Aiatolismo

(Carlos Coutinho, 16/12/2021)

Encontrei numa brochura promocional da minha região, numa postura muito encenada e com aquele seu ríspido olhar persa de caçador noturno, um certo aiatola que ainda prega semanalmente nas páginas de um diário dito de referência.

E lembro-me de o ouvir em Vila Real, por volta de 1961/62, na esplanada da Gomes, a explicar como decompor e recompor as estratégias da salvação da Humanidade. Há quem lhe chame António, ainda hoje, e foi com esse nome que o conheci, então. Agora, só o recebo e percebo como tudólogo e aiatola semanal nas páginas do “Público”.

Também já descobri que o fulano vive em Lisboa, acompanhado e intelectualmente alimentado por uma certa Filomena que é Maria e Mónica. Por isso, mais cordata. A única incongruência que me irrita é ele saber escrever e fotografar tão bem como estragar tudo o que o enraivece, desde que Mário Soares o aproveitou, em 1975, para atacar na Assembleia de República e, depois num Ministério da Agricultura e Pescas, tudo o que a NATO lhe pedia que destruísse.

Com este sol de inverno a aquecer-me as veias, apetece-me cantar como certos espanhóis de antigamente:

‘Si me quieres escribir

já sabes mi paradero.

En el frente de Gandesa

primera línea de fuego.’

Ou então:

‘Montez de la mine, descendez des collines, camarades!

Sortez de la paille les fusils, la mitraille, les grenades.

Ohé, les tueurs à la balle et au couteau, tuez vite!

Ohé, saboteur, attention à ton fardeau: dynamite…’

“Não perdes pela demora. Estou-te a topar”, pensa ele.


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.

A esta criatura política repugnante só falta mesmo achar injusta a derrota de nazis e fascistas na II Guerra Mundial

(Alfredo Barroso, in Facebook, 08/05/2021)

A justiça durante a ditadura salazarista era, para António Barreto, tão ‘mais séria’ que este sociólogo da treta, já então ex-PCP de extrema-esquerda, ‘deu às de vila diogo’, ‘bateu com os calcanhares no rabo’, pirou-se daqui para a Suiça, tornou-se “refractário”, nunca fez a tropa, voltou para Portugal, foi ministro da Agricultura pelo PS, ‘baldou-se’ e foi parar à AD (que não fez dele ministro, era o que faltava, “Roma não paga a traidores”).

 ‘Encostou-se’, é o termo, à primeira candidatura a Belém de Mário Soares – conseguindo em troca ser eleito deputado à AR pelo PS, mas apenas para completar os oito anos que lhe davam direito ao ‘subsídio vitalício’ -, e logo rompeu outra vez com o PS, acabando por se encostar a Cavaco Silva quando este se tornou PR e o pôs a presidir ao ’10 de Junho’ mais reaccionário de que há memória desde o ’25 de Abril’ (fez um discurso nojento a elogiar os feitos da tropa que ele nunca fez), foi condecorado com uma Ordem qualquer e lá se ‘rebaldou’, dessa vez rumo ao “Pingo Doce”.

 Foi presidente da fundação do ‘Merceeiro-mor’, e chegou a fazer uma vaidosíssima e bastante ridícula publicidade aos vinhos vendidos por aquela cadeia de supermercados – mas ainda conseguiu ser condecorado com a Ordem da Liberdade por Marcelo PR – e agora entretém-se a viver dos ‘rendimentos’ e a tentar dar cabo do PS, do António Costa, do actual Governo, inclusive do PPD-PSD e, evidentemente, do próprio regime democrático.

Em suma: este António Barreto (oriundo, disse ele um dia, da “pequena fidalguia da província”) continua a portar-se como um velhaco, é politicamente um poltrão e jornalisticamente um dos maiores oportunistas e troca-tintas de que há memória na Imprensa Portuguesa.

A direita ‘aproveita-o’ o melhor possível mas, lá bem no fundo, deve desprezá-lo tanto como o faz a esquerda. É apenas um pobre diabo bem instalado na vida mas julgo que ainda vai acabar a apoiar o ‘CHEGA’, como a sua hagiógrafa vira-casacas Fátima Bonifácio!

Comentário a estas miseráveis declarações de Barreto: Não me lembro dum vira-casacas oriundo da extrema-esquerda ir tão longe nas suas afirmações bombásticas, como o ‘sociólogo da treta’ António Barreto, na sua ânsia de se fazer notado (ele está obviamente, em perda muito acelerada) e de agradar à direita e à extrema-direita, as quais, pelos vistos, conhecendo já bastante bem as cambalhotas e peripécias do ‘bicho’, não confiam minimamente nele para o convidarem a ocupar qualquer posição de responsabilidade que as represente. Como dizia o Cavaco: “Livra!”…


Gosta da Estátua de Sal? Click aqui.