Ninguém confia na banca. Confiam que o Estado pagará a fatura

(Daniel Oliveira, in Expresso Diário, 23/12/2015)

         Daniel Oliveira

                       Daniel Oliveira

Sei que, sendo o Estado o principal acionista do Banif, uma solução sem perdas para o contribuinte era já uma impossibilidade. Sei que a decisão de deixar falir um banco ou de repercutir as suas perdas em parte dos depositantes – injusto, mas menos do que dividir essa fatura por todos os contribuintes – seria uma catástrofe para a Madeira e os Açores (onde o Banif tem um terço do mercado) e teria um efeito perigoso na confiança dos emigrantes na banca portuguesa. Sei que repetir números como o BPN ou o BES só nos poderia guardar más surpresas para o futuro. Sei que a solução menos má – a absorção do Banif pela CGD – foi proibida pela Comissão Europeia que, em todo este dossier, teve um papel lamentável pelo qual, sendo uma estrutura que não depende do voto, nunca terá de responder. Mas mesmo assim não consigo aceitar sem revolta que, mais uma vez, o meu dinheiro sirva para pagar os riscos de um negócio que já se adaptou a esta perversidade: os lucros são deles, os prejuízos são nossos.

Concordo que é fundamental para a economia que haja confiança no sistema financeiro. Mas, na realidade, não há qualquer razão para essa confiança. A banca não é hoje merecedora de tal coisa. Com a dimensão e complexidade que ganhou, essa confiança, a existir, só pode ser cega. E não é apenas um problema dos reguladores. Com cada vez mais opacos e complexos serviços e produtos, a banca que hoje temos é incontrolável e impossível de regular. O problema não é deste ou daquele gestor. O problema não é dos ”malandros dos banqueiros”. O problema é de um capitalismo financeiro insustentável e disfuncional, que foi deliberadamente desregulado e que está a sugar recursos à economia e ao Estado. E que só se consegue manter assim porque mantém os povos sob chantagem.

Na realidade, ninguém sensato e informado tem hoje qualquer confiança no sistema financeiro. Confiamos apenas que no fim o Estado pagará a conta. Confiamos no Estado. E enquanto o Estado pagar a fatura continuaremos a confiar, aceitando a irresponsabilidade da banca perante o risco.

O Estado é como o pai de um jogador que, perante os azares do filho, continua a pagar-lhe as dívidas, garantindo que, por mais asneiras que o filho faça, todos podem estar descansados. Continuará a ser recebido em todos os casinos para gastar o dinheiro do pai.

Sei, sabemos todos através da Lehman Brothers, o preço de deixar falir um banco. E no caso do Banif até sabemos que é tarde demais para isso. A fatura para os contribuintes era já mais do que certa. Mas não podemos aceitar que isto continue. Não podíamos depois do BPN, não podíamos depois do BES, não podemos depois do Banif.

Das duas uma: ou a banca é privada e é sustentada pelos privados, ou é sustentada pelos contribuintes e é pública. Se não pode falir tem de ser do Estado, se é privada tem de poder falir.

E não me venham com o fantasma da economia estatizada. Economia estatizada é este sistema, em que se socializa o risco e se privatiza o lucro. Já chega. Estou farto que o dinheiro do meu trabalho, pago através dos meus impostos, sirva para financiar bancos privados. Se fosse para isso, que ao menos financiasse atividades realmente produtivas, que criam emprego e riqueza.

Temos de defender a confiança no sistema financeiro. Isso não se faz continuando a substituir a desconfiança que os bancos merecem pela confiança que o Estado garante através da socialização do risco. Estamos a alimentar uma mentira. As pessoas não têm razão nenhuma para confiarem na banca e não a vão querer controlar enquanto o Estado lhe for aparando os golpes. Estamos a dar garantias à irresponsabilidade geral. A curto prazo, faz todo o sentido. A longo prazo é um suicídio.

Advertisements

2 pensamentos sobre “Ninguém confia na banca. Confiam que o Estado pagará a fatura

  1. Chamem-me reaccionário as vezes que quiserem, mas não compreendo como é menos injusto para um emigrante na Suíça perder 300 mil Euros de uma vida de trabalho e poupanças em veículos tóxicos do BES que ele compreendia mal (ver JN), mas que lhe foram provavelmente garantidos pelo gestor de conta, do que cada um de nós desembolsar 300 Euros pelo BANIF. Na verdade, os mais pobres, que não pagam impostos porque não ganham que chegue para isso, não desembolsam nada. Perdem, claro, porque o dinheiro que vamos enterrar no BANIF poderia ser melhor usado em serviços públicos. Na verdade, o Estado garante os Bancos porque garante as poupanças da classe média que o sustenta com os seus impostos. É bom que se diga isto. Não se anula o risco moral recusando salvar instituições em que, como no caso do BES, o Estado empenhou a sua palavra. Anula-se o risco moral acabando com a gestão de risco dos bancos e responsabilizando civilmente e se necessário criminalmente os gestores que nos levaram a este estado de coisas, proibindo operações especulativas à banca comercial e se necessário nacionalizando a Banca, pelo menos em parte. Mas isso a UE não deixa…

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s