SEMANADA

(In Blog O Jumento, 04/04/2018)
culto_marcelo
Esta foi a semana em que o soviete do MP se reuniu em congresso para adoptar as diretivas que vai dirigir ao governo em matéria de justiça. Como seria de esperar nestas iniciativas sindicalistas organizadas segundo o melhor estilo soviético, o grande acontecimento sindical foi antecedido por muito foguetório, o sassarico foi de tal forma grande que por pouco era tema de debate no parlamento europeu, depois do perigoso Mário ter sido apanhado há uma ano a ver um jogo do Benfica.
Quem não deve ter reparado em nada foi o Presidente da República, tão dado a fazer comentários sobre tudo o que se passa, pronunciando-se sobre os temas do dia de manhã, à tarde e à noite, nesta semana quase não reparou em nada, se não fosse a legionella da CUF dir-se-ia que meteu férias. Os portugueses estão a ficar dependentes dos seus comentários, pelo que o seu silêncio em casos como a parvoada justiceira e o negócio das crianças da IURD, estão a fazer com que muitos portugueses comecem a ter sintomas da síndrome da abstinência.
A líder do CDS também deve andar um pouco distraída, depois de todo o ruído que fez quando se registaram casos de legionella no Amadora-Sintra, esqueceu-se de fazer o competente aproveitamento político, agora que o azar bateu à porta do hospital dos Mellos. Faltou-lhe imaginação, poderia ter acusado o governo de não fiscalizar devidamente os hospitais privados.
Menos distraído andou Passos Coelho, que continua firme e hirto mais a sua bandeirinha, sentadinho ao lado de Hugo Soares, enquanto Rui Rio continua a gozar das suas férias prolongadas lá para os lados do Porto. Passos não se limita a servir de pau da bandeira na primeira fila do grupo parlamentar do PSD, também fez um pequeno comício em que questionou o governo sobre as crianças da IURD. Não deve ter reparado em quem deixou a IURD levar as crianças pela porta da frente da Justiça.

Legionela da Malcata

(João Quadros, in Jornal de Negócios, 10/11/2017)
quadros

João Quadros

Confesso que estou preocupado com este surto de legionella. Primeiro, porque preocupa-me que uma pessoa vá a um hospital e saia de lá mais doente do que entrou. Segundo, e mais importante, sou um bocado hipocondríaco. Dada a minha idade, fico assustado com o sistema de saúde e dá para imaginar uma conversa, após o jantar, em casais de reformados:

– E se fôssemos ao Santa Maria?
– Está a arder!
– E ao São Francisco Xavier?
– Tem legionela.
– Tu não queres é ir sair!

Há uma espécie de salve-se quem puder. O cunhado da minha porteira, que eu gosto de citar porque vive bem e não sei do que vive, disse: “Ao menos, em Santa Maria, mataram a legionela com fogo”. A verdade é que se o cito muitas vezes é porque ele está aqui ao meu lado com uma catana apontada ao meu pescoço. Felizmente, não sabe ler.

Como sempre, tivemos o nosso Presidente a visitar os doentes. Esteve bem, até porque não havia incêndios nem outro género de catástrofes, mas gostava de esclarecer que Marcelo Rebelo de Sousa, depois do mergulho no Tejo, ficou imune à legionella.

Vamos ao que interessa: vi a primeira conferência da senhora Graça Freitas, que era o rosto número dois da Saúde Pública no país, depois de Francisco George (que foi brilhante no seu cargo, apesar de sofrer de licantropia e não ser possível ir com ele a uma conferência em noites de lua cheia), e achei que ela estava demasiado relaxada. Aquele sorriso e a forma como disse que as pessoas que morreram tinham setenta anos e estavam fraquinhas, como se elas tivessem cento e oitenta e três anos, não me convence. Faltou dizer: “Até matámos uma legionela para fazer uma canja para a senhora”.

Houve um tempo em que os médicos justificavam tudo com uma virose – o meu filho tem uma perna maior que a outra – “isso é uma virose”. Agora, tudo é justificado com o calor. Há legionela nas torres de refrigeração do Hospital São Francisco Xavier, a culpa é deste Verão que durou até Novembro. É melhor prolongar a época balnear dos hospitais até Dezembro. Vai tudo de havaianas para as urgências.
Claro que nestas coisas de eliminar uma bactéria, como a legionella, temos sempre de ter em conta a posição do PAN. Sei lá se não decidem que uma das torres de refrigeração do Hospital São Francisco Xavier serve para alojar uma colónia rara de legionella.

Posso ser eu que não sou bom da cabeça – mas tenho um atestado -, mas irem buscar os corpos a meio das cerimónias fúnebres…, só consigo entender aquilo depois de ver os sorrisos com que a Doutora Graça Freitas está nas conferências sobre a legionella. Só pode ser uma partida, porque, nitidamente, ela gosta de se divertir com isto. É inaceitável que uma família veja alguém próximo morrer por ter apanhado uma bactéria num hospital e que depois seja sujeita a ver virem buscar o falecido a meio das cerimónias fúnebres. Isto só devia ser possível se dissessem: “Vamos levá-lo, mas depois devolvemo-lo vivo”. Em Portugal, tudo falha menos a burocracia.


TOP-5

Graça feita

1. Madonna surpreende ao viajar para Lisboa em classe económica – já é das nossas.

2. Twitter de Trump foi desligado durante onze minutos – alguém tropeçou num fio em Moscovo.

3. Puigdemont exigiu não ser visto ou reconhecido nas instalações da televisão belga – penteou o cabelo
para trás.

4. Tubarão pré-histórico foi capturado na costa algarvia – mas as sardinhas…, não se pode.

5. ASAE encerrou oito padarias – o espírito de equipa tinha bolor.

Marcelo está com legionela?

(In Blog Um Jeito Manso, 05/11/2017)

marcelo_caricatura2

19 casos de legionela levam Marcelo ao hospital São Francisco Xavier…  li eu.

Até me assustei. Pensei: bolas, coitado, apanhou legionela, é um dos 19…

Mas, afinal, lendo a notícia, vi que não. É uma doença que ele tem mas não é legionela, é a doença de ter que estar em todas, a também chamada síndrome do emplastro. Ou seja, foi lá só para saber o que se passa. A minha alma ficou parva. Um dia destes, e deixa-me virar a minha boca para lá, mas, dizia eu, um dia destes dá-me uma dor de barriga, vou ao hospital a ver se me travam e ainda dou de caras com o Prof. Marcelo, ido lá, de propósito, para me dar um beijinho e uma palavrinha de conforto que isto, quando uma pessoa está com soltura, faz muita falta uma palavrinha de conforto…..