NATURALMENTE RIDÍCULOS E PERIGOSOS

(In Blog O Jumento, 18/10/2018)

alexandre2

(A Justiça tem tido um protagonismo mediático, nem sempre por boas razões. Mas ontem (ver entrevista aqui), Carlos Alexandre elevou esse protagonismo até ao limite do execrável.

Quem invoca teorias da conspiração como sendo a causa do processo da Operação Marquês não lhe ter cabido em sorte, só pode ser um conspirador. Quem põe em causa a probidade do  colega de ofício a quem coube o processo só pode ser um maníaco ressabiado.  

Quando a Justiça é colocada em causa por alguém a quem compete isentamente aplicá-la, só nos resta perguntar o que faz correr Carlos Alexandre e quais as forças que na sombra o apoiam e empurram para a ribalta da insídia.

Comentário da Estátua, 18/10/2018)


Confesso que não sou um grande admirador do Dr. Carlos Alexandre; não sei bem porquê a personagem irrita-me, nada dele me parece brilhante, as suas declarações encenadas não têm grande conteúdo que ultrapasse as fronteiras do seu ego. Mas envergonha-me uma Justiça onde vejo um juiz a fazer queixinhas aos jornalistas, deixando transparecer que queria um determinado processo para ele, como se só ele estivesse à sua altura.

Parece que, de um momento para o outro, todos são defensores do juiz natural e receio que alguém se lembre de pedir que, no caso Sócrates, se volte a iniciar o processo, convidando a FIFA a realizar o sorteio com bolinhas, cabendo ao Messi tapar os olhos e recolher a bolinha. Mas, se o sorteio não resultar na escolha do Carlos Alexandre, teremos de verificar se haviam dois nomes, se as bolinhas eram rigorosamente iguais, se o vidro da tombola não tinha alguma rugosidade e se o Messi não foi trocado por algum sósia ilusionista, o que implica conferir o DNA ou mesmo os sinais na pilinha.

Tudo isto é ridículo porque, enquanto o Dr. Carlos Alexandre ia construindo a sua imagem de justiceiro da Nação – num Ticão em que era o único juiz -, ninguém se lembrou de sorteios ou do juiz natural. Por outras palavras, enquanto o juiz era naturalmente o Dr. Carlos Alexandre ninguém se preocupou com os sorteios ou com o número de processos que o juiz natural tinha. Apesar das razões de queixa de Sócrates ninguém, e muito menos a associação dos juízes, veio em defesa de Sócrates; com tal arguido os bons princípios podiam ir para as urtigas dos campos de Mação.

Mas quando o mesmo arguido teve direito ao sorteio para a escolha do juiz natural já surgiram dúvidas, o mesmo juiz natural de todos os processos foi o primeiro a vir com dúvidas logo aproveitadas pelos Diabos e diabretes da praça.

Esta justiça que se expõe na praça, discutindo de forma miserável os seus próprios truques, os mesmos truques que aliviam culpados e podem ajudar a tramar inocentes, é um motivo de vergonha para a democracia. Toda esta gente é naturalmente ridícula, mas também é naturalmente perigosa para a democracia e as suas instituições, a começar pela Justiça.


Fonte aqui

Anúncios

10 pensamentos sobre “NATURALMENTE RIDÍCULOS E PERIGOSOS

  1. O dr. Alexandre, o pequeno, é, hoje em dia, uma criatura que se imagina uma personagem que já não cabe na sua pessoa. É uma caricatura ridícula e desfigurada de si mesmo mas que se pensa e vê como sendo o novo Hércules realizador dos grandes trabalhos.
    Já atingiu tão altiva e auto-suficiente soberba pedante que desta vez corneou o amigo e parceiro “cm” das fake news e veio directamente ao microfone informar os portugueses que lhe roubaram a “caça”, à qual ele, o infatigável e destemido caçador perseguira anos a fio.
    Se repararmos bem na sua pose, estar e falar tudo nele é encenação e representação e depois o que resta é a sensação de um pequeno verdadeiro saloio de Mação obcecado em vingar-se do mundo por ter nascido sem qualidades.
    O pequeno dr. Carlos Alexandre, dado o seu poder inescrutinável, pode vingar-se e fazer maldades e até destruir pessoas valorosas, contudo, nunca passará dum pobre diabo a quem o acaso fez juiz.

    Liked by 1 person

    • i·nes·cru·tá·vel
      adjectivo de dois géneros
      1. Que não pode ser indagado.
      2. Impenetrável.
      3. Incompreensível.

      … «inescrutinável» [?!], «pessoas valorosas» [epá, nem mais!] e Liked by 1 person!

      LOL

      Cartilha Maternal, a edição original é de 1876.

      Gostar

  2. Na primeira vez que se dá seguimento aos principios da legalidade, neste processo marquês por demais viciado, e contruido com graves atropelos aos direitos dos acusados, eis que o juiz justiceiro, vaidoso e anti democratico, deixou cair a sua máscara e vem para a praça pública, como se de um amanuense se tratasse, a acusar tudo e todos por despeito e inveja. Dos pequeninos, que por algum tempo se julgaram grandes, não reza nem nunca se rezará a história.

    Liked by 1 person

    • Tem de fazer o “sorteio manual” com duas bolinhas para se saber se serve interesses corporativos ou se desmascara a mentira corrompida e as “mordomias perdidas” de uma classe profissional vingativa e altamente priviligiada.

      Gostar

  3. Será desta vez que o Conselho Superior da Magistratura porá este JUIZ, auto intitulado SALOIO DE MAÇÃO, na devida ordem? Qual a credibilidade que este justiceiro dá à justiça ? Este homem é um doente mental ? Já investigaram a quem é que ele foi pedir dinheiro emprestado ?

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.