Rapariga bonitinha precisa-se

(Clara Ferreira Alves, in Expresso, 10/04/2020)

Clara Ferreira Alves

Terça-feira, 7 de abril de 2020, 13h.

Abro a homepage de quatro jornais, o “Público”, o “Diário de Notícias”, o “Observador” e o meu jornal, o Expresso. Todos os dias faço este exercício, para ver se me engano. Conto as fotografias publicadas dos homens e das mulheres, incluindo as de publicidade ou promoção, as colunas de opinião, as notícias nacionais e internacionais. Corro tudo. Corro a homepage até ao fim e faço a contagem. Excluo as fotografias de grupo confusas e os conjuntos de futebolistas, mas não as repetições, porque as repetições ajudam a compreender o fenómeno da omnipresença. As mulheres não estão apenas em minoria em todas as representações, as mulheres são uma ínfima parte do espaço público e são usadas para ilustração de três coisas básicas: família ou casal, trabalho considerado feminino, como coser ou cuidar dos filhos, e limpeza.

Vamos ao dia em que escrevo, terça-feira, 13h.

No “Público”, um jornal com fama de feminista, conto 39 fotos de homens, onde se incluem chefes políticos, e quatro, 4, fotografias de mulheres. Mesmo as ilustrações de notícias covid, as prisões, a quarentena, quem morre no hospital, fotografias genéricas incluem mais homens do que mulheres, e temos também o homem mais velho do mundo. Haverá uma mulher?

app da empresa Idealista, publicidade, tem como ilustração um homem, género normalmente escolhido pela publicidade para tudo o que não seja detergente ou cosmética. As fotografias de banqueiros? Homens. De autarcas? Homens. Até a ilustração de uma rua de Londres traz um homem numa trotinete. A opinião masculina tem um destaque fotográfico que a opinião feminina muitas vezes não merece. Tenho vindo a investigar estas discriminações há muitos meses, desde antes da covid, sei do que falo. Nos conteúdos comerciais, as mulheres são largamente postas de lado, exceto na venda de carne a peso, caso das raparigas que entretêm o olhar masculino ou de celebridades. Uma ilustração de sem-abrigo traz um homem, e um abraço plastificado, covid recomenda, é entre pai e filha. A fotografia da possível abertura das escolas? Um grupo de rapazes.

Entretanto, esta semana morreu uma Bond girl, Pussy Galore, com quase 100 anos, e teve destaque nas respetivas homepages, porque Pussy Galore é um protótipo feminino velho como o mundo. A Bond girl, bonitinha e inútil. Mesmo que nada disto se aplique hoje à nossa sociedade, a Pussy teve mais fotos do que a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

Vamos ao “Diário de Notícias”. Conto 45 fotos de homens, incluindo publicidade, e 23 de mulheres, incluindo uma promoção à Portugal Mobi Summit, que usa mulheres profissionais como ilustração. Para ilustrar a defesa das mulheres da limpeza do Luxemburgo lá vem uma mulher de vassoura. E no fabrico de máscaras lá está a máquina de costura. Na opinião, o “DN” dá voz a várias especialistas de circunstância, incluindo uma que ensina a sobreviver aos filhos. Numa rubrica, uma mulher aparece agarrada ao telemóvel com o título “Esta não é a altura de mandar mensagens ao ex”. O lugar-comum da ex-namorada histérica e que não larga o osso, assediando ex-namorados.

Num momento histórico em que o abuso e a violência doméstica estão a aumentar devido ao confinamento, não há sobre isto muitas linhas nos jornais portugueses, ao contrário do que fez “The Guardian”. Em compensação, a notícia da série de televisão “A Espia” tem no “Público” a melhor foto de mulheres, uma rapariga bonita e fresca. Os homens velhos aparecem em todo o lado. As mulheres velhas raramente são vistas em página. Falta de fotogenia. As exceções são Lagarde, que aperta os cordões da bolsa, e Merkel, pela mesma razão.

No “Observador”, temos 50 fotos de homens, com repetições, e Cristiano Ronaldo, António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa são os reis da repetição em todos os jornais, e 14 fotos de mulheres, com algumas repetições. Lá anda por entre as notícias a nossa Pussy Galore. Um anúncio da Cofidis, “Conta Connosco”, tem um homem por ilustração, porque sabemos que pedir dinheiro emprestado, tal como comprar casas, é privilégio masculino. Na opinião do “Observador”, as mulheres são clara minoria. Em compensação, a opinião masculina abunda e orneia, como diria o Eça ao Camilo.

No Expresso, conto, às 13h06, 44 fotografias de homens e 19 de mulheres, incluindo um torso feminino a ilustrar uma notícia. O destaque feminino vai para uma interessantíssima peça sobre Ming Hsu, a milionária chinesa que doou quase cinco milhões de euros de material médico a Portugal. Este perfil estava em primeiro lugar nos mais lidos, o que demonstra que as boas peças sobre mulheres poderosas são lidas. Mas Ming não é apenas uma mulher poderosa, é apresentável e sobretudo, a avaliar, muitíssimo generosa. Apesar de Ming constar dos “Paradise Papers”, que o Expresso e o Consórcio Internacional de Jornalistas publicaram, ela revela uma “paixão filantrópica” pelos lusitanos e pelo torrão nacional, onde tem investimentos. Tal como a Fosun, do Partido Comunista Chinês, que também doou material médico aos portugueses. Ming, figura nebulosa, recorda-me dois aforismos. O primeiro: a cavalo dado não se olha o dente, com um ponto de interrogação. O segundo: não há almoços grátis.

Tal como Isabel dos Santos, que por aí continua nos rodapés, figuras femininas como as de Ming Hsu ou outras, e há muitas, atraem leitores, mas este tipo de notícias, reportagens ou investigações são minoritárias. O grosso do que é produzido nos media, e não apenas portugueses, é supervisionado por homens para ser consumido por homens, visto e lido por homens. Boys will be boys. O preconceito está tão arreigado que nem as mulheres o notam. Sempre que é necessário produzir uma opinião de potestade, o homem é convocado. A mulher é relegada para a opinião de nicho, moda e design, cozinhados (mas não de chefe, categoria superior), família, filhos, crianças, cuidados, limpezas. Nessa disciplina essencial que é a economia, ou a gestão do dinheiro e da banca, as mulheres foram relegadas para o secretariado e a máquina de café. Olhe-se para a composição do Banco de Portugal ou dos conselhos de administração das empresas. Quando Cláudia Azevedo, filha de Belmiro de Azevedo, sucedeu ao irmão, Paulo Azevedo, como CEO da Sonae, as ações desceram, num sinal de desconfiança, entretanto recuperando. Apesar de tudo, o Governo de António Costa é mais ou menos representativo do “eterno feminino”, mas o PSD de Rui Rio é um imenso patriarcado.

De Jane Austen para cá, parece às vezes que nada mudou. E nem falo da discriminação salarial. As mulheres são quem mais consome informação e cultura, quem compra mais livros e quem mais lê. E votam. Façam as contas.


Advertisements

3 pensamentos sobre “Rapariga bonitinha precisa-se

  1. Nunca tinha feito essas contas.

    Mas penso que existem várias razões para isto que não machismo.

    – Como espectáculo o desporto masculino é muito mais popular entre homens e mulheres do que o feminino. Isto não é por “machismo” mas porque sendo os homens naturalmente muito mais fortes do que a mulheres naturalmente é no campo masculino que se batem a esmagadora maioria dos recordes de performance humana. Só por aí daí metade das fotos nos meios d comunicação estão garantidas para homens, simplesmente porque despertam mais interesse do publico em geral.

    – As mulheres são mais desinteressadas pela prática politica que os homens. Por exemplo, há muitos anos estive metido numa cena politica. Embora fosse aberta a todos e quantos (e quantas) mais melhor, só um décimo dos militantes eram mulheres e mesmo essas, a maior parte eram jovens que iam atrás dos namorados, talvez mais para os controlar do que propriamente pela actividade politica em si.

    Podemos ver isso até nas caixas de comentários. A esmagadora maioria dos comentadores são homens, mostrando um relativo desinteresse das mulheres na participação na discussão politica. Como tal, só por causa disso temos a outra metade das noticias cheias de homens.

  2. ” porque sabemos que pedir dinheiro emprestado, tal como comprar casas, é privilégio masculino. ” Como? E$stá a gozar? Pedir dinheiro emprestado é um privilégio? Sempre vi isso como uma desgraça. Escreve-se cada uma! Têm de publicar um artigo e nem pensam.

  3. Eis aqui algumas diferenças entre o desporto masculino e o feminino, neste caso no atletismo, que faz com que os recordes humanos sejam essencialmente recordes masculinos, a começar pelo recorde de fotos de atletas masculinos que nestas condições é natural que encham os jornais.

    “No atletismo, o tamanho e a distância em provas de barreiras difere entre masculino e feminino, sendo o primeiro disputado numa raia de 110m com altura do obstáculo de 1,067m e o segundo 100m com 84cm de altura. O mesmo se passa com os lançamentos, seguindo as regras abaixo:

    Disco

    – Prova masculina: o disco mede entre 219 e 221mm de diâmetro e de 44 a 46mm de espessura. Pesa dois quilos.

    – Prova feminina: mede entre 180 e 182mm de diâmetro e de 37 a 39mm de espessura. Pesa um quilo.

    Dardo

    – Prova masculina: mede 2,7 metros e pesa 800 gramas

    – Prova feminina: mede 2,3 metros e pesa 600 gramas

    Martelo

    O conjunto bola, arame e alça formam uma unidade de comprimento máximo de 1,2m para ambos os sexos.

    – Prova masculina: peso 7,26 quilos.

    – Prova feminina: peso quatro quilos

    Lançamento do Peso

    – Prova masculina: mede entre 11 e 12cm de diâmetro e pesa 7,26 quilos

    – Prova feminina: mede 9,5 e 11cm e pesa quatro quilos”

    – Quanto ao interesse das mulheres na politica, outra causa da diferença do número de fotos nos jornais, algum que participante nestas caixas que tenha a pachorra, que conte o numero de nicks femininos e masculinos nas caixas de comentários neste mesmo blog. Assim por alto é capaz de não andar longe dos tais dez homens por cada mulher que eu referi da minha experiência politica.

    – Por ser mais fácil dei-me eu ao trabalho de contar o número de homens e mulheres que escrevem artigos publicados neste blogue.

    Contei até 1-4-2020.

    A conta deu;

    DOZE homens diferentes para DUAS mulheres.

    E desculpem lá, mas não acredito que este blog esquerdista seja “machista. racista e fascista” como certa esquerda chama logo a todas estas situações.

    Simplesmente deve haver dez vezes mais homens a escrever artigos políticos.

    O que se passa é muito simples.

    As mulheres em geral interessam-se muito menos pela politica.

    Como querem depois ter tantas fotos como os homens nos jornais ?

    Comecem a bater os recordes masculinos no desporto (impossível) e a interessar-se mais por politica (não sejam tão preguiçosas) que já têm mais fotos nos jornais.

    Sorry.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.