Mais exemplos para quem ainda não percebeu onde está metido

(José Pacheco Pereira, in Sábado, 28/08/2015)

Pacheco Pereira

            Pacheco Pereira

Como se fazem as coisas

Veja-se como se fazem as coisas. Na semana passada houve um evento patrocinado pelo Governo, uma conferência de imprensa “destinada a apresentar as conclusões de uma reunião com os organizadores da conferência mundial de tecnologias de informação WebSummit, no âmbito da candidatura de Portugal para acolher o evento nos próximos anos.” Tudo boas intenções.

Foi Paulo Portas a fazer a conferência e preveniu alguns jornalistas amigos de que iria falar da revisão das contas dos economistas do PS, que incluíam a previsão de que, segundo o modelo do PS, poderia haver uma recuperação de 207.000 empregos até ao final da próxima legislatura. (Alguém explica ao PS que não pode deixar os seus economistas à solta, tão técnicos e apolíticos ao ponto de não saberem que um partido que tem no seu passado cartazes prometendo 150.000 empregos, não pode falar assim…)

Com tão prometedor anúncio por Portas, num evento a que ninguém iria se não fosse a “dica”, estava uma multidão de jornalistas e havia directos televisivos à sua espera. De facto, obter publicidade para o que era uma sessão de propaganda do PAF, não é muito difícil. Que ela seja feita com dinheiros públicos, que pagaram a conferência de imprensa feita pelo Governo, mas na realidade uma sessão de propaganda da coligação, também já ninguém liga.

Como também já ninguém liga ao facto de, depois de estar meia hora a fazer propaganda contra um partido adversário, explicitamente nomeado, Portas com um sorriso cínico dizer que não responde a uma pergunta porque aquela era uma sessão do Governo e não partidária. Não lhe caiu nenhum raio em cima, e continuou a responder à pergunta “partidária” como se nada fosse. Também nada disse, enquanto estava em directo, e nada lhe foi perguntado sobre “as conclusões de uma reunião com os organizadores da conferência mundial de tecnologias de informação WebSummit”.

Alguém quer saber destes abusos? Ninguém.

Como se deveriam fazer as coisas, mas não se fazem

Esperava eu, ou melhor não esperava – isto é uma figura de retórica –, que na meia hora de propaganda passada em directo, as estações televisivas fizessem um esforço de contraditório para minimizar a desigualdade informativa em vésperas de eleições. Ou que, pelo menos, houvesse um grupo de fact-checking que pegasse no que disse Portas e o colocasse à prova. É esperar sentado, porque muitos jornalistas da área económica são firmes partidários do “ajustamento” e da sua legitimação, ou seja do seu sucesso na ultrapassagem da “crise”. A propaganda do Governo para eles é um eco do que andaram e andam a dizer.

Mas, neste caso, como era propaganda partidária directa e sem disfarces, ao menos que pedissem a um partido da oposição ou a alguém crítico deste Governo, que fizesse o contraditório, mesmo assim em desvantagem face ao tempo “limpo” de antena que tivera Paulo Portas. É esperar sentado, porque também isso não houve e quando, mais tarde, há uns comentários soltos, já lá para a noite e em painéis, nada pode equilibrar uma longa sessão de propaganda em directo, sem contraditório.

Sem contraditório como é costume

Portas pôde por isso escapar incólume ao contraditório. Marcelo e Mendes dar-lhe-ão os parabéns pela “inteligência”, ou seja, pela esperteza. Depois de alguém ter ouvido criticar o PS por fazer revisões do seu “cenário” económico, ninguém lembrou a Portas que a coligação era a recordista dos orçamentos rectificativos. Depois de ter ouvido dizer, pela enésima vez, que eram as “empresas que criavam emprego e não os governos”, ninguém lhe perguntou por que razão, se é assim, o Governo dele se vangloria de “ter criado não sei quantos empregos”.

Depois de ouvir mais uma vez as estatísticas convenientes, e mesmo assim arranjadas de modo a serem ainda mais convenientes, ninguém lhe pergunta pelas estatísticas inconvenientes. Depois de ter ouvido Portas a dizer que a coligação não precisa de apresentar contas das suas medidas, visto que elas estão num documento enviado a Bruxelas, ninguém lhe pergunta onde estão os 600 milhões em falta na segurança social e de onde é que tanto milhão vai aparecer. Isto, aceitando-se o número de 600 milhões que também deveria ser escrutinado antes de ser repetido como uma mnemónica. E também não se lhe pergunta como é que ele pode fazer a contabilização das medidas e a sua análise de custos, visto que nada disto vêm no chamado DEA.

É difícil imaginar uma campanha mais desigual

Que o PS só tem feito asneiras, é verdade. Que uma estratégia eleitoral e política suicidária conduz ao que se vê: um partido na defensiva, mole, a pedir “confiança”, vulnerável a todas as críticas, dirigindo-se a quem não deve (e nele não vai votar) e abandonando quem deve (e que a continuar assim também nele não votará), é tudo verdade. Mas as asneiras do PS não legitimam que a coligação tenha conseguido afastar dos debates todos os que lhe poderiam fazer perguntas incómodas, tenha reduzido ao mínimo tudo o que pode sobressaltar uma propaganda que tem todos os meios e os usa e abusa sem hesitação.

Desde “propaganda negra” à habitual manipulação das chamadas “redes sociais”, onde um punhado de gnomos anónimos ou com nome se dedicam a fazer o trabalho sujo e injurioso contra os que a coligação não engana nem intimida – a campanha contra mim, Manuela Ferreira Leite, Bagão Félix e outros, não é espontânea, mas profissional –, retoma as melhores tradições de 2009-2011 sob responsabilidade directa de Relvas e Passos.

Será, a seu tempo, denunciada por alguém que não recebeu o pagamento devido ou esperado, mas pode já ser tarde de mais.

A moral pública não está nos seus melhores dias. Quem está no poder, abusa do poder e ninguém lhe pede contas. Muitas vezes nem se nota, tal é o efeito de mitridatismo que se verifica por todo o lado.

Advertisements

10 pensamentos sobre “Mais exemplos para quem ainda não percebeu onde está metido

  1. “Quem está no poder, abusa do poder e ninguém lhe pede contas.”
    Tem calma pacheco! Como sabes que ninguém vai pedir contas? Só no dia 4Out. após o fecho do acto eleitoral saberás se os portugueses saldaram as contas com esta rapaziada que nem para fiel de gerir um armazém prestam quanto mais um país.
    Como sabes que os portugueses, como Costa e outras pessoas honestas, não estão fartas de mentiras e aldrabices ao ponto de acharem que já não vale a pena gastar mais cera com tão ruim defunto? O que eu constato a respeito de cavaco, o teu grande mestre político, é que nem os camponeses rudes, iletrados e ignorantes agora o acham a pior coisa que aconteceu a Portugal e não o gramam de modo nenhum.
    Quem nos garante que não consideram, como diria Jerónimo, que são, o governo e cavaco, “farinha do mesmo saco” e aguardam o momento da verdade?
    Não é possível, eu não acredito, que o mesmo povo se deixe ir no “conto do vigário” duas vezes seguidas.

    Gostar

  2. adenda,
    Deve ler-se:
    “O que eu constato a respeito de cavaco, o teu grande mestre político, é que até os camponeses rudes, iletrados e ignorantes agora o acham a pior coisa que aconteceu a Portugal e não o gramam de modo nenhum.

    Gostar

  3. Como acho que vexa está a ficar chato, gaga e improprio para uma leitura interessante. tenho que lhe dizer que ninguem me paga, para lhe mostrar que deve,se tem respeito por ideias serenas e sérias, mudar de discurso. Deixe o habito das cassetes e dê uso aos milhoes de neuronios, que segundo me garantem são de qualidade boa.

    Gostar

    • É assim que mostra serenidade? A chamar gagá a Pacheco Pereira? E se não acha a leitura interessante, o que anda a fazer por aqui? Acredito que ninguém lhe pague, mas e depois? Só se paga a quem faz algo por obrigação, a quem o faz por devoção nem é preciso agradecer. O que é pena é que haja poucos como Pacheco Pereira, que falam verdade ao Poder, seja ele de Sócrates ou da dupla Passos-Portas. Pela denúncia e pelo gozo que dá ver os cães todos a ladrar-lhes às canelas…

      Gostar

  4. Reblogged this on Eu, Canhoto and commented:
    Em boa hora a coligação [união nacional II] resolveu marrar com o Pacheco Pereira, ao mandar os notinhas (desta vez o corrector ortográfico esteve bem) colocar aquele cartaz. Agora vão ter de levar com ele, em grande. E eu agradeço. A Democracia também.

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s