A reforma das Forças Armadas (FA) e a emersão da múmia Cavaco Silva

(Carlos Esperança, 22/05/2021)

Tenho dúvidas sobre a bondade da reforma que o PS e o PSD acordaram aprovar, dada a tradicional inaptidão do PS para lidar com as FA e a desconfiança que nutro pelo PSD, e, independente da decisão, é de registar o desprezo do PSD pelo seu antigo líder e feliz contemplado com a vivenda Gaivota Azul, na Praia da Coelha.

Cavaco Silva, um salazarista que deve tudo à democracia e tão pouco lhe deu, não é figura simpática. É um ativo tóxico, alguém que se tornou patinho feio, até no PSD, ao serviço do qual se propôs sacrificar a CRP para perpetuar Passos Coelho no poder, ao arrepio da vontade da AR.

Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

Há neste homem azedo, nesta figura que os acasos da sorte içaram aos mais altos cargos do Estado, um ódio visceral a tudo o que se afasta da sua matriz conservadora, e a todos os que se colocam à sua esquerda. Não tem adversários, só vê inimigos. Nunca foi um estadista, foi sempre um chefe de fação, sectário, vingativo e videirinho, no Estado e na vida privada. É o único ex-PR civil que terminou a vida política abandonado, sem cargo internacional, isolado, a escrever Roteiros que ninguém lê e a destilar fel que já nem os apaniguados suportam.

A reforma das Forças Armadas foi o pretexto para uma vingança, contra o PS e o líder do seu partido, não porque discordasse da submissão à Nato, porque quis fingir-se vivo, a combater o PS e a demolir o líder do PSD, onde preferia o venal Passos Coelho, mais próximo da sua estatura ética e intelectual, do que de Rui Rio, sem mácula reputacional.

Querendo atacar António Costa e condicionar Rui Rio, esquecido das últimas vezes em que foi notícia, pela deselegância em não cumprimentar o PR na cerimónia de posse do segundo mandato e na ausência previsível à celebração do 25 de Abril na AR, surgiu no espaço mediático a considerar “chocante” e “um erro grave” o PSD aprovar a reforma das Forças Armadas proposta pelo Governo.

Não contava com o desprezo generalizado do espetro partidário, com exceção do PSD, e este para o zurzir através do seu coordenador para a defesa nacional, Ângelo Correia, um seu antigo ministro com pensamento e negócios próprios.

Ângelo Correia pediu mesmo ao antigo PR e PM, que “não fale” por ser “uma pessoa que desta área não sabe nada”, e aconselhou-o a fazer um pequeno esforço para se ajudar a si próprio, que é estar calado quando não sabe do que está a falar. E insistiu, na TVI, que, “neste caso não tem qualquer sentido tático nem técnico nem político, são palavras de uma pessoa que desta área não sabe nada”.

Haverá quem pense que é um sábio noutras áreas, mas, quando o seu próprio partido o manda calar, é porque pretende pôr uma rolha no frasco de veneno.

Triste fim!


Forças Armadas, para que Estratégia Nacional?

(Luís Alves de Fraga, 20/05/2021)

A organização superior das Forças Armadas tem estado em discussão, agora já, na Assembleia da República por causa da concentração de poderes na mão do Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) em vez de uma muito mais operacional, saudável e fiável distribuição por entre os Chefes dos Estados-Maiores (CEM) dos três ramos, coordenados, em certas circunstâncias, pelo CEMGFA.

O verdadeiro problema não está naquilo que se discute agora. O problema está, como tive oportunidade de referir há mais tempo, no incompreensível medo que a classe política tem das Forças Armadas e da sua tradição “interventora” na área do poder. É um medo irracional ‒ como está provado com quarenta e sete anos de estabilidade democrática e total passividade dos militares -, mas, ele sim, atrasado em relação à modernidade de pensamento das nossas tropas, cada vez mais escassas em número e em eficiência operacional, mas, cada dia, mais conscientes de que o seu papel é o da defesa da Nação à ordem do Governo.

Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

Isto não dá garantias aos governantes. Esse medo vem do tempo da clandestinidade de figuras que “fizeram escola” como “pais da democracia”, e refiro-me, sem papas na língua, a Mário Soares e a um escol de figuras destacadas do PS e algumas, até do PSD e outras do CDS.

Toda a importância e benefícios que os governos têm dado à GNR ‒ força policial e militar às ordens diretas do ministro da Administração Interna, que já não depende, para ser superiormente comandada, dos generais do Exército, porque, finalmente tem os “seus generais” nascidos, criados e escolhidos dentro da “disciplina governamental” a que as Forças Armadas fazem questão de fugir, para não serem uma força dos políticos, mas, pelo contrário, uma força da Nação – demonstram, à exaustão, o que afirmo ou, dito de outra maneira, mostram como se pretendem subalternizar as Forças Armadas.

Pode parecer aos meus leitores, que tudo isto não passa de uma bizantinice, de uma “teoria da conspiração”, de uma “mania da perseguição”, porque não estão dentro destas temáticas, nem sentem na pele os resultados de políticas que, a passo lento, mas seguro, vão empurrando as Forças Armadas para um papel ornamental que sirva para cumprir os compromissos internacionais ao nível de União Europeia e das Nações Unidas, porque, para a NATO a nossa contribuição e importância não está na força militar, mas antes na nossa posição geográfica que é, estrategicamente, fundamental para a defesa dos objetivos primários dessa aliança.

E adivinho nos leitores a pergunta e afirmação inevitáveis para quem não pensa, realmente com fundamento lógico e aberto ou, melhor dito, com pensamento estratégico:

‒ Mas para que é que precisamos de Forças Armadas? Ninguém se vem meter connosco!

É aqui que bate o ponto!

Tomemos atenção a uma ocorrência muito atual e a uma outra mais atual, mas menos badala nos meios de comunicação social: os incidentes em Ceuta e os combates no Médio Oriente entre Israel e o Hamas.

Ao que se noticia o movimento de entrada de imigrantes ilegais em Ceuta deve-se à proteção dada pela Espanha a um “inimigo” do Governo de Marrocos. Muito bem! Nada disto tem a ver connosco!

Ora, julgar assim é errar profundamente!

Tudo isto tem a ver connosco. E tem por uma simples razão: a Espanha é a nossa “vizinha para a vida” na Península e tudo o que se fizer ao nível político por lá, tem reflexos mais ou menos imediatos no nosso país. Reflexos aos quais não podemos fugir. Há um cordão invisível entre a política espanhola e a portuguesa. A cautela na relação com a Espanha tem de levar em conta essa tremenda fragilidade. E a prova de que não leva, anunciou-a ontem o Primeiro-Ministro: a linha férrea de Sines vai ligar-se à fronteira Leste com a Espanha!

E disse mais, com uma total inocência estratégica, uma total prova de falta de estatuto de estadista. Disse que ‒ pasme-se ‒ o porto de Sines vai ser o porto da Península Ibérica!

Isto é pôr nas mãos do governo de Madrid os interesses nacionais de Portugal, é assumirmo-nos como uma região de Espanha.

Era com coisas destas que os assessores do ministro da Defesa se deviam preocupar! Às nossas já grandes fragilidades estratégicas, alegremente, o Governo vai somar uma outra, que nos coloca, mais ainda, na mira dos inimigos de Espanha.

Que inimigos são esses?

Os marroquinos e, por associação, todos os Estados islâmicos. É “só” isto!

Isto que se traduz, de imediato, na questão migratória, que se prende com as nossas Forças Armadas. Vejamos como.

Antes do mais, ao colocar a nossa política externa dependente da política externa de Espanha, temos de ter umas Forças Armadas capazes de responder dissuasoriamente às ameaças que possam cair sobre o nosso vizinho, de modo a, pelo receio bélico, separarem Portugal de Espanha. Depois, há que levar em conta a imigração em Portugal, tal como em toda a Europa.

Ora, os movimentos migratórios só se tornam em problema se não se traçar uma política de integração cultural nas culturas europeias ‒ não se trata de conversões religiosas, mas de aceitação, de parte a parte, das diferenças ‒ que se deve fazer através da escola (e, neste aspeto, ao que parece, até a França tem falhado!) e através de um outro mecanismo do qual tivemos larga e boa experiência nos anos da Guerra Colonial: o serviço militar obrigatório (SMO).

Realmente, dizia-se, e é verdade, o SMO era um processo de todos os jovens, de qualquer cor, religião ou região, durante meses, perceberem que estavam integrados num todo a que se chamava Portugal. Que estavam ao serviço da Nação ‒ coisa bem diferente de estar ao serviço do Governo ‒ o mesmo é dizer, ao serviço de todos nós independentemente de tudo o que nos une ou nos separa no dia-a-dia.

E o conflito no Médio Oriente?

Pois, bem, por lá luta-se entre duas culturas e duas religiões diferentes, gerando extremismos político-culturais. Estes vão procurar assentar arrais nos Estados que pratiquem políticas que se lhes oponham ‒ no caso vertente, onde o Islão é pouco bem visto ou mal recebido – e é aqui que entra a Espanha e, por arrasto, entramos nós.

Não me vou alongar mais. Não é conveniente. Deixo-vos somente esta ideia final:

Da primeira até à última linha, este texto está cheio com a ideia da importância da Estratégia Nacional, que os nossos governantes, infelizmente, desconhecem ou desprezam na luta partidária, na luta para satisfazer interesses nem sempre muito claros e ou confessáveis.

Poderia levar o que acabo de dizer até aos jornais ‒ àqueles que quisessem e fossem capazes de dar publicidade às minhas palavras ‒ mas valerá a pena?


Portugal, um Estado policial desarmado

(Luís Alves Fraga, in Facebook, 04/05/2021)

Há quem defina a ditadura portuguesa (entre 1926 e 1974, ainda que com características marcadamente fascistas só de 1933 em diante) como tendo sido um estado policial. Confesso, não tenho elementos ‒ nem vou agora fazer pesquisa ‒ sobre os efectivos das forças de segurança interna existentes, pelo menos, nos últimos anos desse período negro da nossa História. Contudo, quase posso garantir, eram inferiores aos actuais.

Olhando para trás, no tempo, sei que se dizia que as Forças Armadas eram o pilar de apoio do fascismo nacional. Isso não corresponde à verdade efectiva dos factos!

Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

Realmente, o que acontecia é que se fazia crer que as Forças Armadas estariam prontas a exercer repressão contra qualquer tentativa de derrube da ditadura. Ora, as Forças Armadas vão do general ao soldado e não tivemos, para além da tentativa de derrube da ditadura em Fevereiro de 1927, nenhuma situação capaz de demonstrar a veracidade do que constava. Antes pelo contrário, pois as Forças Armadas, ou parte delas, conspiraram várias vezes para derrubar o regime (recorde-se o golpe da Madeira e Guiné, em 1931, a revolta dos marinheiros, em 1936, o golpe da Sé, em 1959, o assalto ao quartel de infantaria de Beja, 1961, para além de outras conspirações abortadas). As Forças Armadas não eram uma força de segurança da ditadura e provaram-no bem em 1974. Mas as polícias ‒ as diferentes forças policiais, nas quais incluo a GNR ‒ essas sim, garantiam o medo da revolta contra o fascismo. Esse medo ia desde o receio da acção da Guarda Fiscal, da PSP, da PIDE/DGS até à simples Brigada de Trânsito (um coio de corruptos).

Na madrugada de 25 de Abril de 1974, as Forças Armadas, se tinham alguma mácula no seu passado ‒ e não tinham! ‒ redimiram-se para sempre, pois foi pela sua mão que tivemos a liberdade e a democracia. Foi uma revolução sem tiros, nem mortos feitos pelas tropa. Foi uma coisa linda! O mundo inteiro aplaudiu.

Estas Forças Armadas, as de Portugal, deviam ser acarinhadas, pelo exemplo que deram, pois, ao contrário de serem politicamente conservadoras, foram progressistas (em certos momentos, até em excesso, convenhamos).

Estas Forças Armadas deviam ser acarinhadas pela classe política, que ascendeu à possibilidade de governar o país segundo os ideários e programas de cada partido… Mas não foram!

Tudo se conjugou, entre os partidos que governaram Portugal ‒ do PS ao CDS, passando pelo PSD ‒, para quebrar qualquer força que as Forças Armadas tivessem, tal como se fossem inimigas do novo regime, tal como se fossem uma inutilidade pública, tal como se sobre o país não pudessem impender riscos externos, tal como se não tivéssemos interesses nacionais a defender. Foram-se dando golpes sobre golpes nas Forças Armadas, quer reduzindo-lhes os orçamentos, quer acabando com o serviço militar obrigatório, quer deixando que a obsolescência do material as colocasse num patamar quase ridículo no concerto militar das nações do mundo, quer dificultando a aquisição de sistemas de armas modernos, quer diminuindo os vencimentos dos militares até um ponto que os coloca muito distantes do lugar social e económico que deveria ser o seu em função do que fazem e do que estão dispostos a fazer pela Pátria.

A classe política governante despreza e tem medo das Forças Armadas do país. Todavia, não tem medo, nem despreza as forças de segurança!

Sim, sim, foi isso que escrevi. Não tem medo das forças de segurança nem as despreza, pelo contrário, fez de Portugal um Estado policial.

Duvidam? Então acompanhem-me na análise dos números.

Em Dezembro de 2020, Portugal tinha nas Forças Armadas 26.220 militares (em 2011 eram 34.514), ou seja, para estabelecermos uma medida de comparação, 1.093 militares por cada 100 Km de fronteira marítima e terrestre do país (estou a contar Exército, Marinha e Força Aérea).

No mesmo mês do ano passado, só de GNR havia 21.687 militares e de PSP 19.966 agentes, mais 1.604 da Polícia Municipal. Ao todo são 43.257 (quarenta e três mil duzentos e cinquenta e sete)! Quer dizer, há cerca de meio agente da segurança interna por cada cem portugueses ou um agente da autoridade sob o comando do ministro da Administração Interna por cada 200 portugueses!

Se isto não é um Estado policial, não sei que diga sobre o que é ser um Estado policial.

Olhado assim, na crueza dos números, os diversos governos de Portugal mostram que têm medo das Forças Armadas e, mais ainda, da população em geral. E esta afirmação confirma-se, também por números, através do que se paga, em média, aos elementos das forças de segurança interna e aos militares. Vejamos.

Um soldado ou cabo da GNR ganha por mês 1.677 euros, um agente da PSP ganha 1.897 e uma praça das Forças Armadas 1.170 euros (estou a falar de valores médios).

Será preciso mais para se perceber a política dos nossos governantes? Eles preferem “desarmar” Portugal perante a ameaça externa e “armar” a segurança interna. E, como é vulgar dizer-se, das duas uma: ou querem estar seguros com as policias ou todos nós somos uma cambada de marginais, no entender da classe política dominante.

De qualquer forma, isto é uma tristeza e, julgo, o país devia ser informado sobre estes números para se poderem tirar conclusões quanto à política de defesa nacional prosseguida de há muitos anos até hoje.

Eu já fiz a minha parte… Agora, outros que façam a deles.