DEIXEM-NOS IR A BANHOS NUM AMBIENTE DE TRANQUILIDADE PÚBLICA sff

(In Blog O Jumento, 16/07/2018)

marcelo_preocupado

(A preocupação de Marcelo com o caso de Tancos é genuína? Se é, a sua actuação é o cúmulo da ineficácia: Ele, Comandante Supremo das Forças Armadas, só teria que chamar os Generais e pedir-lhes contas; só teria que que chamar as magistraturas, as polícias, a Procuradora Geral da República e pedir-lhes contas sobre a falta de resultados das suas investigações. Em vez disso, Marcelo publica uma nota de imprensa e sopra mais uns “recados” para o Expresso, para este produzir a manchete da semana.

Ficámos assim esclarecidos sobre a dimensão das preocupações de Marcelo e sobre a gravidade do caso. 

 Comentário da Estátua, 16/07/2018


A letargia da época foi interrompida no passado sábado, com a notícia do Expresso que dava conta de um relatório do MP onde se dizia que uma parte do equipamento militar que terá sido roubado em Tancos ainda não tinha sido recuperado, podendo ser usado em ataques terroristas, assaltos a caixas ATM e outras maldades merecedoras de medo por parte da população.

O alarme público foi tal que a Presidência da República se apressou a informar que o “Presidente da República reafirma, de modo ainda mais incisivo e preocupado, a exigência de esclarecimento cabal do ocorrido com armamento em Tancos.”.  a notícia já nos tinha deixado a tiritar de medo, o comunicado presidencial deixou-nos preocupados, perante tantos perigos o Presidente parece estar mais preocupado com apuramentos de verdade do que com os riscos. EM vez de tranquilizar, o comunicado presidencial atira achas para a fogueira do alarme público.

Mas se pensarmos um pouco, talvez não seja de nos assustarmos muito. É óbvio que uma arma pode ser usada num atentado, num assalto ou mesmo num crime de violência doméstica e por aquilo que se vai ouvindo nas notícias não são as armas de Tancos que vão inundar o nosso mercado.

Que se saiba, não foi por falta de uns cartuxos de explosivos que até aqui não ocorreram assaltos a caixas multibanco, se tudo o que é utilizado para fazer explodir uma caixa ATM merecesse um alarme público teríamos de pensar na apreensão da garrafas de gás, para não referir os adubos e produtos químicos que podem ser comprados livremente e com os quais qualquer amador produz um explosivo.

Pensar que é o resultado do roubo a Tancos, do qual há quem sugira que nem terá ocorrido, que aumenta o risco de atentados só merece uma gargalhada. Os terroristas que atacaram em França não usaram pistolas, usaram espingardas de assalto AK47, quem nem sequer foram adquiridas em França. Aliás, nenhum atentado na Europa foi realizado com pistolas de 9mm e só um terroristas desastrado recorreria a pistolas, já que as únicas metralhadoras que usam estas munições são as velhinhas FBP ou a Lusa, produzida mais recentemente para as forças policiais. Os terroristas preferem as Ak 47.

Enfim, deixem-nos ir para banhos tranquilamente, já que não ocorreram incêndios, nenhum quartel foi assaltado, ninguém morreu numa urgência, nenhum hospital foi atingido pela legionela, vamos aproveitar algumas abertas no mau tempo e dar uns mergulhinhos e os senhores do MP que façam o mesmo, para refrescar ideias, porque depois das férias judiciais vem aí um novo Procurador-Geral.


Fonte aqui

Anúncios

O AZAR DA OPOSIÇÃO

(In Blog O Jumento, 10/07/2018)

marcelo_masc

Com o salvamento das crianças tailandesas a Judite pode voltar a Lisboa e ir para o cabeleireiro restaurar a cabeleira, o país vai para férias e já pode esperar pela final do mundial de forma tranquila, ainda que incomodado de vez em quando com as pequenas chantagens da pequena Catarina Martins que, curiosamente, tem andado com o penteado mais cuidado do que a Judite Sousa.

Os meses de junho e de julho não foram grande coisa para a oposição, os putos tailandeses deram cabo da manobra do simulador do ISP montado pela Assunção, o pobre do Rio quase emergiu na gruta e o Marcelo só é vedeta porque o WhattApp foi invadido por piadas sobre o seu papel no salvamento das crianças.

Agora que as nossas oposições afiavam os dentinhos na esperança de algum incêndio lhes permitir dizer que o governo tinha voltado a falhar no combate aos incêndios, tiveram o Azar dos Távoras e nada ardeu, ainda por cima as televisões desviaram as atenções para bem longe, para outra parte do mundo.

O António Costa lá vai passeando perante uma oposição que se vai afundando na falta de motivos, quando se aposta tudo em organizar espetáculos para a televisão pode-se ter o azar de serem as televisões a trocarem-nos as voltas.


Fonte aqui

O PR e Marcelo

(Carlos Esperança, 29/06/2018)

DESMAIO

O PR é o cidadão simpático, culto, inteligente e bem preparado para o cargo que exerce. Marcelo é o titular hipercinético, que fez caminho como comentador pago, e se mantém no ramo, de graça.

O PR é um constitucionalista eminente que conhece bem as suas atribuições, mas que se deixa arrastar por Marcelo e invade atribuições alheias, incapaz de se refrear, a caminho de um segundo mandato, se a saúde e o desgaste o permitirem.

DESMAIO1

O desmaio público foi um plágio ou uma infeliz coincidência com o que a aconteceu ao seu antecessor, que acordou ao colo dos militares. A comunicação social não falou mais do assunto, e um país exigente devia pedir explicações. A eventual falta de saúde não é apenas um prejuízo para as televisões, é perigosa para a harmonia institucional que o PR preserva e Marcelo se excita a desafiar. Era tempo de sabermos, através de um boletim médico isento, a causa do aparatoso desfalecimento.

Quem nunca tenha passado os olhos pela Constituição, há de pensar que o PR comanda a política externa, uma reserva exclusiva do Governo, mas o espetáculo público a que Marcelo se presta, sem prejuízo grave para as instituições, serve o narcisismo do PR e agrada aos jornalistas, imprescindível no período em que o País vai a banhos.

O PR está onde deve e Marcelo nos restantes sítios. Marcelo foi à Rússia ver o futebol e comentar jogos e o PR visitou Putin e levou cumprimentos a Trump. Quem se habituou a dez penosos anos de Cavaco, rejubila com Marcelo.

Cavaco deixava que o País fosse enxovalhado, sem inteligência nem cultura para retorquir, Marcelo foi capaz de dizer a Trump, com subtileza, que, tal como Ronaldo, não seria eleito em Portugal. Portugal é diferente e Marcelo não é um empreiteiro.

A devoção pia que devora Marcelo e contamina o PR, não lhe permitiu assistir à criação de 14 cardeais e ir ao beija-mão do papa e de mais um purpurado autóctone. No mesmo dia, o PR falou de igual para igual com o homem mais poderoso e perigoso do mundo e, assim, Marcelo não esfolou os joelhos nem ouviu às 17h 39m (hora portuguesa) de ontem, os sinos do carrilhão da Basílica de Fátima a tocaram para assinalar a elevação do bispo da Diocese de Leiria-Fátima a cardeal.

Certamente que algum assessor lhe guardou uma gravação.