A C(l)ara do dono revisitada

(Por Joaquim Vassalo Abreu, 20/03/2017)

clara_balsemao1

Embora eu seja filho de um Azevedo, não sou nem nunca fui um tipo azedo, antes pelo contrário! Até sou de bons fígados mas, de vez em quando, perante algumas pessoas e algumas circunstâncias, como qualquer mortal, também me “salta a tampa” e destilo algum fel…

E isso passa-se, por exemplo, com a senhora de quem já falei e vou voltar a falar. Já é recorrente, portanto. Não é fixação coisa nenhuma, mas que que posso eu fazer? Ela, do alto do seu incurável pedantismo, da sua inenarrável sobranceria e da sua insuportável arrogância, insiste em tirar-me do sério. Às vezes até me pergunto o porquê de lhe dar tanta importância e abraçar as dores de outros, mas concluo também que ganhei pela dita um pequeno “ódiozinho de estimação”, como “sói” dizer-se.

Tudo se precipitou em Outubro de 2013, quando o meu Amigo VALTER (Valter Hugo Mãe) lançou o seu romance, sobre a chancela da Porto Editora, “A Desumanização”! Então, por essa altura, ela escreveu um texto na revista Actual, do Expresso, em que espezinhava o VALTER, dizendo, entre outras coisas, ser ele um escritor “sobrevalorizado”! Visto agora ela deve ter inspirado o Trump, não acham?

E, no dia 10 de Outubro desse ano de 2013, escrevi um texto (Ver aqui), um pouco virulento em defesa da honra do VALTER, a quem nem consultei para o escrever.

Nesse texto escrevi uma frase de que ainda me lembro: “Ela não gosta de quem goste de quem ela não gosta. Por isso não gosto dela”. Esta frase concretiza e resume aquilo que dela eu penso e a razão do tal meu “ódiozinho de estimação”, ódiozinho que, como vêem, já vem de longe. Mas porquê? Pelo que já verificaram, mas também porque não suporto lições de moral de pessoas sem espinha dorsal, de quem tem da relação com as pessoas, nomeadamente seus pares, uma relação de interesse e aproveitamento e, por último, por se abalançar a falar de coisas que não conhece, nem nunca deve ter conhecido, como o “Comunismo” ou a “Pobreza”.

Quando ela assumiu sem qualquer pensamento racional ou filosófico o seu “anticomunismo”, que eu acrescento de primário, talvez depois de ter participado, sou levado a crer que a convite do seu “dono”, num daqueles encontros do clube Bilderberg ( e vá-se lá saber porquê…) e escreveu aquele extenso artigo no Expresso, em reacção eu escrevi um texto, em 13-11-2015, que penso que já partilhei e a que chamei de: “A C(l)ara do Dono”, (Ver aqui).

E escrevi este texto porque, mesmo tendo boa bílis, a sua verborreia me deu vómitos tais, que não consegui deixar de os remeter para o papel…

Até que, neste seu último texto, texto este muito celebrado nas redes sociais, a que ela chamou de TÃO FELIZES QUE NÓS ÉRAMOS, a nossa narcisística camaleoa, a propósito daquilo que chamam de “Nova Portugalidade”, ela vem falar da velha portugalidade, como se disso alguma coisa soubesse ou tivesse vivido. Diz ela que “não põe flores nesse velho cemitério”, donde posso concluir que só as poderá colocar no novo. Que frequenta…

Mas que é que ela sabe? Foi para a Faculdade de Direito de Coimbra ali pelo 25 de Abril de 74 e não consta ter participado em coisa alguma. E acerca do antes? Acerca do antes confessou depois que “Cavaco Silva tem o pragmatismo de quem nasceu pobre…!”. Ora esta afirmação diz bem do que ela achava que era a pobreza pois, se Cavaco era filho de um comerciante e gasolineiro e não mandou os filhos para um seminário mas sim para Lisboa e Faro estudarem, era um pobre. Assim sendo, eu e a minha família à altura seríamos o quê? Lúmpen? E ela seria o quê: Condessa? Pois se Cavaco nasceu pobre, a Clara nasceu como? E eu nasci como?

A Clara “vende” opiniões, disse alguém, e, para ela, a “velha portugalidade, resumia-se ao que ela descreveu, como se não houvesse resistência, como se não houvesse quem não se resignasse e contra ela lutasse, quem tivesse dignidade e acreditasse na força do trabalho e na honradez e como se todos os homens fossem bêbados e batessem nas mulheres e, como escreveu, “a fé era a única coisa que as pessoas tinham e se lhes tirassem a religião tinham nada. Deus era a esperança numa vida melhor. Depois da morte, evidentemente”.

Tamanha idiotice é difícil de encontrar escrito por qualquer intelectual. Mas esta senhora conhece o mundo. Passa a vida a viajar e já foi a todo o lado. Mas como sabe tudo da “pobreza” ela, por onde anda, vê-a de longe, da alta varanda do hotel de luxo onde, tal qual a outra, se acomoda.

No “Eixo do Bem”, porque agora ali é tudo bem, tudo politicamente correcto, até do processo do Sócrates já formaram opinião, ela incluída. Factos novos, disse ela! Que o juízo público é o de que Sócrates é culpado, acrescentou. Mas parece que se formou em Direito e em Coimbra.

Repito: “Ela não gosta de quem goste de quem ela não gosta” Não me levem a mal, portanto, dela também não gostar.

É, não me levem a mal. É que isto não passa de uma “declaração de amor”…só que ao contrário!


Fonte aqui

Advertisements

Defender a Filosofia, contra a cegueira neoliberal

(Fran Alavina, in Blog OutrasPalavras, 11/02/2017)

bruguel

Pieter Bruegel, The Parable of the Blind Leading the Blind, 1568

Projeto do governo brasileiro para Ensino Médio chega ao Senado. Resistiremos: porque só uma visão não-fragmentada do mundo permite transformá-lo.


De novo, querem nos calar! De fato, não se trata de nenhuma novidade. Contra o silêncio da dúvida que precede toda contestação, querem impor o emudecimento forçado. Com efeito, a história da Filosofia está marcada por tentativas de fazer calar a potência do pensamento. Não foi assim contra Giordano Bruno, morto pela inquisição vaticana por ter nos mostrado as possibilidades abertas pelo alcance da infinitude? Não foi assim também com Walter Benjamim, perseguido até a morte pelos nazifascistas? Nessas, e em tantas outras tentativas, mesmo naquelas ocasiões em que os filósofos não são mortos, trata-se de realizar ações violentas contra uma forma de saber que sempre se coloca contra toda imposição.

De fato, o outro nome da Filosofia é Liberdade. São justamente os que querem a servidão dos ânimos, a subordinação do pensamento, em vez da sua autonomia doadora de pluralidade, que, mais uma vez, agindo violentamente, querem calar a voz rouca de um saber secular. Desta vez, trata-se de uma violência em forma de lei, por conseguinte uma violência constitucional. No final do ano passado, a Câmara dos Deputados votou pela não obrigatoriedade da Filosofia e da Sociologia na grade curricular do ensino médio. Para “disfarçarem” a violência de uma lei sem legitimidade, pois feita sem a devida discussão e sem a anuência da comunidade escolar, disseram que tratar-se-ia de dissolver os conteúdos filosóficos em outras disciplinas da grade curricular. Agora, ainda nesse primeiro semestre de 2017, o projeto deve ser discutido e votado no Senado Federal. Esta dissolução tentar enfraquecer a Filosofia e a Sociologia à medida que tenta fazer crer que seus conteúdos possam ser simplesmente dissolvidos em outros saberes.

Na verdade, não se trata de ensejar o diálogo interdisciplinar, mais sim de reduzir ao mínimo do mínimo possível o espaço propício ao pensamento crítico. Os conteúdos filosóficos e sociológicos possuem especificidades que lhes são próprias, demandando, por isso, tempo e espaço particulares. São conteúdos sólidos, que ao mesmo tempo em que ensejam um saber específico, podem colocar em diálogo disciplinas aparentemente díspares como a matemática e a literatura. Portanto, a via não é a dissolução dos conteúdos filosóficos e sociológicos, mas, pelo contrário, o fortalecimento deles, garantindo-lhes maior espaço e consideração na vida escolar.

Esta ação contra a Filosofia e a Sociologia está no bojo da famigerada reforma do ensino médio, que nada mais é que o retrocesso do sistema público de ensino. Se aprovada esta reforma-desmache, teremos dando dez passos para trás. Caindo em um tipo de ensino médio tecnicista capenga, reforçador das desigualdades sociais à medida que retira das classes populares o direito ao saber em sua completude. Para a imensa maioria, o mínimo; para alguns poucos, o tudo. Ademais, este gesto autoritário contra a Filosofia e a Sociologia dá margem a uma estupenda queda da qualidade do ensino, pois junta-se a isto, a possibilidade de que pessoas de “notório saber”, portanto sem a qualificação específica para o ensino, possam ministrar aulas. Desse modo, a reforma-desmanche do ensino médio tenta “flexibilizar” o saber para torná-lo um simples acúmulo de opções mínimas, dando aos alunos uma visão de mundo fragmentada e dispersa. Esta fragmentação e dispersão impede uma interpretação crítica da realidade, uma vez que faz parecer distante aquilo que está próximo. Retorna, em alguma medida, o lema do dividir para dominar melhor.

É esta visão dispersa de uma realidade apresentada como justaposição de fragmentos autônomos que possibilita, por exemplo, a ilusão de que a justificativa econômica está acima do argumento político; ou a fantasia desastrosa de que homens “não políticos” possam fazer política; ou ainda a crença supersticiosa de que todos nós somos empreendedores de nós mesmos; e, que, portanto, ao trabalharmos não somos trabalhadores, mas “prestadores de serviços”. Neste último caso, a reforma-desmanche do ensino médio está de mãos dadas com a ideologia neoliberal. É próprio da ideologia neoliberal fragmentar e dispersar para reduzir e limitar nossa visão de mundo. Não por mera coincidência, seu produto mais acabado no campo do saber é o aparecimento da figura do especialista. Aquele que sabe cada vez mais sobre cada vez menos. Conforme avança a sanha neoliberal, mais pobre se torna a compreensão do que seja o processo educativo: reduzindo a dignidade do saber ao utilitarismo do mercado. Quem sabe em virtude da utilidade do mercado nunca sabe por si mesmo, portanto é um sujeito-objeto.

Um sujeito incapaz de dar um sentido único à dispersão que o aprisiona, um sujeito dócil, útil à servidão voluntária.

Dessa forma, tentam formar uma geração muda e resignada, mas que já deu mostras de não se deixar calar facilmente. Trata-se de um projeto de médio prazo: incapacitar o pensamento crítico no presente para fechar a possibilidade de qualquer futuro melhor e diferente do que temos hoje.

Ao neoliberalismo não interessa o saber na verdadeira acepção do termo, mas a ignorância disfarçada de conhecimento. Na medida em que não são ofertados os meios necessários para se constituir uma visão integral da realidade em suas diversas instâncias, conforme quer fazer a reforma-desmanche do ensino médio, mais de uma geração sofrerá um genocídio educacional. Não será apenas um genocídio simbólico, mas também material, uma vez que o tipo de saber construído afetará materialmente e politicamente as próximas gerações das classes trabalhadoras. Um genocídio típico dos regimes ditatoriais, mas, dessa vez, feito sob a tutela “democrática”.

Ora, a última vez que a Filosofia foi retirada da grade curricular foi justamente nos anos da ditadura militar. Os artífices do poder autoritário e dos regimes de exceção sabem que o exercício do pensamento quando feito livremente, e na sua plenitude, é por natureza indômito. Estavam cientes naquela época, como agora, que o pensamento é ousado e que nunca se dobra aos cerceamentos.

Ante a violência do poder que impõe, a Filosofia afasta toda forma de resignação. Nunca está resignado quem se põe a pensar sobras as causas de obviedades aparentes que sustentam a servidão voluntária. Questionar, por mais simples que seja o questionamento, já é não resignar-se.

Por isso, a relação entre Filosofia e Democracia é algo inconteste. Quando os regimes democráticos estão ameaçados ou em crise, como no nosso caso, sempre se atenta contra a Filosofia, pois se reconhece nela uma forma de saber que mesmo sendo considerada inútil, se presta ao mais digno dos trabalhos: o reconhecimento da liberdade como único meio pelo qual se dá uma existência verdadeiramente humana. A Filosofia é, por excelência, o saber que interpela o poder. Por isso, não são poucos os que querem o seu silêncio.

Resistiremos, pois a Filosofia nunca se resigna. Ela resistiu desde quando aquele grego inoportuno fazia, no espaço público, simples perguntas aos seus concidadãos. Ele mostrou que a verdadeira vida democrática é aquela que não teme a dúvida, nem exaspera ante o reconhecimento dos opostos, fazendo da contestação um índice de vitalidade da vida democrática. Por isso, agora, que mais uma vez se tenta agir com violência contra a Filosofia, é a hora de fazer como fez o velho grego: ocupar os espaços públicos possíveis, fazer indagações simples e aparentemente inoportunas, pois este tipo de indagação é aquela que se presta ao desmoronamento das falsas certezas. Assim, talvez a primeira destas indagações seja esta: quem quer nos calar?


Fonte aqui