COSTA e as Soluções

(Joaquim Vassalo Abreu, 21/03/2020)

Estão todos os que me lêem e seguem fartos de saber que sou um admirador de ANTÓNIO COSTA, das suas qualidades humanas, da sua sagacidade, do seu destemor político, da sua seriedade e, acima de tudo, da sua capacidade de liderança.

E, por todas estas características à saciedade já demonstradas eu acho que Portugal tem uma enorme sorte em provação como esta tê-lo como inequívoco líder!

Não sabemos bem o que aí vem, ele certamente que também não, mas há uma coisa que eu sei: Ele soube como ninguém compreender o seu Povo, tem falado assiduamente com esse Povo e, indubitavelmente, o Ele confia nele e na sua firme e ajuizada liderança.

E como sabe compreender o Povo ele sabe dos seus anseios e angústias e, mesmo todos sabendo que não poderá acudir a tudo neste tão frustrante momento em que todos vivemos, elegeu como primeira e principal prioridade a manutenção do emprego e dos rendimentos desse seu Povo.

E sendo aí que centrou o foco das suas decisões e do seu Governo, não sem antes auscultar os seus colegas da EU, nomeadamente Ângela Merkl, tomou as decisões que, quer queiramos quer não, podem assegurar esta dolorosa travessia até à erradicação deste incógnito e terrível inimigo que nos apoquenta e vem dominando, para dela posarmos sair mais frágeis mas vivos para retomarmos o nosso percurso…

E pergunto-me: que receita para este momento teriam os neo-liberais? Deixariam o “ mercado” regular-se a si próprio como rezam as suas doutrinas económicas, qual “laissez faire laissez passer” de antanhos?

Optariam novamente pela “austeridade redentora” com que nos brindaram nos anos do fatídico Passismo, que levou milhões de Portugueses para a pobreza e para o limiar da indignidade, cortando drásticamente rendimentos e direitos deixando o desemprego disparar, a Banca colapsar e os trabalhadores sem quaisquer perspectivas? Era isso?

Era isso que proporiam os agora silenciosos defensores do “ Menos Estado”, mas sempre ciosos desse mesmo Estado quando em dificuldades se sentem e não têm outra saída? Era isso?

Que o anunciado é pouco e não resolve e “ não dá segurança a quem gera riqueza”, dizem muitos deles que, mesmo pensando racionalmente agora o contrário, isso não ousam admitir… Pois absoluta confiança nunca poderá dar se, pela primeira vez na nossa História, nada é certo perante o próximo futuro nem nunca na vida alguém o previu ou estudou! Ninguém o poderá em consciência fazer…E COSTA muito menos o poderia.

Mas todos teremos que fazer a nossa parte, também é do sendo comum. Mas de que servem nestes momentos austeros, ou serviram nos tempos passados em alturas de guerras e catástrofes ( as primeira e segunda guerras mundiais, a grande depressão de 1929 ou mesmo a ainda as recentes crises do Subprime, das Dividas Soberanas e a crise bancária sistémica provocada pela queda do Lemmon Brothers) as suas “Miltonianas” teorias e o seu “Liberalismo”, se quem sempre foi chamado a resolver, vivo ou morto, foi JOHN MAYNARD KEYNES!

Nas horas difíceis se vêm os sólidos líderes e se esfumam os timoratos! E felizmente todos sabem quem felizmente nos lidera e governa, mesmo podendo gostar-se mais ou menos dele, que do feitio mas nunca das capacidades.

E parafraseando o que escreveram de KEYNES : “COSTA has a plan”!

A Igreja católica espanhola

(Carlos Esperança, 12/01/2020)

Pedro Sanchez toma posse

Filha do papa Pio XI, que concedeu à sedição de Franco o carácter de Cruzada, contra a República, é a Igreja que manteve silêncio perante o genocídio que o ditador praticou, depois de ter ganhado a guerra.

A Igreja que goza de pingues contribuições do Estado, isenções de impostos e, até há pouco, do direito à apropriação de bens públicos, é a Igreja que não tolera a democracia, humilha a mulher e esconjura os direitos humanos.

Os clérigos são ainda, na sua maioria, filhos da falange e de pai incógnito, guerrilheiros da extrema-direita e terroristas ideológicos. São talibãs romanos, com colar ao pescoço e batina sebenta, a pedir a Deus que derrube o Governo, mantenha a mulher submissa e consinta aos padres o direito de decidir sobre a sua sexualidade.

A Igreja que João Paulo 2 e Bento 16 abasteceram de cardeais reacionários, bispos ultramontanos e, de defuntos pouco recomendáveis, fizeram um ror de santos, continua a ser o alfobre onde germina a extrema-direita e nascem, como cogumelos, quadros para o VOX, saudosistas de Franco e falangistas fora de prazo.

A tomada de posse do novo primeiro-ministro, Pedro Sánchez, sem bíblia e crucifixo, deixou aquele bando de parasitas de Deus a espumar de raiva, a uivar imprecações, a ruminar vinganças, e a pedir ao seu Deus que amaldiçoe estes governantes, derrube o governo e faça ajoelhar a Espanha aos seus pés.

O cristo-fascismo está vivo na horda de clérigos saudosos da ditadura e da Reforma, a sonharem com a Inquisição e os autos-de-fé, enquanto rezam o breviário e, em êxtase, relembram as bênçãos que, em gozo místico, lançavam aos republicanos, nas praças de touros, antes de serem fuzilados.

É desta fauna clerical que se alimenta a contrarrevolução em Espanha, que só a pertença à União Europeia impede de porem em marcha.

Foi pena que a CEE retirasse dos conselhos matrimoniais a recomendação aos homens para, no dia em que quisessem ter sexo, deixassem dormir a sesta às esposas.

Que choldra ignóbil!


(Sobre o tema, seguir os links abaixo.)

https://www.lavozdegalicia.es/…/00031578578141232785201.htm…

https://www.elindependiente.com/…/la-conferencia-episcopa…/…

https://www.publico.es/…/conferencia-episcopal-curso-premat…

O que move o ministro que tutela os militares?

(Major-General Carlos Branco, in Expresso Diário, 08/04/2019)

General Carlos Branco

Apesar do reduzido tempo no cargo, já é possível discernir o pensamento do atual responsável pela tutela das Forças Armadas sobre o modo como se vai relacionar com os militares.

Foi sintomática a aprovação no Conselho de Ministros – sem a sua oposição conhecida – a nova lei orgânica da Proteção Civil, que equipara o estatuto do seu presidente a subsecretário de Estado. Colocar o responsável da Proteção Civil – por quem nutro a maior estima e consideração pessoal, assim como a todos que integram essa estrutura – acima dos Chefes dos Ramos das Forças Armadas é um péssimo sinal que se dá à sociedade. A localização da cadeira em que se sentam os responsáveis das instituições do Estado reflete a sua importância e prestígio social. A intenção do Governo foi clara e inequívoca, apesar de ter arranjado à última da hora uma solução de recurso, após parecer negativo dos chefes militares, inventando uma equiparação limitada apenas “às iniciativas de proteção civil”, seja o que isso for.

Foi uma decisão infeliz. Não será de surpreender a ausência dos Chefes dos Ramos às agora designadas “iniciativas de proteção civil”. Numa altura em que precisamos de fomentar relações cooperativas e harmoniosas entre instituições, os decisores lançam achas para a fogueira alimentando a discórdia. O decisor político comportou-se como um desestabilizador. Por outras palavras, um troublemaker. A provocação teve como resultado o agendamento de uma reunião dos chefes dos ramos com o Chefe Supremo das Forças Armadas.

Não seria de atribuir grande importância ao facto se fosse um caso isolado. Poderia até ser um descuido. Todos os têm. Mas infelizmente não é. Insere-se num conjunto de sucessivas desconsiderações dos chefes militares e de menorização das Forças Armadas, refletindo uma linha de pensamento preconceituada abraçada por alguns segmentos da elite política e académica nacional, que não nutrem grande consideração pelos militares, apesar das homenagens que lhes têm de prestar, e do frete dos encómios e elogios que lhes têm de fazer.

São demasiados casos insólitos. No final de 2018, a tradicional mensagem de Boas Festas às Forças Armadas começava do seguinte modo: “Caros civis, militares e militarizados da Defesa Nacional”. Sem desprimor para os civis que servem nas Forças Armadas, aos quais muito se deve pela dedicação e profissionalismo, não podemos fingir que não percebemos a sequência escolhida. A ordem dos fatores não é arbitrária. Não foi distração ou ingenuidade, foi uma opção deliberada.

Não há memória do Vice-chefe do Estado-Maior de um Ramo ser empossado pela tutela, e não pelo próprio Chefe do Ramo. É verdade que é a tutela quem nomeia o Vice-chefe dos Ramos. Que isso seja um argumento para o empossar vai uma grande distância. Para além da formalidade, a tomada de posse reveste-se de um simbolismo importante. Quem empossa manifesta confiança em quem está a empossar, e o empossado declara lealdade a quem o empossa. Ao ser um ato presidido pela tutela, a relação de confiança-lealdade fica implicitamente estabelecida entre o Governo e o empossado, e não entre o Chefe do Ramo, sob as ordens de quem vai trabalhar, e o empossado. A isto chama-se governamentalização das Forças Armadas.

A história vai repetir-se com os comandantes operacionais dos Ramos, uma vez que é a tutela quem os nomeia, mais um ato pouco recomendável de governamentalização das Forças Armadas. Convém alguém explicar ao ministro que tutela as Forças Armadas, que controlo democrático das Forças Armadas não significa governamentalização. Não será também de estranhar, que para além do CEME, não tenham comparecido na tomada de posse do Vice-chefe do Exército nenhum chefe militar, em funções ou não.

Recentemente, a tutela encomendou a Ana Jorge, antiga ministra da saúde, um estudo sobre a saúde militar, sem dar conhecimento ao CEMGFA. Este tinha entregue um estudo semelhante à tutela, que não mereceu qualquer despacho. Sublinhe-se que em 2006, tinha sido encomendado a Ana Jorge um estudo semelhante, por sinal recorrendo à mesma equipa, que foi repudiado pelos quatro chefes militares da época.

Em mais um ato de insensatez, a tutela entregou o projeto de decreto-lei sobre progressões remuneratórias às associações profissionais militares antes de dar conhecimento do diploma aos chefes militares. Nada me move contra as associações profissionais, bem pelo contrário. Para além de sócio da AOFA, sou defensor do associativismo militar. Não é uma forma correta de tratar assuntos desta natureza. Será que a tutela quer colocar as chefias contra as associações profissionais? Não é sério pedir comentários sobre um diploma a uma sexta-feira às 19 horas para serem apresentados na segunda-feira seguinte pelas 11:30. São práticas que não abonam a favor desta equipa ministerial.

Um mal nunca vem só. À desconsideração e menorização junta-se o desconhecimento. A referida nova lei orgânica da Proteção Civil transfere os assuntos do Planeamento Civil de Emergência (PCE) do domínio da Defesa para o da Administração Interna. O legislador confunde Planeamento Civil de Emergência com Proteção Civil, dois conceitos distintos, embora com alguma proximidade nalguns aspetos. O PCE trata do apoio civil às operações militares, nomeadamente às operações militares da OTAN, garantindo a prontidão desse apoio por parte das nações Aliadas, e tem como interlocutores principais os ministérios da defesa e dos negócios estrangeiros, independentemente de terem de cooperar com uma ampla gama de atores. Por isso, o ministério da defesa foi sempre o órgão mais adequado para fazer esta coordenação. Não há nenhuma justificação para alterar essa prática.

Começa a ficar insustentável a sucessão de gaffes e casos infelizes, em que a tutela se comporta como o elemento desestabilizador, gerador de entropia. Para além da tentativa de menorização social dos militares, foram dados passos perigosos na governamentalização das Forças Armadas, à sombra de um pretenso controlo democrático. Normalmente a luz que se vê ao fundo do túnel é a de um comboio que vem na nossa direção. Em que direção pretende ir o ministro que tutela os militares?