O Caso Marquês

(In Blog O Jumento, 01/07/2017)

sócrates1

(O prazo dado pela Procuradora para sair a acusação a Sócrates terminava ontem. Não houve acusação nenhuma, a Procuradora “aos costumes disse nada”, e na comunicação social ninguém deu por nada, a não ser a RTP3. Estranho. Será que o processo e as “provas contundentes” arderam no fogo do Pedrogão?  Ou não houve acusação para não retirar da primazia da agenda mediática o caso do fogo e das armas roubadas, e o ataque cerrado ao Governo que está a ser feito pela direita? 

Estátua de Sal, 01/07/2017)


Parece que a acusação do Caso Marquês aguarda a resposta a cartas rogatórias, sinal de que que dessas mesmas cartas depende a produção de prova. Enquanto as respostas não chegam inicia-se o caso EDP. Está-se mesmo a ver, mais dia, menos dia, o caso EDP vai bater à porta de Sócrates e o Caso Marquês tem direito a mais três anos de investigações.

A dúvida está em saber o que vai acontecer primeiro:

  • a aposentação do procurador,
  • a mudança de profissão do fiscal das finanças,
  • a substituição da Procuradora-Geral,
  • a instituição de um regime político de magiostrados, ou
  • o falecimento por velhice de José Sócrates.
Anúncios

6 pensamentos sobre “  O Caso Marquês

  1. Diz-me com quem andas,
    Dir-te-ei quem és!

    Cada um tem o que merece!
    Por isso o Zépovinho LUSO teve que aguentar 40 anos de “arco” e mais uns tempos gerigonçados, enquanto o capitalismo, retomado com o 25 de novembro de 1975, sob o comando do então impoluto militar forjado nas terras de Alcains e temperado na guerra colonial contra os “terroristas” e os “pretos” (que lá viviam desde que o homosapiens surgiu no planeta Terra), foi aguçando as suas garras e, desde pinheiro&carneiro&soares&freitas&eanes&cia até ao pide de Boliqueime, colocou Portugal (o Portugal que foi capaz de, a partir do 1° de Maio de 1974, fazer ABRIL) de mão estendida à caridadezinha da propangandeada “Europa connosco”!….
    Entretanto, os “famosos” CEOs, que marcaram uma “encíclica geração” de condecorados por feitos gloriosos à Pátria Lusa, agora já também com o Mexia que ainda há pouco era o último que faltava, estão todos a contas com a justiça!…
    Enquanto isto, com o continuar do “legado de mário soares” prometido pelo actual PM quando em campanha doméstica que afastou o Zezito Seguro, o Zépovinho alienado vai pagando as vigarices dos salgados, ensonsos e quejandos, com sangue, suor, lágrimas e até com a própria vida.
    E as últimas 64 de Pedrógão, prepretadas pelo fogo, mais rápido e voraz que o da Santa Inquisição, são isso mesmo – apenas as últimas -, porque, infelizmente, mais mortes virão, na medida em que, por vontade dos mesmos de sempre, ou dos seus herdeiros que estão agora, regaladamente, sentados nas cadeiras do poder, o capitalismo vai continuar a ditar as suas regras ainda por mais alguns tempitos, que eu quero, espero e muito desejo que sejam escassos, se bem que vá continuar em estado adiantado de franca agonia, qual moribundo atingido letalmente mas que, aqui e ali, vai experimentando pequenos espasmos [o PIB vai crescendo na casa dos 2% em algumas economias que foram fortemente fustigadas, mas à custa do “dinheiro helicóptero” que, entretanto, esgotou, segundo anunciou um ilustre democrata da “Europa connosco”, Mário Draghi, e mais recentemente com o dinheiro do “abraço da morte” que consiste em, quando um banco está para morrer/falir, injectam-se uns milhões, resolve-se, de “resolução” – mais um maravilhoso vocábulo novo que veio enriquecer o léxico do pós-moderno ocidental (a tal zona geográfica que mais tem contribuído para a “História da Civilização”, no dizer de um ilustre comentador aqui na Estatuadesal), que não passa de sinónimo de falência – ou procede-se à “resolução” do banco, e o Zépovinho paga, “abraço da morte” este, também em vias de extinção porque, afinal, a crise não era apenas da banca, mas sim do sistema económico-social dominante – o hediondo capitalismo; e a crise já leva quase 10 anos, coisa nunca vista antes, e já lá vão mais de 400 anos com tantas crises (porque estas, as crises, estão para o capitalismo, como a NATO está para a segurança de Portugal – estão-lhe no ADN).
    Com este cenário (macabro) e mais o que aí virá, como vamos admitir que a (espécie de) justiça que temos (baseada, por um lado, no direito burguês e capitslista, dito positivo, que JAMAIS cuida de saber, ou, sequer, se preocupar com a sua – do dito cujo – adequação à vida real dos cidadãos, designadamente dos que integram o Zépovinho, e, por outro, com o “corpus de juízes” a quem os impostos de todos os contribuintes – e somos todos os que aqui residimos, proletários e não proletários – pagam os óptimo vencimentos (se comparados com os da média dos portugas) e outras mordomias, e até são, nesta “exemplar” democracia burguesa que nos impuseram, considerados “órgão de soberania”, o 4° da hierarquia do luso poder democrático, se bem que não eleitos, é verdade, mas que servem bem os interesses das elites instaladas, e quando assim é, que se lixe a democracia com um “F” mauita grande, gente esta que até ameaçam entrar em greve, mesmo que tal seja inconstitucional, com gente desta, num ambiente social destes e com um imaginário colectivo moldado à maneira, como poderão ser julgados e condenados à prisão todos os ilustres e condevorafos indiciados ?????
    Eu não estou a ver como será possível!
    Pelo menos enquanto o capitalismo for o sistema económico e social dominante!…
    E vocês????

    Liked by 1 person

  2. Para quem pensa um bit que seja acerca da profusão de opinadores doutos e sabidos acusadores públicos à procura de “responsáveis” e “culpados” pelas mortes em Pedrogão e pelo roubo de material de guerra do paiol militar, é estranho, muito estranho que acerca da PGR que prendeu um PM em directo pelas tv sob fortes indícios de corrupção e outros crimes graves e depois de vários prorrogamentos ilegais de tempo lato volte, novamente, pela 5ª ou 6ª vez a prorrogar o prazo sem sequer dar qualquer explicação ou fundamento.
    Ou pior, contra a Lei e o Estado de Direito, arranjou um álibi de forma terrorista que deixa o arguido sob investigação e suspeita sem prazos nem qualquer limite de tempo, ou seja como diz o Jumento, até que morra o procurador acusador vingativo, a procuradora vingativa que quer acusar à força ou o arguido Sócrates o que era o ideal; a vingança fora executada com pena de morte lenta.
    Mas a tomada de posição por omissão dos tais omnipresentes opinadores, de cu sentado nos fofos cadeirões das tv que dão notoriedade a quem as serve, é um sinal evidente da sua consciência corrupta, corrompida, precisamente, pelo trabalhinho bem pago do frete subserviente.
    Toda essa gente está, duma ou doutra maneira mais ou menos visivelmente, comprometida por tortuosas tomadas de posição que foram tomando ao longo do processo, por calculismo, oportunismo ou cinismo, e que agora fingem que já não existe caso para aliviar-lhes o peso da má consciência que sentem.
    A posição de toda essa gente é muito pior, sob o ponto de vista do carácter, da que é tomada e executada pela própria PGR. Esta mantém o caso em banho maria mas não o pode esquecer ou fingir que não existe e a tal gente omite-a como se o caso já fosse passado, como se Sócrates já tivesse há muito sido julgado e condenado o que, na realidade, apenas ainda só aconteceu nas suas falaciosas opiniões.

    Liked by 1 person

  3. O caso Sócrates/Marquês há muito que está inquinado. No entanto e independentemente da absolvição podemos dizer ter havido justiça. Ele esteve preso com numero de recluso e tudo. Dir-se-á mas agora o Estado terá que o indemnizar. Verdade. Mas o tempo que passou na cadeia, a humilhação pública e a exposição das suas trafulhices já ninguém lhas tira. Nem mesmo os comentários que o deixaram fazer na TV tiveram o apreço do público. José Sócrates está rico á conta dos Portugueses mas isolado e apenas rodeado pêlos seus amigos trafulhas. Só por isso já a Operação Marquês teve sucesso.
    Infelizmente há um caso bem mais grave a envolver outro politico que vai passar impune. Falo de Duarte Lima. Um ladrão e um assassino que se escapa ás malhas da Justiça. Em situação análoga as autoridades Portuguesas e Brasileiras colaboraram e levaram perante a justiça um assassino Brasileiro. Falo do assassino de Tires. Matou cidadãs Brasileiras no estrangeiro e fugiu para o seu país. As autoridades Portuguesas investigaram o caso e entregaram as provas ás autoridades Brasileiras que o detiveram, julgaram e condenaram. No caso de Duarte Lima temos um assassino que matou uma senhora idosa Portuguesa no Brasil e fugiu para o seu país. As autoridades Brasileiras investigaram o caso e informaram a justiça Portuguesa que nada fez. Dois pesos e duas medidas. Nem a comunicação social voltou a falar do caso e Rosalina Ribeiro foi morta e abandonada numa lixeira.

    Liked by 1 person

  4. Da discussão nasce a luz….Encontrar opiniões semelhantes é possível ,mas difícilmente perfeitamente paralelas já que a nossa percepção da realidade diverge,já que as vivências não serão as mêsmas…Se a verdade é só uma,afinal porque há tantas versões religiosas,políticas económicas e por aí fora…E guerras,porque há guerras ? e extremismo? Não se trata de ser aprendiz de feiticeiro,de ser um filósofo ou um matemático.Não somos números,somos seres humanos que ocupamos um lugar na sociedade que devemos ajudar a construir para que haja evolução e bem estar.Trata-se a meu ver de funcionar,interagir,progredir e melhorar sem prejudicar o próximo,doutro modo,será a própria sociedade a sancionar o faltoso.Chega de tretas e vamos ao assunto…O quarto poder,juízes e magistrados..Esta classe é paga por quem? A meu ver e maioritáriamente pelos cidadãos de baixos recursos que contribuem para sustentar essa classe que agora até ameaça com greves…Ainda bem que os que recebem o ordenado mínimo não fazem greve,senão como seriam pagos os governo,políticos,presidente,banca,hospitais educação e por aí fora ? Respeito parece ser uma palavra vâ…Os funcionários públicos adequaram-se com novas tecnologias,Simplex e afins e embora acossados,prestam reais serviços á população,são válidos…É verdade já fui funcionário público nomeado pelo Ministério da Educação mas abandonei por não concordar com o sistema e ou o modo de vida que isso implicava…Políticos bem,o melhor é passar á frente e nem falar nas atrocidades e reformas vitalícias dos inimputáveis que sugam o sistema em próprio proveito..Dá-me a impressão que são os juízes e magistrados o verdadeiro calço de travão do aparelho de estado…Infringem a lei ?!!!….,não respeitando prazos…Será que são descendentes dos “mangas de alpaca” dos antigos gabinetes do papel selado,das folhas de 25 linhas…?Cruzamento de dados,tecnologia de ponta ,produtividade e eficácia….Acham-se insubstituíveis e eternizam o que deveria ser trabalho rápido e eficaz,cumpridor da lei que é para todos…Status quo,idade média,velhos do Restelo,improdutivos,duvidosos não podem fazer parte desta sociedade…Ou trabalham ou RUA..

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s