Conversas a 40º

(José Pacheco Pereira, in Público, 24/06/2017)

Autor

                     Pacheco Pereira

À medida que se caminhava para o calor dos trópicos, as pessoas pensavam pior.


[Simplicio, Sagredo e Salviati estão à sombra de um dia de 40º. Não sei bem onde os colocar, porque tem que estar parados. Ninguém se mexe com 40º a não ser que seja obrigado ou seja trabalhador ou pobre. Numa esplanada urbana, há sempre turistas a mais. Make Porto podre again, está escrito na parede. Num bar de hotel, envolvidos por uma lista com cinquenta gins tónicos diferentes, e ar condicionado, é mau cenário para uma conversa destas. Chaparros que dão sombra eficaz com 40º são um mito rural alentejano. Na praia? Salviati não gosta de praia, Sagredo é indiferente e só Simplicio gosta. Simplicio ficaria muito inteligente, e Sagredo muito estupido. Não dá. Mas em frente ao mar, sem ser na praia, serve. No Norte, com cheiro a maresia, sem praia, serve. Vem no Roland Barthes, mas ninguém já o lê. É ficcional o arranjo, porque com 40º não há cheiro a maresia. Comecemos.]

Sagredo – De que falamos?

Simplicio – Dos fogos.

Salviati – Já chega!

Simplicio – Enquanto for notícia, nunca chega. Os fogos sugam tudo: fora deles nada interessa a ninguém.

Salviati – Não é bem assim, como já vamos ver. Seja. Os fogos.

Sagredo – Mas não achas que se fala demais? Não estás também tu a discutir os fogos e a participar na logomaquia dominante?

Salviati – Estou, mas defendo-me.

Sagredo – Como?

Salviati – Estou a fazer um diálogo e os diálogos desafiam as citações. Quem tiver que colocar uma citação no jornal vai-se ver aflito.

Simplicio – Isso é maldade com o jornal.

Sagredo – De que falamos então?

Simplicio – Dos fogos. Dos mortos. Da culpa.

Salviati – Tem mesmo que ser?

Simplicio – Tem. Está na agenda e se não falarmos do que está na agenda, ninguém nos ouve. Está tudo virado para o mesmo lado e a agenda só pode ter um tema. Dois já colidem entre si. Os fogos são a hoje a agenda…

Sagredo – … não é bem assim. Os escândalos do futebol ocupam quase tanto tempo como os fogos, só que é fora dos noticiários. Fogos nos noticiários, futebol nos programas de conversa.

Salviati – Mas o que é que há para ser discutido no futebol? O futebol é o ruído de fundo da comunicação social, está lá sempre, de vez em quando invade tudo. Agora com os fogos, perde os noticiários, mas está lá sempre. É a doença infantil da comunicação social portuguesa.

Sagredo – Parece que os clubes estão a contratar hackers para entrarem nos computadores e telefones uns dos outros. E depois encontram exactamente aquilo que estão à procura…

Salviati – … o espelho daquilo que eles mesmos têm nos seus computadores e telefones. Que interesse é que isso têm? Falcatruas, amantes, ameaças, corrupção aos árbitros, alegria com a desgraça alheia, bares de alterne, restaurantes da moda, insultos, negociatas, escatologia. Parece uma ópera bufa.

Simplicio – O povo gosta. Os vermelhos ficam felizes quando são os azuis que se tramam, e vice-versa.

Sagredo – Sim, a nós tudo se desculpa e é permitido, aos “outros” é um escândalo.

Salviati – É a escola Trump.

Sagredo – E o que pode ser importante, isso não se discute, ou só se discute com falinhas mansas.

Salviati – Os impostos por pagar, a fuga ao fisco. Na verdade, ninguém quer saber se o Ronaldo fugiu ou não aos impostos. É o Ronald ou o “special one”. Podem sair de casa e dar um tiro na rua num passeante e tudo continua na mesma.

Simplicio – Estou a ouvir-te pensar: “É a escola Trump.”

Salviati – É. É por isso que eu não dou um tostão pelas denúncias populistas da corrupção. Param sempre nos “nossos”. Em Portugal então é uma enorme hipocrisia.

Sagredo – E nos fogos não há hipocrisia?

Salviati – Muita. Quem os viveu tem medo e alívio. A maioria das pessoas, – e isso é a coisa mais sã no meio destas coisas, – não quer sequer pensar no que aconteceu a quem morreu. E vos garanto que as pessoas são muito capazes de recriar mentalmente as cenas…

Sagredo – …e são terríveis. Esse choque fica lá no fundo e não passa facilmente. Mas é interior, indizível, íntimo. Não se desabafa, não se conversa, não se fala.

Simplicio – E a culpa?

Salviati – A culpa é já outra coisa, já implica um afastamento, uma distância. Pode parecer estranho, mas já é um mecanismo de apaziguamento face à tragédia, abre caminho para inserir o indizível no dizível. Podemos já então falar sem que o mero acto de falar seja ofensivo.

Sagredo – É por isso que o mecanismo comunicacional explora o pathos enquanto há choque, alimenta-o e prolonga-o e depois, quando se esgota, começa a normaliza-lo com a discussão da culpa. A culpa ajuda a tornar o que aconteceu num “assunto”. Passa de drama a “assunto”.

Simplicio – Mas isso não favorece a passagem do pathos para o logos, de que estás sempre a falar?

Salviati – Parece, mas não é. O que emerge não é uma discussão racional, como seria se ela fosse centrada nos factos, nas causas, nos eventos, na identificação de quem é responsável e por quê, mas um prolongamento menos dramático do pathos, um pathos menor, que, como sabem os leitores de audiências, tem menos valor comunicacional, é menos poderoso e dura menos. Por isso, os sinais de que o impacto mediático dos fogos e dos mortos já está na fase decrescente, são evidentes. Dentro de pouco tempo, o futebol vai de novo ocupar o lugar dos fogos nos noticiários, e os fogos não tem a mesma condição de ruído de fundo do futebol, que se está sempre a ouvir, e vão-se extinguir. Até à próxima calamidade.

Simplicio – E os políticos?

Salviati – Com esta passagem para a logomaquia mais habitual…

Sagredo –… como a nossa…

Salviati – … como a nossa, as personagens mudam. Acabam os moradores, as testemunhas, acabam os “locais”, as aldeias, as serrações queimadas, a devastação, passa tudo a filme de arquivo e entram em cena as “autoridades”, a competição política, os “meios”, os custos, o dinheiro.

Sagredo – Os bombeiros, os autarcas, a Protecção Civil, os secretários de estado, os ministros, o Primeiro-Ministro, o Presidente, os cientistas e os técnicos de fogos, da floresta, do ordenamento. Aparecem as burocracias.

Simplicio – Mas não tem sentido que se pergunte sobre as responsabilidades, sobre as culpas, sobre as negligências, sobre os erros?

Sagredo – Tem todo o sentido.

Salviati – Mas o que emerge é o pensamento utilitário, que quer tirar vantagens do que aconteceu. E isso é uma das nossas maiores pobrezas: a escassa independência, o simplismo das acusações, a afronta das defesas, a irresponsabilidade generalizada, a cultura da protecção política. As pessoas começam a alinhar conforme gostam ou não do governo, conforme pensam que podem tirar vantagens da tragédia, a inquinar o assunto, com culpas e passa-culpas. Metade só está a pensar em como escapar às responsabilidades, reais ou imaginárias, e a dizer que o que aconteceu já vem detrás, e a outra metade a pensar que tudo o que correu mal foi responsabilidade dos actuais governantes. As duas coisas são verdade, mas o equilibro entre elas é falso e impede a discussão. Estamos já nesta fase, a dos exércitos combatentes, dos clubes em armas, dos vermelhos contra os azuis. O terreno mais favorável vai ser a Assembleia, e é para lá que isto agora vai.

Simplicio – Assim não se vai a lado nenhum.

Sagredo – Assim não se tem ido a lado nenhum.

Salviati – Mas então há uma terceira fase, que está por detrás de tudo, e que depois vai, com toda a discrição que puder ter ou comprar, tornar-se dominante: a dos interesses que estão presentes na floresta portuguesa. Dos grandes, dos pequenos dos médios. Dos proprietários individuais, aos compartes dos baldios, às empresas de celulose, ou mesmo nalguns casos na exploração imobiliária. Esses todos falam baixo, mas forte, Vão ser os limites de quaisquer soluções, em nome do empreendorismo, da propriedade privada, do poder autárquico, das “populações”, dos negócios dos bombeiros aos aviões. Até agora tem impedido que as coisas mudem, vamos ver como vão actuar.

Simplicio – Sempre pessimista.

Salviati – Talvez, a culpa é dos 40º. Não é uma temperatura em que se pense bem.

Sagredo – Estou virado para dar razão ao General Kaúlza de Arriaga que dizia que à medida que se caminhava para o calor dos Trópicos, as pessoas pensavam pior.

Salvaiti. Se calhar.

Anúncios

2 pensamentos sobre “Conversas a 40º

  1. Nesta “quadratura” o Salviati é quem se encaixa no figurão pachecal.
    Depois de um total arrazoado de operações intelectuais, o forte de pacheco, para ostentar ao pagode a grande cultura e esconder a idiotice política própria, que é mato, às tantas opina que as malfeitorias, cumplicidades, denúncias, corrupções, etc. “param sempre à porta dos nossos”
    E Salviati às tantas diz “A culpa é do Trump”
    Do Trump? E do cavaco, nada? À porta do “nosso” (seu amigo cavaco) não pára nada? E á porta do cavaquismo de que pacheco foi figurão de 1º plano não vai nada parar?
    Pacheco é o imperador do método, «espreita para para o que eu te digo mas não olhes para o que eu faço».

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s