Quem não tem Pedrógão caça com Monchique

(Daniel Oliveira, in Expresso Diário, 14/08/2018)

Daniel

Daniel Oliveira

O número de vítimas mortais, mais do que qualquer outra coisa, tornou os fogos de Pedrógão e de outubro na principal notícia de 2017. Foi um acontecimento traumático que, apesar de se dispensar a orgia de sensacionalismo telegénico, merecia um tratamento prolongado. Tentando ser simpático, talvez alguns excessos mediáticos até fizessem parte do luto. Com Monchique as coisas são diferentes. Percebemos que havia um batalhão de televisões em crise de audiências e de políticos em crise de votos, mortinhos para que houvesse um incêndio. Não tendo havido mortes (não por milagre mas por ação das autoridades, que até por isso foram criticadas), restou, para além do espanto com o facto de ainda haver incêndios depois de Pedrógão, a frase maldita de António Costa: Monchique foi “a exceção que confirmou a regra do sucesso da operação que decorreu ao longo de todos estes dias”.

Depois da indignação forçada, o primeiro-ministro veio dizer que a frase foi descontextualizada. O que ele disse foi isto: “Porque é que o incêndio não foi apagado no primeiro minuto? De facto este incêndio poderia ter sido apagado como os outros 25. Como poderia ter ocorrido como com as 581 outras ignições que aconteceram. Mas por circunstâncias próprias, que têm a ver com a dificuldade do terreno, com as condições climatéricas específicas, com a composição da floresta que temos no local e certamente por outros fatores que no final desta ocorrência poderão ser apurados, foi a exceção que confirmou a regra do sucesso da operação que decorreu ao longo de todos estes dias”.

A frase não foi descontextualizada. E, com ou sem contexto, está certa.

Todo o debate que se fez depois disto, da acusação de “saloiíce” no tempo de antena partidário de Marques Mendes à conferência de imprensa do PSD, apenas demonstra que o que aconteceu em Monchique é a menor das preocupações da oposição. O que interessa é manter o assunto vivo e o primeiro-ministro envolvido. Quem não tem Pedrógão caça com Monchique.

A frase de Costa é objetivamente verdadeira porque assistimos a um dos verões com temperaturas mais altas desde que há registo. Porque houve incêndios de enormes dimensões em várias partes da Europa, em países menos secos e que chegaram a temperaturas mais baixas. Porque qualquer pessoa razoável esperou, naqueles dias, notícias de muitos incêndios. Porque 25 incêndios foram travados antes de ganharem dimensões mais perigosas. Porque se evitou que 580 ignições se transformassem em incêndios. E nenhuma das coisas aconteceu por força da natureza. Porque, tirando todos estes factos, houve uma ignição que se transformou em incêndio e ganhou grandes proporções. Na análise fria dos factos, temos um padrão em que a prevenção e o combate resultaram e uma exceção em que tal não aconteceu. Perante essa exceção, num país que tem os mesmos problemas de desordenamento do território e da floresta e as mesmas debilidades estruturais que tinha há um ano, conseguiu-se evitar a perda de qualquer vida humana.

Pode falar-se de “vitória”? Tendo em conta que houve um enorme fogo com perdas materiais e na floresta, não. Havendo incêndios, como sempre haverá, nunca se poderá fazer um balanço positivo. O que torna toda esta conversa um pouco absurda. Certo é que nada do que Costa disse é mentira. Resta a insensibilidade de o ter dito. Do que se conclui que, apesar de todos dizerem que o Governo deve fazer balanços rigorosos do que se fez e falta fazer, ninguém quer realmente balanços rigorosos. O que se quer é uma comunicação política mais polida.

Concordo que a sensibilidade com que se transmite um facto não é um pormenor em política. Mas não deixa de ser interessante ver os mesmos que se queixaram de um excesso de preocupação com as vidas humanas lamentarem a insensibilidade do primeiro-ministro. Eu diria que a maior das insensibilidades é usar o sofrimento das pessoas para horas de diretos emocionais que garantam boas audiências. Mas isto sou seu, que acho que as qualidades humanas e morais não têm de ser um exclusivo da classe política.

Anúncios

Um pensamento sobre “Quem não tem Pedrógão caça com Monchique

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.