Quem não tem Pedrógão caça com Monchique

(Daniel Oliveira, in Expresso Diário, 14/08/2018)

Daniel

Daniel Oliveira

O número de vítimas mortais, mais do que qualquer outra coisa, tornou os fogos de Pedrógão e de outubro na principal notícia de 2017. Foi um acontecimento traumático que, apesar de se dispensar a orgia de sensacionalismo telegénico, merecia um tratamento prolongado. Tentando ser simpático, talvez alguns excessos mediáticos até fizessem parte do luto. Com Monchique as coisas são diferentes. Percebemos que havia um batalhão de televisões em crise de audiências e de políticos em crise de votos, mortinhos para que houvesse um incêndio. Não tendo havido mortes (não por milagre mas por ação das autoridades, que até por isso foram criticadas), restou, para além do espanto com o facto de ainda haver incêndios depois de Pedrógão, a frase maldita de António Costa: Monchique foi “a exceção que confirmou a regra do sucesso da operação que decorreu ao longo de todos estes dias”.

Depois da indignação forçada, o primeiro-ministro veio dizer que a frase foi descontextualizada. O que ele disse foi isto: “Porque é que o incêndio não foi apagado no primeiro minuto? De facto este incêndio poderia ter sido apagado como os outros 25. Como poderia ter ocorrido como com as 581 outras ignições que aconteceram. Mas por circunstâncias próprias, que têm a ver com a dificuldade do terreno, com as condições climatéricas específicas, com a composição da floresta que temos no local e certamente por outros fatores que no final desta ocorrência poderão ser apurados, foi a exceção que confirmou a regra do sucesso da operação que decorreu ao longo de todos estes dias”.

A frase não foi descontextualizada. E, com ou sem contexto, está certa.

Todo o debate que se fez depois disto, da acusação de “saloiíce” no tempo de antena partidário de Marques Mendes à conferência de imprensa do PSD, apenas demonstra que o que aconteceu em Monchique é a menor das preocupações da oposição. O que interessa é manter o assunto vivo e o primeiro-ministro envolvido. Quem não tem Pedrógão caça com Monchique.

A frase de Costa é objetivamente verdadeira porque assistimos a um dos verões com temperaturas mais altas desde que há registo. Porque houve incêndios de enormes dimensões em várias partes da Europa, em países menos secos e que chegaram a temperaturas mais baixas. Porque qualquer pessoa razoável esperou, naqueles dias, notícias de muitos incêndios. Porque 25 incêndios foram travados antes de ganharem dimensões mais perigosas. Porque se evitou que 580 ignições se transformassem em incêndios. E nenhuma das coisas aconteceu por força da natureza. Porque, tirando todos estes factos, houve uma ignição que se transformou em incêndio e ganhou grandes proporções. Na análise fria dos factos, temos um padrão em que a prevenção e o combate resultaram e uma exceção em que tal não aconteceu. Perante essa exceção, num país que tem os mesmos problemas de desordenamento do território e da floresta e as mesmas debilidades estruturais que tinha há um ano, conseguiu-se evitar a perda de qualquer vida humana.

Pode falar-se de “vitória”? Tendo em conta que houve um enorme fogo com perdas materiais e na floresta, não. Havendo incêndios, como sempre haverá, nunca se poderá fazer um balanço positivo. O que torna toda esta conversa um pouco absurda. Certo é que nada do que Costa disse é mentira. Resta a insensibilidade de o ter dito. Do que se conclui que, apesar de todos dizerem que o Governo deve fazer balanços rigorosos do que se fez e falta fazer, ninguém quer realmente balanços rigorosos. O que se quer é uma comunicação política mais polida.

Concordo que a sensibilidade com que se transmite um facto não é um pormenor em política. Mas não deixa de ser interessante ver os mesmos que se queixaram de um excesso de preocupação com as vidas humanas lamentarem a insensibilidade do primeiro-ministro. Eu diria que a maior das insensibilidades é usar o sofrimento das pessoas para horas de diretos emocionais que garantam boas audiências. Mas isto sou seu, que acho que as qualidades humanas e morais não têm de ser um exclusivo da classe política.

Anúncios

A direita e o poder

(Carlos Esperança, 13/08/2018)

oliveira_c

(Eis, na imagem, Oliveira e Costa, banqueiro, chefe de quadrilha, que acreditava em Portugal… Ele e o seu amigo Cavaco, grande obreiro da ruína a que ele e os seus amigos levaram o país, depois de o saquearem em proveito próprio, com uma impunidade que brada aos céus e ainda hoje se mantém. 

É esta a direita que temos.

Estátua de Sal, 13/08/2018)


O poder é tão apetecido que dificilmente há quem lhe resista. A direita não sabe viver sem ele e na esquerda há quem vire à direita quando o comboio inverte a marcha.

Quando a direita está em crise, os seus amanuenses anunciam que é o regime; quando o poder se afasta, devora o líder, na ânsia de encontrar outro; o próprio PR, quando vê a família a desfazer-se, dá uma ajuda aos atiradores de serviço, a arremessar insinuações; o jornalismo reverente destaca os funcionários mais truculentos a atiçar fogueiras contra a esquerda; nas redes sociais, televisões, jornais, revistas e sarjetas surgem vuvuzelas a provocar ruído e a vociferar calúnias; os pusilânimes não se coíbem a descontextualizar e manipular declarações dos adversários para os debilitarem.

O que fizeram à frase de António Costa nas declarações sobre o fogo de Monchique “… a exceção que confirmou a regra do sucesso da operação, ao longo destes dias”, é digna de figurar num compêndio da aleivosia. Parecia um concurso, a rivalizar em idiotia com a malvadez da desinformação.

No domínio da imbecilidade, houve quem referisse a “desmesurada preocupação com as vidas humanas”, para acabar no mestre da intriga, José Gomes Ferreira que, no conforto do estúdio da SIC, se referiu a “o critério político no combate técnico ao fogo”, e, numa manifestação de indigência ética, aparentemente desolado com a ausência de mortes, perguntava: “Porque estão a tirar as pessoas de casa, mesmo contra a sua vontade?”. Ignora-se se este sólido talento do jornalismo de intriga teve a noção do despautério.

Perante o esforço desta direita, que se desfaz, sem rumo, sem programa e sem liderança, é um dever não deixar que passem incólumes os avençados da manjedoura reacionária e ultraliberal a quem está confiado o assassínio de caráter dos adversários.

A esquerda, no seu conjunto, incluindo a direção do PS, que deixou imolar o seu partido sem explicar a crise cíclica do capitalismo, que originou a falência do Lehman Brothers e abalou o sistema financeiro internacional, com repercussão nas dívidas soberanas dos países mais vulneráveis, ajudou a consolidar a narrativa da direita, que demonizou o PS, que era o governo de turno durante o furacão.

Cabe à esquerda fazer a pedagogia que deve, sem deixar à solta esta direita que Cavaco patrocinou e desesperadamente quis prolongar com Passos Coelho, Maria Luís e Portas, com o último já substituído pela inefável Dr.ª Cristas e o primeiro, ora catedrático, ainda sem substituto ungido pela direita mais à direita, de que António Costa e os partidos à esquerda do PS nos libertaram.

Retardantes do Fogo são Tóxicos

(Dieter Dellinger, 10/08/2018)

retardantes

(Com tanto “especialista” em fogos a criticar a forma como se atacou o fogo de Monchique, nomeadamente por não terem sido utilizados retardantes, brada aos céus a ignorância (ou má-fé) dos ditos, não levando em conta os efeitos tóxicos e nefastos dos ditos produtos. Uma cambada ao serviço da direita que usa o fogo e a desgraça alheia para atacar o governo e a sua acção.

Comentário da Estátua, 10/08/2018)


Muita gente critica as autoridades dos diversos governos de há décadas de não utilizarem como os americanos de caldas retardantes do fogo.

Sucede que a maior parte dos retardantes são altamente tóxicos e cancerígenos desde o mais vulgar e barato, o ácido bórico H3BS3 aos ABS – Acrilonitrilo Butadieno Estireno e Trióxido de Antimónio Sb3O3.

Contudo há moléculas químicas inorgânicas que tem alguma ação retardante quando combinadas com os verdadeiros retardantes, contribuindo assim para a redução da toxicidade do soluto retardante. Posso citar a vulgar argila ou montmorillonite abundante em Portugal que micronizada pode ser misturada com os retardantes e ajuda a criar uma espécie de placa antifogo na superfície onde cai ou onde é colocada nos fatos de bombeiros, superfícies de móveis, automóveis, etc. .

Também o dióxido de titânio TiO2 pode minorar a toxicidade quando misturado em forma micronizada ou em partículas ainda menores denominadas nanopartículas.

Não há, contudo, retardantes totalmente inócuos e, por isso, foram proibidos em estados americanos como o Maryland e Vermont, mas não na Califórnia em que se considera que os males dos incêndios gigantescos superam os da toxicidade dos retardantes e os bombeiros utilizam máscaras protetoras que impedem a inalação desses produtos, ou deveriam impedir.

Havendo tantos cientistas conhecedores do fogo em Portugal nas diversas universidades seria aconselhável que estudassem um soluto retardante com baixa toxicidade que aumentasse o efeito antifogo. Nem é preciso fabricar muito porque as diversas empresas químicas fornecem todos os compostos, sendo uma das mais importantes neste campo. a empresa estatal alemã Evonik.