégia própria, global, deveria ter-se dotado de uma capacidade militar credível (já sabemos que não quer ser e que a NATO — os EUA — não deixa). Para ser uma grande potência teria de dispor de um arsenal nuclear credível, com lançadores terrestres, aéreos, navais e espaciais. Onde os iria colocar? Ao lado dos americanos? Seguiria o caminho de De Gaulle construir uma force de frappe nuclear e apontada a todas as direções? Está fora de questão nos dias de hoje, de submissão.

Se a União Europeia abdicou, ou nunca esteve nos seus horizontes ser uma superpotência global (e não pode ser) e pretende ser apenas o que os EUA talvez admitisse que fosse: uma média potência com limitada autonomia, bastaria constituir forças convencionais de projeção credíveis para defender o seu território e marcar posição em regiões do planeta onde tenha interesses, caso de zonas produtoras de matérias primas essenciais, energia, metais e produtos alimentares, e que não conflituassem com as das superpotências. A estratégia destas assenta no controlo dos estreitos que dominam as grandes rotas marítimas (a estratégia de Afonso de Albuquerque). A liberdade de ação nos marres é assegurada por dois grandes tipos de vasos de guerra, porta-aviões e submarinos nucleares. A União Europeia dispõe de 4 porta-aviões, sendo dois deles de pequeno porte, os EUA têm 11, com mais 2 do Reino Unido. Quanto a submarinos nucleares, os Estados Unidos têm 72, com mais 11 do reino Unido, a União Europeia tem 10. A Rússia dispõe de 45. Em termos político-militares quanto a tentativas de autonomia da UE registe-se o fracasso da UEO.

Percebe-se através desta ausência da força que permite o domínio das grandes rotas de comércio que a UE não conta, não existe nas zonas quentes de conflito planetário, atualmente o Medio Oriente e o Indo-pacífico.

Para os EUA, a NATO é uma bandeira atrás do qual se alinham as suas forças (incluindo as da Austrália e da Nova Zelândia quando é conveniente!); para Rússia, a União Europeia e a NATO são um parapeito a partir do qual os europeus lhe atiram pedras por conta dos americanos e para a China a UE é um bom cliente.

Um Exército para atirar pedras à Rússia! Qualquer aumento de despesas militares dos estados da UE no atual quadro de subordinação aos EUA traduz-se em pagar para servir os interesses de um pai rufia que manda os filhos apedrejar a casa dos vizinhos. Traduz-se em comprar armamento para o colocar ao serviço dos EUA. Uma materialização do relato de Solnado na sua “ida à guerra”, em que o recruta descobre que tem de ser ele a comprar as balas. Os líderes europeus colocaram-nos nessa posição de pobres e tristes figuras de tragicomédia.

Quanto a Portugal, como pequeno país, deve estar integrado num sistema militar coletivo que o ponha a salvo de um ataque de uma pequena potência vizinha — em particular para salvaguardar a soberania sobre a sua zona marítima — o que certamente não agradará às pequenas potências do norte de África (Marrocos e Mauritânia), onde pescamos, e, menos ainda, no futuro, às grandes potências com tecnologia e meios para a exploração dos fundos marítimos, quando eles se revelarem necessários. Portugal deve ter uma força de dissuasão interna e de participação em ações internacionais perante ameaças reais e não fantasiosas e à medida das conveniências dos vendedores de armamento e de segurança! Assumindo algum radicalismo, há dois ministros dispensáveis no governo português, o dos Negócios Estrangeiros e o da Defesa. Uma secretaria na presidência do Conselho de Ministro dava conta dos recados que orientam as ações externas portuguesas.

Como nota final, não deixa de ser irónico que um dos Estados mais inseguros do mundo, os EUA, seja o paladino dos negócios de guerra em nome da segurança!


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

O conflito NATO — UE

(Carlos Matos Gomes, in Medium.com, 10/06/2022)

(Mais um excelente texto. Vinte valores para o Carlos Matos Gomes. Na verdade, quando escreve e fala quem sabe, a música tem outra harmonia. Assim ela entre no ouvido dos inúmeros totós que saltam à corda pela Ucrânia, mas que não fazem ideia nenhuma do que está em jogo.

Estátua de Sal, 10/06/2022)


Voltando aos primórdios da união de facto, ou do casamento forçado entre a NATO e a UE.

As causas longínquas do que, com a guerra da Ucrânia, se veio a revelar um inultrapassável conflito, com um vencedor e um vencido, os EUA vitoriosos e a União Europeia destroçada (apesar de se agitar), encontram-se na entrada dos EUA na II Guerra Mundial

Os Estados Unidos entraram na II GM e intervieram na Europa não por motivos ideológicos (defesa da democracia, ou dos direitos do homem, ou de uma civilização), mas por motivos de interesse estratégico, de substituição da Europa (a Inglaterra) como centro do mundo. Esse estatuto de potência imperial implicava, à semelhança da Inglaterra imperial e colonial (sua antecessora), dispor de supremacia marítima e aérea, de dominar o sistema de trocas comerciais e o financeiro, de, em suma, substituir a Royal Navy pela US Navy (mais a USAF), substituir a libra pelo dólar, a City por Wall Street. A língua inglesa manter-se-ia o latim do novo império.

As causas da II GM são eminentemente económicas e sociais, uma questão de poder. A revolução russa criara esperanças de tomada de poder pelo proletariado industrial e essa esperança teve como réplica a reação violenta dos detentores do poder na Europa (o nazismo e o fascismo e governos autoritários em Inglaterra e em França). Os banqueiros e industriais alemães pensaram exatamente o mesmo que os banqueiros e industriais ingleses e americanos. Era necessário derrotar, se possível no ovo, os revolucionários socialistas e comunistas. Daí as boas, as excelentes relações entre a Inglaterra, a Alemanha e os Estados Unidos. Daí a complacência com que os “democratas” ingleses e americanos viram a ascensão do nazismo e do fascismo, daí a recusa das democracias europeias apoiarem os republicanos espanhóis. Daí, por fim, a relutância dos EUA em entrar na guerra, esperando que os europeus se digladiassem e mutuamente se enfraquecessem. Daí, ainda, imediatamente antes da guerra, as frustes tentativas de conjugação de esforços com a URSS, que acabaria por ser deixada isolada contra os alemães. As divergências no movimento internacional socialista e comunista europeu também facilitaram muito a tarefa de manter o essencial das relações sociais dos regimes saídos da revolução industrial.

A questão do nazismo nunca foi uma preocupação para as classes dirigentes inglesas e americanas. O governo inglês, os seus parlamentares, os “comuns” e os “lordes”, mantiveram uma política de boa relação, para não dizer de cumplicidade com a Alemanha nazi. Não é necessário recordar as simpatias de Eduardo VII, o duque de Windsor, pela Alemanha de Hitler, ordeira e anticomunista. Apenas quando a Alemanha ocupou a França e ameaçou fazer dela uma base de ataque às ilhas Britânicas soaram os alarmes e Churchill surgiu a dirigir a resistência. Mas os americanos continuaram de fora — a guerra era entre europeus. Roosevelt, em 1940, afirmava na campanha eleitoral que ia manter os EUA fora da guerra. Em 1941 Churchill pedia armas aos americanos — ferramentas — mas foi muito longo e difícil o processo de autorização do Congresso — e o secretário de Estado da Guerra, Henry L. Stimson, teve de lembrar que os EUA haviam permanecido seis anos sem se incomodarem com o facto de a Alemanha se estar a rearmar. (Kimball, Warren. Forged in War: Roosevelt, Churchill and the Second World War. New York: William Morrow & Co., 1997)

Apenas em Agosto de 1941 Roosevelt e Churchill se encontram e a entrada dos americanos na guerra obedeceu à análise que estes fizeram quanto aos seus interesses no presente e no futuro. Nada de idealismos, nem de defesa de princípios. A entrada dos EUA na guerra no teatro da Europa, com os elevadíssimos custos de sangue e recursos (estamos agora a relembrar o desembarque da Normandia), foi já feita como uma ação da “grande América”, de que, é certo, os europeus retiraram o proveito de um modelo liberal de sociedade (a parte ocidental, herdeira do liberalismo inglês) e o de um sistema de segurança social à custa da livre concorrência dos mercados (a parte oriental, agrícola e herdeira de regimes medievais absolutistas).

A NATO surgiu para impor a soberania dos EUA a metade da Europa e para não permitir o ressurgimento de uma Europa autónoma. E claro, para impedir uma União Europeia! Não só para impedir uma Europa unificada como principalmente a aliança da Europa Ocidental com a URSS.

Este objetivo de separação das Europas é e foi visível nas manobras para impedir que partidos comunistas europeus se aproximassem do poder, caso de Itália e França. Foi visível na campanha que logo após a II Guerra Churchill conduziu contra a URSS, de demonização dos seus dirigentes e desvalorização do seu papel na derrota da Alemanha nazi. A URSS representou neste jogo o papel do homem do saco com que nas histórias infantis se leva as crianças a obedecer às ordens paternas. Os europeus foram tratados como infantes sem discernimento e muitos continuam a acreditar nas fábulas.

A alternativa ao comunismo — à mudança da essência do poder — foi oferecer aos europeus da órbita americana um estado de bem-estar através das sociais-democracias e das democracias cristãs. O welfare state, que está a ser desmantelado diante dos nossos olhos nesta guerra da Ucrânia, para proveito dos sistemas privados e neoliberais de saúde e pensões, segundo o modelo americano, foi a moeda de troca da aceitação do estatuto colonial. Dir-se-á que foi um colonialismo confortável. Foi, de facto, mas a leveza e o bom trato dos serviçais não altera a essência do estatuto de servidão e este será exercido com todo o rigor sempre que os servos se julguem libertos! Os americanos vão deixar de pagar os subsídios de férias, de desemprego e os serviços nacionais de saúde e de pensões dos europeus. Será uma das consequências desta guerra.

A paz do pós- Segunda Guerra na Europa não foi uma benesse da NATO, nem, logo, dos americanos. Não foi grátis, muito pelo contrário. A paz na Europa foi conseguida à custa do fim dos impérios coloniais europeus na Ásia e em África — à custa das guerras na Coreia, na China, Indochina, na Palestina, no Médio Oriente, no Congo, no Tanganica, e mais recentemente na Guiné, em Angola e em Moçambique, e, ainda mais perto, na Jugoslávia, no Iraque e na Síria.

A NATO serviu para retirar os europeus do Mundo e deixá-lo para as duas superpotências. Na Europa, a NATO, tal como o Pacto de Varsóvia, serviram como forças de imposição da ordem política e social interna, sufocando movimentos políticos e sociais alternativos: a agitação radical da Alemanha e da Itália, o Maio de 68 em França, as revoltas de Praga e de Budapeste, por exemplo.

Pergunta-se muitas vezes se o mundo sem a NATO seria melhor? Seria diferente. Teria uma distribuição de riqueza diferente, de certeza, uma justiça social diferente… um estatuto diferente de dignidade dos povos. Teria um sistema de alianças mais flexível, com mais direitos para os povos de regiões do mundo que não controlam os seus territórios e matérias-primas, que são forçados a trocas desiguais.

Por fim, fala-se atualmente em aumentar despesas militares para fazer frente, de novo, à ameaça russa. A questão não é, como alguns movimentos antimilitaristas a têm colocado, de optar entre os canhões ou a manteiga. A questão é a de ter aparelhos militares adequados às ameaças e aos objetivos e ter liberdade para os utilizar.

Liberdade de ação é um dos princípios da guerra, quem a não tem, é vencido. A Europa da União Europeia não tem e escusa de gastar recursos a fingir de conta que conta.


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

E o que diria Olof Palme?

(Manuel Loff, in Público, 17/05/2022)

Manuel Loff

A aventura de Putin na Ucrânia deu o melhor pretexto à NATO e a quem manda nela de, ao fim de praticamente 15 anos consecutivos de crise económica, apresentar a nova corrida aos armamentos como dever irrenunciável de segurança e oportunidade de desenvolvimento económico e tecnológico.


Nada como uma boa guerra para simplificar escolhas e lembrar aos incautos para que servem as alianças militares! Ano e meio depois de o presidente da segunda maior potência da NATO ter assegurado que esta estava em “morte cerebral” (Le Monde, 7/11/2019) tornou-se consensual dizer que a decisão de Putin de invadir a Ucrânia fez mais pela NATO e pela militarização da UE do que vinte anos de guerras ilegais ocidentais (Sérvia, Afeganistão, Iraque, Líbia). Se até há pouco o Pentágono parecia considerar a expansão da NATO na Europa oriental como um simples acessório do desafio mais importante (cercar a China no Pacífico, disputar-lhe todos os mercados), a aventura de Putin na Ucrânia deu o melhor pretexto à NATO e a quem manda nela de, ao fim de praticamente 15 anos consecutivos de crise económica, apresentar a nova corrida aos armamentos como dever irrenunciável de segurança e oportunidade de desenvolvimento económico e tecnológico.

Assine já

São também estes os argumentos usados pelos governos finlandês e sueco para pedir a adesão à NATO. Além do facto evidente de, como dizia a ministra alemã dos Negócios Estrangeiros, ambos serem “já membros da NATO [mas] sem um cartão de associado” (PÚBLICO, 15/5/2022), vários são os equívocos e as omissões na explicação do que está em causa. Em primeiro lugar, o não-alinhamento finlandês (como o austríaco, já agora) nada tinha a ver com o sueco. Ele resultava da II Guerra Mundial: a Finlândia tinha sido aliada da Alemanha nazi, a Áustria integrara o III Reich. Depois de dez anos de ocupação pelas quatro potências aliadas, a Áustria recuperou a sua soberania e adotou um estatuto de não alinhamento. Por isso mesmo, ao contrário da Alemanha, o país não foi dividido em dois, com a parte ocidental, por vontade angloamericana, a integrar a NATO mal a França levantasse o seu veto. Hoje, não só o governo austríaco reafirmou a sua política de não alinhamento, como uma sondagem recente confirmava uma ampla maioria (75% contra 14%) contrária à adesão (The Local, 6/5/2022). A Finlândia, cuja independência da Rússia resultou da revolução de 1917, manteve com o seu vizinho uma relação muito tensa até 1948 (disputa de território conquistado à Rússia na guerra civil de 1918-21, invasão soviética de 1939-40, e guerra de 1941-44 ao lado da Alemanha). O não-alinhamento que se seguiu desde então até hoje permitiu à Finlândia uma relação económica privilegiada com a URSS e, depois do fim desta, uma relação política muito mais fluida que aquela que a Rússia tem com as repúblicas bálticas ou a Polónia.

O não-alinhamento sueco tem uma origem totalmente diferente. Desde o fim das guerras napoleónicas que a Suécia foi o único país escandinavo que consegiu não se envolver nas guerras europeias. O predomínio político dos sociais-democratas num país que não quis aderir à NATO em 1949 propiciou, ao contrário dos seus correligionários dentro da NATO, manter uma crítica acesa do colonialismo britânico, francês, holandês e português (todos fundadores da Aliança) e da política imperial dos EUA, em especial sob o governo de Olof Palme (1969-76 e 1982-86), tão detestado em Washington por, entre outras coisas, ter comparado o bombardeamento norteamericano de Hanói (1972) com o de Guernica e com os massacres nazis. O não-alinhamento como opção estrutural, que deu à Suécia um reconhecimento internacional que nenhum dos seus vizinhos escandinavos tem, desaparece ao fim de três meses de guerra na Ucrânia. Com a Finlândia decidida a entrar na NATO e com as direitas dos dois países, favoráveis à adesão, decididas a fazer da questão pretexto para derrubar os dois governos minoritários, a adesão sueca vai provocar tensões quando tentar cumprir a rejeição da presença de equipamento nuclear da NATO, e não esconde a divisão na sociedade, com o Partido da Esquerda, os ecologistas e uma grande parte dos sociais-democratas contra.

“Gostamos de pensar que as ações [das grandes potências] são deliberadas, mas ninguém sabe com certeza onde reside o limite, onde a cautela se transforma em ação desesperada”, dizia Palme. “A nossa reação ao mundo do equilíbrio do terror é clara e inequívoca: A paz deve ser preservada”. Nem me permito perguntar o que faria ele hoje se fosse vivo. Tenho é a certeza que nada no pedido de adesão sueco cumpre estes princípios.


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.