Legionela da Malcata

(João Quadros, in Jornal de Negócios, 10/11/2017)
quadros

João Quadros

Confesso que estou preocupado com este surto de legionella. Primeiro, porque preocupa-me que uma pessoa vá a um hospital e saia de lá mais doente do que entrou. Segundo, e mais importante, sou um bocado hipocondríaco. Dada a minha idade, fico assustado com o sistema de saúde e dá para imaginar uma conversa, após o jantar, em casais de reformados:

– E se fôssemos ao Santa Maria?
– Está a arder!
– E ao São Francisco Xavier?
– Tem legionela.
– Tu não queres é ir sair!

Há uma espécie de salve-se quem puder. O cunhado da minha porteira, que eu gosto de citar porque vive bem e não sei do que vive, disse: “Ao menos, em Santa Maria, mataram a legionela com fogo”. A verdade é que se o cito muitas vezes é porque ele está aqui ao meu lado com uma catana apontada ao meu pescoço. Felizmente, não sabe ler.

Como sempre, tivemos o nosso Presidente a visitar os doentes. Esteve bem, até porque não havia incêndios nem outro género de catástrofes, mas gostava de esclarecer que Marcelo Rebelo de Sousa, depois do mergulho no Tejo, ficou imune à legionella.

Vamos ao que interessa: vi a primeira conferência da senhora Graça Freitas, que era o rosto número dois da Saúde Pública no país, depois de Francisco George (que foi brilhante no seu cargo, apesar de sofrer de licantropia e não ser possível ir com ele a uma conferência em noites de lua cheia), e achei que ela estava demasiado relaxada. Aquele sorriso e a forma como disse que as pessoas que morreram tinham setenta anos e estavam fraquinhas, como se elas tivessem cento e oitenta e três anos, não me convence. Faltou dizer: “Até matámos uma legionela para fazer uma canja para a senhora”.

Houve um tempo em que os médicos justificavam tudo com uma virose – o meu filho tem uma perna maior que a outra – “isso é uma virose”. Agora, tudo é justificado com o calor. Há legionela nas torres de refrigeração do Hospital São Francisco Xavier, a culpa é deste Verão que durou até Novembro. É melhor prolongar a época balnear dos hospitais até Dezembro. Vai tudo de havaianas para as urgências.
Claro que nestas coisas de eliminar uma bactéria, como a legionella, temos sempre de ter em conta a posição do PAN. Sei lá se não decidem que uma das torres de refrigeração do Hospital São Francisco Xavier serve para alojar uma colónia rara de legionella.

Posso ser eu que não sou bom da cabeça – mas tenho um atestado -, mas irem buscar os corpos a meio das cerimónias fúnebres…, só consigo entender aquilo depois de ver os sorrisos com que a Doutora Graça Freitas está nas conferências sobre a legionella. Só pode ser uma partida, porque, nitidamente, ela gosta de se divertir com isto. É inaceitável que uma família veja alguém próximo morrer por ter apanhado uma bactéria num hospital e que depois seja sujeita a ver virem buscar o falecido a meio das cerimónias fúnebres. Isto só devia ser possível se dissessem: “Vamos levá-lo, mas depois devolvemo-lo vivo”. Em Portugal, tudo falha menos a burocracia.


TOP-5

Graça feita

1. Madonna surpreende ao viajar para Lisboa em classe económica – já é das nossas.

2. Twitter de Trump foi desligado durante onze minutos – alguém tropeçou num fio em Moscovo.

3. Puigdemont exigiu não ser visto ou reconhecido nas instalações da televisão belga – penteou o cabelo
para trás.

4. Tubarão pré-histórico foi capturado na costa algarvia – mas as sardinhas…, não se pode.

5. ASAE encerrou oito padarias – o espírito de equipa tinha bolor.

Anúncios

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s