Surpresa!

(José Pacheco Pereira, in Revista Sábado, 13/05/2016)

Autor

                Pacheco Pereira

Escrito contra Sócrates em 2005, quando muitos dos nossos “liberais” eram desenvolvimentistas, quando se dizia que Sócrates estava a “roubar” o programa ao PSD, quando Sócrates aparecia como o herói da direita para pôr em ordem o défice que recebera de Santana Lopes, quando Sócrates aparecia como lutador contra as “corporações”, aquilo que hoje a direita chama “oligarquia” (maldita memória!), um texto meu convenientemente descontextualizado tem sido muito citado (agradeço) para mostrar que o Pacheco Pereira “bom” era liberal e o Pacheco Pereira “mau” é socialista. Como no banco mau e no banco bom. E, portanto, ou “traiu” ou está doido. O argumento psiquiátrico tem sido muito usado, ao estilo da “psiquiatria” política da velha URSS.

Desenganem-se que sou muito mais liberal que socialista, mas sou sujeito a esse interessante anátema de que agora tudo o que não pertence a essa direita radical é socialista, pelo menos, quando não é esquerdista, radical, comunista, etc. Aliás, sobre o que disse no artigo que publiquei e que suscitou a fúria destes “liberais” (“Para a nossa direita radical o Papa é do MRPP”), nada é dito e percebe-se porquê: é que eles pensam mesmo que o Papa é do MRPP com aquelas histórias da “economia que mata…”
Sabem qual é a surpresa? É que no essencial continuo a pensar o mesmo e não me converti ao socialismo, a não ser à parte de socialismo que existe na social-democracia. Hoje diria mais coisas, porque o espírito dos tempos é outro e os problemas de 2016 são diferentes dos de 2005, mas podia dizer e certamente direi as mesmas.

Sim “precisamos de mais liberalismo, de mais liberdade económica, de mais espírito empresarial”, até porque a herança do governo Passos Coelho/ Portas é tudo menos liberal. Aliás, muitas coisas são uma continuidade ainda mais agressiva de política de Sócrates, como se passou com o fisco, onde os portugueses não são cidadãos, mas mentirosos à cabeça e onde os direitos de privacidade são inexistentes, como se vê consultando a história da nossa vida toda em facturas.

A substância do que ocorreu nos últimos anos é apenas cortes ilegais de salários e pensões e alterações à legislação laboral. Nenhuma reforma estrutural foi feita, a não ser o perigoso desequilíbrio de poder no mundo do trabalho, de que pelos vistos estes nossos “liberais” gostam. Imaginem se tinham que conviver com a presença dos sindicatos nos conselhos de administração das empresas como na Alemanha. Ah!, mas os sindicatos não são os mesmos! Verdade, mas os patrões também não são e se pensam que os grandes sindicatos alemães não fazem greves e muitas vezes bem duras, estão enganados.

Agora “espírito empresarial” não é o jovem do Impulso Jovem aos saltos num palco a dizer inanidades, não é assentar o sucesso empresarial em salários baixos, não é combater os sindicatos e impedir o direito à greve, é olhar para a realidade das nossas empresas e ver, antes dos malditos dos trabalhadores preguiçosos, a muito má qualidade da nossa gestão.

O “espírito empresarial” faz muita falta em Portugal, mas o que o governo de Passos Coelho fez foi usar o poder político para colocar as “empresas” como sujeito da política e isso é o menos liberal que há. Significa, entre outras coisas, soçobrar o Estado numa política de interesses que não serve a Economia nem as pessoas. A paixão por Singapura é um bom exemplo, a tentação de um modelo autoritário de governo em nome do “sucesso empresarial”.

Sim, precisamos de “crise” no sentido schumpeteriano e de mais “insegurança”, mas não é apenas para os mais fracos, que já têm que chegue. O que herdámos foi a pior das “inseguranças”, uma sociedade sem palavra nem boa-fé, em que todos os contratos com uns eram para romper e com outros para manter sem hesitações. Em que se governou contra a lei e pelo medo, com desprezo pelos efeitos sociais da pobreza e da desigualdade, vistos como “efeitos colaterais”. Uma sociedade liberal, usa a liberdade, toda a liberdade, para dar poder às pessoas, empowerment no sentido anglo-saxónico, e não para as fixar numa vida sem esperança nem perspectivas. E, admirem-se, sem propriedade como condição de liberdade.

É que os nossos “liberais” o que fizeram por essa Europa toda foi exactamente o contrário do sentido schumpeteriano da crise criadora, “protegendo” o sistema financeiro da crise que ele próprio tinha criado e fazendo recair as custas dessa “protecção” sobre os trabalhadores e pensionistas.

Podia continuar, mas a causa é ruim. O problema está no enorme simplismo e na dicotomia com que se fala de política em Portugal. Ou é a preto ou é a branco. É falar do “liberalismo económico” como se fosse alguma coisa que sem liberalismo político, em primeiro e em último lugar, fosse diferente da lei da selva.

Para um verdadeiro liberal a liberdade nasce da política e não da economia, e a subordinação do poder económico ao poder político é vital. Para quem ama a liberdade, a democracia implica o voto e o primado da lei, tudo coisas que nos anos da “crise” perdemos. O nosso voto não vale quase nada porque não nos governamos a nós próprios e a lei, a começar pela Constituição, de nada valia.

Quanto ao resto batam à porta da Europa s.f.f. É que hoje a “Europa” do Eurogrupo, os seus mandantes de Bruxelas e os seus mandados em cada país são a principal ameaça à liberdade dos povos. Hoje, ser liberal, no completo e genuíno sentido da palavra, é combater aquilo que na verdade nem é sequer um “superestado”, mas uma máquina de poder ao serviço de interesses da Alemanha e dos seus aliados, e de uma burocracia tecnocrática que acha que governa melhor os países do que os seus políticos eleitos. Nada tem feito mais mal à liberdade do que o pôr em causa a soberania como espaço em que a democracia tem sentido.
O que é que pensam que a Europa está a impor aos gregos a ferro e fogo? Mais liberdade na sociedade e na economia? Soluções para a crise da economia grega? Não. Um puro diktat punitivo, sem canhoneiras como no passado, mas com dinheiro. Ainda estou à espera de ver os nossos “liberais” incomodados. É disto que tem sentido falar em 2016.

Advertisements

2 pensamentos sobre “Surpresa!

  1. Perdeu o seu tempo a falar numa ideia que os liberais de há 40 anos deixaram de ter, ou que subverteram completamente fazendo dela o seu contrário. O que mandam os manuais da mentira e do embuste. Os liberais de agora querem a liberdade deles, como títeres políticos, e da sua clientela e como mandam na comunicação social vociferam o conceito à sua exclusiva maneira, mas como praga. E riem-se; e afogam tudo.

    Gostar

  2. A principal preocupação do Liberalismo não é, como nos pretendem fazer crer, a Liberdade de Iniciativa na Economia. A principal preocupação é com a Autonomia de cada Indivíduo, como Pacheco Pereira bem salienta acima. Nessa medida, os ‘Liberais’ portugueses não passam de um bando com tiques bem autoritários. O seu País é, apenas, o País dos empresários. O bem-estar dos restantes cidadãos, a começar pelos funcionários públicos, essa classe odiada, é algo que pura e simplesmente não interessa.

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s