Moedas vs. Medina: o futuro do PS contra o do PSD

(Vítor Matos, in Expresso Curto, 02/03/2021)

(ACTIVEM O MOEDAS!

Nos bastidores da crise do BES, Ricardo Salgado largou, numa das conversas gravadas e tornadas públicas, a frase “activem o Moedas”, como sendo um derradeiro trunfo.

Pois bem, Rui Rio, acaba de seguir o conselho do antigo DDT: também ele “activou” o Moedas… 😉

Estátua de Sal, 02/03/2021)


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

Bom dia!

Um dia, Zé Moedas, diretor do “Diário do Alentejo”, que era comunista, disse ao filho: “Não concordo contigo, mas luta por aquilo em que acreditas”. E o filho, nascido e criado naquela Beja parada, fez caminho nos estudos e depois nas empresas e a seguir no estrangeiro até ficar rico, digamos assim, para poder dedicar-se à política sem pensar no dia seguinte – nos antípodas do pai -, como militante do PSD e secretário de Estado da troika no Governo de Passos Coelho. Mas o voo mais alto estava para vir, nos cinco anos que passou como comissário europeu da Investigação, Ciência e Inovação. Agora, Carlos Moedas abdica de uma posição confortável na Gulbenkian para aceitar o desafio de Rui Rio e candidatar-se à Câmara de Lisboa. Devemos saber em breve, talvez hoje, o que tem para dizer o challenger do socialista Fernando Medina – também ele filho de dois comunistas que apesar de tudo se tornaram dissidentes do PCP e é de crer que também lhe dissessem para lutar por aquilo em que acreditava.


A política tem destas coisas, se Rui Rio andava com dificuldades em ter um trunfo viável que se pudesse apresentar para ganhar Lisboa, ele aí está: com esta jogada, o líder do PSD mostra instinto mas também cria um possível sucessor (quem sabe se futuro adversário) que ficará muito mais forte só pelo facto de ir a jogo, nem precisa de vencer. Se ganhar, claro, Moedas será promovido a herói laranja – como foi o próprio Rio em 2001 – e ficará o mais bem colocado sucessor na grelha de partida para uma presidência futura do PSD.


Estas coisas que a política tem exigem sempre prudência, e Fernando Medina não podia imaginar que lhe ia sair um touro de 500 quilos na arena – foi o que em 1989 disse António Pinto Leite a Marcelo Rebelo de Sousa quando lhe saiu Jorge Sampaio na rifa. Agora terá de arregaçar as mangas e mostrar o que vale no seu próprio terreno. Se perder, perde a mais importante câmara do país que já deu um Presidente da República e um primeiro-ministro ao PS, mas perde também as possibilidades de um dia poder liderar o partido. Se ganhar (sobretudo se não mirrar mais) continua tudo em aberto, caso um dia um dia queira aparecer como alternativa da ala esquerda de Pedro Nuno Santos e o PS tiver de voltar à zona central onde quase sempre esteve.

Com estes dois homens em competição, pode ser que a campanha seja verdadeiramente interessante, até porque ambos tiveram de pensar “cidade” por dever de funções nos últimos tempos. Há dois anos, quando ainda estava na Europa, o comissário Carlos Moedas fez um discurso em Portugal a dizer: “Hoje, quando vinha para cá, passei pela Avenida da Liberdade, e pensei ‘o que será daqui a dez anos a Avenida da Liberdade?’. O futuro é sempre diferente daquilo que nós pensamos.” São esses dois futuros em confronto que queremos ver a competir em outubro. O teste será decisivo para ambos, para Lisboa, que só tem a ganhar com o elevar da fasquia e já agora para os dois partidos também.

Na sua coluna diária no site do Expresso, o Daniel Oliveira escreveu ontem uma análise do que está em causa na capital, que vale a pena ler e que começa assim: “Há uma semana assinaria o epitáfio de Rui Rio Tudo indicava a desgraça: as sondagens, o crescimento dos partidos à sua direita e o fantasma de Passos Coelho. Mas é capaz de ter sido o sopro de Passos Coelho no seu pescoço que fez Rui Rio tirar Moedas da cartola. (…) As autárquicas podem ser a salvação de Rio. Mas um fantasma do passado pode ser substituído por outro do futuro. Se Moedas ganhasse Lisboa estaria bem colocado para liderar o PSD.” Agora vamos ao resto.

OUTRAS NOTÍCIAS


E o resto é o principal, aquilo que nos tem preenchido ou esvaziado as vidas e que nos mudou tudo, infelizmente para milhares de famílias tem sido uma tragédia, faz hoje um ano desde a primeira infeção por covid em Portugal. E desde então já morreram 16.351 pessoas no nosso país com o novo coronavírus, podia debitar por aqui muitos números, mas este chega para nos pôr a pensar. “Cansa-me o cansaço de estar sempre cansada”, lê-se num destes 28 depoimentos recolhidos e escritos pela Marta Gonçalves para assinalar este momento de fazer balanços: “Um cansaço perigoso, traiçoeiro: num dos casos este cansaço estava a matar e a própria pessoa nem se apercebeu”.

Numa abordagem mais imediata, ficamos a saber que já só há 14 concelhos com risco muito elevado e apenas três com risco extremamente elevado, ou seja, o confinamento está a dar resultados. Noutra mais de fundo, vale a pena olhar para trás e ler este trabalho da Liliana Valente sobre “um ano a governar em aflição” e que foi publicado na última edição em papel do Expresso e que nos conta os bastidores do Governo na gestão da pandemia durante o último ano.

Marcelo Rebelo de Sousa, que se tem assumido como “supremo responsável” por tudo o que se tem passado na pandemia, também fez questão de assinalar um ano de infeções com uma mensagem publicada no site da presidência, onde elogia os profissionais de saúde, o SNS e os privados, mas não deixa de mostrar os dois lados da moeda e de mandar mais um recado ao Governo: “O país foi-se ajustando à pandemia, umas vezes mais proativamente outras, infelizmente, mais reativamente.” O Presidente da República tem insistido numa regulamentação do ruído, mas valerá a pena legislar apenas para o confinamento? A lei do ruído será revista “mais cedo ou mais tarde”, diz ao Expresso o presidente da associação ambiental Zero.

E será que a redução de casos positivos identificados oficialmente está a descer muito porque Portugal está a testar pouco? “Não”, diz um especialista ouvido pelo Expresso e que esteve há uma semana na Assembleia da República. Também pode ouvir aqui o Expresso da manhã, moderado pelo Paulo Baldaia e com os comentários do David Dinis e do Daniel Oliveira, sobre quem afinal é que manda neste segundo ano de pandemia: Marcelo ou Costa? É ouvir.

A semana arrancou com uma mudança um tanto inesperada na estratégia da Comissão Europeia quanto ao já famoso ‘certificado de vacinação’. Depois de semanas de ressalvas e reservas face à hipótese de introduzir esta espécie de passaporte, Ursula von der Leyen anunciou esta segunda-feira, logo pela manhã, que Bruxelas vai avançar com uma proposta legislativa para a criação de um ‘digital green pass for travel’. Este documento poderá incluir informações como o resultado de testes à covid-19, provas de imunidade ou comprobatórios de vacinação. O vice- presidente da Comissão Europeia, Margaritis Schinas, assegurou ontem que “não é uma discriminação; é a criação de um sistema comum para assegurar a mobilidade segura dos cidadãos europeus”. Mas nem todos concordam. Estados-membros como a Bélgica vieram já dizer que a vacinação não pode comprometer a liberdade de circulação na UE ou pôr em causa o princípio europeu de não-discriminação. A proposta de Bruxelas será conhecida em detalhe a 17 de Março e promete não ser pacífica.

Por falar em liberdade de circulação e documentação europeia relativa à pandemia, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras deteve, este domingo, no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, três cidadãos portadores de documentação falsa sobre a realização de testes de covid-19. Dois deles foram detetados na partida de um voo com destino à República da Irlanda, e outro para a Áustria.

O PCP comemora 100 anos esta semana, o que faz de um partido marxista-leninista a organização mais antiga presente na democracia portuguesa. Como as instituições antigas têm as suas liturgias, os comunistas farão hoje às 11h, em simultâneo, uma romaria aos lugares dos seus mártires por todo o país: pelas vítimas do Tarrafal no cemitério do Alto de São João; em Alcântara, por José Dias Coelho, assassinado pela PIDE em 1961; em Baleizão, no monumento com a foice e o martelo onde Catarina Eufémia foi assassinada pela GNR em 1954; e na Estrada de Bucelas, perto do local onde Alfredo Diniz (Alex) foi morto em 1945. Ontem, Jerónimo de Sousa falou da sua vida mais do que do partido numa entrevista a Miguel Sousa Tavares na TVI: Em meia hora, o homem que há 17 anos lidera o PCP lembrou memórias da guerra, da entrada na política do mundo operário para a bancada da Assembleia Constituinte e ainda do atual estado das relações com o Governo do PS.

Quem continua a detetar falhas e limitações que “fragilizam a monitorização da informação” é o Tribunal de Contas, no seu segundo relatório sobre a execução orçamental das medidas de resposta à covid-19.

E se o Benfica andava há quatro jogos a sofrer com outras falhas e as limitações, ontem o clube da Luz regressou finalmente às vitórias com um golo de Seferovic e outro de Pizzi, frente ao Rio Ave. Mais otimista que nas últimas semanas, Jorge Jesus disse que “a equipa sabe que está a respirar, a meter a cabeça fora. São estas vitórias que nos alimentam e dão confiança”.

Lá fora, em França, a notícia de um ex-presidente preso num país onde a extrema-direita está cada vez mais forte nas sondagens: Nicolas Sarkozy, inquilino do Eliseu entre 2007 e 2012, foi condenado ontem a três anos de prisão, dois de pena suspensa e um de prisão domiciliária efetiva com pulseira eletrónica. Não vai para os calabouços, mas não serão as férias mais agradáveis… O ex-chefe de Estado francês foi condenado por ter tentato obter informação junto de um magistrado de forma ilegal, em 2014, no contexto de um processo jurídico em que estava envolvido, oferecendo-lhe um lugar em troca. Sarkozy ainda será julgado de novo no final de mês, noutro processo relacionado com a sua campanha para as eleições presidenciais de 2012, que perdeu para o socialista François Hollande.


FRASES


Se alguma coisa positiva se pode retirar daquelas imagens trágicas, é o reconhecimento de que há uma disfunção na forma como os doentes acedem às urgências
Nélson Pereira, coordenador do serviço de urgências do Hospital de S. João, no Porto, no “Público”

É arriscado ousar um exercício de otimismo quando a doença grassou, a morte se instalou e a crise levou tantas famílias à miséria. Mas, um ano depois, é fundamental ver em perspetiva o que se passou
Manuel Carvalho, diretor do “Público”, no editorial

Essa maior fragilidade de todos nós é lamentavelmente acompanhada por um Governo que se mostra menos capaz de transmitir uma mensagem de confiança
Helena Garrido, “Observador”


O QUE ANDO A LER


Sam Shepard põe-se a falar ou a escrever de fora quando afinal o que está é a falar sobre si neste pequeno livro de memórias, crónicas, e poemas, um road book em registo diarístico que havia de lhe dar a inspiração para escrever o guião do filme “Paris, Texas” realizado por Wim Wenders no longínquo ano 1984. As “Crónicas Americanas” que um bom amigo me ofereceu há anos suficientes para me sentir velho, mas que só fui lendo agora para desenjoar de outro demasiado volumoso – e que tem em inglês o título “Motel Chronicles” – é uma viagem por parte da vida do escritor, ator e dramaturgo desaparecido em 2017, que nos leva pela aridez das estradas da Califórnia, Texas ou Novo México, e onde só falta sentir o odor a mofo dos quartos à beira do asfalto. Cada texto está assinado com uma data e local onde foi escrito, o que nos dá uma verdadeira sensação de realidade e tempo.

Numa das crónicas (será antes uma reportagem?) fala do “cheiro a cobras”, nojento sim, uma “cascavel Mojave verde” desmembrada, mas a que raio cheira uma cobra?, é melhor nem pensar nisso. Noutra, quem dera escrever assim, porque escrever assim é uma coisa muito dos jornalistas que escrevem bem, descreve como ao descer uma colina a cavalo lhe mete medo (mas ele não precisa de lhe dizer que mete medo) o olhar de um rancheiro que ele nem sabe que está a olhar para ele. Um medo ancestral de descendentes de colonos ou uma reminiscência dos filmes de cowboys? Ou o medo do pai dela, noutro texto, com quem ele “fez” ao longo de uma viagem de comboio, ou ainda, mais impressionante, a história da camisa encarnada… onde o não dito e o que fica por dizer nos incomoda mais do que se fosse dito, até porque imaginamos que haja ali alguma verdade.

Por hoje fico por aqui, obrigado por ter chegado até ao fim da chávena, e tenha um bom resto de semana. Continue a acompanhar as notícias pelo Expresso, pela Tribuna ou pela Blitz.


Viagens na Medinalândia

´(Fernando Sobral, in Público, 12/04/2020)

Nos últimos dias, o sr. Medina, com a cidade-fantasma a seus pés, optou entre o silêncio e a entrega de uma garrafa de gás a uma pessoa carenciada.

Há alguns anos, o sr. Fernando Medina teve um sonho. Desejou transformar Lisboa na sua Versalhes. Como a tarefa se revelou demasiado ousada, optou por criar uma Disneylândia. Ou, numa versão mais poupada, a Medinalândia.

Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

O sr. Medina não tem culpa de sonhar tão grande empreendimento. As circunstâncias empurraram-no para isso. O sr. António Costa designou-o como delfim. E o sr. Manuel Salgado viu nele o príncipe perfeito para fazer uma cidade à sua imagem: uma urbe de negócios imobiliários e turísticos, disfarçada de futurista.

Dentro da política central deste Governo, onde o turismo é ainda a mesa do casino onde se deve apostar todas as fichas, o sr. Medina tornou-se o croupier perfeito. E os seus sonhos multiplicaram-se. Não custa acreditar que imagine ser secretário-geral do PS e, depois, talvez mesmo, primeiro-ministro. Com um pouco de sorte, daqui a uns anos, não fosse a covid-19, talvez até conseguisse remover a estátua de D. José do Terreiro do Paço e substituí-la por uma sua. Não montado num cavalo. Mas sim num tuk-tuk.

São motivações que têm uma lógica. Mas é aqui que a missão pública de servir os cidadãos se confunde com servir-se disso para benefícios políticos pessoais. Nos últimos dias, o sr. Medina, com a cidade-fantasma a seus pés, optou entre o silêncio e a entrega de uma garrafa de gás a uma pessoa carenciada. Como isso dá, porém, pouca visibilidade, a luta contra a covid-19 revelou-se uma boa forma de se mostrar. Surgiu na conta oficial da CML no Instagram: “Chegaram hoje, 5 de abril, os primeiros ventiladores para reforçar o SNS, incluindo 78 doados por uma empresária chinesa, em articulação com a Câmara de #Lisboa e a Embaixada de Portugal na China (…) Fernando Medina.” Lê-se e não se acredita. Terá sido o próprio edil a escrever a nota num infantil auto-elogio? E a publicar uma fotografia de si próprio junto ao avião da TAP, como se fosse o comandante-em-chefe da operação? E o nome da milionária chinesa, Ming Hsu, que pagou a conta, acabou removido como se fosse uma actriz secundária? Chama-se a isto reescrever a história em proveito próprio. Mesmo que, mais tarde, a mensagem tenha deixado de estar assinada.

Como se não bastasse, o sr. Medina tem amigos no Governo. Que acham que o turismo estilo pudim flan continuará a ser a solução milagrosa para o país. Insistem em construir uma linha circular de Metro em Lisboa, contra todas as lógicas e a oposição da Assembleia da República. A linha circular era o corolário da estratégia de circulação interna no centro de Lisboa para os turistas. Atirou-se os lisboetas para a periferia e, depois, ainda se criava mais um transbordo para chegarem ao centro. É a chamada socialização dos prejuízos.

À sucapa, no nevoeiro da covid-19, o Ministério do Ambiente e da Acção Climática emitiu um despacho onde determina que o Metro deve continuar a expansão da rede, incluindo o prolongamento das linhas Amarela e Verde. Diz mesmo, num momento de stand-up comedyque estes investimentos são importantes “perante os efeitos sobre a economia que a pandemia da covid-19 está a provocar em todo o mundo e em Portugal”. Lê-se e não se acredita. A covid-19 até serve de justificação para uma decisão tomada às escondidas, enquanto as atenções estavam direccionadas para temas mais importantes. Ao contrário do que se supunha, o sr. Matos Fernandes não decide por razões ambientais: decide por causa do dinheiro. Justifica-se até com o argumento de que os fundos que vêm da Europa só poderiam ser usados nesta obra. Falso, como já veio dizer a comissária, a sra. Elisa Ferreira. Há uma certeza: continua a obsessão por este plano turístico para Lisboa, que após a covid-19 terá de ser, no entanto, bem repensado.

O sr. Matos Fernandes mostra que há um equívoco no papel timbrado de onde envia os comunicados. Ele não deve ser o ministro do Ambiente. É o das Obras Públicas. Todas as suas decisões (do Metro ao Montijo ou ao lítio) têm que ver com dinheiro e não com o ambiente. Por favor, decidam-se: o sr. Matos Fernandes é, afinal, ministro de que pasta?

Entre o país do elogio pessoal e dos favores e o país real, há uma brecha, cada vez maior. Apetece lembrar Ramalho Ortigão, quando escrevia: “É talvez a estas dádivas periódicas de eloquência (os discursos parlamentares) cada vez mais gasta e mais safada (…) que nas aldeias se refere a expressiva cantiga: ‘De Lisboa me mandaram/ um presente com seu molho/ as costelas de uma pulga/ o coração de um piolho’.”


PORQUE NÃO SE CALAM

A mente mais iluminada do planeta, o sr. Donald Trump, cujo vocabulário se resume a “genial” e a “terrível”, dá o mote. A culpa da covid-19 é dos Democratas, da China, dos europeus e dos tremoços. A ameaça de cortar o financiamento à OMS num momento destes mostra o perigo que é para todo o planeta. Para ele, tudo é um “negócio”. Fora disso, só lhe interessa o poder. O faroeste regressou como farsa. Sem o palco do pontapé na bola, no árbitro e nos adversários, o sr. André Ventura ficou a falar sozinho. Se os Gremlins precisam de água para se reproduzir, o sr. Ventura necessita de holofotes apontados para ele. A demissão e a recandidatura a pastor do seu partido fazem parte da estratégia. A crise económica que virá a seguir vai ajudá-lo. E ele sabe. O vírus não é um inimigo que garanta tropas. A pobreza e o medo sim. E isso é o verdadeiro problema para a democracia. Em 1925, o grande Francisco Valença, mestre do humor e da sátira social, dessa vez na capa de O Espectro, topava-os. E à lógica do poder.


Jornalista

A conversa da Greta

(Clara Ferreira Alves, in Expresso, 07/12/2019)

Clara Ferreira Alves

Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

Todas as tardes de semana, das 16h às 20h30, consigo respirar partículas finas. Não as vejo, mas os ecologistas e especialistas de ar dizem-me que existem e são responsáveis por dezenas de doenças, não apenas do aparelho respiratório. As partículas finas, das emissões de CO2, retiram anos de vida. Da minha casa, apenas consigo detetar o cheiro a gasolina queimada e o fumo a sair dos escapes no para-arranca. O sinal abre, passam dois ou três carros, o sinal fecha. Acresce a poluição sonora, as buzinas dos condutores zangados, os roncos dos motores, a algazarra quando há um impedimento no trânsito. E as camionetas gigantes que nunca desligam os motores enquanto os turistas desembarcam à porta dos restaurantes e hotéis, visto que não podemos deixá-los andar meia dúzia de metros. Ao fim de semana, os carros suburbanos diminuem, sendo compensados pelos aviões, que passam a rasar a cada cinco minutos, conforme o vento. Aos sábados e domingos, a poluição sonora é insuportável e não se consegue ter uma conversa sem levantar a voz. Mais partículas finas, e em quantidades que ultrapassam os valores razoáveis e saudáveis. Não se passa um dia do ano sem respirar este ar carregado de venenos e de ruídos. De Campolide ao Largo Camões, assim vivem os bairros residenciais. A Rua da Escola Politécnica é um inferno, da Avenida da Liberdade nem vale a pena falar, porque as modificações foram nefastas e não diminuíram o fluxo de carros. E os passes? Zero efeito. Os donos dos carros não são os dos passes e nunca serão. Os transportes públicos continuam deficientes.

De que nos queixamos, os moradores destes bairros da capital? O senhor presidente da Câmara declarou aos quatro ventos internacionais que Lisboa é uma cidade verde. E parece que foi para os lados das docas cumprimentar a Greta do ambiente e o seu veleiro não-poluente. Assim sendo, e por comparação com esta vacuidade, a poluição da cidade de Lisboa em certas zonas, todas por onde passa o trânsito de esgoto da cidade, não existe. Para o autarca e os ecologistas de serviço, ou para o serviçal ministro do Ambiente que despertou da letargia para escrever uma carta sentimental à Greta, estas coisas da poluição real são pormenores que não empatam a imagem pública. O que importa é aparecer na fotografia, não é retirar os carros suburbanos de Lisboa, promessa nunca cumprida por nenhum dos partidos que a governam e governaram. Quem quer prescindir dos milhões da EMEL, dos parquímetros e das concessões dos parques de estacionamento? Fora a renda das portagens.

O que se pretende é acrescentar a este aeroporto poluente mais um aeroporto poluente na outra margem do rio. O que se pretende é estragar os pulmões da margem sul, tal como estão a ser estragados os da margem norte. E matar uns pássaros que, nas imortais palavras do senhor da Ryanair, mais não servem do que para serem mortos para deixar passar os pássaros dele. Estiveram dezenas de anos os crânios portugueses a estudar e pensar e repensar os aeroportos para, de repente, se perceber que o Montijo é um imperativo. O Montijo aqui ao lado, servido por mais veículos a gasolina, única maneira de ultrapassar o obstáculo do rio. E a grande autarquia de Lisboa não se esqueceu dos barcos, e providenciou um magnífico terminal de cruzeiros mesmo no centro de cidade histórica. Assim levamos todos com a poluição e o turismo predador.

Lisboa cumpre sempre e bem a vocação de estalajadeira-mor. Os políticos vão cumprimentar vedetas e não deixam passar uma oportunidade de aparecerem como ambientalistas preocupados. Medidas concretas? Nenhuma. Talvez o aumento da frota de autocarros, mais poluição.

Isto passa, esta hipocrisia, porque tendo os moradores de Lisboa sido destituídos dos seus direitos, e cedido a quota de conforto e habitabilidade aos turistas, embora não tenhamos sido destituídos dos impostos ocultos, diretos e indiretos, cederam também o protesto e a revolta. O conformismo e o desalento, com exceções como o protesto contra a imbecilidade dos contentores no Martim Moniz e o pedido de um jardim, são o diapasão porque todos afinamos em Lisboa. Nenhuma entidade política em Portugal é tão inescrutável e inimputável como a Câmara Municipal de Lisboa, grande empregadora. De mãos dadas com um Governo da mesma cor, cenário ideal para a unanimidade e a camuflagem.

Em Lisboa, o PS tem feito o que quer, como quer e quando quer. Dos monos como o do Rato aos inexistentes espaços verdes, da poluição aos pavimentos esburacados, da ausência de regulação dos direitos individuais dos moradores face aos alojamentos locais selvagens, da ausência de mobilidade para deficientes às subculturas e zonas dedicadas aos sem-abrigo, da especulação sem freio à deficientíssima recolha de lixo e limpeza das ruas, Lisboa é o exemplo de tudo o que numa cidade pode correr mal e corre mal. A poluição põe pessoas em risco, crianças em risco, e esta gente mais não faz do que ir exibir-se sem pudor ao lado de uma criança que não conhecem e que defende o contrário do que eles praticam.

A vinda da Greta a Portugal é um revelador dos políticos que nos governam. A quantidade de repentinos ecologistas que foram apresentar os respeitos diz muito sobre a espécie de oportunistas. Se o ridículo matasse, as docas estariam cheias de cadáveres. Até o Presidente, parece, estava indigitado para ir para as docas, como um criado ao serviço de vossa excelência, cumprimentar a menina. Marcelo, com a sua inteligência, disse que a recebia, mas não ia cumprimentar, “por causa do aproveitamento político”. Desde quando um Presidente deveria fazer esta figura, ir abanar o sobretudo para o cais e curvar a espinha lusitana? O infantilismo tomou conta do Portugal dos pequeninos.

Tenhamos tino. Greta pode ser uma ecologista e ativista muito respeitável, mas o mundo não depende dela e muito menos do privilégio de ter um veleiro às ordens. Coisa que nós, meros mortais, não temos. O mundo e a salvação dele dependem de todos nós e dependem muito dos políticos, oportunistas e não oportunistas, que em vez de legislarem e executarem as medidas que diminuam as emissões, que em vez de proporcionarem aos cidadãos que governam uma medida de qualidade de vida e prevenção, vão pavonear-se com os ídolos do Instagram. Talvez fosse preferível saírem todos de circulação, como fez a grande Greta Garbo. E deixarem-se desta conversa da treta, perdão, da Greta.