Brexit (2): Soberanista me confesso

(Daniel  Oliveira, in Expresso, 21/06/2016)

Autor

                                   Daniel Oliveira

Sempre que alguém sublinha de forma consequente a aberração política em que se transformou a União Europeia, logo surge o anátema do nacionalismo e da extrema-direita. Como se uma posição passasse a estar errada porque, por razões diversas, é partilhada por gente pouco recomendável. Seria o mesmo que eu colar os defensores do “remain” a Viktor Orbán por o tiranete húngaro ter pago uma página de publicidade no Daily Mail contra o Brexit. Este é o tipo de artifício argumentativo que torna o debate político inútil, porque lhe retira todo o conteúdo para o transformar numa guerra entre “eles” e “nós”, apagando as razões deles e as nossas para que ninguém se tenha de dar ao trabalho de pensar.

Esta postura atingiu o Nirvana quando, perante o assassinato de Jo Cox, houve quem tivesse o desplante de colar qualquer pessoa que compreendesse o Brexit a este crime. Tirando a sua posição sobre este tema, a deputada trabalhista tem muito mais em comum com a pouca esquerda que sobreviveram à pressão clubística e apoia o Brexit do que com David Cameron. E David Cameron é, nas suas posições públicas sobre os refugiados e outros temas, mais próximo das principais figuras da campanha pelo Brexit do que de Jo Cox. A divisão entre quem defende a saída do Reino Unido da UE e quem se opõem a ela apenas se faz em torno desta decisão concreta. Não diz mais nada sobre uns e sobre outros, até porque uns e outros têm motivações diferentes entre si. Este tipo de exercício de demonização por associação já foi experimentado no referendo francês ao tratado constitucional. Quem estivesse contra o tratado estava por Le Pen. Hoje, é difícil encontrar um democrata que não concorde com a recusa daquele tratado. E no fim é isso que conta.

Para facilitar este tipo de maniqueísmo argumentativo, tudo tem sido resumido, na caracterização dos defensores do Brexit, à xenofobia. Ela não é um pormenor. Não o é em toda a Europa, incluindo em muito europeístas alemães, holandeses e britânicos. E foi promovida pelo acordo assinado com o governo britânico para evitar a sua saída, pelo abjeto acordo com a Turquia para os refugiados ou pelo clima geral de egoísmo que domina as instituições europeias. Mas vale a pena ser um pouco mais cuidadoso. Apesar de ter sido o centro de uma campanha construída em torno do medo, quer do lado do “leave”, quer do lado do “remain”, a imigração e os refugiados não são o único tema. A defesa do retorno de poderes nacionais, geralmente associada a uma pulsão nacionalista, tem de ser olhada de outro prisma: o democrático.

Há, em muitos britânicos, um sentimento partilhado por muitos outros europeus, de que a possibilidade de serem donos do seu destino foi transferida para outro lugar sem que isso tenha resultado numa verdadeira partilha de poderes com outros cidadãos. Os britânicos sentem, e têm toda a razão para o sentir, que quem toma hoje algumas decisões por si não foi eleito por ninguém.

Mesmo a afirmação de que os britânicos estão sobretudo dominados pela xenofobia choca com um facto que seria impossível de acontecer, hoje, em Paris, Bruxelas ou até Berlim: a eleição de Sadiq Khan, um muçulmano, descendente de paquistaneses, como mayor da capital inglesa, onde vive uma parte nada negligenciável da população. Um país de tal forma asfixiado pelo racismo, a ponto de querer cortar amarras com a Europa por puro racismo, elegeria por 60% um muçulmano de origem estrangeira como mayor da sua capital? Serão as coisas assim tão simples?

Discordo das razões que levam muitos britânicos a votar pelo Brexit. Assim como discordo de muitos dos argumentos usados pelo governo britânico na última negociação com a União, em que conquistou um estatuto de exceção a juntar aos vários estatutos de exceção que os países mais poderosos da União conseguiram para si. Na realidade, Cameron está mais próximo dos argumentos comummente usados em defesa do Brexit do que eu. Mas discordar das razões usadas por uma parte dos defensores do Brexit não é discordar do Brexit. E não implica ignorar a razão profunda que leva ao desconforto que leva cada vez mais gente a não aceitar esta União Europeia.

Como ponho a democracia e a igualdade à frente da Europa, isso faz de mim um antieuropeísta ou, como está em voga dizer-se, um soberanista. Ao abandonarem a defesa da soberania os democratas entregaram essa bandeira à extrema-direita e à direita populista

A União Europeia já não é um projeto democrático. Pior do que isso: transformou-se num poderoso instrumento contra a democracia. A transferência de soberania das nações para as instituições europeias tem resultado numa transferência de soberania de instituições democraticamente eleitas para instituições que só muito remotamente dependem de qualquer tipo de legitimidade democrática. No caso português, sabemos bem do que estamos a falar, quando vemos o nosso Orçamento de Estado, documento que por si só justificaria a existência de um parlamento, a depender de vistos prévios de uma instituição não eleita. E sabemos como se construiu, em Bruxelas, uma máquina que se alimenta a si mesma, luta pela sua própria sobrevivência e, não dependendo do voto, é totalmente insensível a qualquer pressão democrática. E sabemos como tantas vezes as imposições vindas da União correspondem um programa ideológico que, apesar de não ter passado pelo crivo eleitoral, se sobrepõe aos programas dos governos. E sabemos como as regras são diferentes para cada Estado, como uma comissão que ninguém controla decide a quem é que um estado vai vender um banco, como burocratas que ninguém elegeu fizeram cair governos eleitos da Grécia e Itália para os substituir por “tecnocratas” mais mansos. Tudo isto pode parecer normal porque nos habituamos a viver na anormalidade. Mas não é. E está a minar os alicerces das democracias europeias.

Quando me confesso, já não apenas eurocético, mas antieuropeísta, e defendo o regresso dos poderes soberanos para as mãos dos estados nacionais, sou quase sempre acusado de nacionalismo. Na realidade, sempre fui e continuo a ser internacionalista. Muito mais do que a esmagadora maioria dos chamados europeístas, como tem sido evidente na forma como a União se relaciona com a crise dos refugiados. A questão para mim é outra: como democrata, defendo a soberania do povo. E a soberania do povo só pode estar onde se exerce, da forma mais plena possível, a democracia. Não havendo, de facto, uma verdadeira democracia europeia, não aceito transferências de soberania que enfraqueçam a legitimidade democrática do poder. Muito menos quando esses poderes, por não dependerem do povo, impedem políticas sociais. E como ponho a democracia e a igualdade à frente da Europa, isso faz de mim um antieuropeísta ou, como está em voga dizer-se, um soberanista.

O drama da esquerda e de muita da direita democrática tem sido o de deixar este discurso para a extrema-direita. Não porque se deva apanhar o discurso de quem caça mais votos. Isso seria repetir a capitulação que temos visto no centro político em relação à imigração ou à segurança. O problema é que ao abandonar a defesa da soberania popular entregou-se essa bandeira à extrema-direita e à direita populista. O que quer dizer que em vez desta posição soberanista se basear na legitimidade democrática do poder, se passa a basear numa identidade nacional e étnica. E é por isso que o debate do Brexit se está a fazer em torno da imigração em vez de se fazer em torno da democracia.

Dir-me-ão que o que é necessário é lutar dentro da União pela democracia. Esse argumento acaba sempre por chocar com os factos e com os tratados. É seguramente generoso e é por isso que continuo a recusar que as clivagens políticas se devam fazer em torno do otimismo ou do pessimismo com que olhamos para futuro da Europa. Mas, na sua generosidade, é perigoso. Porque acaba por deixar o único terreno onde se poderia ainda salvar a democracia – o nacional – a quem não acredita nela.

Estou convencido que se não iniciarmos um processo de retorno às soberanias nacionais estaremos condenados a uma espécie de ditadura burocrática, com uma contrarreforma social imposta de fora para dentro, por via da chantagem, de sanções, de regras não sufragadas e do poder discricionário de instituições não eleitas. A minha posição resume-se assim: o futuro dos valores progressistas não está numa União Europeia que não mobiliza os povos e se transformou num instrumento de dominação e chantagem entre povos. A questão é saber quem está disponível para participar no combate que aí vem. Quem o comanda, neste momento, são forças antidemocráticas. Se continuarmos a tratar qualquer antieuropeísta como aliado de xenófobos, mesmo que as suas motivações sejam a defesa intransigente da democracia, assim continuará a ser. E no futuro pagaremos por isso: quando o poder regressar às nações, teremos, em vez da democracia, a supremacia; em vez da cidadania, a raça.

Advertisements

5 pensamentos sobre “Brexit (2): Soberanista me confesso

  1. O Parlamento Europeu transformou-se na “Florida dos excedentários da fileira partidária”.
    EU gostava de ter como parlamento europeu, uma câmara com competência para fiscalizar os actos de um GOVERNO EUROPEU, eleito por saufrágio directo de todos os cidadãos europeus.
    – Será que uma UNIÃO que FEDERE as NAÇÕES europeias é assim tão utópico?
    – Será que é um objectivo realmente inalcansàvel?
    Se é !?! então, na minha opinião, deveremos voltar a ter controle sobre a “nossa moeda” uma vez que o EUROmark não serve uma economia que cuide em primeiro lugar das nossas pessoas e, se a brisa neo-naziberal que se avizinha, tomar de mão beijada o dito parlamento, EU declaro desde já que não me quero ver representado por escumalha do género.
    Será de novo tempo de fazer a trouxa e partir, para poder voltar a resistir.
    Sabe Sr. D.O. é para mim muito triste, ver o espectáculo que os democratas que pululam os nossos media, nos apresentam quase todos os dias. existe, nesse debate filosófico, um retórica digna de Chamberlaine enquanto que, a “besta” trabalha, ocupando o espaço mediático de um modo eficaz, misturando facto com opinião quando faz a notícia, pregando horas infindáveis credibilizando-se na sua pretensa função de oráculo, enquanto quem manobra, soterra as mentes em telenovela futebolística e softporn. (pró ano haverá Fatima e 1917 – um regabofe pegado)
    Vocês, que tem acesso ao “púlpito” tem o dever democrático de denunciar, de não calar, de dar o MURRO na mesa e de a VIRAR se tal for preciso.
    Os países não são empresas, os seus cidadãos não são escravos das corporações que as dominam.
    Mobilizar a DEMOCRACIA é preciso, antes que seja demasiado tarde, antes do TTPI.
    Saudações

    Gostar

    • Completamente de acordo com a sua revolta…tbm foi uma Europeia convicta e feliz com a ideia de pertencer a uma espécie de grande nação evoluída, atenta ás necessidades dos humanos e dos seres vivos deste planeta que estão a matar aos poucos, lentamente, mas seguramente, com este liberalismo desenfreado.

      Gostar

  2. O Sr diz e bem : “A União Europeia já não é um projeto democrático. Pior do que isso: transformou-se num poderoso instrumento contra a democracia. A transferência de soberania das nações para as instituições europeias tem resultado numa transferência de soberania de instituições democraticamente eleitas para instituições que só muito remotamente dependem de qualquer tipo de legitimidade democrática.”
    É mesmo por causa disso que a Finança em Londres, os economistas clássicos (atrás de Schaübble) de toda a Europa, os governantes da direita, os PPE da Assembleia de Estrasburgo, o nosso Passos&Portas estão tão a favor do “bremain”
    Os interesses bem contados estão em acção mas o destino dos povos, a ideia democrática na sua essência, a visão humanista e ecológica do mundo não têm nada a ver com isso.

    Gostar

  3. Foi a 7 de Maio mas parece que um século já se passou:
    Nessa noite, no anfiteatro da Camara de Londres, iam ser lidos os resultados da eleição para Mayor. No palco os candidatos esperavam pela proclamação e quando Sadiq Khan foi declarado vencedor e se dirigiu para os microfones para fazer os seu discurso, um deles, Paul Golding, o candidato pelo partido Britain First, voltou as costas ao publico e às camaras de televisão e assim se manteve até ao final da cerimónia.
    Deveríamos ter compreendido o aviso, percebendo que tratavamos com gente capaz de tudo, e assim talvez se tivesse salvo a vida da pobre Jo Cox.
    Mas antes já a fogueira do ódio ardia ateada pelo próprio Cameron e sequazes, que acusavam Khan de ser amigo de terroristas e de com eles conviver, e que Londres não estaria segura nas mãos de um muçulmano. Os momentos que se viveram nessa campanha foram infames pelo apelo ao ódio racial e à xenophobia. Mas Khan ganhou, com a votação mais expressiva que jamais algum candidato teve na história da politica Britanica, votos vindos maioritáriamente de Londrinos brancos e cristãos.
    Jeremy Corbyn disse que um “poço de ódio” tinha morto Jo Cox o qual, ao transbordar agora, infectou metade do povo Britânico, incapaz de resistir à demagogia de Boris Johnson e Michael Gove.
    Hoje Gordon Brown disse que “Esse não é o povo Britanico que eu amo, porque esse é o povo de Jo cox, generoso e tolerante”. Como eu me reconheço nessas palavras…
    Lastimo, caro DO, que as coisas já ultrapassaram em muito a racionalidade e temo que no “day after”, se o Brexit ganhar, eu viva num país irreconhecível. Há oitenta anos outro líder usou o auslanderfeindlichkeit para garantir o poder e no entanto então tudo parecia tão inofensivo.

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s