Sobre a crise dos jornais (2)

(José Pacheco Pereira, in Público, 09/01/2016)

Autor

                 Pacheco Pereira

As regras do “novo” jornalismo que abandona a mediação pela “leitura” da rede e a pretensa “participação” nela, acabam por substituir uma actividade crucial na democracia por um reforço da demagogia.


No primeiro artigo que aqui escrevi falei de dois aspectos da crise dos jornais e do jornalismo: a decadência de uma cultura das notícias nas redacções em detrimento de um jornalismo opinativo e a aceitação acrítica das “redes sociais” e do chamado “jornalismo do cidadão” como fonte de notícias sem mediação, ou como um agora electrónico em que se possam ver “tendências”. Se a crise das notícias, o terreno sólido do jornalismo, ainda pode ser explicada pela depauperação das redacções, pela escassez de meios e de tempo, pela utilização de trabalho de estagiários e outras formas de trabalho barato, em detrimento de redacções sólidas e experimentadas, abaladas pelo afastamento de muitos dos seus jornalistas seniores, tidos como mais caros, a aceitação acrítica de que o jornalismo “mudou de carácter”, passou a ser “interactivo” com os seus leitores, tem de “modernizar-se” e acompanhar as “novas tendências” da “informação” e usar “novas fontes” e “novos métodos” em resultado da Internet, do Facebook e do Twitter, é para mim uma receita certa para substituir os jornais por um “produto”, ou uma “marca”, ou uma espécie de blogue entre o opinativo, o copy-paste  e o cultural, dependendo dos gostos.

O deslumbramento tecnológico típico dos nossos dias presta-se a muitas ilusões que, ou arrumam os jornais no capítulo da lanterna mágica, quando surgiu o cinema, ou geram uma reacção nostálgica, sobre quão bom é que era o passado, ou resultam num atestado de óbito apressado ao jornalismo como exercício de uma profissão de mediação, com regras próprias e saberes profissionais e uma ética do seu exercício. A ideia utópica é que o que se passa “em rede” é uma espécie de diálogo universal em que todos falam com todos, com base num estatuto de igualdade virtual, em que o que dizem tem potencialmente o mesmo valor, é uma utopia e, pior ainda, uma utopia que iguala a ignorância ao saber. É uma utopia boa para os poderosos, porque não se lhes aplica, mas que deixa para o “povo” um simulacro de participação, e interactividade, que é totalmente manipulável. Não é preciso saber, basta estar “conectado”.

As regras do “novo” jornalismo, que abandona a mediação pela “leitura” da rede e a pretensa “participação” nela, acabam por substituir uma actividade crucial na democracia por um reforço da demagogia e uma pauperização da informação que é vital numa democracia já de si sitiada pela crise económica. Abandonar, quer no jornalismo em papel quer no online, o papel da mediação profissional do jornalista em detrimento do igualitarismo do ruído da rede a que se dá estatuto noticioso tem imensos resultados perversos.

Como o espaço não chega, darei apenas um exemplo do efeito deste tipo de comportamento no acentuar de uma permeabilidade às modas e à efemeridade das modas, que resulta numa falta de variedade e no comportamento de rebanho. Veja-se então o fenómeno de modismo que cria um novo estereótipo de “herói” para a comunicação social, que é promovido em secções sobre “de quem se vai falar no futuro”. (Aliás, é pena que não se faça um balanço sobre que “futuro” tiveram muitos daqueles que eram “prometedores” há um ano ou dois, para se avaliar do critério do julgamento sobre que virtudes eles tinham.)

Há várias características comuns que acentuam a indiferenciação. Como todos os “heróis” mediáticos que hoje circulam nas modas, trata-se de “jovens”. É interessante e irónico ver redacções de quarentões a desenvolverem imensos esforços para fazerem jornais para “jovens” que não os lêem, ou que os lêem cada vez menos, como se o olhar dos “velhos” sobre o que interessa aos “jovens” resolvesse a crise dos jornais em papel, ou mesmo dos jornais online. Essa mitologia da juventude impede, aliás, os jornais de serem melhores e mais eficazes para o seu público natural que são pessoas mais velhas.

Na fase actual da moda, o estereótipo é o “jovem cientista”, altamente qualificado, quase sempre do domínio das ciências como a física, a astronomia, a biologia ou a medicina, investigador reputado, sempre com uma sanção de qualidade internacional. São estes jovens investigadores pessoas de grande mérito? Sem dúvida, mas não é isso que torna a sua utilização nesta nova forma de “heroicidade” mediática criticável. É que estas carreiras e as áreas em que se exercem aparecem como uma espécie de limbo intangível, em que não entram, por exemplo, as mais sujas humanidades, com a sua relação perigosa com a sociedade e a política. Os astros ou as partículas ou as moléculas são um terreno incontroverso, como as artes ou o desporto o foram a seu tempo, porque o padrão implícito na escolha é o de encontrar um refúgio seguro, e se possível glamoroso, para a vil existência numa sociedade onde há muito poucas coisas tão bonitas e etéreas e inócuas. O mundo destes estereótipos “passa bem”, porque é uma forma moderna de escapismo, uma outra manifestação da mesma natureza dos livros de culinária luxuriante e brilhante das comidas pintadas e envernizadas para saírem bem nas fotografias.

Estas modas mediáticas, acentuadas na rede, enclausuram as suas personagens ficcionais numa redoma de intangibilidade em que escapam ao dirty job de escolher, ao ofício da democracia, em que não são atingidos pela controvérsia a não ser entre os pares. São personalidades que servem de refúgio para a miséria quotidiana da vida social. Há aqui, como já disse, muito escapismo, mas também uma idealização de certas actividades consideradas fora do escrutínio social, “vendidas” numa rede igualitária que os aceita porque são “outros”, e também porque estão longe deles, e não os confrontam na sua pequenez e ignorância. Vivem nos laboratórios, não no mundo que entra na rede como virtual.

A ideologia presente numa sequência que vai da Wikipédia até aos comentários não moderados — um contínuo que tem mais sentido do que parece, porque se baseia na “verdade” que nasce dos grandes números — é a de uma desvalorização do saber e da sua hierarquia, dos conhecimentos adquiridos fora ou dentro da rede, não correspondendo a nenhum esforço estruturado de saber. A rede não é uma metáfora da democracia, e não é neutra face aos poderes e às hierarquias que se geram, seja por razões económicas, sejam nacionais, sejam sociais, ou sejam culturais. A rede, entendida assim, não tem direcção, nem sentido, não implica uma hierarquia e, nela, está-se ainda mais sozinho. Tendo-se todas as possibilidades virtuais, não se tem nenhuma real. Parece uma democracia e um empowerment, mas é um gueto para uma nova forma de pobreza. Lá, não sobrevive aquilo a que chamávamos, no passado, jornais.

Advertisements

2 pensamentos sobre “Sobre a crise dos jornais (2)

  1. Aponta para duas causas para os males que afectam os Jornais Portugueses : A falta de noticias e a importância dada às redes sociais que se tornaram numa fonte privilegiada para a formação da opinião pública.
    Como exemplo de imunidade ao primeiro desses males aponta o Correio da Manhã, jornal sempre prenhe em novidades, fait-divers e escândalos ou malfeitorias envolvendo os famosos.
    Diz mesmo que a atitude de sobranceria para com o CM, vinda de alguns sectores da direita e da esquerda, resulta de serem snobs e, oh aleivosia!, por se julgarem Ingleses. Ora por aqui, tal como acontece nos cafés da sua aldeia, deixados nas mesas dos pubs e cafetarias encontram-se frequentemente exemplares do Daily Mail, tablóide de que o Correio da Manhã é uma versão tosca e provinciana, mas tão malévola e sem escrúpulos como o original.
    Correndo o risco de entristecer os mais Anglófilos, gostaria de lembrar que a indecência não conhece limites geográficos nem reconhece imunidade a povos ou culturas, como prova o seguinte caso, paradigma do chamado “jornalismo robusto”, eufemismo encontrado para designar aquele que é feito feito sem escrúpulos nem respeito pela verdade dos factos, e tão em voga tanto no Daily Mail como no seu filhote Português:
    Pouco antes das eleições Britânicas de Maio publicou o Daily Mail uma noticia sobre Ralph Miliband, pai do então líder do Partido Trabalhista Ed Miliband e que tinha falecido há mais de vinte anos.
    Ralph, judeu nascido na Belgica, com apenas 17 anos conseguiu escapar à invasão alemã embarcando para a Grã-Bretanha num dos últimos barcos a conseguir deixar os portos Belgas. Mal chegado alistou-se na Royal Navy na qual fez toda a guerra com louvor . Teve depois uma carreira académica distinta como professor universitário, com larga obra publicada e muito crítica da Sociedade Britânica de então, dividida como estava rigidamente por classes e onde a progressão social era praticamente impossível.
    Pois Daily Mail, em noticia de primeira página com direito a uma antiga fotografia de Ralph com os dois filhos ainda crianças, acusou-o de sido traidor e de “Odiar a Rainha e o Exército”.
    Alegava o jornal que o Povo Britânico tinha o “direito” de saber quem tinha sido o pai de Ed Miliband, um possível Primeiro-Ministro, até porque “este era muito amigo do pai”!
    A comoção que esta pasquinada causou foi enorme, e diga-se por respeito à verdade, foi sentida tanto à esquerda como na maioria da direita.
    Confesso que me espantou a defesa que faz deste tipo de “jornalismo robusto” e afirmar, apesar de admitir que as “revelações” sobre o processo Sócrates provinham de fugas ao segredo de justiça e que seriam eventualmente ilegais e não fundamentadas, elas mereciam contudo serem publicadas por serem “noticias”, as tais à cuja mingua a imprensa Portuguesa corre o risco de morrer. E o meu espanto aumentou por essa defesa vir de quem tantas vezes no passado recente demonstrou a sua saeva indignatio por esses comportamentos, que aliás tanto contribuíram para aquilo que autor hiperbolicamente chamou “os anos do lixo”, sem se dar conta que assim talvez ele próprio neles se incluía.
    Ainda recentemente um notável jornalista Americano, Walter Pincus, que acabou de se reformar após quarenta anos no Washington Post, confessava à laia de despedida o desgosto que sentia por hoje frequentemente os factos terem passado para segundo plano quando se trata de publicar noticias, tendo o público que formar uma opinião sem poder ajuizar da veracidade do que lhes era servido.
    Os males da Imprensa existem, são graves mas distintos daqueles que aponta, sendo o maior deles a concentração da propriedade dos media nas mãos de um pequeno grupo de oligarcas que usa o seu poder para limitar a liberdade editorial. Vem a propósito relatar outro episódio, desta vez passado em Maio de 2015 no Daily Telegraph, jornal que caminha aceleradamente para se tornar em mais um tablóide sensacionalista, depois de ter sido durante décadas o sério e circunspecto arauto da direita mais tradicionalista:
    O escândalo rebentou quando foi conhecido que um dos principais Bancos, o HSBC, tinha montado um esquema para facilitar a fuga aos impostos das maiores fortunas da Grã-Bretanha. Porém o Telegraph estranhamente pouco ou nenhum relevo dava aos acontecimentos até que Peter Osborne, o Editor-Chefe, foi subitamente demitido pela administração sem razão aparente. Essa só foi conhecida quando Osborne publicou uma carta aberta aos leitores onde acusou os donos do jornal de imporem censura interna, impedindo que ao caso fosse dada a devida importância nas páginas do Telegraph. Às vezes os males da informação estão bem à vista e não necessitam de analises rebuscadas.
    A lista do multimilionários proprietários de mais de 80% da Imprensa escrita não chega à meia dúzia: Só Lord Rothermere, o dono do grupo Daily Mail, e Rupert Murdoch, dono do The Sun e outros, respondem por 50%, publicando mensalmente cerca de 40 milhões de exemplares. Nela não falta sequer o nome de um oligarca Russo, Alexander Lebedev, proprietário do Independent e do London Evening Standard, e de Richard Desmond, dono do Daily Express e do Daily Star, e cuja fortuna começou com sites de pornografia.
    Escusado será dizer que todos eles dão um apoio estridente às políticas de direita e são um entorse à Democracia, que não cessa de se agravar com o presente Governo Conservador e a sua maioria Parlamentar. Mas essas são contas de outro Rosário.
    Reconheço sem esforço que o meu conhecimento da realidade dos media Portugueses é imperfeito, mas muito me admiraria se não sofressem destes mesmos males, que de tão graves e gritantes tornam o apontar de outros num exercício de mero diletantismo intelectual.

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s