Histórias do PS – Como Sócrates chegou ao Poder

(Dieter Dellinger, 09/08/2018)

socrates_feitio

(Como diz o melífluo Lobo Xavier num dos separadores da Quadratura do Círculo, “há aqui muitas histórias mal contadas”. Sim, há muitas histórias por saber e por contar sobre a política portuguesa das últimas décadas. Este artigo ajuda a esclarecer alguns detalhes de acontecimentos que, vistos de fora, não foram, à época, muito bem entendidos. Mas que, vistos de dentro, ficam claramente elucidados em termos da sua ocorrência e posterior desenvolvimento. 

Se outra não tivesse, advirá dessa elucidação a valia deste texto. Obrigado Dieter.

Comentário da Estátua, 09/08/2018) 


Quando o então PM Guterres se demitiu da chefia do governo e da liderança do PS, Mário Soares era deputado ao Parlamento Europeu e foi com os outros deputados do PS ao PE, António Campos e Sérgio Sousa Pinto, ao gabinete do então comissário Vitorino para saber o que ele pensava. Vitorino colocou-se fora da corrida.

Ferro Rodrigues tinha ficado como Secretário-Geral do PS e estava também a ser vítima dos magistrados que colocaram o nome do político no processo Casa Pia porque Paulo Pedroso tinha sido assistente de Ferro Rodrigues quando este era professor no ISEC e alguém escrevinhou um reles papel sem assinatura a dizer que Ferro Rodrigues estaria implicado e o reles juiz de instrução, sabendo que isso não era verdade deixou que o papel fosse para o processo.

Mário Soares compreendeu que estava em causa uma operação contra o PS que, por falta de provas contra Paulo Pedroso, os juízes foram obrigados a condenar outras pessoas que nada tinham a ver com a política e, talvez, nunca foram pedófilos como se está a provar agora. Os ditos miúdos foram “indemnizados” (comprados) com boas quantias, pelo que disseram tudo o que queriam que dissessem.

Soares ficou aborrecido com a demissão de Guterres e disse que foi uma pena perder-se uma pessoa tão qualificada com uma vasta cultura e uma capacidade oratória notável e gritava no gabinete de Vitorino que era preciso encontrar um SG de qualidade e com mau feitio, isto é, capaz de se impor, digam o que disserem dele.

Guterres tinha um defeito, acrescentou, é uma pessoa boa demais. Não é capaz de se vingar dos que o atacam é um verdadeiro cristão e dá a outra face, precisamos de alguém com qualidades e que tenha mau feitio e saiba impor-se, principalmente na administração pública em que muita gente julga que a liberdade democrática é fazer o que se quer ou não fazer o que deve ser feito.

O Sérgio lembrou o nome de Sócrates e Soares ficou eufórico porque conhecia a determinação dele como Ministro do Ambiente. Combinaram meter-se num avião e vir jantar com o Sócrates num pequeno restaurante perto da Boca do Inferno em Cascais. O Soares estava a chegar ao restaurante quando ouviu na rádio que o filho João se tinha candidatado a SG do PS mas disse que apoiaria o Sócrates e que era o SG com o feitio e a necessária capacidade de ação, mas voltava para casa desesperado com atitude do filho. Jantou o António Campos e o Sérgio com o Sócrates garantindo-lhes o apoio do Mário Soares.

Na verdade, todos estavam de acordo que tinham o homem certo com todas as qualidades de um grande político e um péssimo feitio, capaz de ter fúrias quando aquilo que mandou fazer não é feito. E fez um notável trabalho no ambiente ao acabar com mais de 300 lixeiras a céu aberto, substituindo-as por poucas centrais de tratamento e compostagem de lixos que nenhum concelho queria receber e ter iniciado o reordenamento da costa portuguesa, mandando deitar abaixo milhares de construções clandestinas de enchiam as melhores praias do País.

O eng. Sócrates na Boca do Inferno não deixou que lhe repetissem a proposta e pôs-se logo a trabalhar com aquele vigor que tanto o caracterizou. Mal sabia que a prazo se iria meter num Inferno apesar do seu bom Governo, mas a magistratura não perdoa que alguém que ganhe eleições e venha da esquerda. Eles odeiam a democracia.

Sócrates era o homem de “mau feitio” que a Pátria necessitava, dado que até a Igreja Católica atacou o católico militante Guterres por não ter querido cumprir a Lei da Programação Militar, comprando submarinos, caças F-16 e novas armas automáticas para substituir as G-3. O major-general capelão das Forças Armadas tinha feito essa crítica numa entrevista à rádio. Anos depois, noutra entrevista, mostrou-se arrependido e disse que não competia à Igreja querer armas para matar pessoas. Foram generais e bispos que lhe encomendaram o sermão.

Depois, os fundadores almoçaram com ele num restaurante perto das Janelas Verdes para mostrar que as mais profundas bases do PS estavam com o jovem candidato.

Sócrates com a sua energia e imensa capacidade oratória e cultura política ganhou o Congresso e as eleições que se seguiram, apesar do o Santana Lopes ter inventado a intriga do Freeport através do seu chefe de gabinete mancomunado com dois pulhas, um inspetor da PJ e um deputado municipal do CDS do Montijo. Já não havia meios para meter Sócrates também no processo da Casa Pia que ficaria todo desacreditado, apesar de me dizerem que ainda tentaram com um escrito anónimo.

Foge, António!

(João Quadros, in Jornal de Negócios, 16/12/2016)

quadros

António Guterres fez, na passada segunda-feira, o juramento da Carta das Nações Unidas e todos nos sentimos muito orgulhosos.

Podemos dizer que foi um nove e meio em termos de Orgulho Nacional Por Ver Portugueses No Poder, numa escala que vai de Durão Barroso ao cão de água português do Obama.

Assistimos a várias manifestações de alegria e emoção, mas sinto-me dividido. Por ser patriota, e vendo como está o mundo, tenho algum receio de que nos venham atribuir as culpas pela III Guerra Mundial. Já sei como é que estas coisas são. No fim, é sempre o tuga que paga.

Vão sempre lembrar que estava um António português ao leme da ONU quando a coisa se deu. Ainda nos obrigam a pagar a reconstrução do mundo, incluindo todo os bancos que foram bombardeados.

Gosto do Engenheiro Guterres e acho que esta eleição é um presente envenenado. Ele devia ter desconfiado, quando uma organização machista como a ONU queria apostar numa mulher para o cargo. A intenção era: “estão a ver como elas estão bem é na cozinha”. Não percebo como é que o Padre Melícias não o alertou. Com tanto dito popular que um bom franciscano gosta de usar, como o “quando a esmola é grande o pobre desconfia”.

Não sei como estão as apostas na bwin, mas a probabilidade de haver chatice da grossa mundial, durante o mandato de Guterres, deve pagar pouco. Só um semi-monge budista, como Guterres, entrava num edifício em chamas com aquela calma e sorriso. No actual momento mundial, a ONU é a pior reunião de condóminos do universo. A lista de broncas que já estão em andamento, junto com as que prevemos que estejam a começar, é mais extensa do que a própria Carta das Nações Unidas. Se Guterres tivesse jurado com a mão esquerda pousada sobre os problemas que vai ter de enfrentar, ou assistir, teriam de lhe arranjar um escadote. Ponho-me a pensar como é que eles o terão convencido – “eh, pá, vais trabalhar com o Trump, reunir com o Putin e jogar ao mata com o Erdogan”.

Muito sinceramente, a ter de ser um português a ocupar o lugar de secretário-geral da ONU, preferia mil vezes o Durão Barroso. Quanto mais não fosse porque sempre tinha menos poder do que estando no Goldman Sachs. E, como ele já tem um bom currículo em termos de contribuir para dar cabo da paz e de organizações de nações, não seria surpresa para ninguém se ficasse associado ao fim do mundo.

Se eu fosse o Engenheiro Guterres, preparava um plano B no caso de isto ir mesmo dar para o torto. Nem seria preciso inventar muito. Pelo contrário, seria uma sequela. Muito simples. Caso a Le Pen vencesse as eleições presidenciais em França, Guterres diria que sentia este resultado, das eleições francesas, como uma derrota pessoal e de como o seu discurso, como secretário-geral da ONU, não tinha tido apoio e demitia-se.

Boa sorte, Senhor Engenheiro.


TOP 5

ONU

1. José Eduardo Moniz ou Laurinda Alves podem correr pelo PSD à Câmara de Lisboa – Eu apostava no Medina Carreira. Medina contra o Medina. Ou no Paulo Macedo, só para baralhar ainda mais a situação na CGD.

2. Rui Rio sugeriu um imposto para pagar a dívida pública – um tipo de direita que entra com o pé esquerdo.

3. Os irmãos iraquianos ausentaram-se para Istambul – a noite lá é mais segura.

4. Face Oculta: Manuel Godinho já pode sair do país – vai fazer “interrail” com o Salgado e gamar os carris.

5. A Associação da Imprensa Estrangeira em Portugal atribuiu ao seleccionador português de futebol, Fernando Santos, o prémio Personalidade do Ano – faltou ao Professor Marcelo Rebelo de Sousa uma “selfie” com a Associação da Imprensa Estrangeira em Portugal.

O dia em que ele chegou ao topo do mundo

(Nicolau Santos, in Expresso Diário, 12/12/2016)

nicolau

António Guterres tomou hoje posse como secretário-geral das Nações Unidas. O mundo que tem pela frente é complexo, imprevisível e perigoso, muito perigoso. Competência tem-na de sobra. Esperemos que tenha sorte.

Os portugueses tem uma enorme tendência para se apoucarem e para menosprezar o que de muito bom se vai fazendo por cá. E não vou falar de coisas materiais, mas sim de pessoas, da sua preparação, da sua competência, da sua qualidade, aquilo que na verdade faz mover um país. António Guterres é obviamente uma pessoa excepcional. Mas é português e licenciou-se no Instituto Superior Técnico, tendo sido o melhor aluno de sempre de uma das mais prestigiadas faculdades do país. Aprendeu com professores portugueses, numa universidade portuguesa, com colegas portugueses. Por outras palavras, Guterres é um produto português.

Depois, num país ainda muito avesso à cultura da avaliação, Guterres bateu-se não com um, dois ou três candidatos mas com nove candidatos, oriundos de vários países, em várias rondas de análise. Venceu todas e foi consolidando a sua vantagem ao longo dos exames. Finalmente, quando de repente, saída do nada mas apoiada pela Comissão Europeia, numa manobra muito pouco dignificante, surgiu uma nova candidata, Guterres voltou a vencer sem margem para dúvidas e de forma ainda mais clara. Ou seja, quando foi dada a oportunidade, num processo altamente transparente e democrático, de vários candidatos se apresentarem e disputarem o cargo de secretário-geral das Nações Unidas, foi um português que venceu. E isso diz muito sobre a pessoa mas diz seguramente também alguma coisa do meio onde cresceu, da sua família, do seu percurso académico, do seu país.

Quer isto dizer que o mandato de Guterres vai ser um indiscutível sucesso? Não se pode dizer. O mundo está mais crispado do que há uns anos. Os Estados Unidos de Donald Trump começam a irritar a China, com as suas pretensões de reconhecer Taiwan ou de acusar Pequim de ser um especulador cambial ou de ameaçar os produtos chineses que entram no mercado norte-americano com uma sobretaxa de 45%. Convém lembrar que a China é o maior detentor de obrigações do Tesouro norte-americano e que continua a ser um forte comprador. Convém lembrar que se Trump quer mesmo lançar um fortíssimo programa de investimento em infraestruturas públicas vai necessitar de obter financiamentos internacionais. Talvez não seja grande ideia irritar o maior financiador dos Estados Unidos…

Na Europa, o maior problema é a ascensão de líderes populistas e de extrema-direita, que podem chegar ao poder na Holanda e em França, e que já marcam posição em países do Leste. Mas as tensões xenófobas vão alastrando um pouco por todo o Velho Continente, com eventual exceção até agora da Península Ibérica. Por outro lado, as relações entre a União Europeia e a Rússia já conheceram melhores dias. Moscovo dá como adquirido a anexação da Crimeia. As sanções económicas europeias à Rússia mantém-se. Mas é da Rússia que vem a maior parte da energia de que a União necessita.

No Médio Oriente, o conflito israelo-palestianiano arrasta-se há tantos anos que já ninguém tem esperanças que um dia se venha a resolver. Mas há ainda os casos da Síria, da Líbia ou do Iraque, que estão muito longe de estar estabilizados. O norte de África está, quase todo, a contas com o terrorismo e o Daesh é uma ameaça muito longe de ter sido erradicada. Por isso, o drama dos refugiados que acorrem à Europa vai continuar a manter-se, um drama que Guterres conhece bem, mas que não será resolvido sem que toda a comunidade internacional se envolva no tema. E o que se tem visto na Europa é a emergência dos egoísmos nacionais e a hostilização dos migrantes, com a construção de muros nas fronteiras e a indiferença perante a morte por afogamento de milhares de pessoas no Mediterrâneo.

No plano das alterações climáticas, Guterres também enfrenta a nova posição de Washington, que coloca em causa não só as teses do aquecimento global como se prepara para rasgar alguns dos acordos que assinou e para libertar regiões protegidas do seu território para a exploração de recursos petrolíferos. E o novo secretário-geral das Nações Unidas vai ainda enfrentar dois outros problemas com a administração Trump: a desvalorização que faz dos organismos internacionais e, como resultado, a redução dos montantes em que as financia; e o pouco apreço que Trump mostra pelo diálogo, a não ser que no final todos concordem com ele.

Digamos, pois, que todas as melhores capacidades de Guterres – a sua competência, a sua preparação, a sua memória, a sua cultura, a sua fabulosa capacidade de diálogo – serão postas à prova nos próximos anos. O seu sucesso será o sucesso do mundo. Mas se acontecer, será sobretudo o sucesso de um português que hoje chegou ao topo do mundo por indiscutível mérito próprio.