Europa-Punxsutawney

(Daniel Oliveira, in Expresso Diário, 08/07/2015)

         Daniel Oliveira

                    Daniel Oliveira

Toda a gente conhece o filme “Groundhog Day”, com a infeliz tradução para português de “O Feitiço do Tempo”. No filme, Phil Connors (Bill Murray), um jornalista que se dedica aos palpitantes assuntos da meteorologia, vai cobrir a tradição da pequena cidade de Punxsutawney, em que uma marmota informa, pelo seu comportamento, como será o inverno. Um qualquer feitiço faz com que Phil fique preso no tempo. Todos os dias, quando acorda, faça o que faça, são o mesmo dia. Um dia em que todas as personagens, tirando ele, se comportam da mesma forma. Nada tem consequências. Este filme presta-se sempre a ser uma excelente metáfora política. E não poderia haver melhor para descrever a insistência das instituições e Estados europeus mais fortes em repetir sempre as mesmas receitas na sua relação com a crise grega.

O referendo grego mostrou que não resulta de qualquer teimosia do Governo a recusa de continuar o caminho da austeridade sem que isso corresponda a garantir a sustentabilidade da dívida. Esse caminho levaria à continuação da destruição do país para conseguir financiamento para pagar e acumular mais dívida. Seria irresponsável insistir no erro. A recusa clara dos gregos tem de ter consequências políticas. Entre muitas causas, o resultado do referendo tem uma, que ou a Europa compreende ou não compreende nada da situação em que pôs um dos Estados membros: a Grécia não tem qualquer capacidade de fazer mais austeridade. Chegou ao seu limite. Qualquer medida que vá nesse sentido, que causará ainda mais vítimas, só poderá resultar da certeza de que se começa a resolver o problema da insustentabilidade da dívida, que ainda por cima todos reconhecem.

MANTER O CERCO À GRÉCIA E A DESTRUIÇÃO DO QUE RESTA DO SEU SISTEMA BANCÁRIO PARA CONSEGUIR CEDÊNCIAS, FAZER ULTIMATOS E AMEAÇAR COM A SAÍDA DO EURO É TEIMAR NO QUE LEVOU AS NEGOCIAÇÕES A UM BECO SEM SAÍDA.

Perante este novo cenário, os primeiros reflexos das instituições europeias e dos Governos que tomam decisões (o que exclui o nosso, que se limita ao vexatório papel de se bater por uma catástrofe na tentativa de reeleger o seu primeiro-ministro) foi repetir o guião dos últimos meses.

Primeiro, começa por acusar o representante grego de amadorismo e falta de propostas. Para desacreditar Tsakalotos já se começam a usar as mesmas táticas que foram usadas para desacreditar Varoufakis. O outro tinha uma folha pequena, este tem um manuscrito. Um e outro, com preparação técnica que faria corar grande parte dos ministros presentes no Eurogrupo (a começar pela professora da Lusíada do nosso primeiro-ministro), são impreparados. Nunca têm propostas nenhumas, até os seus documentos serem públicos e descobrirmos que as propostas afinal existiam. E toda esta intoxicação se faz usando “fontes da negociação” que sopram coisas para os sempre solícitos jornalistas em Bruxelas, “embedded” no mais acrítico deslumbramento pelos corredores da burocracia europeia.

Depois, prolonga o período em que o sistema bancário grego continua a ser rapidamente destruído, não garantindo o BCE, como é seu dever, a estabilidade financeira de toda a zona euro, o que inclui um Estado que, até ver, a ela continua a pertencer. A irresponsabilidade desta estratégia de chantagem, tentando que a Grécia negoceie em situação de extrema necessidade, além de já ter provado não resultar com os gregos, torna a resolução dos problemas na Grécia cada vez mais difícil e dispendiosa. Mantêm-se os ultimatos atrás de ultimatos, em vez de se tentar encontrar uma solução séria, sustentável e capaz de corresponder a um equilíbrio entre os vários interesses em causa.

Por fim, surge a novidade que não é novidade: a ameaça de expulsão do euro. Desta vez dita de forma clara por Junker, que garante que esta Europa sem comandante tem planeada ao milímetro a saída da Grécia do euro. Um planeamento que, a julgar pela catástrofe política que foi a Europa nos últimos cinco anos, não nos pode deixar descansados. Até porque nunca uma saída do euro aconteceu. As instituições europeias não determinam os comportamentos dos mercados ou as consequências políticas do “grexit”. Dizer que tudo está planeado é apenas a demonstração do grau de irresponsabilidade que domina Bruxelas. Mas esta ameaça também mostra que a Europa não conseguiu compreender a decisão dos gregos: eles não querem sair do euro mas não estão dispostos, para o evitar, a continuar o que foram os últimos cinco anos. Eles sabem, por experiência própria, que não resulta.

Desacreditar o novo ministro das Finanças grego como se desacreditou o anterior, manter o cerco à Grécia e a destruição do que resta do seu sistema bancário para conseguir cedências, fazer ultimatos e ameaçar com a saída do euro é teimar no que levou as negociações a um beco sem saída. É não saber reagir a novas situações e repetir apenas o que sempre se fez. É não saber reagir a novas situações e repetir apenas o que sempre se fez. É a diferença entre um burocrata e um político. Perante uma nova situação o burocrata repete o que fazia, o político cria uma nova realidade para ultrapassar o impasse em que estava.

Anúncios

2 pensamentos sobre “Europa-Punxsutawney

  1. . . . JÁ SÓ FALTA que este desgoverno inicie e promova uma nova polícia destinada a REPRIMIR os perigosos contestatários aos AUTÊNTICOS DISPARATES, com laivos criminosos, pelas acções ANTI-SOCIAIS que vão implementando . . . com autentico prejuízo PARA OS POBRES com benesses predestinadas . . . ! ! !

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s