Brincar com o fogo

(Marisa Matias, in Diário de Notícias, 23/12/2018)

marisa1

Não direi palavras de repúdio por quem tem dificuldades em chegar ao fim do mês com as contas pagas. Quem nunca viveu em dificuldade tem, certamente, uma enorme capacidade de solidariedade e de mobilização por quem pouco ou nada tem, mas dificilmente saberá a dura realidade de como é quando quase tudo falta.

Falo disto a propósito da recente manifestação dos coletes amarelos em Portugal. Haverá na gente que se mobilizou muita gente que não sabe o que é viver sem dificuldades. Preocupa-me a sério que não haja respostas ou que estas pessoas não vejam as respostas que poderão existir, mas custa-me tremendamente ver essas dificuldades serem aproveitadas seja por quem for.

A tentativa de apropriação deste descontentamento por parte da extrema-direita portuguesa é um facto e não matéria de opinião. Isso não é uma novidade, mas é preocupante. Temos visto isto a acontecer em muitas partes da Europa onde os vazios gerados pelo sistema têm vindo a ser paulatinamente ocupados pela extrema-direita.

As forças políticas democráticas não têm sido capazes de dar uma resposta adequada e isso tem de fazer-nos refletir muito e a sério. Mas, em Portugal, não foi apenas a tentativa de apropriação e de utilização do descontentamento alheio que me causou preocupação. Foi, sobretudo, o aparato criado e a promoção – sim, promoção – desse aparato. As reivindicações contavam com propostas como o fim das pensões vitalícias dos deputados ou dos ministros. As dos deputados já terminaram felizmente há bastante tempo e as dos ministros nunca existiram, mas na cobertura que foi feita só se referiam as reivindicações e nunca o facto de já estarem cumpridas ou de nunca terem existido tais regalias. Além disso, os meios dedicados a garantir que todos os segundos seriam cobertos diz muito, sobretudo quando a maioria das reivindicações cidadãs passa ao lado de qualquer cobertura.

De quem ajuda a formar opinião espera-se mais. Espera-se profissionalismo, mas também rigor. Um bocadinho na linha do que circulava num meme. Se alguém que dá a notícia pergunta a duas pessoas que tem ao lado se está a chover e uma pessoa diz que sim e a outra diz que não, não basta reproduzir o que diz cada uma das pessoas, é preciso abrir a janela e ver se lá fora chove ou não.

Há necessidade de derrotar o sistema vigente ou a corrupção ou de considerar outras questões fundamentais para a nossa vida comum? Sim, claro que sim. Agora vamos ao que propõem os organizadores dos coletes amarelos. Não será com a redução do parlamento a 60 deputados que resolvem os problemas que enunciam. Quem está contra o sistema não pode estar contra a diversidade e a pluralidade democráticas.

Reduzir o parlamento a 60 deputados é precisamente o contrário: é garantir que só os partidos do sistema terão assento, os mesmos que tantas contas têm a prestar em matéria de corrupção ou de má gestão dos dinheiros públicos. Para combater a corrupção são medidas concretas e não apenas declarações de intenções. Da mesma forma, o aumento dos salários não poderá ser feito através do corte nas pensões.

Dito tudo isto, não me deixo igualmente iludir com o aparente fracasso da primeira manifestação. Há muito tempo que anda muita gente neste país a tentar brincar com o fogo. Com tanto esforço, será difícil que um destes dias não nos queimemos a sério.


Eurodeputada do BE

Anúncios

DOS ANJOS 

(José Gabriel, 25/12/2018)

anjos.jpg

Séculos de discussão sobre magnos problemas como o sexo dos anjos, quantos anjos se podem sentar na ponta de uma agulha e, até mais simplesmente, onde residem e o que fazem os anjos, foram, de um golpe, resolvidos pela palavra de António Ventinhas, presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público.

Os anjos são, aleluia, os senhores Magistrados. Estão muito acima de nós – voam, portanto -, restantes mortais. O problema do sexo das puras criaturas fica, pois, a caminho de solução satisfatória – por assim dizer. Sobre o de quantos anjos se podem sentar na ponta de uma agulha é melhor não me adiantar em considerações, não me puxem pela língua, que apesar do apelido tenho pouco de angelical. 

Fica, agora, a magna questão das hierarquias, que nos anjos são as ordens Ordens Angélicas: Serafins, Querubins, Tronos, Dominações, Potestades, Virtudes, Principados, Arcanjos e Anjos, distribuídas em três Hierarquias. Muito simples e organizado, como aconselha o estatuto da divindade. 

Já nas instâncias terrenas as coisas são muito mais complicadas – é conhecida a incurável vocação dos homens para provocar os que lhes estão muito acima! Por isso, reina o escândalo no reino dos homens sobre quantos deles se podem abeirar do Coro ou Ordem maior, o mais próximo da divindade – coisa mui abominada pelas aladas figuras .

É de mais para mim, que ainda apanho uma alergia a penas. Mas os anjinhos que tenham cuidado, que não é a primeira vez que há confrontos nas celestiais paragens e, nesses tempos remotos como agora, quem se lixa é o mexilhão, perdão, o povo – que, de resto, veio a descobrir nesses eventos que os anjos também podem ser corruptos.

Corrupção

(Dieter Dellinger, 12/12/2018)

corrup

Joana Marques Vidal anda em campanha contra a corrupção e arranjou tempo de antena na Antena 1.

A rádio do Estado repete a cada momento que a Joana disse que os decisores políticos não estão interessados na luta contra a corrupção por não proporcionarem meios para isso.

Ela não sabe que os contribuintes portugueses pagam 14 salários relativamente altos a 15.948 magistrados e oficiais de justiça, investigadores da judiciária, pessoal do SEF, etc. aos quais se devem acrescentar os funcionários de investigação da Alta Autoridade Tributária e todos o pessoal da mesma autoridade porque a corrupção passa muito por formas de fuga ao fisco e, naturalmente, todo o pessoal do Tribunal de Contas.

Acrescentes-se ainda o pessoal de investigação da PSD e GNR que podem detectar transportes sem documentação adequada, etc.

Seriam quase 20 mil pessoas a trabalhar para a Justiça, mas ninguém esquece que tudo começa pelos decisores judiciais e a primeira decisora, a ex-Procuradora Geral da República, Joana Marques Vidal, foi a primeira pessoa a colaborar com a CORRUPÇÃO ao arquivar o processo dos submarinos e não inquiriu os dois decisores da compra dos submarinos, Paulo Portas e José Manuel Barroso, mais o então ministro das Finanças.

Além disso, a Joana não ligou ao caso de corrupção/roubo da Tecnoforma que obriga o Estado a devolver subsídios a Bruxelas e arquiva o caso Portucale e outros vindos da direita.

Por isso, a Joana Marques Vidal deve ao povo português explicações concretas sobre estes casos e, principalmente, o dos submarinos.

Sabemos que um dos submarinos teve de ir recentemente a Kiel fazer a revisão dos oito anos que custou aos contribuintes 24 milhões mais outro tanto para equipar o Arsenal do Alfeite com equipamento para fazer a revisão do outro submarino e as revisões normais feitas todos os anos.

Joana Marques Vidal tinha nas mãos a decisão do Tribunal Alemão que condenou dois administradores da Ferrostaal por subornarem os decisores políticos referidos na compra dos submarinos alemães e saliente-se que na Alemanha não é proibido pagar comissões para vender equipamentos.

O caso dos submarinos foi a tribunal porque os EUA proíbem a corrupção na venda do seu material e de todo o estrangeiro que contenha algum equipamento americano ou que seja produzido por empresas com capital americano como é o caso dos estaleiros navais alemães, Howaldswerk, que construíram os submarinos e pertencem em grande parte à empresa americana General Dynamics.

Ainda chegou a haver um arguido no caso dos submarinos, um advogado desconhecido, que tinha sido contratado para escrever os contratos, mas verificou-se que não teve poder nenhum de decisão e apenas fez aquilo que lhe mandaram e as “luvas” não passaram pelas suas mãos. Pelo menos não consta que as tivesse “calçado”.

Por isso, apelo à JOANA MARQUES VIDAL para se CONFESSAR e dizer porque arquivou o Processo dos Submarinos e lembre-se que uma aquisição idêntica feita pela Grécia levou a uma condenação a VINTE ANOS do então Ministro da DEFESA.

JOANA! Por uma vez sejas honesta e fala do que fizeste ou, antes, NÃO FIZESTE. Pagaram-te alguma coisa?

Nota:Isto são opiniões políticas escritas ao abrigo das liberdades Constitucionais e referem factos incontroversos relatados pela imprensa porque os submarinos foram comprados, os corruptores foram condenados por haverem corrompidos. Não corrupção há sempre dois elementos: corruptores ativos e corrompidos passivos.