O gajo de Alfama

(Daniel Oliveira, in Expresso, 13/10/2018)

Daniel

Daniel Oliveira

Ainda as redes sociais davam os primeiros passos e já os “Gato Fedorento” adivinhavam um tempo em que uma falsa ideia de democracia equipararia, no espaço público, conhecimento a ignorância. Num estúdio, para debater o terrorismo, estão um militar, um comentador político e o gajo de Alfama. Enquanto os dois primeiros repetem discursos enfadonhos e incompreensíveis para a maioria da população, o gajo de Alfama elabora teorias delirantes e propostas radicais, em que se associam afirmações bombásticas com um absoluto desconhecimento dos temas. Ali, a opinião informada e desinformada vale o mesmo, mas a desinformada é muito mais cativante. Na altura, todos percebemos de que estavam os “Gato” a falar, porque esta porta não foi aberta pelas redes sociais. Foi aberta pelas televisões, quando a informação se misturou com o espetáculo. A associação da democracia a uma espécie de antielitismo intelectual não se fez por nenhum ímpeto igualitário. Fez-se por via do mercado: a ignorância vende bem. E acabou numa espécie de ética da indiferenciação: em que cientistas são obrigados a debater a ciência em pé de igualdade com autodidatas, em que o comentário informado vale o mesmo do que o desabafo. Esta indiferenciação não resulta de um novo protagonismo para a experiência de vida do cidadão comum. É uma elite que “desce ao povo”.

O novo espaço de opinião de Manuela Moura Guedes, no telejornal da SIC, é o melhor exemplo do que estou a falar. Suficientemente chocante para dar que falar — como dizer que dantes as mulheres iam a reuniões de tupperwares e agora agarram cartazes e julgam-se ativistas —, mas tão simples e confrangedoramente banal que nem parece radical. Apesar do evidente viés político, Moura Guedes pretende comentar do mesmo ponto de vista da pessoa comum: sem nenhuma informação além do que está nas gordas dos jornais. O valor da sua opinião não é o conhecimento que a eleva, é a ignorância que a aproxima. O nome “A Procuradora” tem um duplo sentido: alguém que procura a base das suas opiniões na internet, como qualquer cidadão pode fazer, e alguém que, em vésperas do julgamento de Sócrates, substituiu a outra procuradora, transportando a justiça para a TV. Podia ser um resumo do que é o populismo.

Há um elemento comum na agenda de todos os populistas de direita: mais Estado para reprimir os pobres e as minorias, menos Estado para taxar os ricos. E este “fascismo liberal” convém às elites financeiras que reagiram muito bem às vitórias de Trump e Bolsonaro — que escolheu para as Finanças o ultraliberal Paulo Guedes. Antes um fascista do lado certo da barricada económica do que um democrata com delírios redistributivos.

É por isso que não me espanta ver quem por cá dá a mão a esta gente. Foi Passos Coelho e o PSD, não foi Pinto Coelho e o PNR, que credibilizaram André Ventura, já na pole position dos Bolsonaros portugueses. E quem abre as portas ao populismo político-mediático é a comunicação social mainstream. Ao contrário do que se pensa, não é a esquerda que será dizimada por esta perigosa vertigem. Como se viu no Brasil, o PT voltou aos resultados que tinha antes de chegar ao poder e foi à segunda volta. É a direita democrática. Foi ela que desapareceu no Brasil e que perdeu o Partido Republicano nos EUA. E é ela que será massacrada por esta estratégia, resulte ela de uma agenda política ou da busca desesperada de audiências.

Anúncios

7 pensamentos sobre “O gajo de Alfama

    • Iris, porra!, precisas de ajuda? Isso do mail foi um lapso, certo?
      Ou és uma presa política na China? É que, sei lá eu se estás sujeita a trabalho forçado?

      Manuel G., isto preocupa-te? O que achas?

      Gostar

  1. Inteiramente de acordo. Até em muitos países da Europa, os partidos que começaram por aparentar serem democratas estão a tornar-se fascistas. Basta ver a Roménia, Bulgária, Polónia, Hungria e, em breve, até a Alemanha, mas comum partido novo o AfD que está a cilindrar a direita CDU/CSU nas sondagens e já tem mais de uma centena de deputados.

    Gostar

  2. Off.

    Ó Manuel G, então, depois do Daniel Oliveira agora c-e-n-s-u-r-a-s-t-e o Miguel Sousa Tavares no Expresso? Outra vez, Inês?

    […]

    3.
    Vamos lá a ver se bem percebi: 1 — Com maior facilidade que um assalto a uma mercearia de bairro, assalta-se e limpa-se todo
    um paiol de armas do Exército;
    2 — Um ano decorrido, o Exército ainda não conseguiu explicar como é que tal sucedeu,
    nenhumas responsabilidades
    foram apuradas e os responsáveis directos pela guarda
    das armas e do quartel foram
    promovidos, certamente por
    feitos militares relevantes; 3
    — A PJM, que juntamente com
    a PJ civil investigava o caso,
    participa, juntamente com a
    GNR — ambas sob a alçada do
    Exército — numa encenação
    destinada a ocultar a devolução das armas pelo ladrão
    actuando em nome de um invocado “interesse nacional” e
    ocultando os factos da polícia
    civil, acabando desmascarada por esta; 4 — Um major do
    Exército, que tomou parte confessa nesta inacreditável trama, entregou um relato escrito
    da mesma ao chefe de gabinete
    do ministro da Defesa, também
    ele oficial superior do Exército;
    5 — Este, sem dizer se deu conhecimento ao ministro, conforme obviamente lhe competia, só na iminência de ser
    desmascarado, confessou ter
    recebido o dito relato; 6 — Entretanto, fora já transferido de
    funções, também promovido e
    ainda condecorado — mantendo-se nas novas funções, como
    se nada fosse com ele; 7 — Sua
    Excelência, o chefe de Estado-
    -Maior do Exército, responsá-
    vel hierárquico por toda esta
    gente, não diz moita-carrasco,
    excepto ir ao Parlamento e declarar, enfadado, que não sabe
    o que está ali a fazer; 8 — Sua
    Excelência, o ministro, nem
    sequer acha curial esclarecer
    a nação se foi ou não traído
    pelo seu ex-chefe de gabinete
    e, em caso afirmativo, se acha
    aceitável que nada lhe suceda;
    9 — E o senhor primeiro ministro acha lamentável toda esta
    controvérsia pois que com ela
    se está a “partidarizar as For-
    ças Armadas”. Olhe, senhor
    primeiro ministro: o meu único partido é o dos que não entendem que não haja ninguém
    com um átomo de vergonha no
    meio de toda esta história.

    Miguel Sousa Tavares

    Expresso, 13.10.2018, p. 9.

    Gostar

Obrigado pelo seu comentário. É sempre bem vindo.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.