A insustentável leveza do “ser”

(José Pacheco Pereira, in Público, 09/05/2015)

Já que tive o trabalho, por razões de comentário, mas também por curiosidade, de ler integralmente o livro de Sofia Aureliano sobre Passos Coelho e não apenas as partes reproduzidas na comunicação social — escolhidas pelas fontes a dedo —, e esse trabalho foi penoso, mais vale dar conta dele aos meus leitores do PÚBLICO. Digo que foi penoso, porque o livro é ilegível e enfadonho, e porque a curiosidade que ainda me motivava rapidamente se perdeu, dada a vacuidade geral e o terrível mau gosto que o perpassa de uma ponta à outra. O mau gosto, aquilo que se costuma chamar possidónio, chega a incomodar porque, se há coisas que eu não quero saber sobre o primeiro-ministro de Portugal, este ou qualquer outro, são exactamente muitas das que enchem o “lado humano” do livro.

O livro rompe com aquilo que sempre considerei uma qualidade de Passos Coelho, a reserva sobre a sua vida privada. Aqui, Passos abandona de todo, ele e a família, essa reserva, numa exibição de uma “domesticidade” que, como todas as “domesticidades”, fica sempre melhor doméstica, longe dos olhos do público, na descrição. Sempre condenei o ataque ao primeiro-ministro por razões sociais, mas o problema é que, quando no livro se considera que o “espírito” da casa de Massamá é afrontar a “linha de Cascais” e os barões que “velejam” (deve ser nadam), abre-se caminho para as pedantices de Raquel Varela sobre os fatos “de segunda” de Passos Coelho feitos nos subúrbios. Estão bem uns para os outros.

O objectivo de Somos o que Escolhemos Ser, o pomposo nome do livro, citando Sócrates (o outro), é dominado pela frase atribuída a Salazar de que, “em política, o que parece é”, citada aqui erradamente como sendo de Sá Carneiro. Mas, no meio de citações em epígrafe, tiradas da Internet, de Churchill, Gandhi, Kennedy, Shakespeare, Hellen Keller, Heráclito e… Passos Coelho, o livro presta um mau serviço ao “ser” de Passos Coelho, porque consegue a proeza de, em vez de o puxar para cima, como os autores da encomenda certamente pretendiam, puxá-lo para baixo, para uma trivialidade tão evidente que não serve os objectivos hagiográficos da publicação. Tenho para mim a regra daquilo que escrevi um dia sobre Santana Lopes, e que repito para Passos Coelho: por maus que sejam, não se chega a uma função desta natureza sem qualidades. Podem ser qualidades negativas, podem servir o mal e não o bem, podem coexistir com defeitos igualmente intensos e anular-se entre si, mas alguma coisa há. E, no caso de Passos Coelho, elas existem, mas não são as deste retrato psicológico propagandístico, a dualidade entre a “frieza” e a “determinação” na acção pública e o lado “humano” na vida doméstica.

Os factos biográficos que poderiam ser de interesse para se fazer um retrato de Passos Coelho “em construção” estão ausentes de qualquer detalhe, e de qualquer análise, isto quando a referência a eles vai para além de uma vaga linha de passagem.

A vida política de Passos Coelho, desde a sua passagem pela União dos Estudantes Comunistas, continuando pela sua ascensão na JSD, as suas experiências eleitorais falhadas na Distrital de Lisboa (uma delas comigo, em que perdeu), a sua campanha autárquica na Amadora, tudo isso parece à autora irrelevante. O mesmo se passa com a vida profissional de Passos Coelho, assombrada de “casos” como a Tecnoforma, os não pagamentos para a Segurança Social, e outras obscuridades, que não merecem à autora sequer o esforço de tentar ir mais longe. Fala deles porque tinha que falar, mas enuncia-os mais do que os relata. Aliás, repete uns mitos circulantes sobre a resistência “heróica” de Passos Coelho a Cavaco Silva na JSD, de que o mínimo que se possa dizer é que não foi bem assim. Para além do facto de as propostas de Passos e da JSD serem aquilo que ele hoje demonizaria como “despesistas”, as más relações entre Passos e Cavaco tinham a ver com outras razões como seja o facto de haver sistemáticas fugas de informação das reuniões da comissão política, por singular coincidência centradas nas próprias intervenções de Passos Coelho, muitas vezes confusas e incompreensíveis.

É que há um traço de carácter evidente na biografia real de Passos Coelho, completamente omitido, a sua ambição política e a sua capacidade de orientar a sua carreira para esses objectivos e, mais do que isso, o facto de ele ter sido de há muito o candidato apoiado e preparado e levado ao colo por certos grupos internos no PSD e certos grupos de influência e interesses com um pé dentro e outro fora do PSD. Passos foi, como dizem os ingleses, grooming, treinado, preparado e promovido para chegar onde chegou e foi, como se viu, uma boa escolha.

É por isso que é estranho que o livro seja muito silencioso sobre aquilo que Passos designou, num momento de verdade, como a sua entourage. Quem lê o livro, fica convencido que Passos foi “feito” por Pedro Pinto e Jorge Moreira da Silva ou, mais atrás, por Carlos Coelho. Também foi, mas só residualmente. A esse nível, Dias Loureiro e Luís Filipe Menezes tiveram um papel, assim como um grupo de dirigentes do PSD ligados à Maçonaria, organização que hoje controla muitas das estruturas distritais do PSD e parte do grupo parlamentar. Mas o que retira credibilidade a esta “biografia” é a omissão do papel de Miguel Relvas dentro do partido e de Ângelo Correia dentro e fora, assim como todo o modo como se moldou a sua oposição a Manuela Ferreira Leite. Este último caso é relevante para se compreender como foi “feito” Passos Coelho, as suas relações ambíguas com o primeiro-ministro José Sócrates, e um canalizar de apoios e recursos para a sua actuação com a criação de uma estrutura paralela no PSD e o apoio de um grupo de autores de blogues, jornalistas no activo e consultores de comunicação e marketing, todos eles premiados depois das eleições com lugares, cargos e negócios.

Mas o principal interesse da “biografia” está na sua intencionalidade política e diz-nos alguma coisa sobre a estratégia do PSD de Passos e a sua entourage para as próximas eleições. O livro tem interesse para avaliar o “modo” eleitoral do PSD. É natural que, por isso, incomode muito o CDS. Torna-se evidente que, para o PSD, a grande figura da coligação que vai às urnas não é o tandem Passos-Portas, mas apenas Passos. Portas é considerado tóxico, desclassificado e apenas “instrumental”, na definição precisa e correcta que se dá à coligação.

Por isso, a apologética de Passos destina-se a centrar na sua figura a imagem do “salvador” do país, que o “salvou” não só da bancarrota do PS, mas também das veleidades instáveis e antipatrióticas de Paulo Portas.

O episódio do SMS é em si pouco relevante, a não ser para mostrar aquilo que de há muito escrevo, de que não há verdadeiro Governo, mas dois núcleos independentes entre si e dois “chefes”, um que cuida dos seus (o CDS só elogia o Governo nas áreas dos seus ministros e secretários, seja a diplomacia económica, seja o turismo, a agricultura, e, desde a crise de 2013 para cá, a economia) e o outro que é menos paroquial. Honra lhe seja feita, Passos Coelho não louva apenas os ministros do PSD, mas centra-se na essência da governação no seu entender: as finanças. O livro, através de episódios anedóticos, mostra que, por muito chapéu que tenha Paulo Portas, ele é um “chefe” menor e subordinado, a que nem sequer é preciso dar conta das decisões mais importantes a não ser pelos jornais ou por um SMS de véspera. Portanto, indo a coligação “instrumental” às urnas, quem vai é Passos Coelho e só Passos Coelho, porque ele e só ele “salvou” o país.

Anúncios

2 pensamentos sobre “A insustentável leveza do “ser”

  1. Portanto, indo a coligação “instrumental” às urnas, quem vai é Passos Coelho e só Passos Coelho, porque ele e só ele “salvou” o país.

    Sem dúvida.

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s