Há 30 anos Marcelo concorria para acabar com a carreira política de Cunhal

(Domingos Lopes, in Público, 29/12/2020)

Há homens e mulheres assim, que assumem a vida política como uma sublime vocação (palavras do Papa Francisco), e outros que imaginam a política como uma sala de espelhos côncavos e convexos que transmitem imagens distorcidas da realidade. Estes, mesmo do alto dos seus atributos, o que fazem é baralhar, é turvar as águas para pescar e trazer as redes cheias de votos e o cargo.

A propósito do homem que disse que os portugueses tinham sido enganados pela ministra da Saúde, o mesmo que chamou à pressa a um domingo à noite ao seu palácio o chefe da Polícia, lembrei-me de um filme da minha juventude, Um homem para a eternidade, realizado por Fred Zinnemann, com os atores Paul Scofield, Vanessa Redgrave, Robert Shaw e Orson Welles.

No filme dramático ressalta a integridade de Thomas More, o chanceler do reino, católico, que se assumiu contra o divórcio de Henrique VIII que queria esposar Ana Bolena, apesar de casado com Catarina de Aragão. O chanceler não abdicou dos seus princípios morais e não jurou reconhecer os filhos do rei com Ana Bolena como legítimos, como exigiu o rei a todos os funcionários públicos. Ordenou a sua prisão e foi decapitado.

Há homens e mulheres assim, que assumem a vida política como uma sublime vocação (palavras do Papa Francisco) e outros que imaginam a política como uma sala de espelhos côncavos e convexos que transmitem imagens distorcidas da realidade. Estes, mesmo do alto dos seus atributos, o que fazem é baralhar, é turvar as águas para pescar e trazer as redes cheias de votos e o cargo. São os pescadores de almas e de votos. Gogol imaginou o homem que comprava almas mortas, agora é tudo mais pós-modernismo, compram-se frases que assassinam, à boa maneira populista.

O homem que aparece em todo o lado é o mesmo que defende que não pode exprimir condolências à viúva de Ihor, o cidadão ucraniano assassinado por inspetores do SEF e que o tinham à sua guarda. Mas é o mesmo que chama o comandante Magina da PSP a Belém para discutir a restruturação do SEF sem dar cavaco ao ministro, como se este já fosse um cadáver político.

É o mesmo que na véspera das eleições autárquicas de 1990 declarou que se candidatava a presidente do município de Lisboa com o objetivo primordial de pôr um ponto final à carreira política de Álvaro Cunhal, pois o PCP concorria coligado com o PS.

O homem que aparece em todo o lado onde há televisões é o mesmo que não quer aparecer onde já apareceu impante de veleiro a caminho do Brasil.

O homem que leva as televisões atrás dele quando vai participar numa ação de distribuir refeições aos sem abrigo é o mesmo que aplaudia o programa da troika que causou grande número de sem abrigo. É o mesmo que quer que todos saibamos que vai à ginginha ao Barreiro, ele que gosta muito mais de votos que de ginjas. Sabe-lhe que nem ginjas aquela pesca.

O homem que disse numa entrevista à RTP1 que assumia os erros (na sua opinião) da ministra da Saúde é o mesmo que, passados dias, disse sobre o mesmíssimo assunto que a ministra enganou os portugueses, sem sequer se dar ao cuidado de dar conta das explicações da ministra, se é que as pediu.

O homem que vive a pensar nos dividendos que pode tirar seja de que facto ou acontecimento for não é um homem para as estações do ano. É o homem que pensa na estação em pode furar o bloqueio da Polícia Marítima para ir dar um mergulho e aparecer lampeiro nos telejornais, enquanto os compatriotas estavam confinados.

O seu dia a dia é o minuto a minuto à procura do que se passa, do que poderá ter o valor mais alto na cotação mediática dos acontecimentos.

Ele sabe conviver. Já conviveu com tudo. Com o regime fascista, elogiando os carniceiros. Com os gorilas na Faculdade de Direito de Lisboa sem um triste pio. E continuaria a conviver se os democratas e patriotas não tivessem derrubado a ditadura. Já esteve nos jornais. Passou a líder do PSD e perdeu sempre. Ganhou as televisões e graças à deserção do PS foi para Belém e por lá vai continuar. E conviveu com Costa. O tapete vermelho da Autoeuropa pode sair caro a quem não o tiver na devida conta.

O que é que isto tem a ver com Thomas More? Tudo e nada. De relance, a propósito de um tranquiberneiro surge a figura plena, luminosa, eterna, a do chanceler, a do homem que escreveu a Utopia. Ao menos agora que se aproxima um novo ano, vale sempre a pena sonhar. Atrás dos tempos, outros tempos virão.

O autor escreve segundo o novo acordo ortográfico


O futebol e a pandemia

(José Gameiro, in Expresso, 07/11/2020)

Nunca me interessei muito pelo futebol. Claro que gosto de ver um bom jogo, ainda que tenha dificuldade em estar atento os 90 minutos. Não percebo nada de táticas, não sei o nome da maior parte dos jogadores, equipas com camisolas que não conheço, demoro algum tempo a perceber de que lado está cada uma. Nada me move contra o gostar. Tenho muitos amigos que sabem tudo. As jogadas do seu clube que aconteceram há 30 anos, os nomes e a história de cada jogador, o esquema de jogo utilizado por cada treinador. Reconheço a emoção de ir a um estádio ver um bom jogo, mas a última vez que fui talvez tenha sido há 20 anos, o Portugal-Azerbaijão, com os meus filhos. Apesar das diferenças clubísticas e das enormes discussões sobre cada jogada, o futebol une as pessoas como nenhuma outra atividade o faz. A complacência perante os negócios do futebol e os valores pagos aos bons jogadores contrasta, de uma forma chocante, com a intolerância perante qualquer ideia de aumentar o vencimento dos agentes políticos, tidos como aldrabões e corruptos… Diga-se em abono da verdade que muito poucos têm a coragem de discutir isto, com receio de perderem votos. Com a pandemia fomos invadidos pelo medo. Meses de abertura dos jornais televisivos com o número de mortos diários e acumulados. Entre o dever de informar e a procura de grandes audiências, a margem nem sempre foi clara. Estávamos todos à espera, diariamente, do boletim da DGS e rapidamente ficámos epidemiologistas… Ouvimos opiniões que tinham a coragem de dizer que a incerteza era muita grande, mas também assistimos a grandes presunções de conhecimento e muitos disparates. Ainda hoje estamos longe de saber como isto vai acabar, mas as profecias continuam. As vozes discordantes com as análises feitas e as medidas tomadas ouviram-se pouco ou foram caladas, numa falsa unanimidade, inimiga do direito ao contraditório. O medo, por nós ou pelos que nos são próximos, permitiu que fossem tomadas decisões coercivas, juridicamente discutíveis, a que alguém até chamou uma “trapalhada”. Mas tudo continuou.

Nos primeiros meses, a luta política ficou como que adormecida. Não seria muito popular pôr em causa a organização da resposta do SNS à pandemia. Com o evoluir e o recente aumento de casos, a saúde tornou-se um terreno privilegiado de disputa. Com muita demagogia e não poucas mentiras, os ataques foram subindo de tom, esquecendo que toda a Europa está na mesma situação, apesar das diferentes soluções adotadas.

A comunicação sobre a pandemia foi frequentemente amadora, com mensagens contraditórias, algumas a roçar a subalternização da inteligência dos portugueses. Foi fácil perceber, várias vezes, as diferenças de opinião entre quem quer decidir com base no conhecimento existente e quem pensa na vox populi. Passámos do espetáculo epidemiológico ao circo dos interesses. O SNS passou de herói e garantia da segurança dos portugueses a alvo de ataques de pessoas e entidades, motivadas por interesses económicos ou ideológicos. Estamos cansados disto? Eu estou e vejo à minha volta sentimentos de exaustão, agravados por disputas cada vez mais incompreensíveis pelo comum dos mortais… Descobri, por influência de amigos, o prazer de ver não só jogos mas sobretudo programas de debate futebolístico. Na minha, ainda pouca, literacia sobre o tema, começo a emitir opiniões e a contrariar adeptos de muitos anos. Os comentadores televisivos, felizmente os piores migraram para a política, parecem-me pessoas sérias, sabedoras, nada facciosas, intelectualmente honestos e, ao contrário de alguns da pandemia, não fazem prognósticos antes do fim do jogo. Ouvi-los relaxa-me, põe-me bem-disposto, pronto a mais uns meses de sofá.

Desculpem terminar com um conselho: se estiverem fartos de ouvir falar do vírus, não percam uma conferência de imprensa do Jorge Jesus. Garanto-vos que é muito melhor do que falar com um psiquiatra ou um psicólogo.


Filhos da “outra”!

(Joaquim Vassalo Abreu, 31/0872019)

O Estio é a estação do ano mais apreciada pelos admiradores da Dona Preguiça e eu, um inveterado seguidor de tão distinta figura, nela simplesmente não funciono e toda a minha carteira de compromissos, de todos qual o mais inadiável, é mandada para as calendas!

Pelo que nem das “travessuras” dos “memes” do costume eu sei e apesar de ir sabendo uma coisa aqui outra ali eu vou, é claro, observando os cartazes que vão sendo colocados nas rotundas e onde os mais criativos, eu diria mesmo da “Ordem do Fantástico” são, sem dúvida, os do CDS!

Que deve ter contratado a peso de ouro um verdadeiro mago (não é nabo não…) em publicidade e marketing pois quem, a seguir ao “ Portugal ponto a Europa é aqui”, aparece com um enigmático “A Preparar o Futuro” e conclui a trilogia com um “Trabalhar ponto Faz Sentido?”, só pode ser um mestre na arte!

A minha tola começou logo a tecer cenários, fios de pensamento e coisas complicadas mais que me surgiram para tentar dissecar tão difícil “teorema” mas, de imediato, apelando à tal inveterada preguiça, logo concluí: não vale a pena ó patrão, é só mais um que se quer armar em diferente…

De modo que até aqui não estive nem aí e quem queria mesmo ver-me só mesmo em Paredes de Coura e no seu ultra maravilhoso Festival onde estive a semana inteira, isto é, dez dias consumidinhos em tertúlias, cervejas e concertos, mas onde ia seguindo aquele autêntico seriado das TV’s querendo provar que havia o caos nos postos de gasolina quando eles, ainda por cima e porque as pessoas inteligentemente se organizaram, tinham até menos gente que o costume! Aquilo foi degradante mas eu estava em modo festivaleiro e no meu querido “COURAÍSO” e isso tinha já passado a pormenor! E, mesmo no fim, a PATTI SMITH ainda mais me veio apaziguar….

Mas, continuando no Estio e sabendo um pouco do que se vai passando e antevendo o que aí vem, eu pergunto: ó Costa, e tu nem 15 dias de férias tiras? Tens medo que um Riacho diga que te ausentaste e não cuidaste dessa corrente que destrói as margens de tão comprimidas estarem? Sim, esse Riacho que afirmou que tu estavas de férias quando o País estava a arder e tu mais o Presi em reuniões, velórios e coisas mais? Vai de férias mas é, ó meu…Esse “Riachozinho” perante os elogios que o Finantial Times te tece ainda tem o desplante de dizer que eles não conhecem este País, esses burros iletrados e dados à mania…Vai é morenar esse cabelo, pá!

É que eu há dias vi-te na TVI e aquele baixinho, magrinho e de cabelo lambidinho, mais o apresentador e demais, que não são flores que cheirar possamos, quiseram mesmo rasteirar-te, pá! E a coisa até nem foi tão grave, apesar da questão vergonhosa dos “twitters”, que eu por exemplo não possuo e muito pouca gente usa pois aquilo é uma séca, porque tu sabes sempre sair por cima mas, não digo o Partido, mas as tuas lanças dianteiras deviam denunciar o que se passou e o que a seguir, muito provavelmente, se passará.

É que o que se passou com aquela tresloucada Professora, não só pelas alarvidades que disse mas principalmente pela passividade, condescendência e cumplicidade do apresentador, perante as contínuas faltas de respeito e interrupções da dita, dá que pensar e merece séria reflexão.

Mas também pelas escolhas da TVI onde, a par de uma tresloucada e ressabiada Professora, apareceu também uma sorridente mas capciosa Enfermeira e um Fiscalista que teve o desplante de afirmar que um trabalhador que recebe limpos 2.750 Euros custa a uma Empresa 7.000 Euros quando o que supletivamente onera a Empresa são os 23,75 para a Segurança Social!

Eu só me admirei de não terem convidado também a Cavaca e o Pardal! Juntando a estes o Ventinhas, mas pensando bem este não porque a “dignidade” dos Magistrados do Ministério Público foi entretanto reposta, mais o Presidente da Ordem dos Médicos…o quadro dos “cavaleiros do apocalipse” estaria completo!

Vou aguardar pacientemente as cenas dos próximos capítulos desses guardiões da Democracia que são as TV’s, nomeadamente as generalistas e deixando de lado os patéticos outdoors do PPD, que mais não fazem do que apregoar a herança que deixaram, vou-me debruçar, salvo seja, sobre este novel e futurista cartaz do CDS que já aqui referi: “PORTUGAL ponto TRABALHAR FAZ SENTIDO?”.

Eu não vou falar sequer em ousadia ou criatividade: eu falo em desfaçatez! Em ignomínia, em reaccionarice, em esperteza saloia e todos os adjectivos que Dicionário contenha. É que só isto nos faltava!

A tese pela Direita repetida à exaustão é que com este Governo se atingiu a maior carga fiscal de sempre ( a mesma que a deles!) e os Portugueses, coitados, estão a sofrer horrores e a serem de tal maneira espoliados, agredidos e massacrados que, em vez de irem em filhinha votar Costa, deviam era deixar de trabalhar! Não recebiam salário, e para quê o salário se depois, cheios de fome, terão um rico que os protege, mas o Estado também não arrecadava Impostos…

E estiveram eles tanto tempo a meditar, em sagrado retiro, um retiro regenerador do futuro do passado! “Trabalhar é Preciso”? Para quê se terão sempre, sem impostos é claro, trabalhadores a soldo, um soldo que até uma tigela de sopa poderá ser…?

E progredimos nós tanto! E progrediu a Ciência, as Novas Tecnologias e o Saber tanto e estes vermes ainda a reivindicarem velhos direitos. Direitos de classe, dirão…

Classe de “Filhos da “outra”, como bem escreveu Alberto Pimenta.