Substituição de importações, tema tabu

(Daniel Vaz de Carvalho, in Resistir, 16/09/2022)

Da social-democracia à extrema-direita a substituição de importações é tema algo herético. E compreende-se, visto que põe em causa a globalização neoliberal e os processos de exploração a nível global das oligarquias. Assim, o que se tem ouvido às “sumidades” que peroram como papagaios nos media é a fórmula gasta do “exportar mais” acompanhada do seu corolário de “acabar com a rigidez laboral”, eufemismo para anular a já limitada pelos processos neoliberais força sindical e contratação coletiva, em suma, os direitos laborais. Para o proletariado bastam cumprirem os seus deveres e serem “competitivos” – uns com os outros.


Continuar a ler artigo completo aqui: Substituição de importações, tema tabu


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

Discurso aos participantes e convidados da 10ª Conferência de Moscovo sobre Segurança Internacional

(Vladimir Putin, in Resistir, 23/08/2022)

Senhoras e senhores,

Estimados convidados estrangeiros,

Deixe-me dar-lhes as boas-vindas ao 10º Congresso de Moscou sobre Segurança Internacional. Durante a última década, seu fórum representativo tornou-se um importante local para discutir os problemas político-militares mais urgentes.


Ler artigo completo em: Discurso aos participantes e convidados da 10ª Conferência de Moscou sobre Segurança Internacional


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

Tanta verdade junta mereceu publicação – take XII

(Por André Campos Campos, 21/08/2022)


(Este texto resulta de um comentário a um artigo que publicámos de Larry Romanoff ver aqui. Perante tanta verdade junta, resolvi dar-lhe o destaque que, penso, merece.

Estátua de Sal, 21/08/2022)


Os americanos, fazem o resto do mundo pagar em dinheiro pela sua hegemonia, forçando-os a usar a sua moeda falsa. Eles são imperialistas que nos tratam como pessoas colonizadas.
Felizmente, todas estas pessoas estão tão estupefactas com a sua ganância que nem sequer veem que estão a destruir o planeta e que este em breve será inabitável para todos.

Então os muito ricos, aqueles que obedecem a Bilderberg, fechar-se-ão em ilhas paradisíacas artificiais e deixarão morrer todos aqueles a quem enganaram durante dois ou três séculos com as suas tolices de elevador social! É de facto demasiado tarde para evitar o grande colapso.

Não foram os chineses que em tempos se referiram aos EUA como o “Dragão de Papel”? Bem, já lá estamos há muito tempo! O problema é que com a preeminência do dólar como moeda internacional (mais a extraterritorialidade das leis americanas e tudo o que lhe está associado), se alguma vez cair, será a ruína de todos os seus credores! Mas as recentes aquisições gigantescas de ouro pela China e pela Rússia, em particular – ambas detentoras importantes de moedas, títulos do tesouro ou obrigações dos EUA – sugerem que, algures ao longo da linha, este cenário de catástrofe está a ser preparado!
O meu pai sempre disse que os EUA eram o maior embuste de todos os tempos…

Os EUA ou a Europa, não hesita em pagar somas astronómicas para financiar guerras, na sua postura ridícula de “heróis que não desistem do mau da fita”. Mas isto é feito à custa da população.

O sistema é baseado na DISTRIBUIÇÃO da riqueza. A riqueza não é criada, é distribuída; portanto, para que alguém fique mais rico, outros devem ficar sistematicamente mais pobres!
Os ricos são ricos por causa dos pobres, os pobres por causa dos ricos. Se os pobres se recusassem a submeter e a trabalhar para os ricos, as coisas mudavam!

Quando a América não hesita em libertar uma quantidade colossal de dinheiro para financiar a guerra na Ucrânia e noutros lugares, mas o seu povo afunda-se na depressão, se acrescentarmos os afro’s cuja pobreza é endémica em casa por causa do sistema que pesa nas suas cabeças, apercebemo-nos de que o sonho americano não é mais do que um pesadelo .

8% da população está na prisão, mesmo crianças que estão presas para toda a vida, para mim não é uma coincidência que um país rico que não cuida da pobreza, que até a proíbe por vezes com pesadas penas, quando se quer alimentar os pobres nos bairros pobres, há uma correlação entre a miséria e o crime e por isso podemos dizer que o sistema americano é um fracasso.

Com a crise do subprime nos EUA, nada melhorou na maioria dos estados, hoje em dia até os ricos começam a querer fugir de estados muito ricos, devido ao grande número de pessoas pobres.

Não conseguem lidar com a sua própria população e problemas, milhões de trabalhadores pobres . E depois querem exportar os seus “chamados” direitos humanos, tribunais internacionais e igualdade.

E aqueles que não “agradecem”, recebem em troca bombardeamentos para serem democratizados ou sanções internacionais.

O Ocidente não é ateu, cristão ou secular, o Ocidente tem o materialismo e o dinheiro como religião. A história mostra que todos aqueles que tomaram esta religião acabaram por partir os dentes. É apenas uma questão de tempo até que a tirania do dinheiro acabe.

Pensando assim e continuando assim, não há mais empregos para além da Amazon ou McDonald’s para a maioria, e um pequeno punhado enriquece enquanto os outros se multiplicam e de vez em quando aparece um “palhaço” com uma gravata vermelha e empurra-os ainda mais para baixo e tira-lhes o pouco acesso aos cuidados que tinham obtido. E fá-los pensar que está do seu lado (como um tipo que se interessa por pessoas que de outra forma não quereria abordar). Posteriormente, são travadas guerras para recuperar os mercados de petróleo e gás (que estavam a perder ao passarem-se por salvadores)… e a história repete-se… e nós continuamos a comer o planeta até à morte.

Não se preocupem, temos a mesma coisa a subir irresistivelmente no nosso país. Chama-se ultraliberalismo e pode muito bem ser o fim da humanidade….

Os EUA não são um país, tudo é governado pelo egoísmo.
O sistema americano foi concebido para tornar o país bom, desde que seja rico ou tenha o que é preciso para se tornar rico, caso contrário está na merda.

Há cerca de 70 milhões de pessoas pobres nos Estados Unidos que nem sequer têm segurança social ou cuidados de saúde gratuitos, dezenas de milhões das quais são desalojadas.

Nos EUA, se não tiver emprego e seguro de saúde, então não tem direito à segurança social ou a cuidados de saúde, por isso, se tiverem um acidente, doença, ferimentos graves, danos estomacais, cancro, uma dor de dentes insuportável, etc., etc., tem de depender por si próprio.

Claro que, para que uma pessoa fique rica com insolência, outras vinte mil devem tornar-se pobres. Esta é a terra da felicidade para os nossos liberais de pensamento único que nos têm vindo a impor isso como modelo há décadas. A parte mais cómica da história é que mesmo no nosso país, pessoas de meios muito modestos defendem este sistema. Deve ser um subproduto da síndrome de Estocolmo.

Os americanos gastaram 2000 mil milhões de dólares ao longo de vinte anos na ocupação militar do Afeganistão! E quanto custa começar uma guerra no Iraque? Quem beneficiou? Não são muitas pessoas!
Como sempre, enriqueceu principalmente os accionistas das empresas de lobby militar-industrial, mas não houve qualquer benefício para os outros cidadãos, exceto o triplo dos salários dos soldados da força expedicionária que ali lutaram. As autoridades de Washington têm uma pesada responsabilidade no desenvolvimento de uma frature social que está a agravar-se perigosamente para a população americana. A população estava a ficar cada vez mais empobrecida.
Alguns municípios, tais como Cleveland ou Detroit, já não podem pagar aos seus funcionários municipais devido à falta de cidadãos solventes.
No entanto, este país, sempre ansioso por estabelecer a sua hegemonia mundial, quer travar guerras em todo o mundo para impor o seu modo de vida e a sua cultura.
Este país tornou-se o flagelo do mundo, destruindo sempre outros países desde que nada aconteça em casa e sirva os seus interesses.

É de esperar uma guerra civil no seu país, pois as injustiças sociais são tão flagrantes e as autoridades são incapazes de refrear esta inexorável descida para a precariedade…

Grandeza e decadência das nações, a América não tomou o caminho certo, nem política nem social, nem económica e moralmente e insisto neste último “nem”. A arrogância dos ricos leva frequentemente à derrocada dos mais pobres. Dentro de alguns anos não haverá nada mais que vampiros e zombies nas ruas da América, a menos que os “génios” comecem alguns conflitos de baixa intensidade ou uma guerra total com a esperança de lucrar como de costume.

A impressão de dinheiro ou facilidade monetária ou quanta facilidade permite aos EUA terem 800 biliões no orçamento da Defesa. Apenas o custo de operação da sua frota aérea, com 25000$ a hora de voo de um único F35, permite erradicar o flagelo dos sem-abrigo e da pobreza aguda nos Estados Unidos, e eu nem sequer falo se a Casa Branca introduzir um simples imposto de 0. Não estou sequer a falar se a Casa Branca introduzir um simples imposto de 0,5% sobre a especulação intensiva em Wall Street que lhe permitiria financiar um programa social e uma cobertura médica para uma vida em decadência para os seus cidadãos, enquanto os ricos aumentam a sua riqueza e os bancos jogam no casino com o dinheiro dos aforradores mas não se preocupem: o único perdedor é o cliente em caso de falência o banco beneficiará de um programa de salvamento público que o contribuinte pagará através de um imposto, não é uma boa vida… para as elites, não para o povo.

A América é pobre para as pessoas pobres que lá vivem, mas para libertar dinheiro e armas para outros países em guerra, lá eles são os primeiros, apenas para serem vistos pelo mundo inteiro, mas quão simpáticos são estes americanos!

Isto é a América. Mas a próxima grande crise económica global está a caminho. 1929 é um bebé de fraldas comparado com o que está no horizonte… 2008, cuja gestão financeira, da Grécia ,Portugal que serviu como laboratório , dá-nos uma amostra do que está para vir…
Vamos sofrer a mesma vergonha e miséria num curto espaço de tempo.

A dívida abismal que instalámos através do nosso neoliberalismo nunca será reembolsada. O dinheiro virtual e fictício, que não se baseia em nada concreto, só permite uma coisa: enriquecer as GAFAMS (acrónimo que designa a Google, Apple, Facebook, Amazon e Microsoft, as cinco maiores companhias na área da internet) e a alta finança das 10 maiores fortunas do mundo que seguram na palma da mão o resto da população mundial.

Aparentemente, no nosso país, isto não faz pensar aqueles que escolheram voluntariamente esta política, o que os conduzirá inexoravelmente a esta mesma estagnação.

Seja como for, a roda do jogo do casino já foi posta em movimento. Está a girar a uma velocidade vertiginosa e não vai parar.

Ezequiel escreveu no capítulo 7, versículo 19:

“Atirarão o seu dinheiro para as ruas, e o seu ouro tornar-se-á uma coisa nojenta”. Nem a sua prata nem o seu ouro serão capazes de os entregar no dia da fúria de Deus. Não satisfarão as suas almas, nem encherão as suas entranhas, pois tornou-se um tropeço, devido à sua iniquidade”. Profecia bíblica.


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.