Hanôver — a cerimónia da despedida

(Carlos Matos Gomes, in Medium.com, 30/05/2022)

Wrap up — as reuniões (os meetings) da Europa terminam habitualmente com uma cerimónia de despedida — uns copos, umas tapas e umas palavras de circunstância — que se designa wrap up.

António Costa vai à Hannover Messe a maior feira de tecnologia industrial do mundo, em que que Portugal será, pela primeira vez, país parceiro. Não é difícil ser suficientemente realista para considerar que vai a uma wrap up pelo papel que a Alemanha desempenhou na Europa e no mundo após o final da Segunda Guerra.

A Feira de Hanôver realiza-se desde o fim da II Guerra Mundial e a sua importância acompanhou o papel da Alemanha como locomotiva europeia e grande potência industrial. Este papel deve-se a condições de organização interna da Alemanha (RFA e depois unificada), à opção pela indústria pesada e pelos produtos de alto valor acrescentado, mas também à sua localização geográfica, no centro da Europa, fazendo de placa giratória entre a Europa Ocidental e a Oriental.

A Europa do pós-guerra assentou numa parceria franco-alemã. Em que, de forma muito simples, a Alemanha fazia de formiga e a França de cigarra. Após o fim da Guerra Fria a Alemanha também tomou os novos países “democráticos” do Leste a seu cargo, em particular a Polónia. Em parte o sucesso e o vigor da Alemanha deve-se a uma relação de mútuas vantagens com a Rússia, que fornecia a energia para a Alemanha a baixo custo e também matérias-primas essenciais, materiais ferrosos e cereais. A Alemanha é (era) o maior parceiro da UE com a Rússia (o maior investidor), a Rússia fornecia 41% do gás e 34% do petróleo. O novo gasoduto Nordstream permitiria a Alemanha importar gás da Rússia sem passar pela Ucrânia, nem pela Polónia, nem pelos Estados Bálticos (curiosamente os mais agressivos contra a Rússia).

A guerra da Ucrânia destruiu esta estratégia alemã e russa de criar um novo espaço económico e político no centro da Europa, entre a China e os Estados Unidos. Só motivos exteriores muito fortes podem justificar a intervenção — a invasão — da Rússia na Ucrânia e a morte no ovo desta nova entidade. Esta guerra só aproveita aos Estados Unidos e, por tabela, à China. Cherchez la femme.

A Ucrânia, os ucranianos, estão a pagar com a sua própria destruição a destruição da Alemanha e até da França — o eixo franco-alemão que foi o pilar da EU — como atores relevantes no mundo no médio-prazo. Os oligarcas ucranianos e a sua marioneta serviram e estão a servir de quinta coluna para entregarem a soberania do seu povo e do seu território. A intensidade da campanha de manipulação na comunicação social a que assistimos revela a dimensão do logro de que a invasão da Ucrânia resultou de um espasmo do maldito Putin a que os ucranianos estão a resistir heroicamente! (Estão a ser sacrificados!)

Esta Feira de Hanôver como a maior feira industrial mundial será, infelizmente e com elevada probabilidade, uma das últimas, isto porque a Alemanha, sem energia barata, ameaçada a Este e Oeste, vai deixar de ser o dínamo que produzia riqueza para a Europa, vai deixar de ser competitiva com a China ou com a Índia. O afundamento da Alemanha arrastará o da França e o de toda a Europa Ocidental, Itália incluída. A destruição do modo de viver europeu (o estado de bem-estar) causará inevitáveis convulsões sociais em toda a Europa.

Não deixa de ser surpreendente que os mesmos políticos que se deslocam a Hanôver de sorrisos de orelha a orelha e os empresários que os acompanham sejam os mesmos que estão a destruir (ou já destruíram) as bases em que assentou a elevação de Hanôver a maior feira industrial do mundo. Portugal foi convidado para a cerimónia que nas celebrações europeias se designa como wrap up, a da despedida. Presumo que para a próxima será convidada a Polónia… o novo estado vassalo dos EUA na região.


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

Alemanha: As eleições tornaram-na instável

(Michael Roberts, in Resistir, 28/09/2021)

O resultado das eleições federais alemãs foi quase exactamente como as sondagens de opinião previam. Os sociais-democratas (SPD) obtiveram a maior parte dos votos (25,7%), mais 5,2% pontos do que na catástrofe de 2017. A percentagem de votos da União Social Cristã Democrática e Cristã (CDU-CSU) desceu para 24,1%, a sua percentagem mais baixa desde a sua formação. Os Verdes contados obtiveram 14,8%, menos do que as sondagens anteriores haviam previsto, mas ainda assim o melhor resultado de sempre para eles (mais 5,8% pontos). O partido das pequenas empresas, os Democratas Livres do Mercado (FDP) obtiveram 11,5% (ligeiramente acima de 2017).

Alemanha encaminha-se para governo de três partidos após eleição renhida
Alemanha encaminha-se para governo de três partidos após eleição renhida.

O Die Linke de esquerda sofreu muito, caindo para apenas 4,9%, contra 9,2% em 2017. Parece que muitos eleitores de esquerda mudaram para o SPD a fim de derrotar a CDU-CSU. A alternativa anti-imigração para a Alemanha (AfD) também perdeu terreno, caindo 2,3% pontos, embora tenha mantido a sua base eleitoral nas partes mais pobres da Alemanha Oriental.

A afluência global foi de 76,6%, apenas 0,4% acima de 2017. Isto parece elevado em comparação com as eleições nos EUA ou no Reino Unido, mas na realidade é baixo para os padrões alemães mesmo depois da anexação da Alemanha de Leste em 1990, onde a votação é mais baixa.

Comparecimento de votantes em eleições gerais na Alemanha de 1949 a 2017
Comparecimento de votantes em eleições gerais na Alemanha de 1949 a 2017.

Como previsto por mim, a percentagem de votos dos dois principais partidos caiu abaixo dos 50% pela primeira vez na história da República Federal. E dada a participação, isso significou que ambos os partidos obtiveram menos de um quinto de cada um dos 61 milhões de votos elegíveis – dificilmente uma vitória. A política alemã fragmentou-se – não são boas notícias para os capitalistas alemães, pois tornou-se mais difícil assegurar a “continuidade” para os interesses do capital.

Nenhum partido tem uma clara maioria no Bundestag, pelo que haverá meses de disputas. O líder do SPD Olaf Scholz deve ser o favorito para formar uma coligação governamental, mas os potenciais parceiros, os Verdes e o FDP, não concordam com as políticas económicas e sociais, e o FDP do ‘mercado livre’ preferiria uma coligação com a CDU-CSU. O SPD e os Verdes querem formar uma coligação, mas o FDP terá de ser persuadido, oferecendo-lhes o Ministério das Finanças e, por conseguinte, impedindo qualquer aumento de impostos ou regulamentação sobre as empresas e não permitindo que a dívida do governo aumente ainda mais, ou seja, um grau de “austeridade”. Os Verdes querem acelerar o avanço da Alemanha no sentido da redução das emissões de carbono, mas não têm nenhuma política crível para o conseguir dentro das restrições impostas pelo capitalismo alemão. Os aumentos dos salários mínimos e a redução do limite de velocidade nas auto-estradas alemãs são mais ou menos até onde poderão ir.

A Alemanha é o estado mais populoso da UE e a sua potência económica, sendo responsável por mais de 20% do PIB do bloco. A Alemanha tem preservado a sua capacidade de produção muito melhor do que outras economias avançadas. A manufactura ainda representa 23% da economia alemã, em comparação com 12% nos Estados Unidos e 10% no Reino Unido. E a indústria transformadora emprega 19% da mão-de-obra alemã, em comparação com 10% nos EUA e 9% no Reino Unido.

O êxito relativo do capitalismo alemão em comparação com outras grandes economias europeias tem sido baseado em três factores. O primeiro é que a indústria alemã utilizou a expansão da União Europeia para relocalizar os seus sectores-chave em áreas salariais mais baratas (primeiro, Espanha e Portugal, e mais tarde na vizinha Europa de Leste). Isto contrariou a queda acentuada da rentabilidade do capital verificada nos anos 70 (tal como em muitas outras grandes economias capitalistas).

Alemanha: taxa de lucro (%)
Alemanha: taxa de lucro (%).

Em segundo lugar, o capitalismo alemão foi o que mais beneficiou com a criação da zona da moeda única, colocando-a em forte posição competitiva no comércio dentro da zona Euro e mantendo baratas as compras de capital no estrangeiro.

Finalmente, as chamadas reformas laborais Hartz introduzidas sob o último governo do SPD criaram um sistema salarial duplo que manteve milhões de trabalhadores com salários baixos como empregados temporários a tempo parcial para as empresas alemãs. Esta é uma versão moderna do que Marx chamou um “exército de reserva de mão-de-obra”. Estabeleceu a base para o forte aumento da rentabilidade do capital alemão desde o início dos anos 2000 até ao colapso financeiro global.

Cerca de um quarto da mão-de-obra alemã recebe agora um salário de “baixo rendimento”, utilizando uma definição comum de um salário que é inferior a dois terços da mediana, o que é uma proporção mais elevada do que todos os 17 países europeus, excepto a Lituânia. Um estudo recente do Institute for Employment Research (IAB) descobriu que a desigualdade salarial na Alemanha aumentou desde os anos 90, particularmente na parte inferior do espectro de rendimentos. O número de trabalhadores temporários na Alemanha quase triplicou nos últimos 10 anos para cerca de 822 mil, de acordo com a Agência Federal de Emprego.

Assim, a reduzida proporção de desempregados na mão-de-obra alemã foi conseguida à custa dos rendimentos reais dos que trabalham. O receio de baixos benefícios se ficar desempregado, juntamente com a ameaça de deslocar empresas para o estrangeiro para o resto da zona Euro ou Europa de Leste, combinaram-se para forçar os trabalhadores alemães a aceitarem aumentos salariais muito baixos, enquanto os capitalistas alemães conseguiram uma grande expansão dos lucros. Os salários reais alemães caíram durante a era da Zona Euro e estão agora abaixo do nível de 1999, enquanto que o PIB real per capita alemão aumentou quase 30%.

Crescimento dos salários na Alemanha, % homóloga
Crescimento dos salários na Alemanha, % homóloga.

No entanto, mesmo o capitalismo alemão, a economia capitalista avançada mais bem sucedida do mundo, não conseguiu escapar às forças descendentes da longa depressão. Desde o colapso financeiro global em 2008-9, a rentabilidade alemã estagnou e depois começou a cair a partir de 2017, mesmo antes da queda da COVID em 2020. A rentabilidade está agora próxima dos mínimos do início da década de 1980.

Rentabilidade líquida do capital alemão (indexada), mensuração AMECO
Rentabilidade líquida do capital alemão (indexada), mensuração AMECO.

A queda da COVID foi um desastre para as fortunas do governo Merkel. A taxa de mortalidade do COVID pode ter sido mais baixa do que em França, Itália ou Espanha, mas foi muito mais elevada do que na Escandinávia (excepto na Suécia). E tal como no Reino Unido, os políticos de direita tiraram partido do investimento em empresas privadas de equipamento da COVID para ganhar dinheiro. O governo não conseguiu a seguir gerir as cheias de Verão extremamente prejudiciais que afectaram milhões. A economia alemã ainda não recuperou para níveis pré-pandémicos.

PIB real alemão por trimestre
PIB real alemão por trimestre.

E os níveis de produtividade são mais baixos do que há dez anos.

Produto por empregado (indexado)
Produto por empregado (indexado).

O sector transformador da Alemanha conduzido pela energia enfrenta sérios problemas na tentativa de cumprir os objectivos de aquecimento global. O seu principal destino de exportação após os EUA é a China; e a China está a abrandar, enquanto os EUA exigem que a Europa reduza as suas ligações comerciais e de investimento com a China. E a União Europeia já não é a vaca leiteira para o capital alemã. Os próximos quatro anos para o capitalismo alemão vão ser muito mais difíceis do que os últimos quatro.

Ao contrário da impressão geral, a Alemanha não é uma sociedade igualitária. As disparidades regionais são grandes (entre Ocidente e Oriente) e, embora a desigualdade de rendimentos não seja grande segundo os padrões internacionais, a desigualdade de riqueza está entre as piores da Europa.

G7: Desigualdade de riqueza e rendimento (índice Gini)
G7: Desigualdade de riqueza e rendimento (índice Gini).

O SPD ganhou (por pouco) porque obteve muitos votos da esquerda. Estes eleitores esperarão algumas mudanças: mais e melhores serviços públicos; impostos sobre os ricos; salários mais elevados. E dentro do SPD, há uma ascensão da esquerda, particularmente na secção da juventude, que quer acção. Scholz vai ter dificuldade em satisfazer as exigências das suas bases e permanecer numa coligação com gente como os FDP.


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

Hamilton ainda não se avista

(Viriato Soromenho Marques, in Diário de Notícias, 23/05/2020)

A nossa insaciável necessidade de boas notícias, perante o espetáculo de uma União Europeia (UE) que se arrasta à beira de uma crise em aceleração, levou algumas boas almas por essa Europa fora a saudar o projeto de um fundo de recuperação, apresentado em videoconferência pela chanceler Angela Merkel e pelo presidente Emmanuel Macron, a 18 de maio, como sendo um “momento Hamilton” europeu, uma quebra por Merkel do seu tabu contra uma “união de transferência”.

Infelizmente, este novo projeto franco-alemão é apenas uma versão desmaiada da Declaração de Meseberg, assinada pelos mesmos dois protagonistas a 19 de junho de 2018, e que terminou em nada. Em 2018, ainda se falava de um “orçamento para a zona euro” (uma proposta de Macron que Merkel demorou nove meses a aceitar de modo timorato). Um orçamento comum da zona euro iria obrigar à reforma dos tratados, podendo aí falar-se da eventual constituição do embrião de um orçamento federal, vinculando fiscalmente cidadãos e empresas na formação do Tesouro europeu.

Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

Neste caso, o que é proposto, sempre numa linguagem muito ambígua, é um reforço do orçamento da UE, a partir de um empréstimo contraído pela Comissão Europeia tendo por base os recursos próprios da União. Embora não seja indicada nenhuma alteração das fontes de financiamento do orçamento europeu, que persistem há décadas, suspeito que o simples inevitável aumento das contribuições dos Estados quando for necessário saldar o empréstimo no próximo quadro plurianual irá levantar desde já obstáculos intransponíveis no Conselho Europeu de junho (como a Holanda e a Áustria já anunciaram). Acresce que só o Conselho Europeu, e não o dueto do Reno, decidirá sobre qual a modalidade que assumirá a transferência das verbas para as regiões e os setores mais atingidos pela pandemia. A questão do equilíbrio entre subsídios a fundo perdido e empréstimos permanece em aberto.

O plano que Alexander Hamilton (1755-1804), o primeiro e genial secretário do Tesouro dos EUA, lançou em 1790 e 1791 não tem qualquer semelhança com estes jogos florais da pequena política europeia. Hamilton falava em nome de um governo cuja Constituição tinha sido estabelecida dois anos antes, com legitimidade eleitoral e capacidade fiscal.

O seu plano era económico e transformacional, contendo três medidas fundamentais, duramente discutidas: a) mutualização de toda a dívida estadual (contraída durante a Guerra de Independência), transformada em dívida federal (trocando os títulos antigos por novos), restaurando a confiança dos mercados com o pagamento de juros e a promessa futura de vencimento; b) criação do banco nacional, com a missão de ser o credor de última instância para o frágil e desorganizado sistema bancário da época, e fonte de recurso para o financiamento público; c) criação de um plano de fomento industrial para o emprego e a revitalização económica. Na UE de 2020, a única coisa certa é que até 5 de agosto o relógio da contagem decrescente do ultimato do Tribunal Constitucional alemão, ameaçando paralisar a ação crucial do BCE, continua a fazer tiquetaque.

Professor universitário