Desvairados

(In Blog O Jumento, 17/07/2019)

O pobre do Rui Rio não sabe o que propor, o Santana Lopes há muito o abandonou, os vice-presidentes que escolheu parece terem-no abandonado, o Morais Sarmento não se deixa ver. É evidente que o PSD já quase não existe e o CDS parece ter fechado para obras; até colocaram um outdoor apenas com um fundo azul informando os clientes de que estarão a preparar o futuro.

Não admira que estejam a surgir freelancers a fazer oposição com o que podem. O bastonário da Ordem dos Médicos está promovendo uma campanha itinerante junto de todos os hospitais do país, propalando uma imagem desastrosa do SNS, uma verdadeira campanha publicitária a favor dos hospitais privados.

Se na campanha de Passos Coelho o centro das atenções foram as escolas privadas, parece que desta vez tudo se faz para destruir o SNS, levando a que os dinheiro públicos sejam canalizados para o setor privado. Depois de uma greve cirúrgica de enfermeiros financiada de forma duvidosas e que apenas resultou na transferência de doentes para os hospitais privados, parece que agora se assiste a um verdadeiro assalto ao SNS. O próprio Rui Rio apressou-se a dizer o que querem, que o SNS seja um serviço de encomendas ao setor privado.

Quem anda um pouco em baixo é a conhecida militante da extrema-direita chique do catedrático Passos Coelho, algo que se compreende, a rapariga tudo faz para impedir uma sindicância à sua Ordem, talvez por recear por eventuais rabos-de-palha, Agora encomendou uns pareceres a que atribuiu o estatuto de acórdãos do Constitucional, achando que os pode usar para desrespeitar a Lei.

Depois das greves dos enfermeiros e dos professores esta gente deveria ter parado para refletir, pelos resultados das eleições europeias poderiam ter reparado que esta estratégia de fazer a vida dos portugueses num inferno, na esperança destes se virarem contra o governo não deu qualquer resultado, e até o PCP pagou caro o uso e abuso de um Mário Nogueira que já ninguém consegue ouvir.

A Fátima Bonifácio, lá do cimo da sua inteligência, achou que ela é que ia resolver o problema, a solução era virar os portugueses contra pretos, emigrantes e ciganos: o racismo e o medo é que iriam ajudar Rui Rio e Cristas. Decidiu lançar o mais execrável manifesto racista e xenófobo, tão execrável que deu mais uma machadada na direita. 

A verdade é que depois do que Passos Coelho fez aos portugueses e a instituições como o SNS, estas estratégias viram-se mais contra a direita do que contra o governo e os resultados das sondagens mostram isso. Palermas e incompetentes… por este andar é a direita que fica em estado de coma e nem os donos dos hospitais privados a salvam.


Fonte aqui

Advertisements

A tropa adversativa de Bonifácio

(Daniel Oliveira, in Expresso Diário, 16/07/2019)

Daniel Oliveira

Por excesso de voluntarismo e valentia, uma camarada caiu no campo de batalha. E os seus companheiros não a deixaram só. José Manuel Fernandes foi o primeiro a gritar presente. Veio para criticá-la “sem meias palavras”, avisa-nos. “As generalizações feitas por Fátima Bonifácio são abusivas, caricatas, mesmo ofensivas”. Muito bem… “Mas há verdades no texto que não podemos ignorar”. Longe vão os tempos em que esta direita largava uma lágrima furtiva pela libertação do Iraque e não permitia a ninguém uso de qualquer “mas”. Agora é vê-los mergulhar de cabeça num mar de adversativas.

Justiça seja feita, sem o considerar racista e aproveitando imediatamente para colar o raciocínio da sua amiga à “esquerda identitária”, José Manuel Fernandes vai fazendo algumas crítica importantes ao texto de Bonifácio. Rui Ramos é que não perde grande tempo com isso. Prometendo “tentar ser muito claro”, atira-se a Fátima Bonifácio com um brutal “não evitou alguns equívocos”. Claríssimo! Para concluir que nada do que ela escreveu, se ele percebeu bem, “faz da autora uma ‘racista’ e muito menos do seu artigo um ‘manifesto racista’”. Porque se retirarmos do texto tudo o que é racista, abusivo, caricato e ofensivo, o texto não é racista. E não sendo racista, quer dizer que é a esquerda que inventa os racistas. E é isso mesmo que Rui Ramos diz, logo no título. Com a acusação costumeira de que as quotas servem para alimentar o clientelismo universitário, que um dia destes me levará a escrever um texto sobre a lata de alguma direita moralista, absentista e instalada no confortável funcionalismo académico.

Helena Matos nem sequer perdeu tempo a distanciar-se do texto. Além de não interessar para nada se ela discorda ou concorda com o texto, ele limitou-se a repetir o que se diz nas periferias de Lisboa e Setúbal. Resolvido o problema, o que interessa é a “fatwa” contra Fátima Bonifácio. É bom recordar que Helena Matos já se tinha indignado com a fatwa contra Mário Machado, acusando a esquerda de andar a caçar fantasmas, imaginando fascistas em todo o lado. O texto de Fátima Bonifácio não é racista, Mário Machado não fascista. Quando aparecer alguém a defender a Solução Final, a Helena Matos logo nos avisa se já podemos dizer alguma coisa que ela não considere uma “fatwa”.

O assunto foi tão animado que até Vasco Pulido Valente interrompeu a escrita semanal do mesmo texto de sempre, agora em forma de pequenos posts, para elaborar uma lista de esconjurados. Começou por explicar, com um único argumento, porque é que Fátima Bonifácio não é racista: “Conheço a Fátima há quase 50 anos. Nunca dei por que ela fosse xenófoba ou racista”. Se Pulido Valente não deu por nada é porque não existe. Queixando-se da “caçada às bruxas”, organiza a sua. Nem João Miguel Tavares, para sempre excomungado pelo papa Valente, escapa. E o mesmo homem que não vê nada de racista naquele texto denota na expressão “neo-reacionarismo” de Rui Tavares o perfil de um “tirnate” que a usa com os mesmos objetivos que os estalinistas usaram o antifascista – “para esconder a sua verdadeira face e condenar por grosso os seus inimigos”. Conhecesse o Rui Tavares há 50 anos e ele poderia defender que os gulags nunca existiram sem qualquer reparo. Assim, passa imediatamente para primo-direito dos seguidores de um dos maiores criminosos da história.

A tropa da Bonifácio exige silêncio. Eles dedicarão três frases de raspanete amigo a um texto inqualificável e, depois de ligeiras correções, explicarão o que deveremos debater. A “alcateia” que se atreva a reagir sem a sua grelha de leitura está a lançar uma “fatwa” para iniciar uma “caçada às bruxas” que cale “verdades que não podem ser ignoradas”

Dado o tom, as libelinhas seguiram o vento. E, subitamente, o tema já não era o texto de Fátima Bonifácio. Era a censura. Coisa estranha perante um texto que foi publicado e largamente citado. Era os processos-crime, tratados como um abuso censório e não como um recurso ao Estado de direito, com as garantias que ele nos dá. E era, mais do que tudo, as reações. Ou seja: nem censura, nem processos-crime, nem reações. A tropa da Bonifácio exige silêncio. Eles dedicarão três frases de raspanete amigo a um texto indiscutivelmente racista e, depois de ligeiras correções, explicarão o que deveremos ali debater. A “alcateia” que se atreve a reagir sem a sua grelha de leitura está a lançar uma “fatwa” para iniciar uma “caçada às bruxas” que cale “verdades que não podem ser ignoradas”.

Há uns bons anos, alguém conotado com a esquerda que estava no mesmo lugar que Fátima Bonifácio – não era colaboradora permanente do “Público” e enviou um texto para o jornal – teve o lapso de escrever “holocausto” com “h” pequeno, quando usou a expressão “o horror do holocausto” num artigo muito crítico de Israel durante a guerra com o Líbano. José Manuel Fernandes era então diretor e, sem contactar a autora do artigo, pôs uma nota final no texto: “O Público não alterou a grafia deste texto, designadamente o facto da autora escrever Holocausto com caixa baixa.”. A brincadeira de não alertar a autora para o lapso e fazer uma nota maldosa no final mereceu forte admoestação do provedor do leitor: “O ‘Público’ optou por associar implicitamente a cronista ao negacionismo”. Esta é a mesma pessoa que mantém uma posição critica mas apaziguadora em relação a um artigo onde se escreve que os negros e os ciganos não partilham dos nossos valores morais, que não “fazem parte de uma entidade civilizacional e cultural milenária que dá pelo nome de Cristandade” e que não “descendem dos Direitos Universais do Homem decretados pela Grande Revolução Francesa de 1789”.

Este duplo critério tem duas origens. Uma é a conhecida desonestidade intelectual de José Manuel Fernandes, que o leva a insinuar negacionismo na ausência de uma capitular e a não encontrar racismo em qualquer coisa que não proponha a solução final, apenas porque no primeiro caso está uma pessoa de esquerda e no outro uma de direita. A outra é um equívoco: a de que a identidade das suas vítimas e não a motivação e métodos dos seus autores é que é relevante no Holocausto. Isto permitiu que alguma direita, por motivos estritamente oportunistas e até com algumas motivações de novo ódio a outro grupo (os muçulmanos), absorvesse de uma vez por todas o combate ao antissemitismo sem nada perceber das razões profundas desse combate. Achando que se o destinatário da ofensa for outra etnia não tem mal nenhum. Mesmo que seja a outra grande vítima do Holocausto: os ciganos. Desde que se continue a escrever com maiúscula, está tudo certo.

Pensem num texto que substituísse a fronteira moral que Bonifácio traçou entre negros e ciganos, por um lado, e brancos, pelo outro, por uma fronteira entre judeus e não-judeus. Depois acrescentem-lhe as generalizações “abusivas, caricatas, mesmo ofensivas” que poderiam ser adaptadas aos preconceitos falsos e típicos em relação aos judeus, como a cupidez ou a avareza. Não tenho dúvidas em dizer que não seria publicado e, se o fosse, Fátima Bonifácio seria para sempre erradicada do espaço público, incluindo por esta sua guarda pretoriana. A diferença é apenas esta: uns conseguiram, ao fim de séculos de perseguição, conquistar finalmente o direito a defender a sua identidade, outros não conquistaram sequer o direito a deixarem de ser vítimas de bullying público da direita radical. Como no passado, ela sabe este discurso lhe garante o apoio popular de que as suas propostas económicas carecem. Como diz Helena Matos, é o que as pessoas dizem nas periferias.

Há muitos temas para discutir em torno das quotas e dos riscos que a obsessão identitária tem para a democracia e para a política. Tratei de muitas das coisas que me inquietam num texto sobre as políticas identitárias da esquerda, a propósito do livro de Mark Lilla. Um tema que está muitíssimo longe de ser novo e fácil. Quando este texto de Bonifácio estiver enterrado na memória e não conspurcar mais esta conversa, voltarei a ele. Mas ao virem em defesa do que é indefensável, branqueando um texto indiscutivelmente racista, negando o racional do que foi escrito para aproveitarem o emocional que ele alimenta, estas pessoas tornaram-se interlocutoras imprestáveis para este debate.

A ingratidão da direita portuguesa

(Carlos Esperança, 15/07/2019)

Depois de uma década a ocupar o Palácio de S. Bento e mais outra o Palácio de Belém, o homem que hoje comemora oito décadas de vida é ignorado pela comunicação social.

A criança que veio ao mundo no Poço de Boliqueime, há 80 anos, passa incógnito, sem fotos dos netos nas marquises da Travessa do Possolo ou na missa de ação de graças que o devoto casal, com 56 anos de ininterrupto matrimónio, não deixaria de mandar celebrar pelo que recebeu, sem precisar de dar vivas à democracia.

Os devotos do homem que nunca tinha dúvidas e raramente se enganava, do salazarista de maior destaque da democracia, enviam-lhe flores na clandestinidade e desejam-lhe felicidades em privado, enquanto em público dizem o que ele disse de Ricardo Salgado, «nunca fui amigo dele».

Nem Passos Coelho e Paulo Portas cuja permanência no governo, sem apoio da AR, se esforçou por impor, nem essa dupla sombria publicitou a sua gratidão a quem tinha pela Constituição e pelos adversários o mesmo acendrado respeito que nutria por Saramago.

Há pessoas assim, capazes de serem tão dedicadas à família e aos negócios como aos correligionários e, uma vez desacreditados, são abandonados pelos que mais lhe devem.

Dos Açores não vieram sorrisos de vaquinhas que o enlevavam, ou das Ilhas Selvagens o ruído festivo das cagarras a cantarem os “Parabéns a Você”. Talvez, algures, na praia da Coelha, o genro agradecido lhe faça um discurso e os netos dirigidos pela D. Maria se esforcem a cantar-lhe os parabéns, depois de lida a mensagem vinda de Londres, do banco Goldman Sachs, onde um seu discípulo da ética, imensamente mais culto, não se esquece de quem o lançou na carreira internacional.

Hoje, talvez na Vivenda Gaivota Azul, numa pausa dos Roteiros, combata a azia com uma fatia de bolo-rei, mas há de sentir o silêncio dos cúmplices que o consideram um ativo tóxico, como uma flecha que o dilacera.

Esta direita é ingrata. Nem os dois mais importantes comentadores televisivos deram a cara numa manifestação de júbilo pelo 80.º aniversário do conselheiro de Estado mais absentista do órgão a que pertence e a que deve a imunidade vitalícia.

Por tamanha ingratidão, desejo-lhe longa vida e saúde, certo de que as suas poupanças estão resguardadas. Feliz aniversário, Professor Cavaco!