Mistérios de Tancos

(Por Júlio, in Aspirina B, 26/09/2018)

tancos_2

O caso de Tancos, pelo que se vai sabendo, tem bastantes ingredientes do clássico conflito entre polícias civis e militares. A tropa não gosta da justiça civil e considera-a intrometida em matérias reguladas pelo Código de Justiça Militar; a polícia civil e os órgãos que a tutelam desconfiam da corporação militar, imaginando que ela cerra fileiras para proteger os seus ou para ficar impune. Em consequência, civis e militares não passam informações uns aos outros e até se pregam partidas.

No caso vertente, o DCIAP tinha sido informado pela PJ, “vários meses antes” do roubo de Tancos, de que “estava a ser preparado um assalto a instalações militares no distrito de Leiria”, mas não só o DCIAP e a PJ não comunicaram esse facto às Forças Armadas e à PJM como parece que até o tentaram ocultar destas, segundo afirmou um antigo subdirector da PJM, o coronel Vítor Gil Prata, no site Operacional em 12 de Novembro de 2017, hoje citado no Público online, mas não no jornal de papel. Trata-se de uma acusação gravíssima, embora pouca atenção tenha despertado entre os fãs políticos do Ministério Público e da santa Joana Vidal.

A PJM, por seu turno, depois da casa roubada, decidiu fazer as coisas à sua maneira, sem passar cartão à PJ. As armas roubadas acabaram por aparecer graças à PJM, mas não o ladrão, que obviamente não actuou sozinho. A PJ e o DCIAP deitaram agora a mão ao ladrão e parecem ter concluído que houve conluio dos militares com o ladrão para este entregar as armas e escapar à justiça. Vai daí, a PJ e o DCIAP prenderam o director da PJM e outros militares, lançando sobre a instituição uma nuvem de suspeitas graves, ainda não bem especificadas. Falta apurar exactamente o que é que a PJM fez para recuperar o armamento, se agiu de modo legal ou ilegal e porque é que o ladrão só agora foi preso, quando há muito que era conhecido da PJM… se não também da PJ e do DCIAP.

Entretanto, o MP/DCIAP deveria ter respondido, mas não respondeu à gravíssima acusação feita por Vítor Gil Prata em Novembro de 2017. Ora, se detiveram o director da PJM, não seria também caso para mandar prender algum alto responsável do Ministério Público, sob suspeita de ter deliberadamente ocultado dos militares informações sobre o assalto iminente a uma unidade militar? Não seria mesmo caso para a procuradora-geral da República ser ouvida? Não haverá, aliás, no caso de Tancos também o habitual dedinho conspirativo do MP? Nada me admiraria!

Como é que os referidos conflitos entre civis e militares se resolvem ou previnem? Aqui têm certamente de entrar o governo e o parlamento, legislando para impor colaboração entre a justiça militar e a justiça civil. Uma solução, a fusão da PJM na PJ, foi avançada há anos por um ministro da Justiça, António Costa. Não sei se a solução era boa, mas a sua proposta foi, como é hábito, ignorada e nada mais se fez.

Para além do clássico conflito entre polícias civis e militares, no caso de Tancos meteu-se também a política, por obra da oposição de direita e da sua obsessão patológica de politizar a justiça e judicializar a política, apontando em tudo o que vai acontecendo a culpa criminosa do governo. Nunca souberam bem explicar porquê, mas logo após a notícia do roubo de Tancos os habituais vocalistas da direita começaram a exigir a cabeça do ministro da Defesa (Rui Rio é quase única excepção nesse coro). Também querem a demissão do chefe de Estado Maior do Exército, o que significa que a direita quer tomar partido no referido conflito corporativo, a saber, pelos polícias civis contra os militares – o que é mais uma imbecilidade épica desta direita desnorteada.


Fonte aqui

Eles odeiam o Facebook e todas as redes sociais.

(Dieter Dellinger, 28/06/2018)

judiciaria

A PJ disse que foi inspecionar a Concelhia de Lisboa do PS, (Ver notícia aqui). Sucede que não existem instalações deste organismo e na FAUL não há nada que justifique qualquer negócio. A haver documentos que provem corrupção seria nos escritórios de empresas ou nas casas de pessoas envolvidas e nunca em organismos do PS que não dispõem de qualquer poder e só têm pessoas maioritariamente sem cargos políticos relevantes e, por ventura, um ou outro presidente de Câmara que nunca está nas instalações do PS, mas sim da respetiva autarquia.

Tudo o que a PJ e Ministério Público faz assim no geral sem especificar é apenas PROPAGANDA POLÍTICA e CRIME DE DIFAMAÇÃO para anular os DIREITOS dos CIDADÃOS.

O Ministério Publico pode pegar num papel escrito à mão a acusar qualquer pessoa e vai a casa dessa pessoa, anunciando o facto na comunicação social. Com isso cria logo a impressão que a pessoa está envolvida em algo corrupto ou criminoso.

Qualquer FdP pode escrever num papel que eu fiz não sei o quê e a PJ, às ordens do Ministério Público que se submeteu a uma denúncia de um FdP, vai a minha casa e até pode levar os computadores, deixando-me calado ou obrigado a comprar um novo. Eles nunca vão com um disco para gravarem o que está num computador, levam-no que é uma forma tipo China Comunista para calar bloggers e facebookers.

Eles odeiam o Facebook e todas as redes sociais.

TAMBÉM QUERO UMA BUSCAZINHA

(In Blog O Jumento, 27/06/2018)
tutti1
(Ver notícia aqui).
(Estes tipos da PJ são uns bacanos a dar o nome às operações. Devem ter lá um publicitário falhado que se encarrega das nomeações. Esta do “tutti frutti” não lembraria ao careca. Ao que parece, não se investigam peras, laranjas ou bananas, não, é a fruta toda. Presumo, contudo, que não seja “fruta” à moda do Porto como no caso do Apito Dourado…  🙂
Comentário da Estátua, 27/06/2018)

Eu sei que neste palheiro só há palha, que até já andaram aqui à porta mas não chegaram a entrar, mas começa a ser tempo de virem aqui fazer uma busca, nem que seja só uma buscazinha. É que português que se preze tem de ter no seu currículo uma busca, de preferência conduzida por magistrados do MP e com direito à CMTV à porta de casa. Mas se o MP anda muito ocupado com coisas mais importantes, como as diatribes dos mariolas de Alcochete, então que mande cá o pessoal da PJ, até podem vir os do Porto, para o caso de o pessoal de Lisboa estar a ver o jogo na Fan Zone do terreiro do paço. EM último caso, que mandem um qualquer órgão de polícia criminal, nem que seja o pessoal da guarda da venatória que tem os cavalos em Monsanto. Mas, porra, mandem fazer uma buscazinha para que conste no currículo.
Imaginem o que é ir aos EUA e enfrentar o serviço de estrangeiros do Trump com tamanha falha na base de dados, como é que vamos convencer o xerife de serviço de que somos portugueses importantes e não consta qualquer busca a casa. Um dia destes na minha rua sou o único que não foi alvo de uma tão ilustre visita. Se for em agosto, já com o bronze da Praia dos Três Pauzinhos o mais certo é ficar logo preso por suspeita de terrorismo ou de ser um mexicano a querer emigrar.
O Vieira é alvo de buscas quase todas as semanas, o Bruno de Carvalho até foi para casa esperar a ilustre visita, o Pinto da Costa tem sempre fruta no frigorífico a contar com as visitas, hoje foram as juntas de freguesia de Lisboa, há uns tempos foi o Mário Centeno, não há ninguém neste país que apareça na capa da Gente que não tenha tido a ilustre visita. As buscas já não são uma mera rotina policial, são um direito inalienável do cidadãos e morrer sem ter merecido uma busca é como morrer sem a extrema unção ou, no caso de ser muçulmano, sem ter ido a Meca.