Os INCENDIÁRIOS já começaram a trabalhar

(Dieter Dellinger, 18/06/2018)

odivelas

Zona da Ramada bem perto de Lisboa. Ainda não há fotos do eucaliptal a arder.

Um incêndio numa zona de eucaliptal e silvas na zona de Montemor, freguesia da Ramada e Caneças, concelho de Odivelas, está hoje a ser combatido por um meio aéreo e 77 elementos, disse à Lusa fonte da Proteção Civil (Ver notícia aqui ).

O presidente da Associação de Bombeiros Profissionais disse há tempos que este ano havia muito perigo de incêndio na zona de Lisboa e confirma-se a previsão do homem que deve saber do que fala, ou seja, quem está a pagar a INCENDIÁRIOS para que haja fogo nas freguesias de Ramada e Caneças.

Admito como hipótese não muito provável que haja um ou outro sapador que não quer ser deslocado para zonas distantes e daí nada melhor que encarregar alguém de fazer o trabalhinho perto da capital para permanecer a pouca distância das suas casas. Deve o referido presidente ser ouvido pelo Guerra se o homem do DCIAP for um bom profissional.

Como o Guerra só quer condenar o Sócrates, admito que ele, pode a PÁTRIA arder,  não se deve importar. Tal como o Guerra, o Alexandre e a Joana, também tenho o direito de pensar e deduzir, no sentido da defesa da PÁTRIA, que é o meu único interesse como habitante de uma freguesia muito urbana de Lisboa.

O Expresso do Sábado passado listou 20 locais onde iria haver incêndio. O pessoal PPD do semanário se escreveu essa lista é porque sabe. Os INCENDIÁRIOS encomendados por Rui Rio devem receber ordens através da lista publicada pelo jornal, já que não têm grande lógica os locais indicados.

Curiosamente, fizeram um mapa com zonas de grande probabilidade de fogo e estão lá a zona do sapal de Castro Marim e de Vila Nova de Cacela que conheço bem e que sei que não há muita floresta e o terrenio é essencialmente constituído por rocha metamórfica xistosa, além de que o sapal está cheio de água.

Só pode arder o Pinhal que vai de Montegordo ao dique do farol de Vila Real de Santo António onde está um grande parque de campismo e onde foram este ano abertas estradas de acesso à praia que não era utilizada, a não ser por quem viesse a pé de Montegordo ou do dique onde está o farol.
Mas, nessa zona, não há abandono como fala o MRS e no verão está repleta de veraneantes e que eu saiba nunca aquilo ardeu.

O autor do artigo é o jornalista Amadeu Araújo e está nas páginas 6 e 7 da parte principal. O homem deveria ser ouvido pelo DCIAP para que a Justiça (se existisse) soubesse a razão porque salienta aquela zona do extremo sul e leste de Portugal e se é uma ordem à Associação Terrorista dos Incendiários políticos.

Temos de ripostar fogo a fogo e acusar sempre INCENDIÁRIOS desconhecidos para nós porque há quem os conheça e pague. Nem o Rio nem nenhuma autoridade nem a Comunicação Social podem ficar fora desta critica à politização que incentiva ao fogo posto. Nada arde por si próprio.


 

Anúncios

Não Há Fumo sem Fogo ou Chama Criminosa

(Dieter Dellinger, 16/06/2018)

incendiários

(O que anda a fumar a senhora Procuradora? Cannabis da reles? Coca adulterada?

Faz um ano sobre o grande incêndio de Pedrogão. Culpados, quem? Causas naturais? Incendiários? Não! Para o Ministério Público os culpados foram os bombeiros e quem os comandou, mais uns funcionários secundários da EDP e da Ascendi! Incendiários, nem um, mesmo depois das reportagens da TVI mostrando engenhos usados para pegar os fogos!
 
Com esta Justiça, a colaborar com os criminosos, o país não tem futuro nenhum. A não ser que haja coragem para deitar fogo, não aos pinhais, mas aos poderes que emanam das togas de magistrados deste jaez.
 
Estátua de Sal, 16/06/2018)

O DIAP de Leiria por via da procuradora Ana Simões resolveu comemorar o aniversário do incêndio de Pedrógão Grande tonando arguidos um conjunto de 10 pessoas que nada, absolutamente nada, tiveram a ver com o incêndio, isto é, não foram INCENDIÁRIOS e esqueceu que não há fumo sem fogo. (Ver notícia aqui ).

O fogo em Pedrógão Grande disseram erradamente elementos da PJ terá tido origem numa descarga elétrica natural numa situação meteorológica de ventos de 85 km/h com um calor abrasador, mas ninguém viu essas descargas.

A ser verdade, a procuradora Ana Simões descura o princípio basilar da hierarquia da causa criminosa ou natural. Em todos os fogos houve, sem dúvida, INCENDIÁRIOS humanos ou por absurdo naturais. nunca se verificou um incêndio natural com a dimensão do de Pedrógão e, menos ainda no território nacional num número de 16450 fogos e incêndios.

É TERRíVEL ler o texto da procuradora Ana Simões que acusa o comandante de bombeiros Augusto Arnaut de homicídio e ofensas corporais por negligência. Tenebrosa acusação para um bombeiro que exerce essa atividade há 32 anos e comanda há 18 anos.

Como pode uma procuradora que nunca pertenceu a um corpo de bombeiros e nada estudou sobre meteorologia, incêndios e outros fenómenos de género fazer com tanta ligeireza uma acusação tão grave.

O advogado Mário Cerol que foi comandante de bombeiros voluntários – que está sujeito às mesmas acusações tenebrosamente injustas – é um homem que esteve em 2009 ligado à candidatura do PS à Câmara Municipal de Alcobaça, o que prefigura o crime mais grave para a procuradora Ana Simões.

O Comandante do Centro Distrital de Operações de Socorro de Leiria está também acusado pela Ana Simões porque na ocasião estava doente no hospital e comandou as operações por telemóvel.

A poderosa e riquíssima empresa que explora autoestradas e pode pagar grossas comissões não é arguida pelo crime de falta de limpeza das bermas, mas apenas dois simples trabalhadores rurais de uma empresa subcontratada e dois funcionários da Ascendi que a procuradora Ana Simões esconde os nomes. Respeitinho pelo Capital é muito bonito por parte da Justiça.

A engenheira do Gabinete Técnico da Câmara é também arguida.

O DIAP de Leiria agarrou-se à eventual causa natural em que ninguém na população de Pedrógão acredita para acusar de homicidas um grupo de INOCENTES, cujo grande CRIME é o mesmo de Sócrates, estarem ligados ao PS ou terem sido nomeados por pessoas do PS ou servirem para inocentar a empresa capitalista Ascendi que é a única entidade com culpas no cartório que pode pagar indemnizações. A lei aplica-se à empresa que devia ter verificado se estava a ser cumprida e nunca o foi, nem no ano passado nem em anos anteriores. A própria Ascendi criou as condições para que a lei não fosse cumprida e não disponibilizou as máquinas para limpar os taludes ao longo da estrada de que é concessionária nem pagou qualquer verba significativa para isso.

Até agora nenhum INCENDIÁRIO foi acusado e condenado pelo que a tese do homicídio indireto por negligência aplica-se por inteira a toda a Procuradoria Geral da República em todos os 16450 fogos e incêndios registados no ano passado com especial relevo nos que provocaram vítimas mortais, dada a sensação de IMPUNIDADE que estão a transmitir aos INCENDIÁRIOS cada vez mais protegidos por quem quer politizar o fogo e não combater o crime.

Os Bombeiros levarão menos de meia hora a iniciar o combate a um incêndio que se propagava nesse espaço de tempo por mais de um quilómetro. Ana Simões não pode considerar CRIME o facto de os bombeiros não estarem no local em que se teria dado a descarga elétrica natural, da qual não há prova nem testemunhas sérias.

A estratégia criminosa do Ministério Público foi a de responsabilizar os que estiveram envolvidos no combate ao incêndio. Os valentes bombeiros portugueses são agora acusados de serem homicidas enquanto os INCENDIÁRIOS ficam IMPUNES para voltarem a queimar meio milhão de hectares da PÁTRIA para cumprirem as intenções de Rui Rio e Marcelo Rebelo de deitar abaixo o Governo se os incêndios voltarem a repetir-se.

A presidente da Associação dos Bombeiros Voluntários, Marta Soares, está preocupado com o Sporting e esteve com a venda de materiais representados pela empresa do filho, não estando a defender aqueles que se sacrificam voluntariamente quase sem recompensa pecuniária e muitas vezes sem comida para combater o fogo.

Ana Simões caia em si na Razão e perceba que está a cometer um gravíssimo CRIME de FALSA ACUSAÇÃO.

Desgraçada PÁTRIA que não respeita os seus MELHORES, os BOMBEIROS que a DEFENDEM e que são criminalizados por pessoas como a Ana Simões.

VIVA PORTUGAL E QUE OS MAGISTRADOS HONESTOS E PATRIOTAS SE REVOLTEM CONTRA ESTA INJUSTIÇA.

O mundo sem nós

(António Guerreiro, in Público, 08/06/2018)

Guerreiro

António Guerreiro

Quem, dotado de conhecimento empírico e sensibilidade rural, atravessar algumas zonas onde foi cumprida, com o máximo zelo, a ordem governamental de limpeza dos campos e florestas como princípio de precaução, depara-se muitas vezes com um cenário sem vida: toda a vegetação rasurada, a terra despida de acidentes vegetais, as árvores com os ramos subidos, mantidos à distância de tudo o que arde, a visibilidade total garantida, de modo a que nem um rato encontra lugar onde se esconder. Ali, a prevenção do acidente foi a causa do acidente. Perigoso redobramento este, em que a relação com a catástrofe se tornou catastrófica. Estes campos e florestas limpinhos, oferecidos à população urbana como imagem de um mundo desejável, onde foram anulados muitos dos riscos potenciais, são na verdade um mundo desenhado no ecrã por geo-construtivistas que põem em prática, antecipadamente, as projecções do Pior, sob o pretexto de as evitar. Não exageremos, baixemos o tom demagógico porque, ao menos, não temos mortes de pessoas, às dezenas. Não temos o Pior, temos apenas expropriação ecológica. E o Pior, estamos bem lembrados, deu-se de facto no ano passado, não por causa destes geo-construtivistas, que administram uma biopolítica das florestas e dos campos contra os desastres potenciais, mas por causa de outros geo e sócio-construtivistas que não saberemos nunca nomear porque fazem parte de uma cadeia histórica de transmissões e responsabilidades.

Quando os campos e florestas ficarem completamente limpos, de modo a evitar qualquer catástrofe, quando à beira das estradas forem abatidas todas as árvores que chocavam contra os carros ou avançavam para os focos de incêndio, teremos realizado o ideal da paisagem biopolíticamente construída por uma demência ortomaníaca. Aí, tudo é ordem e beleza, luxo, calma e voluptuosidade. É um convite à viagem? Pois é. Mas não convida ninguém a lá ficar.

Quando os jornais avisam, logo no princípio da Primavera, que este ano “podem” arder não sei quantos milhares de hectares e divulgam um “mapa de risco” elaborado por cientistas, o que significa este “podem”? Trata-se de um risco que se situa no campo do provável, ou de um risco puramente potencial? É preciso distinguir um do outro: o primeiro deve ser objecto de uma acção de prevenção, facilmente justificável, enquanto o segundo, o risco potencial, implica uma resposta muito mais difícil de executar e de legitimar. E se tivéssemos entrado numa zona de sensibilidade paranóica que já não consegue distinguir um do outro? E se esta biopolítica que procura a total imunização tivesse um “efeito boomerang” (já visível para quem está treinado a olhar a paisagem sem ser nos ecrãs ou através de lentes fotográficas)? Contra este argumento, pode-se dizer: antes isso do que o descuido que já matou tanta gente. Mas construir um mundo em que o ideal é a imunidade absoluta ao desastre e, no mais alto grau, à catástrofe é  começar a desencadear o Pior, um pouco da morte. Paul Virilio, o grande teórico da velocidade, inventor dessa ciência que é a dromologia, mostrou com eloquência que o acidente é consubstancial à substância. Esta não é o que existe antes daquilo que acontece (o desastre), mas o que existe ao mesmo tempo. Assim, inventar o navio é inventar o naufrágio. O desastre global, diz Virilio, dá-se quando há uma industrialização do “acidente artificial”. O acidente artificial, neste caso, é uma “limpeza” que se pretende tão eficaz, tão preventiva, tão imunizadora, que provoca boa parte do mal que pretende prevenir e dá-nos, numa forma abreviada, a imagem da catástrofe ecológica última: um mundo sem nós.