A direita, os escândalos e a memória

(Por Carlos Esperança, in Facebook, 14/12/2017)

tecno1

A direita portuguesa, órfã de pessoas pouco recomendáveis e sem memória de governos que a desviaram da matriz fundadora, dos programas e do sentido de Estado, prisioneira do ressentimento, e sem rumo, procura nos escândalos o caminho do regresso ao poder.

Confortavelmente instalada no aparelho de Estado, nos órgãos de comunicação social e no poder económico, não tem programa, ideias ou projetos, vive dos cadáveres dos incêndios, das insinuações e dos julgamentos da comunicação social.

Esquece que votou contra o SNS e a despenalização da IVG, e que apoiou a invasão do Iraque. Esquece que Cavaco, Durão Barroso e Portas eram dos seus, que o governador do BP nomeou, por convite, um filho de Durão Barroso para um alto cargo que exigia concurso, que a última ministra das Finanças levou diretamente para um fundo abutre de Londres os conhecimentos do ministério, enquanto mantém o lugar de deputada.

Nunca se preocupou com a falta dos documentos dos submarinos cujos subornos foram provados na Alemanha, e improváveis em Portugal; com a prescrição dos desvios dos fundos europeus para a Tecnoforma, cuja devolução é reclamada, e que envolvem os nomes de Passos Coelho e Miguel Relvas; com a afirmação da PGR, que admitia reabrir esse processo, sem que haja conhecimento de o ter feito; com as falências fraudulentas dos bancos onde pereceram as estrelas da constelação cavaquista; com o condomínio da praia da Coelha; com a humilhação da demissão de Durão Barroso da Universidade de Genebra e do Instituto de Estudos Internacionais, onde dava aulas, e das restrições à sua entrada na Comissão Europeia, pelas promíscuas relações com o banco Goldman Sachs; com os vistos Gold; com o silêncio sobre investigações de corrupção a câmaras do PSD, da região do Porto, denunciadas em 20 páginas da Visão, e de que se ignora qualquer averiguação do Ministério Público.

Esta direita esqueceu a primeira candidatura vitoriosa de Cavaco Silva a PR, nascida na vivenda de Ricardo Salgado, o caso Moderna, a empresa de sondagens Amostra e os problemas com a Segurança Social e as Finanças, de Paulo Portas e Passos Coelho.

As acusações permanentes aos adversários escondem as nódoas próprias.

Anúncios

A permanente campanha para abafar os sucessos a governação

(Por Jorge Rocha, in Blog Ventos Semeados, 13/12/2017)

ventos1

Sempre que o governo consegue um sucesso rotundo na sua ação – e a eleição de Mário Centeno para o Eurogrupo foi-o! – há-de aparecer alguma notícia capaz de o fazer passar para segundo plano, atirando para a ululante turba aquilo que a sua componente mais primária tanto aprecia: bisbilhotice, aparentes conluios de corruptos com ministros, secretários de estado ou deputados – sempre do Partido Socialista! – para corroer insidiosamente uma dinâmica, que deveria tender para o otimismo quanto ao futuro próximo e só procura empurrar para baixo a confiança e a esperança dos que as viram crescer nos últimos dois anos.

Não é que queira passar por um paladino de fáceis teorias da conspiração, mas é crível que as anasleais tenham um sortido de histórias no congelador para as ir debitando cirúrgica e seletivamente sempre que a oportunidade de depreciar um governo em alta se lhes afigura justificada.

É por isso que, tendo em conta, as más experiências colhidas no passado com vários governos, o Partido Socialista tenha de ultrapassar para si mesmo, e para os seus quadros mais importantes, aquilo que César exigia à esposa. E tem de se deixar de paninhos quentes: em vez de estar sempre à defesa com este tipo de ataques das direitas tem de virar a mesa e apontar-lhe o muito que elas têm no cartório, ou seja não deixar cair em cesto roto tudo quanto se lhe pode apontar.

Por exemplo as recentes novidades do caso Tecnoforma não justificariam uma Comissão Parlamentar para que Passos Coelho e Miguel Relvas se explicassem?  Não seria lícito questionar ativamente o porquê do governo anterior ter arruinado o sistema bancário português, mormente a Caixa Geral de Depósitos, cuja salvaguarda foi conseguida in extremis? Não se justificaria trazer de novo à baila a estranha «privatização» da TAP, quando esse mesmo governo já só estava em gestão e que quase deitaria a perder a possibilidade de Portugal contar com uma companhia aérea de bandeira?

As possibilidades de contra-atacar as direitas poderiam prolongar-se por muitas mais questões, que elas nunca esclareceram. E talvez fosse tempo de olhar para a comunicação social com rigor e exigência, a começar pela parcialidade com que a (des)informação da televisão pública trata a nossa quotidianidade, aferindo se, na mesma medida, os demais operadores cumprem os requisitos legais para manterem as respetivas licenças…

Quanto ao caso «Raríssimas» ele durará tanto quanto outros similares: durante uns dias será explorado até à náusea e depois segue-se para outra notícia, para outro «escândalo».  Que os próximos venham a afetar quem, nestes últimos dois anos, tem adotado poses angelicais, sonsice com que têm procurado esconder a sua intrínseca natureza pecaminosa… essa sim ainda insuficientemente escrutinada!


Fonte aqui

Mau tempo no canal das direitas atoleimadas

(Por Jorge Rocha, in Blog Ventos Semeados, 09/12/2017)

fogos5

No «Expresso» Pedro Santos Guerreiro, seu diretor, volta aos incêndios como tema do seu editorial. Compreende-se: numa altura em que as direitas nada têm de substantivo para pôr em causa o governo, sobretudo quando Mário Centeno ganha tão significativo relevo na política europeia e o próprio António Costa é reconhecido como um dos mais influentes líderes atuais, resta aos frustrados altifalantes de quem está na mó de baixo persistir na exploração das tragédias de Pedrógão Grande e de 15 de outubro. O contínuo abuso dos mortos nos incêndios será o que resta às direitas para parecerem ter algo com que possam fazer oposição ao governo. E sabem que, nesse sentido, Marcelo tudo fará para lhes ir propiciando os abraços e selfies oportunos para manterem o tema na agenda.

No entretanto vem-nos Ângela Silva contar no mesmo semanário como Marcelo descrê totalmente de Rui Rio ou de Santana Lopes como potenciais redentores do seu partido, já que as suas esperanças andam a depositar-se em Carlos Moedas para depois de 2019. Daí que o comissário europeu mereça duas páginas desse jornal e seja dado como um convicto opositor do austericídio, ele que desempenhou tão ativamente o papel de guardião de tal política durante os anos da troika.

A mesma jornalista também foi incumbida de nos revelar que Marcelo vai manter uma firme vigilância sobre o Ministério das Finanças, sobretudo para evitar que, na ausência de Centeno em Bruxelas, Mourinho Félix & Cª criem um Orçamento para o ano eleitoral de 2019, que facilite a vitória do Partido Socialista por maioria absoluta. Ora Marcelo sabe que, a tal acontecer, pode meter a viola no saco e zarpar, porque fica privado de cumprir o seu desígnio, aquele que Carlos Carvalhas tão bem enunciou ao notar que “para os pobres e os excluídos, o Presidente da República dá os selfies e os sorrisos e favorece a solidariedade e a caridade, para os grandes faz pressão para que continuem a ter os seus milhões intactos”.

Há, porém, a constatar que a vida não lhe anda a correr de feição: até o insuspeito Miguel Sousa Tavares o dá como incompreensivelmente derrotado com a eleição de Centeno questionando se “terá Marcelo medo ou ciúmes do prestígio internacional do Governo?”.

Quem parece indiferente ao assunto já é Pedro Passos Coelho, ao que parece ocupado a escrever um livro a autoelogiar-se sobre a sua (des)governação do país entre 2011 e 2015. Nesse sentido Cavaco deixou escola ao lançar a moda de impor lamentável condenação de umas quantas árvores para que os seus relatos autobiográficos acabem a ganhar pó nos armazéns de uma qualquer desgraçada editora incumbida de lhe prestar o favor ao ferido orgulho. Mas a falta de disponibilidade de Passos Coelho não parece ficar por aí: anda ativamente à procura de emprego e já terá ido oferecer-se à consultora Deloitte para ser seu consultor. Ao que parece o possível patrão já se desmarcou de tão infausta possibilidade.

Vale ainda a pena retirar da leitura do semanário de Balsemão a enésima confirmação de dirigentes do CDS andarem continuamente a lembrar aquela fábula do sapo, que queria inchar o bastante para pedirem meças a um touro em questões de tamanho. A propósito da humilhação imposta por António Costa a Cristas no último debate quinzenal, Telmo Correia veio ufanar-se de ser o CDS o adversário principal do governo. É caso para dizer que já a formiga tem catarro!