Banco Goldman Sachs – a ética e os negócios

(Carlos Esperança, 28/11/2’018)

goldman1

O banco Goldman Sachs, independentemente de ter estado ou não na origem da falência do seu concorrente Lehman Brothers, não usava certamente métodos diferentes. Talvez tivesse apenas mais apoio político ou melhores informações.

A crise financeira mundial e a consequente crise das dívidas soberanas de numerosos países teriam de acontecer, tal como as próximas, até à última, como vaticinou o grande teórico da economia cujo nome o capitalismo diabolizou, sem evitar as suas previsões.

Pasmo com o ar sério dos economistas encartados, que fingem acreditar no crescimento contínuo da economia e o prescrevem como remédio para todos os males, como se fosse possível crescer sempre. E aludem ao crescimento sustentado sem se rirem.

«As árvores não crescem até ao céu», nem a economia.

Sabe-se que o Goldman Sachs foi o único dos grandes bancos de investimento dos EUA que resistiu à crise de 2008. Está agora mergulhado num enorme escândalo financeiro de desvio fraudulento de fundos e corrupção política no sudoeste asiático (Ver notícia aqui).

É surpreendente que o banco que contratou José Manuel Durão Barroso para presidente do Goldman Sachs International, ainda durante a sua presidência da Comissão Europeia, não pela experiência na banca, mas pela mais valia ética que representava, possa agora ter caído em desvarios que lhe comprometem a honorabilidade e, onde mais lhe dói, os lucros.

Certamente que o antigo PM português não deixaria de alertar a Administração para os efeitos demolidores da conduta equivalente à do BPN, BPP, BES, Banif, Finibanco e outras empresas onde as mais brilhantes estrelas do firmamento cavaquista perderam a honra e o brilho.

Só não perderam os haveres porque, sendo desonestos, não são parvos, e a liberdade porque têm meios de fortuna para prorrogar os prazos até que os processos, após o ciclo biológico, subam ao Tribunal Divino cuja jurisprudência é desconhecida e irrelevante.

«Desvio fraudulento de fundos e corrupção política»! Onde é que nós, portugueses, já ouvimos falar disso!?

Advertisements

Barroso acusado de traição

(Por Soares Novais, in A Viagem dos Argonautas, 03/12/2017)

furão

Dusan Sidjanski, antigo professor de Durão Barroso, revelou em carta: “Cortei todos os laços com ele.” E Sidjanski, um dos mais prestigiados docentes da Universidade de Genebra, explica, assim, a razão de tão radical decisão: “Ele usou as instituições da UE para participar nos piores bancos globais.”

A acusação de Dusan Sidjanski, que além de professor foi amigo de Durão Barroso, foi conhecida na mesma semana em que a imprensa suíça tornou público o fim da ligação de Barroso à universidade onde estudou e agora dava aulas como professor convidado.

Para Sidjanski a ligação do Dr. Barroso ao Goldman Sachs é uma “mancha para a Europa”. Por isso, sublinha, “não posso acreditar que neste momento ele destrua a sua reputação a este ponto. Isso mostra que ele é fraco.”

(Dusan Sidjanski é um dos mais renomados e prestigiados académicos mundiais, Politólogo e professor universitário, Sidjanski nasceu em Belgrado, onde estudou na escola francesa. Sidjanski frequentou a Universidade de Lausanne e formou-se em Ciência Política na Universidade de Paris. Foi ele que fundou o Departamento de Ciência Politíca da Universidade de Genebra e é autor de várias e importantes obras).

A notícia de que a Universidade de Genebra (UG) não renovou o contrato do Dr. Barroso e prescinde dos serviços do “prof” foi tornada pública na última semana pelos jornais suíços, mas entre nós passou quase total e convenientemente despercebida.

O estabelecimento de ensino da Genebra não revelou as razões que o levou a não renovar o contrato com o professor Barroso, mas o jornal “Le Temps” adianta que o seu vínculo ao Goldman Sachs é o motivo para tão drástica decisão. Durão estudou e trabalhou nos anos 80 naquela universidade e agora dava ali aulas sobre políticas europeias.

Uma coisa é certa: a Universidade de Genebra considera que o banco de investimento norte-americano, que agora dá emprego a Barroso, é um dos grandes responsáveis pela crise financeira de 2008. Uma crise que, recordo, provocou a falência de estados e empresas e dizimou milhares de famílias em todo o mundo.

O “Le Temps” assegura que o meio académico suíço se considera “traído” por Barroso. Dr. Barroso que, antes de ser anunciada a sua contratação pelo Goldman Sachs, revelou aos seus pares que iria ter menos tempo disponível, pois iria trabalhar para uma “grande” entidade. “Disse-nos que não nos ia agradar”, lembra René Schwok, diretor do Instituto de Estudos Global, da Universidade de Genebra.

Como se vê, o Dr. Durão não se importou em desagradar e trair. O meio académico suíço e a presidência da UE foram apenas as camas de aluguer que utilizou para se deitar na alcova dos gangsters globais..

***

PAPINIANO CARLOS – Depois de amanhã, cumprem-se cinco anos sobre a morte do poeta e escritor que é um dos mais destacados nomes do neo-realismo. Temos a obrigação de o manter vivo. Pela obra que deixou  e pelo exemplo de vida que nos legou.

ZÉ PEDRO – Frontal, irreverente, insubmisso foi assim o Zé Pedro dos Xutos & Pontapés. Um rebelde empenhado na defesa dos direitos sociais, que deu a cara pela despenalização do aborto e sempre se manifestou contra a guerra.

CULTURA DO FOGUETÓRIO – A falta de apoio à Cultura continua a ditar a morte lenta de muitos projectos. Apesar de Portugal ter um ministro que é poeta e do primeiro-ministro dizer-se socialista. Dizem que não há dinheiro para tudo. É mentira, pois não falta dinheiro para a festança. Eis um exemplo: a Secretaria Regional da Economia, Turismo e Cultura da Madeira vai estourar 1.819. 839,90 euros em iluminações de Natal e no foguetório de Fim de Ano. Isto, enquanto o apoio às Artes-DG Artes-Artes de Rua em todo o país se queda por uns insignificantes 250 mil euros.


Fonte aqui

Durão Barroso, o bode expiatório do bordel

(Daniel Oliveira, in Expresso Diário, 23/09/2016)

Autor

                                 Daniel Oliveira

A Comissão Europeia e restantes instituições de Bruxelas estão no corrupio de castigos simbólicos a Durão Barroso. Até por onde entra nos edifícios está a ser estipulado. O choque com a decisão de Durão Barroso ir trabalhar para a Goldman Sachs foi tal e a possibilidade de castigo é tão pequena que as instituições veem-se obrigadas a ser muitas claras na censura pública. Só assim a União pode recuperar a credibilidade que o oportunismo de Barroso fez perigar. Estão a brincar, certo?

Quem veja este espetáculo pode pensar que o tuga, mal habituado, chegou a Bruxelas e fez o que era impensável. Só que Bruxelas é a capital do lóbi e, acima de todos os lóbis, o dos maiores grupos financeiros. Foi esse lóbi, aliás, que determinou muitas das decisões tomadas em relação a esta crise em geral e à da Grécia e de Portugal em particular. E continua a determinar. A Goldman Sachs está em casa e não precisa nem precisou de Barroso para nada. Aliás, o descaramento de o convidar logo depois de sair da Comissão nasceu de um à vontade que vem de longe. Só as críticas de uma imprensa francesa que nunca gostou de Barroso e que é crescentemente eurocética determinou esta reação.

Qualquer tipo de ingenuidades sobre este assunto fica resolvida com a lista de políticos com responsabilidades nas instituições europeias que passaram, antes e depois de ocuparem os cargos, pela Goldman Sachs. Já aqui escrevi sobre isso. Temos Otmar Issing, que foi um dos principais arquitetos do euro e da política monetária europeia e trabalhou com o que viria a ser o Grupo Europeu de Risco Sistémico. Temos Mario Draghi, atual presidente do Banco Central Europeu. Temos Mario Monti, que passou pela Goldman Sachs depois de ter sido membro da Comissão Europeia e nem por isso deixou de ser o nomeado por Bruxelas e Berlim para primeiro-ministro não eleito de Itália. Temos Peter Sutherland, ex-procurador-geral irlandês, que foi comissário europeu para a concorrência e teve um papel central no resgate à banca irlandesa. Temos Romano Prodi, que foi, como Durão Barroso, presidente da Comissão Europeia e como ele foi primeiro-ministro do seu país. Temos Carlos Moedas, comissário da investigação. Temos Karel Van Miert, ex-comissário dos Transportes e também da concorrência. Uns foram da Europa para a Goldman Sachs, outros da Goldman Sachs para a Europa. E não é coincidência haver tantos nomes que passaram por aquele banco e por instituições europeias. Deixa muito claro quem mandou, manda e continuará a mandar.

Dirão: até pode ser grande a promiscuidade das instituições europeias com o poder financeiro em geral e a Goldman Sachs em particular, até pode haver muitos casos antes de Durão Barroso, mas por algum lado tem de começar a moralização. E ela deve ser aplaudida quando começa. E eu pergunto de volta: notam mais algum sinal de moralização? Notam que as ligações à Goldman Sachs tenham, nos últimos anos, sido impedimento para escolher seja quem for para o cargo? Se a resposta é não, há boas razões para acreditar que estamos perante uma encenação.

A encenação em torno de Durão Barroso cumpre duas funções. A primeira é simular, sem qualquer custo, que se estão a tomar medidas. Durão Barroso já não está em Bruxelas. Apesar de ter sido um capacho de Berlim, é uma carta fora do baralho. Ninguém, nem sequer o seu país ou a sua família política, o defenderão. Foi escolhido para presidir à Comissão Europeia pelo mesmo critério que os seus antecessores e o seu sucessor: era suficientemente fraco e ambicioso para depender de quem mandasse. E fraco continua. Excelente para ser o bombo da festa. Acalma-se o povo e, sem se ter de mudar nada, a Goldman Sachs, assim como todos os restantes poderes financeiros, podem continuar a tratar dos seus negócios em Bruxelas.

A segunda função é mais geral, num momento de enorme descrédito do projeto europeu.

Era costume dos judeus escolherem um bode para sacrifício. O sacerdote punha as mãos sobre a cabeça do animal e confessava os pecados do povo de Israel. Depois, o bode era entregue à sua sorte, e levava com ele os pecados de todos. Essa é a função de Durão Barroso, transformado em bode expiatório da Europa.

Tem as características ideias para isso: sem caráter, sem fidelidades, sem amigos e pronto para se vender. A humilhação de Barroso tem como única função atribuirmos-lhe todos os pecados de quem o condena. Mas é como castigar alguém por passear nu pelos corredores de um bordel.