POSSO FALAR?

Virgínia da Silva Veiga, 20/11/2018)

sporting

(Já nem sei o que diga sobre a nossa Justiça. E nem sei o que mais me atordoou. Se mais uma violenta quebra do segredo de Justiça, se o modo grosseiro, autoritário e prepotente usado pela procuradora durante o interrogatório ao arguido. 

A vergonha continua, o Estado de Direito está cada vez mais enlameado com tais servidores.

Comentário da Estátua, 21/11/2018)


Penso que a procuradora que conduziu este … como lhe chamar? este episódio se chama Cândida Vilar.

No clip sonoro (AQUI), a que mais uma vez um órgão de comunicação teve acesso, não se compreende como, consegue ouvir-se o que, em boa justiça, deveria levar à anulação de todo o processo, se assim pudesse ser e, não podendo, ao arquivamento dos autos. Vilar, em lugar de fazer perguntas dá respostas, mostra-se, não em busca da verdade, mas a tentar impor a sua, a todo o custo. 

Para ela, interessa, não que o arguido fale e fale verdade, mas, que ela própria fale e vocifere a sua pessoal fixação num pré-julgamento quando, pelas funções que exerce, não tem sequer direito a julgamento nenhum.

Além de trocar palavras, num atropelo linguístico sobre si própria que, só por si, atemorizaria qualquer arguido, tal o parco nível intelectual, a procuradora do Ministério Publico de Lisboa, nunca quis ouvir o que podia ser uma revelação importantíssima: a antecipação do treino fora decisão de Jorge Jesus e o mesmo sabia que a claque iria estar presente. É o que sobressai nos monossílabos que admite ao arguido.

Vilar não quis ouvir. Embirrou e, do princípio ao fim, conduziu aquilo que devia ser uma investigação, no sentido do que dava jeito à sua própria pessoa, como se as funções que ocupa fossem a própria verdade sem necessidade de ouvir mais ninguém, que não quem interroga.

Não admira que tenha mandado prender Bruno. não admira que o tenha mandado fazer a um Domingo. Não admira nada porque isto não é Justiça. Era nada se não fosse um escândalo e uma vergonha nacionais.

Isto não é um interrogatório a menos que o ministério público ache que eram interrogatórios os que os agentes da PIDE faziam e só nas salas de tortura.

E volta que isto vem a lume num órgão de comunicação a quem Marques Vidal nunca levantou qualquer processo.

Avisei sempre que o caso Sporting e Bruno de Carvalho não devia ser visto nem num, nem noutro desses dois ângulos opostos. Era mais um caso de Justiça em Portugal. Nunca imaginei que o fosse a este ponto.

Pessoalmente, sempre achei que na possível versão deste arguido estava a verdade sobre o caso. Não foi investigada.

Anúncios

7 pensamentos sobre “POSSO FALAR?

  1. (Já nem sei o que diga sobre a nossa Justiça. E nem sei o que mais me atordoou. Se mais uma violenta quebra do segredo de Justiça, se o modo grosseiro, autoritário e prepotente usado pela procuradora durante o interrogatório ao arguido.

    A vergonha continua, o Estado de Direito está cada vez mais enlameado com tais servidores.

    Comentário da Estátua, 21/11/2018)

    Tags: Justiça, Justicialismo à moda d’A Estátua de Sal e do Manuel G. que continuam a afogar-se alegremente na lama da CMTV, quem?, que não percebem nada do assunto sobre o que fazem, ou deixam de fazer, os grandes bandidos do MP mas que, numa singela homenagem ao Carlos Zorrinho, refere-se hoje a «uma violenta quebra» [que caraças!], Politica Nacional, segredo de justiça.

    Entretanto, num post avisadamente intitulado NÃO SEI, que terá sido premonitoriamente dedicado ao Manuel G.?, oferece-vos a delicadeza de uma frase que não mereceu a atenção de vosotros, eventualmente porque estavam a curtir as cenas da CMTV, desatentos, a darem na veia ou naquela fase difícil de ressaca.

    «Leio os mais variados disparates. Vindos de quem está de fora e de quem está por dentro, aqui, como em tudo, ressuscitando Sócrates como se o barómetro de uma sociedade seja o passado e não o futuro», ora, como bem diz a sôtora Virgínia No País das Maravilhas, e, talvez, a delicadeza da sua voz chegue ali à Rua do Duque, 13, onde gere o seu negócio a personagem Valupiana com os seus macaquinhos amestrados, ia a dizer!, perdão, com os dependentes alcoólicos que encontraram abrigo ali na sua locanda.

    Tags: Greves, juízes, Justiça, Politica Nacional, a PN n’A Estátua de Sal é sinónimo de CMTV, aparentemente, e deve ser bué d’importante porque se repete. A conferir, pois.

    Sejam bem-vindos ao presente, pois, t-o-d-@-s!!

    https://estatuadesal.com/2018/11/20/nao-sei/

    A agora vamos à vida, tchau.

    Gostar

    • Adenda, palavras necessárias (como diriam os manifestos zangados da malta do PCP, que é tempo d’encher o peito!).

      […]

      «Entretanto, num post avisadamente intitulado NÃO SEI, que terá sido premonitoriamente dedicado ao Manuel G.?», olha lá que isto primeiro namorisca e, depois, dá em coisa séria e casamento com direito a foguetório a partir disto dali: «Já nem sei o que diga sobre a nossa Justiça.», sim?.

      Nota. Nada de insónias nem pesadelos durante a noite, Manuel G.

      Gostar

    • Sempre pensei que fosses mais perspicaz, RFC. Mas, para ver se lá chegas, com mais tempo e labor, não te explico, para já, qual o nexo de causalidade entre a temática do texto e a “política nacional”. A descoberta de tal nexo fica para teu TPC (trabalho de casa). 🙂

      Liked by 2 people

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.