Venezuela: ajuda humanitária, o tanas!

(Por Daniel Oliveira, in Expresso Diário, 26/02/2019)

Daniel Oliveira

A catástrofe social e humanitária na Venezuela tem dois responsáveis políticos. O primeiro é Nicolás Maduro, que se agarra ao poder como uma lapa apesar da sua incomensurável incompetência e evidente impopularidade. O segundo é Donald Trump, que organiza o cerco à Venezuela, fazendo os cidadãos pagar o preço deste braço de ferro. Os dois, Maduro e Trump, devem ser condenados por este jogo macabro.

A resposta à crise política na Venezuela são eleições presidenciais antecipadas, que nem Maduro nem o autoproclamado Presidente querem marcar, apesar de ser o dever político do primeiro e do segundo se ter comprometido a isso perante a comunidade internacional. Só não reconheço qualquer legitimidade à administração Trump para qualquer intervenção em qualquer país da América Latina, usando o esfarrapado argumento da defesa da democracia. Falta aos Estados Unidos, que sempre se com comportaram como uma potência colonial na região, o currículo mínimo para se autoproclamarem polícias do continente. E muito menos Donald Trump, admirador dos mais abjetos ditadores do mundo. Quanto à Europa, não lhe reservo mais do que umas linhas para o seu miserável seguidismo, apenas para anotar que a UE já se esforçou mais pela democracia na Venezuela do que pela democracia na Hungria, que é seu Estado-membro.

Não há nada de novo na utilização da “ajuda humanitária” como arma política. Não sei se alguma vez tinha atingido o espalhafato hollywoodesco de vir acompanhada com espetáculos musicais na fronteira, abrilhantados pela presença do intrépido combatente pelos direitos humanos, Mike Pence. Mas esta forma de “ajuda humanitária” só engana quem quer ser enganado. Nicolás Maduro não tem razão em coisa alguma, a começar pelo facto de não ter reconhecido um Parlamento eleito e a acabar pela recusa em marcar eleições presidenciais que façam o país sair do impasse. Mas tem toda a razão numa coisa: o envio de ajuda humanitária para a Venezuela é de um cinismo pornográfico.

A Venezuela tem a maior reserva petrolífera do mundo e é um dos maiores produtores de crude. O levantamento do bloqueio à compra das suas matérias-primas e à venda de material de refinaria, assim como o descongelamento de contas do país, chegaria para resolver o problema humanitário da Venezuela num ápice, permitindo que o país se sustentasse a si mesmo.

Cercar economicamente um país para o obrigar a receber em esmola política o que pode pagar com o que é seu é o oposto de uma ajuda humanitária. A ajuda oferecida pelos EUA e pela Europa é tão humanitária como a da Rússia. É um jogo político que usa a fome dos venezuelanos.

A retórica cínica da ajuda humanitária pode, no entanto, ter outro propósito: tornar aceitável mais uma intervenção militar que ofereça aos EUA o controlo de reservas petrolíferas e restabeleça o seu total poder no quintal da América Latina. A conversa humanitária já foi usada para invadir outro importante produtor petrolífero, o Iraque. Também então os promotores daquela aventura (alguns são repetentes, como o sinistro John Bolton) prometiam a democracia em troca da rendição. Estamos ainda hoje a pagar, com uma tragédia no Iraque e na Síria, a crise dos refugiados e o terrorismo no mundo, o preço da irresponsabilidade. Também então os que não estiveram do lado de Bush foram acusados de cumplicidade com um ditador. Estavam apenas do lado da razão, da cautela e da decência. É desse lado que devem continuar.

Os que agora usam o povo da Venezuela para o seu cinismo “humanitário” são mais ou menos os mesmos que prometiam espalhar a democracia pelo Iraque e seus vizinhos.

Sem ser preciso qualquer tipo de solidariedade, apoio ou compreensão para com Maduro, devem merecer a mesma oposição que tiveram em 2003. Se o Iraque serviu para alguma coisa foi para não voltarmos a ser enganados pela máquina de propaganda de Washington. O que os movia então é o que os move agora.

7 pensamentos sobre “Venezuela: ajuda humanitária, o tanas!

  1. Concordo com quase tudo…mas falta-me a vidência para reconhecer a indiscutível incompetência política de Maduro, e muito menos a sua ilegitimidade, que talvez exista à luz da nossa constituição, mas não à da venezuelana…quanto à impopularidade, está evidenciada nos discursos dos nossos media e na berraria da rapaziada madeirense e dos facínoras refugiados na Colômbia…

  2. Off.

    Nota. Ó Manuel G., sabias que o Daniel hoje anda a bailar mas por bons motivos (outra vez, às vezes acontece). Ou se calhar, schiuu!, qu’é melhor não se falar nisto?

    Desde o início, chocou-me que neste Governo se tivesse marido e mulher como ministros e uma secretária de Estado filha de um outro ministro. Com a promoção de Mariana Vieira da Silva a ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, a polémica estalou. Qual é o problema? Esta foi a pergunta que tantos fizeram perante as críticas. A resposta é simples: nomear governantes unidos por laços familiares facilita acusações de nepotismo, gera compadrio, cria um manancial de conflitos de interesses e facilita a corrupção.

    […]

    Aqui, online: https://www.publico.pt/2019/02/27/politica/opiniao/lacos-familia-risco-corrupcao-conflitos-interesse-1863429#gs.HYnOUGt3

    [See you!]

      • Não é o país que está sonâmbulo, é o J M Tavares que padece de doença incurável
        26 Fevereiro 2019 às 12:41 por Penélope

        Nota. Talvez não, mas a miséria intelectual que existia na blogosfera onde se trafica vinho a martelo a esconso da ASAE era aquilo e eu até perguntei a um famoso guru (ou seria uma famosa, bem!, não interessa) se, cito, a sua amiga não percebe o que o JMT escreveu, que até elogia a sua ingenuidade (?) ou sofre de um problema de alfabetismo? E ainda dei uma dica, eu que como sabes sou um menino bem prendado. Hoje guardei o artigo do Conraria para memória passada, e futura (ai este estilo!)…

        […]

        «O conceito de conflito de interesses não depende da inteligência, da competência ou da seriedade dos envolvidos — ele precede tudo isso.», é esta a frase-chave do artigo [i do JMT, entende-se].

  3. Não gosto muito dos artigos do Daniel Oliveira porque são cansativos e este ainda mais e não chego a perceber o que ele quer e por isso o abandonei a meio e o retomar no fim mas talvez defenda o emprego o que é justo diga-se em abono da verdade.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.